Dando continuidade à programação do I Fórum Nordeste de Economia Circular (Fnec), que acontece no Museu Geológico da Bahia, em Salvador, o Governo do Estado promoveu o painel “Semeando esperança e preservando a biodiversidade: o impacto do Projeto Bahia + Verde”, na manhã desta sexta-feira (24). Apresentado pelo secretário estadual do Meio Ambiente, Eduardo Sodré, e pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Ângelo Almeida, a mesa discutiu, também, a elaboração de Planos Regionais de Proteção de Espécies Ameaçadas de Extinção, regeneração dos estoques de carbono, proteção de mananciais e desenvolvimento de plataforma de Monitoramento Integrado com uso de Inteligência Artificial, que faz parte dos objetivos do programa.

Com um conceito inovador, a economia circular reorienta a dinâmica de produzir, consumir e gerir resíduos. “Tem que se conversar sobre economia circular. A origem do produto, como vai se pensar ele, desde o seu design, preocupado não com o filho dele, mas com a sustentabilidade, com a integração dele à natureza, regenerar a natureza, e a gente construir ferramentas baseadas na inteligência humana, de superar essas dificuldades que nós encontramos”, explicou o secretário Angelo Almeida.

Para o secretário Eduardo Sodré, o Projeto Bahia + Verde coloca o cenário do meio ambiente em lugar de relevância. “A gente está a poucos dias de ter a Conferência da Nação Unida sobre as Mudanças Climáticas, em Dubai [Emirados Árabes], em que a gente vai estar presente, mas trazemos isso para perto, para que a população se sinta parte, entenda que as ações que elas fazem hoje vão ter impacto no futuro. A gente fala de resíduos sólidos, de catadoras e catadoras, de preservação, de acesso à água, de alimentação saudável. Então, a importância disso é todos se sentirem atores e parte desse processo de economia que a gente vive hoje”, declarou. O painel contou, também, com a participação do secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, André Joazeiro, além da presença de outros gestores públicos e de membros da sociedade civil organizada.

Sobre o Fnec

 

Com o propósito de pensar desa?os, necessidades e oportunidades de promover e possibilitar modelos econômicos circulares que impactem de forma transversal toda a região Nordeste com resultados positivos para todo o território nacional, o Fnec nasce como evento calendarizado, para promoção de encontros anuais. Conta com programação abrangente e diversa, voltada para o aprofundamento re?exivo e discursivo sobre economia circular e suas possibilidades regenerativas para construção de futuros mais abundantes, promissores e rentáveis, com foco no desenvolvimento das habilidades comportamentais, técnicas e intelectuais que possibilitem mudanças estruturais para a efetivação de desenvolvimentos socioculturais sustentáveis.

O Fnec tem co-realização do Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), em parceria com o movimento Reinventando Futuros e o Instituto IDI. O evento é gratuito e termina neste sábado (25); a programação completa está disponível site nordesteeconomiacircular.com.br.

 

Fotos Feijão Almeida