WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia shopping jequitiba livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

junho 2009
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: 19/jun/2009 . 8:20

NÚMEROS SÓ NÚMEROS SÃO?

Cada um lê pesquisa de intenção de votos da maneira que lhe é conveniente. E pesquisa realizada mais de um ano antes da eleição, só serve mesmo como indicativo de uma tendência que pode se confirmar ou não. No mais, faz muita espuma, rende comentários e alimenta o noticiário por alguns dias.

Os números da recente pesquisa realizada pelo Instituto Campus em 52 municípios baianos e com 2.593 pessoas entrevistas não embutem nenhuma novidade. O atual governador Jaques Wagner lidera com cerca de 12 pontos percentuais à frente de Paulo Souto (43,1% a 31,9%) e Geddel Vieira Lima vem em terceiro com 13,3%.

Tudo dentro do script. Com a união DEM/PSDB, Souto deve absorver os votos do carlismo e de uma parte dos tucanos, que em eleições passadas se aliaram (mesmo em informalmente) ao PT. Wagner tem um percentual seguro, ainda que não confortável e Geddel, se não demonstra musculatura suficiente para entrar no páreo, se configura como o fiel (ou infiel) da balança, a depender do lado que apóie caso não seja ele próprio o candidato.

Esses números devem impulsionar as movimentações de bastidores. Wagner, à custa de engolir seguidas provocações, buscará uma composição com Geddel, fazendo ouvidos moucos para as diatribes de alguns peemedebistas. E os carlistas vão cobrir o ministro de mesuras, mesmo que sem atraí-lo para suas hostes, sabendo que a manutenção de sua pré-candidatura é um entrave apenas e tão somente para o governador.

Talvez o dado mais expressivo da pesquisa da Campus seja justamente aquele que esteja recebendo menos atenção: o de que a administração do governador Jaques Wagner é aprovada por 60,8% dos baianos e reprovada por 26,1% deles (o restante se manteve indiferente).

Trata-se de um índice de aprovação significativo, em processo ascendente, o que demonstra que aos poucos o trabalho de Wagner começa a ser reconhecido pela população.

Observe-se ainda que a aprovação do governador é bem superior à sua intenção de votos, o que indica que ainda há margem para crescer, na medida em que as pessoas associem mais diretamente o governo à figura do governador.

Os números que por enquanto são só números, sinalizam que esse é o caminho, embora com 2010 à espreita seja preciso caminhar mais rápido, mostrar mais as ações do governo e definir quem serão efetivamente os aliados e os adversários nessa nova e feroz disputa que se avizinha.

Ficará bem menos difícil, porque eleição fácil não existe, sem ter que ficar atento às caneladas dos adversários e também de alguns “aliados”.

QUE PASA, COMPAÑERO?

Precisava Lula fazer aquele inacreditável afago público em Sarney, misturando o regime militar e a democracia numa comparação totalmente fora de contexto?

O que ameaça a democracia e as instituições não é uma imprensa vigilante, que comete lá seus pecadilhos, mas essa gente que faz da vida pública o exercício pleno não da cidadania, mas da picaretagem.

Precisar não precisava, mas…





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia