WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia shopping jequitiba livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

setembro 2009
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  


ENCONTROS, DESENCONTROS, 2010


Afinal de contas, a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, teve ou não teve uma reunião a portas fechadas com a ministra Dilma Roussef, em que a pré-candidata a presidenta da república pelo PT teria pedido, de forma enviesada, para que uma apuração contra a família Sarney fosse amaciada?

Durante semanas, o encontro que Lina jura ter havido e Dilma garante nunca ter existido, esse tema ocupou o centro do noticiário nacional, ganhou incontáveis minutos no Jornal Nacional, da Rede Globo, além de generosos espaços nos principais jornais e revistas do país.

O cidadão médio, mesmo sem entender direito o que estava ocorrendo, ficou com a impressão de que Dilma havia cometido um delito da maior gravidade, ainda mais que nele estava embutido o sobrenome Sarney, este sim plenamente reconhecido como o que há de pior na política brasileira.

Por associação, se Dilma tem alguma ligação com Sarney é porque na tal reunião cuja existência até agora ninguém provou ter existido, alguma coisa errada a ministra propôs.

Uma exposição negativa de quase um mês nos veículos de comunicação não é pouca coisa, principalmente se for levado em conta que estamos há menos de um ano do início da campanha presidencial e que Dilma é a única ameaça concreta ao governador de São Paulo, José Serra, do PSDB, que parece gozar da preferência dos donos da chamada grande mídia.

E o que está ocorrendo?

Passado o foguetório, a pirotecnia, começam a surgir indícios de que a história contada por Lina Vieira, que serviu de combustível para alimentar o fogaréu contra Dilma, pode mesmo não ser verdadeira, como aliás tem insistido a ministra desde o inicio, sem que tenham lhe dado, ao menos, o benefício da dúvida.

E o que vai ocorrer?

Num passe de mágica, feito o estrago desejado, o assunto vai perder importância até desaparecer do noticiário, sem que se faça o necessário reparo aos estragos causados à imagem da ministra.

Mas, quem é que está interessado em reparar estragos se o interesse foi justamente atingir a eventual candidatura de Dilma, mesmo que à custa de uma história em que não há uma prova cabal que a sustente?

Não foi a primeira e nem será a última vez que se recorre a um “factóide”, que se dá uma dimensão infinitamente superior ao fato em si, com o objetivo de influenciar a opinião pública.

Muitos ainda devem se lembrar do “Escândalo do Dossiê”, em que a exibição das fotos de uma aparente montanha de dinheiro às vésperas do 1º. turno das eleições presidenciais, após uma semana de exploração de um tema menor, levou o pleito ao 2º. turno, onde ao contrário do desejado pelos senhores da mídia, não houve manipulação que impedisse o massacre de Lula sobre Alckmin.

Sinal de que o povo pode até assimilar certas práticas, incluindo o lamaçal da política, como normal (o que é lamentável, frise-se), mas não é bobo.

No frigir dos ovos, o imbróglio Dilma Roussef-Lina Vieira é mais um exemplo midiático da célebre Batalha de Itararé, aquela que não houve.

Haverá outras.

Não deu certo em 2002, falhou de novo em 2006.

Entre encontros e desencontros, o foco agora é 2010.

O jogo é bruto, senhoras e senhores!

1 resposta para “ENCONTROS, DESENCONTROS, 2010”

  • Ricky Mascarenhas says:

    excelente artigo Daniel, estoarei replicando em meu blog, e repassando ao Desabafo Brasil e o blog da Dilma.
    forte abraço

Deixe seu comentário





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia