hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Posts Tagged ‘Bolsonaro’

A reforma dos pesadelos; tira dos pobres e dá aos ricos

A0 PÉ DA GOIABEIRA lopes

Por estes dias, se não houver um golpe militar e fechamento do Congresso, os parlamentares vão votar a Reforma da Previdência. Os argumentos para “convencer” a população, puxados pelo governo e apoiados pela grande mídia comprometida com o “mercado”, misturam paraíso e inferno: com a aprovação, promete-se um Brasil melhor para todos (promessa vã, desde o golpe contra Dilma), com pleno emprego, grandes investimentos etc.: em caso contrário, acena-se com um cenário da falência total, a terra arrasada, a miséria absoluta. Segundo o banqueiro Paulo Guedes – o que tudo sabe, “o Posto Ipiranga do governo”, nas palavras do capitão Bolsonaro – se a reforma não promover o corte de R$ 1 trilhão nas despesas é porque “esse pessoal [o Congresso] não ajudam (sic) nem os próprios filhos”, e ele, Paulo Guedes, “herói incompreendido”, renunciaria ao cargo, uma perda irreparável para a Nação.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           Grande parte desse R$ 1 trilhão sairia dos direitos do grupo de baixíssima renda, formado por idosos e pessoas com deficiência. No meio disso, como para botar a discussão ainda mais impenetrável para o cidadão comum, surgem expressões obscuras como “focalização do abono salarial”e “assistência fásica”. Vê-se que dessa linguagem codificada nada há de sair que preste, a não ser para os de sempre, que o governo defende. Vejamos:

“Focalização do abono salarial”, segundo a proposta Guedes-Bolsonaro, significa, simplesmente, a extinção do 13º salário pago ao grupo mais carente da sociedade, que é o de beneficiários de assistência social, idosos e deficientes, bem como a restrição do abono anual do PIS, hoje pago a quem receba até dois salários mínimos. Pela pcote e bondades oficial, o abono do PIS seria pago apenas aos que recebem até um salário mínimo.

Já com a tal “assistência fásica”, o governo pretende cortar direitos do idoso muito pobre, com idade entre 60 e 70 anos, pagando-lhe um valor menor do que o do salário mínimo. Ou seja, o idoso começará ganhando a metade do salário mínimo aos 60 anos e esse  valor será aumentado ano a ano até o total aos 70 anos. Durante o período transitório, até que a lei complementar crie o “novo sistema”, a PEC estabelece a primeira fase em R$ 400,00 aos 60 anos de idade.

charge1

O 13º salário, é bom lembrar, nasceu como “abono de Natal”, pago por alguns empregadores a seus empregados ao final do ano, para que pudessem ter um Natal “mais tranquilo”, com a possibilidade de uma ceia festiva e presentes para a família. A prática foi reivindicada como “geral” pelo movimento operário, que a conquistou (na forma da lei 4.090/1962). Hoje, o 13º salário faz parte da vida dos assalariados e dos aposentados/pensionistas, sendo importante fator de incremento das vendas do mercado lojista. Aos idosos e deficientes pobres, a proposta do governo soa como uma espécie de penitência pelo fato de não poderem trabalhar, pois serão excluídos desse momento da vida brasileira. Lembrar que o dedicado banqueiro Paulo Guedes (chamado “O Tigrão do excluídos”) anunciou que, se as coisas não acontecerem desta forma, ele renuncia. Por mim, já vai tarde!

Palavra dos juristas: A proposta de benefício abaixo do salário-mínimo é flagrantemente ilegal, ainda que venha embrulhada numa emenda à Constituição. Isso porque tal emenda viola a cláusula pétrea que garante o “direito e garantia individual” que não pode ser abolido por nenhuma manobra: o salário-mínimo como “mínimo existencial”, capaz de garantir a dignidade da pessoa humana. Estabelecer um valor que substitua a renda do trabalhador inferior ao salário-mínimo significa estabelecer que a própria Constituição admita em lei a existência nacional da “dignidade da pessoa humana pela metade”, dizem esses estudiosos. É uma contradição da Proposta que nenhum parlamento minimamente decente aprovaria.

charge2

A Proposta oficial, todos sabem, entrega a Previdência, em médio prazo, à rede bancária. De imediato, rebaixa à miséria absoluta as pessoas mais frágeis – especialmente idosos muito pobres e deficientes – que hoje dependem desses direitos sociais para enfrentar a vida com o mínimo de dignidade.

Nosso atual estilo de Previdência é solidário, com o trabalhador ativo “financiando” o benefício do inativo, o chamado modelo Robin Hood, ou de Repartição. A dupla Bolsonaro/Paulo Guedes pretende mudar “isso daí”, para um tipo em que, no longo praz o contribuinte financia sua própria aposentadoria, não a de terceiros, o dito sistema de Capitalização (e aqui entra a rede bancária), como se pobre pudesse se capitalizar! E, para chegar a esse mar de rosas (para os banqueiros!), o governo não terá escrúpulos de promover uma leitura invertida da divisa robinhoodiana: tirar dos pobres para dar aos ricos.

Para encerrar, uma notinha não de todo impertinente: deu na Folha de São Paulo, famoso jornal comunista, que a indústria de armas não letais aposta que o capitão Bolsonaro vai reprimir o povo durante a reforma da previdência e, por isso, projeta crescimento em seus negócios este ano.

De acordo com o jornal, a Condor, que domina esse mercado, está feliz, ante a possibilidade de vender mais granadas de efeito moral, gás lacrimogêneo, spray de pimenta e balas de borracha. É isso daí.

 

(Líliam Porcão, a Independente)

—————————

(As diatribes do Barão e sua equipe são publicadas às terças e sextas, quer chova, quer faça sol)

É bom já ir se acostumando: Breve notícia sobre o golpe no Brasil (1/2)

A0 PÉ DA GOIABEIRA lopes

Em não sendo este Barão qualificado para a prática de profundos exercícios de sociologia e história, nada o impede, porém, de externar suas impressões da viuda nacional, anotadas ao longo do tempo. E tal reflexão leva ao óbvio: o Brasil é um país de extraordinária vocação para o golpe (tomado aqui o termo “golpe” como atitude de força, ilegal, à margem da Constituição). Dito assim, é possível catalogar, da Independência (1822) até hoje, nada menos do que dez atentados contra a legalidade democrática, contados apenas os efetivados, não as tentativa frustradas – e enquanto não se configura o próximo, que já mostra seus inquietantes sintomas.

golpe.1O quadro que está ainda na retina desta geração é o produzido em 1964, uma farsa chamada “Revolução Democrática”, que custou ao País 21 anos de trevas, de corrupção, tortura, perseguição e assassinato de opositores. O roteiro foi, mais ou menos, este: os militares derrubaram o presidente constitucional, João Goulart, o Congresso empossou Castelo Branco (1964-1967); Castelo Branco empossou Costa e Silva (1967-1969); Costa e Silva deu posse a Garrastazu Médici (1969-1974); Médici deu posse a Ernesto Geisel (1974-1979); Geisel deu posse a João Figueiredo (1979-1985), todos sem voto popular, que tinham tomado o poder pela baioneta.

Em seguida a Figueiredo, José Sarney, que também não foi eleito presidente, recebe o governo. Na visão de alguns constitucionalistas, com a morte de Tancredo Neves, presidente eleito, masm não empossado, o caminho legal era realizar outra eleição. O “sistema” escolheu empossar Sarney, sem mais discussãoconversa. Desse ângulo, nossa lista de dez golpes passaria a onze; não esquecer que, com a morte de Costa e Silva, deveríamos ter, por qualquer grau de razoabilidade, a posse de José Maria Alkmin, o v vice civil na chapa verde-oliva. Os militares decidiram empossar Costa e Silva, que, até então, nada tinha a ver com o processo sucessório – e vamos chegamos, rapidamente, apara uma dúzia de golpes.

Deixando esses dois casos, dos quais não encontro muitas referências na mídia, vamos relembrar aos dez mais citados, pela ordem de ocorrência:

1823 – Um ano após a Independência, D. Pedro I inaugura nossa série de atentados à lei: ordena o cerco policial da Assembleia Constituinte e, dissolve o parlamento. Os opositores foram presos e, em seguida, exilados. O episódio passou à posteridade como “Noite da agonia”

1840 – O segundo golpe, de novo, envolve o Imperador. Com a abdicação de D. Pedro I, seu filho “Segundinho”, uma criança de seis anos, herda o trono do Brasil. Puxa daqui, estica de lá, nove  anos depois, ele é coroado, ilegalmente, por ser menor de idade. A Constituição, como hoje, fixava a maioridade em 18 nos, e o herdeiro tinha só 15. “E daí?” – disseram, como sempre dizem, os golpistas.

1889 – “Proclamação da República”, é o nome pomposo que a história dá ao golpe militar que pôs abaixo a  Monarquia. O principal articulador do golpe foi o tenente-coronel Benjamim Constant. O marechal Deodoro da Fonseca assume o poder executivo da Primeira República

1891 – Com a nova Constituição, Deodoro, “herói” da República, é eleito presidente, pelo Congresso, tendo como vice outro marechal, Floriano Peixoto. Mas o respeito com a lei durou muito pouco: em seu primeiro ato como presidente eleito, Deodoro assinou um decreto, dissolvendou o Congresso, por decreto. Em seguida, com outro decreto, estabeleceu o estado de sítio, adquirindo o direito de jogar a polícia em cima de quem a ele se opusesse.

1891 – Com menos de um mês dos decretos, a Marinha dá um ultimato ao presidente: ou renuncia ou o palácio do go verno será bombardeado, com presidente, cidade do Rio de Janeiro e tudo. Deodoro entrega o cargo, pega o quepe e svai de cena embora. O evento é conhecido como  “Primeira Revolta da Armada”.

1891 – Floriano Peixoto assume, com a Constituição mandando convocar nova eleição presidencial. O marechal alega que tal exigência constitucional  só valeria se Deodoro tivesse sido eleito diretamente, não pelo Congresso. Envolvido neste argumento, o Marechal de Ferro aboleta-se na Presidência. Floriano ainda teve contra si a “Segunda Revolta da Armada”, quando usou mão pesada, justificando o título de Marechal de Ferro.

1930 – As eleições daquele ano foram, como de hábito, fraudadas, para que saísse vencedor o candidato da situação, Júlio Prestes.

Só que, desta vez, a oposição não aceitou o resultado e partiu para o enfrentamento físico, com o apoio de  setores  das polícias de Minas, Rio Grande do Sul e Paraíba, bem como algumas áreas do exército. Uma junta militar formada  por dois generais e um almirante decidiu depor o presidente da República e passar o governo ao chefe do movimento revoltoso, o candidato derrotado Getúlio Vargas, da Aliança Liberal. Caía, sem maior pompa, a Primeira República, com apenas  41 anos de idade.

Voltaremos ao assunto, se não houver um golpe até a próxima sexta-feira.

Read the rest of this entry »

Aroeira, no Brasil 247

Aroeira, no Brasil 247

Quem não sabe se comunicar, se trumbica

 

Luciano  Veiga

luciano veiga (2)O velho guerreiro Chacrinha já dizia “quem não se comunica, se trumbica”. No mundo midiático em que vivemos, o nosso querido Guerreiro, se aqui estivesse, talvez acrescentaria ao seu jargão a frase “Quem não sabe comunicar, se trumbica”.

A comunicação no universo político viveu nos últimos tempos forte influência do marketing. Quem não se lembra que as últimas eleições foram marcadas com um modelo, que podemos denominar candidato produto. Os marqueteiros acostumados a trabalhar com produtos, tornando-os conhecidos e desejados pelos consumidores, fizeram o mesmo com os candidatos. Pesquisas qualitativas davam o contorno das propostas, do vestir, do falar, do agir, construindo um slogan “eu faço, eu quero, eu posso”.

No período Donald Trump, a mídia social ganha espaço, que seja pela universalização destes veículos de comunicação, do linguajar do pessoal às redes sociais, criando seguidores e devotos em um sistema que chega a todos, quebrando barreiras. Denominada como comunicação direta, foi também protagonizada no Brasil nas últimas eleições.

O que virou cartão de visita, tem-se transformado no cartão de saída.

No Brasil, dizemos quando o candidato é eleito, o mesmo precisa descer do palanque. Hoje, nos tempos modernos, podemos dizer que o mesmo precisa deixar de twittar e dar espaço à comunicação institucional, afinal, a sua comunicação passa a ser inerente ao cargo que ocupa e à instituição que representa.

Read the rest of this entry »

Brasil tem maior concentração de renda do mundo

A0 PÉ DA GOIABEIRA lopes

Quase 30% da renda do Brasil está nas mãos de apenas 1% dos seus habitantes – o que dá ao País  a maior concentração do tipo no mundo. Quem o diz é a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, feita por centenas de estudiosos, sob a coordenação do economista francês Thomas Piketty – autor de O capital no séc. XXI, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

Enquanto isso, dentre as bobagens que o governo do Capitão B. tem anunciado (e registradas aqui pelo nosso querido chefe, o Barão), nenhuma contempla as pessoas mais pobres – até de reduzir aposentadorias a menos do salário mínimo se cogita, além da maldade mais recente, uma tal de “carteira verde-amarela” (aliás, a OAB já anunciou que pedirá ao STF que nos livre desta penúltima excrescência bolsonarista)

Trocando em miúdos: Jorge Paulo Lemann (da AB Inbev), Joseph Safra (Banco Safra), Marcel Hermmann Telles (AB Inbev), Carlos Alberto Sicupira (AB Inbev), Eduardo Saverin (Facebook) e Antônio Ermírio de Morais (Votorantim), as seis pessoas mais ricas do Brasil, têm o equivalente ao capital de uns 110 milhões de brasileiros, de acordo com a revista Forbes, especializada em medir fortunas.

Image1

O mais “pobre” do grupo é Ermírio de Morais, com “apenas” R$ 3,9 bilhões –  muito longe do “riquinho” da turma, José Paulo Lemann, que fechou 2017 com um patrimônio de R$ 29 bilhões e uns quebrados.

Tal diferença se percebe também nos salários, com um cruel componente de racismo: os negros recebem salários menores do que os brancos (apesar de negros e pardos formarem mais de metade do total dos habitantes do País), independente da escolaridade e da experiência,  evidenciando a prática discriminatória e racista presente em nossa sociedade. O estudo aponta para uma ferida crônica muito preocupante: a equiparação salarial, baseado nos registros das últimas décadas, ocorrerá somente em 2089, quando uma criança nascida hoje terá 70 anos – e, se ainda viva, estará à beira da aposentadoria, segundo as regras do Capitão B.

Destaca o estudo que “O Brasil tirou 28 milhões de pessoas da pobreza nos últimos 15 anos, mas os super-ricos continuam sendo os mais beneficiados: entre 2001 e 2015, o grupo dos 10% mais ricos abocanhou 61% do crescimento econômico

Acrescente-se à discriminação salarial um sistema tributário injusto, que pune os pobres e beneficia os ricos: o grupo dos 10% mais pobres gasta 32% da sua renda em impostos, enquanto os 10% mais ricos pagam 21%.”

Tem mais: “Nossa arrecadação fiscal – e, portanto, o orçamento federal – poderia aumentar em mais de R$ 60 bilhões ao ano, o equivalente a duas vezes o orçamento federal para o Programa Bolsa-Família, quase três vezes o orçamento federal para a educação básica e quase 60 vezes o que se aloca para a educação infantil, só com o fim da isenção de impostos a lucros e dividendos.” \quer dizer: se os rentistas, não apena os trabalhadores fossem taxados.

No Brasil, inverte-se a lógica social: contribuem mais os que têm menos, num sistema que cada vez mais identifica e distancia a casa grande e a senzala.

Recentemente, em Davos (aquele lugar onde o Brasil, pela voz aos solavancos do Capitão reformado, deu mais um vexame internacional), o Relatório “Bem Público ou Riqueza Privada?” mostrou que o patrimônio dos 26 bilionários mais ricos do mundo é igual ao dos 3,8 bilhões mais pobres. Cruel aritmética: 26= 3.800.000.

Voltando ao “Clube dos Seis” do Brasil, informar que Monsieur Piketty já fez o cálculo que os despeitados pobres gostariam de saber: como gastar tanto dinheiro? Os pobres, todo mundo sabe, adoram gastar dinheiro, se, por acaso, o têm: diz o relatório que “gastando R$ 1 milhão por dia, os seis maiores ricaços brasileiros, juntos, levariam 36 anos para esgotar todo seu estoque de reais.” É muito trabalho para esses sofridos bilionários. Ainda bem que o Capitão B. já se condoeu dessas pessoas e pretende “tirar o Estado de cima delas”, isto é, tratar de que os ricos fiquem cada vez mais ricos.

(Líliam Porcão, a Independente)

Na visão o cartunista Aroeira (“desenhado pra todo mundo entender”), o "gesto da arminha" (espécie de símbolo dos bolsonaristas) nos encaminha a tragédias como a de Suzano/SP.

Na visão o cartunista Aroeira (“desenhado pra todo mundo entender”), o “gesto da arminha” (espécie de símbolo dos bolsonaristas) nos encaminha a tragédias como a de Suzano/SP.

Punição para a maldade: Jânio caiu; o biquíni, não

A0 PÉ DA GOIABEIRA lopes

bddepd@gmail.com

 

imagem1Jânio caiuApós postar o tal Golden Shower, que aumentou o ridículo do Brasil no mundo inteiro, o Capitão reformado ganhou a primeira página dos grandes jornais que apoiaram sua campanha, em nome de uma reforma da Previdência que institucionaliza a miséria dos brasileiros mais pobres. O temor da grande mídia, a mesma que 3ndossou os golpes contra Jango (1964) e Dilma (2016) e elegeu Collor em 1989, é de que o cruel projeto da Previdência não seja aprovado, pois o twiter não deixa o presidente governar. Vamos às manchetes:

O Globo – “Não falta trabalho para Jair Bolsonaro”

A Folha – “Governe, presidente”

O Estadão – Quebrando louças

As duas maiores revistas semanais deram capa ao tuiteiro: a Veja destaca a alegada falta de decoro (outra vez o vídeo obsceno do Golden Shower), o que também é feito pela ISTOÉ, que destaca a mais recente série de sandices produzidas pelo Capitão reformado.

Além das chamadas de primeira página, o Estadão e O Globo pegaram pesado: o primeiro tratou o presidente como “incompetente, indecoroso, ignorante e autoritário”; já O Globo preferiu apresentar a fatura do apoio à reforma da Previdência: “Em vez de disparar tuítes para animar militantes, Bolsonaro precisa descer de vez do palanque, arregaçar as mangas e trabalhar com afinco para executar o que prometeu na campanha”, publicou o veículo da família Marinho.

Não sei quanto à leitora assaz otimista, mas, quanto a mim, digo que nunca vi com meus olhos um presidente receber esse tratamento nem no boteco da esquina. Será que, depois disso, aquelas pessoas que batiam suas panelas de teflon contra Dilma, em Curitiba/PR e nos Jardins/SP, encontram motivos de para voltar às ruas?

Tem mais: no domingo, dia 10, a GloboNews, pela voz de Diogo Mainardes, mandou um recado inquietante: “Se não aprovar a Previdência, ele cai e o vice, general Hamilton Mourão, assume a Presidência da República”, anunciou o namoradinho da classe média conservadora.

E não acabou: um dos mais importantes jornais do mundo, The New York Times (comunista, é claro!) insinuou em editorial que o chefe do Planalto poderá ter vida curta no cargo e o comparou ao ex-presidente Jânio Quadros: “Bolsonaro deveria prestar atenção às lições da história – os políticos brasileiros que atacam o Carnaval raramente triunfam”. TNYT lembra que, em 1961, o presidente Jânio Quadros “tentou regular o comportamento” no Carnaval, com o slogan “‘Jânio é a certeza de um Brasil moralizado'”, e deu tudo errado: “Quadros se demitiu depois de oito meses”, anota o veículo nova-iorquino. Jânio tentou, dentre outras pantomimas bolsonaristas (avant la lettre) proibir que as mulheres usassem biquíni.

Este Barão, testemunha ocular da história, acrescenta, com o olho rútilo de indisfarçável prazer, que Jânio caiu, mas o biquíni continua aí, apesar de, graças a Deus, cada vez menor.

Made in USP

imagem2 Apocalipse

O trocadilho, evidente, poderia ser meu, mas não é.  A honestidade manda dizer que ele é da lavra do professor Mário Sérgio Cortella, de percepção mais aguda do que a minha. Diz o filósofo da USP que o comportamento do clã Bolsonaro (grosseria, desumanidade, falta de solidariedade, crueldade, corrupção etc.) – que faz a turma se parecer com Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse (Fome, Peste, Guerra e Morte) – se espalha rapidamente e multiplica repetidores, os chamados “robôs bolsonaristas”. Daí a frase do pensador: “Gente lesa gera gente lesa”. Modestamente, confesso que eu não diria mais apropriadamente.

(Bddepd)

(As diatribes do Barão e sua equipe são publicadas às terça e sextas, quer chova, quer faça sol)

———————-

PERFIL DO BARÃO

Read the rest of this entry »

O Bolsonaro candidato e a aposentadoria aos 65 anos

Jânio e Collor tinham mais juízo do que o Capitão reformado

A0 PÉ DA GOIABEIRA lopes

bddepd@gmail.com

Desde a campanha de 2018, tenta-se comparar um improvável (hoje, infelizmente, real) governo o clã Bolsonaro a períodos cinzentos de nossa história. Para uns, ele era Collor, para outros, Jânio, para outros tantos (versão ainda mantida), uma reedição do golpe de 1964, que, estranhamente, nos chegava pelas urnas.  Eram comentários de bastidores ou de blogs nanicos, pois a grande mídia, TV Globo à frente, e (em segundo lugar, mas não menos impotantes), os tribunais jamais se preocuparam com a louvação que o candidato fazia ao assassino Brilhante Ustra, os BOs a propósito de roubo de joias na própria família (denúncia da ex-esposa), os ataques frontais a minorias desamparadas ou o desrespeito às famílias de opositores executados pelo Exército. A omissão (às vezes, a clara conivência) da mídia foi muito importante em todo o processo de ascensão da extrema-direita, hoje no poder.

Foto.1Entretanto, pouco tempo passado de um presidente que não tem a mínima aptidão (ou dignidade) para o exercício do cargo – que cogita até entrar numa guerra contra país vizinho e amigo, para que os Estados Unidos se apropriem do petróleo venezuelano – não resta dúvida de que Collor e Jânio Quadros, irmãos em trapalhadas, tiveram muito mais juízo. E digo, (porque vi Jânio, Collor e  a ditadura) que o governo desse clã é moralmente pior do que Castelo Branco e os militares seguintes: à época, tínhamos alguns generais atrabiliários (isto é inevitável!), mas a ditadura tinha apoiadores do valor intelectual de Lacerda, Nelson Rodrigues, Delfim Neto, Mário Henrique Simonsen, Reis Veloso e outros (a Globo se mantém coerente: apoiou a ditadura, Collor e Bolsonaro).

Hoje, além do Capitão reformado – que nunca dirigiu, sequer, uma cavalariça  do Exército – temos a cota habitual de generais atrabiliários (nenhum deles mais do que o Capitão B., diga-se, a bem da verdade) e três filhos do presidente, todos enlameados (ou “enlaranjados”?) até a medula, mais uns desqualificados do padrão Alexandre Frota, Damares Alves, Silas Malafaia, Joyce Não-Sei-do-Quê e Vélez Rodriguez (o ministro da Educação que não fala português!). Não vai dar certo, porque não pode dar certo.

Cordão dos puxa-sacos

A partir de hoje, este Barão passa a contar com mais um puxa-saco (em verdade, uma puxa-saco, que chamaremos eufemisticamente de “colaboradora”, a sra. Líliam Porcão, dita “a Independente” – até parece!) metida a analista de economia, política e temas difusos. E em seu primeiro texto, LP já diz a que veio. Sua bajulação (prontamente aprovada por mim!) é tão explícita que, de imediato, dei-lhe uma promoção salarial: ia ganhar 30 dias por mês, agora vai ganhar 31, livre de impostos. Eis sua primeira intervenção:

 

“O Barão para presidente

Foto.2Penso na possibilidade de fazer meu querido chefe, o venerável Barão de Pau d´Alho,   presidente da República, pra acabar com a pouca vergonha que se instalou em Brasília. Em que me baseio? Baseio-me na “nova” interpretação que o Brasil, seguindo as ordens de Trump, o Topetudo, dá hoje às relações internacionais. Se antes a inteligência mundial defendia a autodeterminação dos povos, agora qualquer Capitão reformado, seguido de uma trupe de malamanhados, se acha no direito de, combatendo o governo da Venezuela, reconhecer como legítimo um oportunista que se declarou “presidente interino”.

Se um cara chamado Gerardo Guaidó pode se dizer presidente da Venezuela, por que alguém de nobre estirpe e proprietário de barba vasta e grisalha como o Barão não poderia? Além do mais, meu querido chefe é intelectualmente mais qualificado do que essa gente lesa que ocupa o Planalto: o Barão já leu até as orelhas de Guimarães Rosa (enquanto o Capitão reformado parece ter lido apenas o Manual de Procedimentos do Exército – e não entendeu bem aquilo dali). Como se isso fosse pouco, meu querido chefe fala português, neste Brasil enlouquecido em que o ministro da Educação fala portunhol e o presidente não fala coisa com coisa.

Com mais meia dúzia de trapalhadas desses velhacos civis, fardados e fundamentalistas religiosos,  anuncio – por absoluta falta de paciência com a estupidez oficial – o Barão de Pau d´Alho como presidente interino do Brasil.

Já escolhi até a divisa, ainda dependendo do sábio referendum do querido chefe: “Nosso Brasil jamais será laranja”.

(Líliam Porcão, a Independente)

 

(As diatribes do Barão e sua equipe são publicadas às terças e sextas, quer chova, quer faça sol)

 

 

 

PERFIL DO BARÃO

Read the rest of this entry »

armas

mito cart

banana

Médica cubana que atua no Sul da Bahia rebate Bolsonaro: “não somos escravos”

maribelDurante todo o tempo em que atuaram no Brasil servindo ao Programa Mais Médicos do Governo Federal, os médicos cubanos evitavam tecer qualquer comentário de fundo político ou administativo. Com o fim da participação dos profissionais de Cuba no programa ( em reação do governo daquele país a  comentários do presidente eleito Jair Bolsonaro), uma médica atuante em Ibirataia, no Sul da Bahia,  Neibis Lopez Clabel, decidiu divulgar uma manifestação pública a respeito do caso.

Neibis tem recebido homenagens emocionadas por parte de pacientes que atendeu durante um ano e meio no município o qual, como a maior parte das cidades do país, tem graves deficiências na área de saúde.

Confira a nota:

Depois de 1 ano e 5 meses no município de ibirataia, Bahia, ficando fora dos comentários relacionados a temas políticos no Brasil, hoje decidi me projetar após ler publicações feitas sobre o governo cubano e o Programa Mais Médicos. “Se seu país não garante saúde, educação, justiça e cultura, então por que você sente que pode falar mal de Cuba?”

Só para esclarecer, achamos que nenhum dos brasileiros têm mais conhecimento do nosso país e de nosso governo que a gente. As condições de Jair Bolsonaro (apesar que ainda não é o presidente do país):

1. PROVA DE PROFICIÊNCIA
– Essa exigência não faz sentido. O convênio efetuado entre Brasil e Cuba, via OPAS, preconiza a prestação de serviços médicos. Os médicos não vieram voluntariamente “procurar emprego” aqui. Não há qualquer tipo de vínculo formal entre o governo brasileiro e os médicos cubanos. Nós viemos a trabalho, em missão, tendo sido escolhidos pelo governo cubano e estando sob responsabilidade deste. Não temos problema nenhum em fazer exame de revalida sempre que fosse um requisito no início do contrato. Achamos que depois de 5 anos de trabalho dentro do Brasil com resultados positivos nos indicadores de saúde do município é falta de respeito à nossa integridade solicitar esse exame.
.
2. SALÁRIO INTEGRAL PARA OS MÉDICOS CUBANOS
– Quando a gente veio assinamos o contrato ciente da porcentagem de salário que íamos receber e sabendo que o dinheiro que vai para o país é utilizado para a saúde e a educação de nosso povo, porque antes de nós sermos médicos outros profissionais de saúde estavam trabalhando para garantir a nossa formação, agora é nossa vez de contribuir para as próximas gerações.
.
3. LIBERDADE PARA TRAZER AS FAMÍLIAS
– Esse, como os outros dois pontos, é mais um mito que não se sustenta em pé. Não há impedimento para que as famílias de cubanos venham ao Brasil ou possam se dirigir a qualquer outro país. Só que os familiares, óbviamente, não virão junto com os médicos, que, como dito, vêm a serviço. Mas sim, há diversos médicos cubanos com famílias no Brasil, seja vivendo ou tendo visitado este país.

Nós não somos escravos nem consideramos que vivemos em uma ditadura, muito pelo contrário, somos trabalhadores, responsáveis, humanos, pessoas formadas no conceito que nossa melhor recompensa é o bem estar de nossos pacientes e não o lucro que poderíamos obter deles.
Quero agradecer  a aquelas pessoas das quais recebi muito apoio e carinho durante minha estância. Vocês sempre estarão no meu coração.

Neibis Lopez Clabel

(do Ipiaú Online)

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
abril 2019
D S T Q Q S S
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930