WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

julho 2009
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


:: 6/jul/2009 . 18:10

GORILAS, BANANAS, JAULA ABERTA


Durante pelo menos sete décadas do século passado, países da América Central como Honduras, Nicarágua, El Salvador, Panamá e Guatemala eram uma espécie de fazenda multinacional da célebre United Fruit Company.

Foi daí que surgiu a expressão “República de Bananas”. Pejorativa ela classificava os países que tinham governantes fantoches, patrocinados e defensores dos interesses da companhia ianque produtora de frutas. Quando se elegia um presidente com visão socialista e disposto a combater a exploração dos trabalhadores, eram perpetrados golpes de estado, com dinheiro dos americanos e o proverbial apoio logístico da CIA.

Foi assim em praticamente todos os países na América Central, em que governos democraticamente eleitos eram derrubados por golpes militares e passavam a ser controlados com mão de ferro pelos chamados gorilas, expressão igualmente pejorativa para designar o estilo truculento dos fardados.

Os gorilas cuidavam das repúblicas bananeiras, com as bênçãos dos EUA, especialmente no auge da Guerra Fria, quando a ameaça do comunismo foi convenientemente superdimensionada. A instalação de um governo socialista em Cuba, com sucessivas (e fracassadas) tentativas de golpes engendrados pela CIA com o objetivo de eliminar Fidel Castro; fortaleceu a presença dos gorilas na América Central.

Diga-se de passagem, que o “gorilismo” não se restringiu às repúblicas bananeiras da América Central. O golpismo bancado e financiado pelos EUA se espalhou feito praga pela América do Sul: Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Equador, Paraguai…

O regime dos gorilas, especialmente no Brasil, Argentina e Chile produziu milhares de assassinatos nos porões da ditadura e a tortura foi institucionalizada. Foram anos de chumbo, terror e a supressão das liberdades democráticas, transformando “nuestra América” numa imensa republiqueta bananeira.

O muro de Berlim desabou, a ameaça do comunismo desapareceu, a Guerra Fria perdeu o sentido e, à custa de lutas e sacrifícios, os ventos da redemocratização varreram o continente, unindo os extremos, do Rio Grande no México ao Rio Prata na Argentina. A maior parte dos gorilas foi mandada de volta aos quartéis e, desse frescor democrático, foram eleitos presidentes forjados na luta incansável contra a ditadura.

Exemplo maior dessa tendência foi a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ex-retirante nordestino e ex-operário metalúrgico, que apesar de mal ter concluído o ensino médio, está promovendo uma revolução social (não necessariamente socialista) no Brasil, permitindo que milhões de pessoas rompam a barreira da exclusão social.

Mas, quando se pensa que os gorilas caíram em desuso ou viraram peça de museu, nos deparamos com esse absurdo e inaceitável golpe militar que derrubou o presidente de Honduras, Manuel Zelaya.

Um verdadeiro atentado à democracia, tirando pela força das armas um presidente eleito pelo voto popular.

Em nível mundial, a importância de Honduras é praticamente nula, um país pobre, perdido em meio a uma América Central exaurida após séculos de exploração de suas riquezas naturais.

É preciso, entretanto, que o mundo não feche os olhos para o que está acontecendo por lá e faça valer todos os meios disponíveis para garantir a volta de Manuel Zelaya e a restauração da democracia.

Não é nada, não é nada, mas de jaula que sai um gorila, sai a macacada toda.

E esse filme não vale a pena ver (nem viver) de novo.

ROUBO DE CACAU

O roubo de cacau voltou a se tornar rotina nas fazendas do Sul da Bahia. A última vítima foi o produtor João Amorim, dono de uma fazenda localizada entre Ilhéus e Itabuna.

Oito bandidos entraram na fazenda na noite do último dia 2, dando tiros para assustar os trabalhadores e levaram dez sacas de cacau, com 40 arrobas.

Além da falta de segurança, os produtores se queixam da facilidade com que o cacau roubado é comercializado.





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia