WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia shopping jequitiba livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: ‘Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj)’

Dia da Imprensa: momento de reafirmar as lutas dos jornalistas e da sociedade

Neste 1º de junho,  quando se celebra o Dia Nacional da Imprensa, a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) exorta a categoria, as entidades e movimentos da sociedade civil a cerrarem fileiras na luta pelo direito à informação de qualidade. Para tanto, fazem-se necessários, além da defesa das liberdades de imprensa e de expressão, o apoio à luta pelo diploma como requisito para o exercício da profissão de jornalista, de condições dignas de trabalho, o combate à crescente violência contra os profissionais da mídia e suas organizações sindicais, bem como a criação de um marco regulatório para a internet e as plataformas digitais no Brasil.

O Dia Nacional da Imprensa foi instituído pela Lei 9.831 de 1999 para resgatar a data da primeira publicação do Jornal Correio Braziliense, de Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça, em 1808, em contraponto à imprensa oficial do Brasil. Para a FENAJ e seus 31 Sindicatos filiados, este 1º de junho, mais do que uma data comemorativa, é um dia de reflexão e de luta pela necessária valorização do Jornalismo e dos jornalistas.

Concluir que a exigência do diploma de nível superior específico para o exercício da profissão de Jornalista vai de encontro à liberdade de expressão foi uma das maiores agressões que a corte maior do país cometeu, não só contra os jornalistas, mas à inteligência do povo brasileiro. Cobrar da Câmara dos Deputados a votação e aprovação da PEC 206/2012, mais do que uma demanda corporativa de uma categoria, é um apelo para reparar à sociedade seu direito à informação com qualidade, que passa, necessariamente, pela qualificação do Jornalismo. A aprovação da PEC do Diploma, portanto, é a garantia de respeito à imprensa como pilar da democracia.

:: LEIA MAIS »

Brasil registrou uma agressão a jornalista por dia em 2022

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) divulga nesta quarta-feira (25/01), às 15 horas, o Relatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil – 2022, na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, mostrando que foram registrados 376 agressões a jornalistas e a veículos de comunicação ao longo do ano passado.

O evento será transmitido pelo Canal da FENAJ no YouTube e Facebook, e retransmitido pelas páginas dos Sindicatos de Jornalistas filiados e confirmará que as agressões se mantiveram em níveis elevados, apesar da queda registrada em comparação com o ano anterior. Foram 54 casos a menos que os 430 registrados em 2021, ano recorde, desde o início da série histórica dos levantamentos feitos pela FENAJ.

Mas, apesar da redução no total de casos, o Relatório da FENAJ aponta aumento dos ataques diretos aos profissionais da notícia, como hostilizações chegando a agressões físicas. O ano de 2022 foi marcado, no Brasil, pelas eleições gerais e pela violência política, que atingiu autoridades, políticos, militantes dos movimentos sindical e social e pessoas que, em comum, tinham o fato de serem defensores da democracia e das instituições democráticas. Os jornalistas brasileiros foram, igualmente, vítimas do ódio político, mas tiveram de continuar enfrentando também a violência dirigida à categoria em razão do exercício profissional.

:: LEIA MAIS »

Lula recebe plataforma da Fenaj

O candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva recebeu as propostas da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) para as eleições de 2022. A entrega foi articulada pela presidenta da FENAJ, a cearense Samira de Castro.

Denominado “Oito Pautas Prioritárias das e dos Jornalistas Brasileiros”, o documento elenca as principais demandas debatidas e aprovadas nos últimos congressos nacionais da entidade, além de propostas históricas da categoria.

Entre as propostas estão: revogação das contrarreformas trabalhista e previdenciária, apoio a aprovação da PEC do Diploma, atualização da regulamentação profissional, criação do Conselho Federal de Jornalistas, criação do Piso Salarial Nacional dos Jornalistas, criação do Fundo Nacional de Apoio e Fomento ao Jornalismo, recuperação da EBC e ampliação do Sistema Público de Comunicação, regulação das Comunicações e das plataformas digitais.

FENAJ divulga Guia de Proteção a Jornalistas na Cobertura Eleitoral

A  Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) está disponibilizando aos Sindicatos filiados o Guia de Proteção a Jornalistas na Cobertura Eleitoral, publicação digital com orientações básicas de segurança para profissionais da mídia na cobertura das eleições deste ano. A iniciativa é importante tendo em vista os altos índices de ataques contra profissionais de imprensa documentados pela própria Federação: foram 428 em 2020 e 430 no ano passado. Somente no Paraná, para se ter ideia, desde 2017 já foram registrados mais de 70 casos de violência contra jornalistas, sendo cerca de 50% relacionados à cobertura política.

Adaptado pela Secretaria de Saúde e Segurança da FENAJ, a partir da publicação do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, o guia lista várias medidas de proteção para jornalistas que vão desde a preparação da pauta, uso de equipamentos de segurança até a prevenção e resposta a ataques virtuais, entre outras questões.

Ainda sobre as orientações aos jornalistas que sofrem ataques, o guia destaca a importância de registrar oficialmente as situações: “O Boletim de Ocorrência é fundamental para responsabilizar os autores, documentar a agressão e dar mais elementos garantia do direito ao trabalho dos profissionais de imprensa”, ilustra.

:: LEIA MAIS »

Chapa “Unidade na Luta” concorre à direção da FENAJ

Uma única chapa vai participar da eleição direta para a escolha da nova diretoria da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), a ser realizada nos dias 26, 27 e 28 de julho. Encabeçada pela jornalista Samira de Castro, do Ceará, a chapa denomina-se “Unidade na luta – Em defesa do Jornalismo, dos Jornalistas e da Democracia” e tem representantes de todas as regiões do país e da maioria dos Sindicatos de Jornalistas filiados à Federação.

No mesmo período e em eleição conjunta, também serão eleitos os novos membros da Comissão Nacional de Ética (CNE). As candidaturas, nesse caso, são individuais e seis jornalistas se inscreveram para o pleito. Serão eleitos(as) cinco titulares, pela ordem de votação, e o(a) candidato(a) menos votado(a) ficará na suplência.

A FENAJ é a única federação sindical que faz eleições diretas para eleger sua diretoria e a Comissão Nacional de Ética. Neste ano, a novidade é que a votação será totalmente eletrônica e on-line. As eleições são coordenadas pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN), eleita pelo Conselho de Representantes (instância da Federação composta por um representante de cada Sindicato filiado e superior à Diretoria).

:: LEIA MAIS »

Seminário abordará como se proteger e denunciar a violência contra jornalistas

vio jornaOs números da violência contra jornalistas no Brasil são alarmantes: foram 428 casos (incluindo dois assassinatos) no ano passado. Com o equivalente a mais de uma ocorrência por dia, 2020 foi o ano mais perigoso para o exercício do jornalismo no país desde o início da série histórica do Relatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa, documento elaborado pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) desde a década de 1990.

Às ameaças e intimidações (7,94% do total), somaram-se agressões verbais/ataques virtuais (17,76%), cesuras (19,86%), cerceamento à liberdade de expressão por meio de ações judiais (3,74%) e uma nova categoria, intitulada descredibilização da imprensa (35,51%), entre outras formas de violação do trabalho dos jornalistas.

Preocupada com essa realidade, a FENAJ vem intensificando as ações de acompanhamento e de prevenção à violência contra a categoria, em 2021. E como parte da estratégia de enfrentamento, a entidade sindical realizará, no dia 21 de agosto (sábado), a partir das 9h, o seminário on-line “Violência contra Jornalistas: denunciar para combater e se proteger para evitar”.

:: LEIA MAIS »

FENAJ lança Relatório da Violência contra Jornalistas

relatórioOs ataques à imprensa e as agressões diretas a jornalistas explodiram no Brasil, em 2020. Em relação ao ano anterior, houve um aumento de mais de 100% dos casos, revelando uma significativa fragilização da liberdade de imprensa no país.

Os dados completos dessa escalada de violência constam do Relatório da Violência contra Jornalista e Liberdade de Imprensa – 2020, que a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) vai lançar nesta terça-feira, 26, às 10 horas.

Pela primeira vez e em razão da pandemia de Covid-19, a entidade apresentará os números em plataforma virtual, com transmissão ao vivo pelo Facebook, e realizará coletiva de imprensa via plataforma StreamYard.

A atividade está incluída na programação da edição 2021 do Fórum Social Mundial e será conduzida pela presidenta da FENAJ, Maria José Braga. Ela adianta que a explosão de casos está associada à sistemática ação do presidente da República, Jair Bolsonaro, para descredibilizar a imprensa e à ação de seus apoiadores contra veículos de comunicação social e contra os jornalistas.

:: LEIA MAIS »

Fenaj: Bolsonaro fez 116 ataques à imprensa em 2019

bolsonaro(Altamiro Borges, no Brasil 247)-A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) divulgou nessa quinta-feira (2) um balanço final dos ataques do presidente Jair Bolsonaro à imprensa no ano passado. Os números são assustadores – o que torna ainda mais incompreensível a postura da mídia monopolista de apoiar, mesmo que parcialmente, as políticas do governo fascistizante. Segundo o levantamento, o ano de 2019 se encerrou com 116 agressões à jornalistas e veículos de comunicação. Um ataque a cada três dias do primeiro ano de existência desse regime autoritário.

De acordo com o monitoramento da Fenaj, foram 11 agressões diretas e 105 ações para desacreditar a mídia. Mesmo o mês de dezembro, que costuma ser mais ameno em função das festanças e do recesso dos poderes públicos, “registrou cinco ataques, todos classificados como tentativas de descredibilização da imprensa. Quatro deles foram pelo Twitter. No dia 13 de dezembro, por exemplo, o perfil oficial do presidente postou uma capa de jornal do dia, acompanhada do comentário: “A rendição da imprensa. O Brasil vai bem, apesar dela. Bom dia a todos”.

A entidade explica que esse monitoramento “inclui apenas pronunciamentos registrados por escrito nos meios oficiais do presidente, que são o Twitter e as entrevistas e discursos transcritos no site do Planalto. Por isso, o número de ataques ao jornalismo é ainda maior do que o já verificado até aqui”. Ela lembra no dia 20 de dezembro, Jair Bolsonaro fez violentos ataques a jornalistas em entrevista na portaria do Palácio da Alvorada. As agressões foram de caráter pessoal e com forte teor homofóbico.

:: LEIA MAIS »

Federação Nacional dos Jornalistas condena “ataque a liberdade de imprensa”

eduardo g(Brasil 247) – A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) emitiram nota conjunta com duras críticas à condução do blogueiro Eduardo Guimarães pela Polícia Federal nesta terça-feira, 21. Segundo as entidades, além da arbitrariedade da condução coercitiva, a PF “devassa dados pessoais e desrespeita o sigilo de fonte garantido pela Constituição Federal em seu Artigo 5º”, parágrafo XIV, em que define que “é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional”.

“A Polícia Federal ataca, ainda, a liberdade de imprensa e de expressão do blogueiro – a mesma PF que tem vazado informações seletivamente de acordo com os próprios interesses, sem levar em consideração os interesses da sociedade”, diz a nota.”O SJSP e a Fenaj expressam seu veemente repúdio à arbitrariedade da Polícia Federal, pois a condução coercitiva do blogueiro também representa um terrível precedente, que coloca em risco um dos mais importantes princípios do jornalismo – garantir o direito da população à informação”, dizem as entidades.

Leia na íntegra a nota:

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia