WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

junho 2009
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: 17/jun/2009 . 20:11

JORNALISTA

Deu na Folha Online:

STF decide que diploma de jornalismo não é obrigatório para o exercício da profissão

Por 8 votos a 1, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram na sessão desta quarta-feira (17) que o diploma de jornalismo não é obrigatório para exercer a profissão.

Votaram contra a exigência do diploma o relator Gilmar Mendes e os ministros Carmem Lúcia, Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Carlos Ayres Britto, Cezar Peluso, Ellen Gracie e Celso de Mello. Marco Aurélio defendeu a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão. Os ministros Joaquim Barbosa e Carlos Alberto Menezes Direito não estavam presentes na sessão.

_________________________

32 anos depois, enfim Jornalista. Pelo menos, formalmente, porque na prática ninguém me tira essa condição que, mais do que uma opção profissional, é uma opção de vida.

Comemorarei com um Cohiba Siglo VI e uma cachaça Anísio Santiago, implorando para serem degustados.

SAI A COCA, ENTRA O CACAU

Deu no site da CacauTH Consultoria:

Cacau substitui coca na Colômbia

Um projeto pioneiro entre campesinos, de alto mérito,
foi lançado há 15 anos por um padre católico no
sul da Colômbia, com o lema “Não à droga e sim ao
cacau”, que convenceu 115 lavouras familiares,
20% das quais chefiadas por mulheres, a desistir do
plantio da coca em favor do cacau.

Uma fábrica artesanal de chocolate transforma o
cacau produzido por essas famílias em chocolate,
que é vendido nas redondezas e vem sendo comprado
pelos próprios narcotraficantes. Graças à intervenção
da ONU, a cadeia de supermercados
CARREFOUR também já comercializa o produto.

DÊ UM ALÔ PRA OI

Em vez de ficar apenas reclamando dos péssimos serviços da OI (que mais uma vez deixou os itabunenses na mão, no celular e no fixo) este blogueiro resolveu fazer valer seus direitos de cidadão.

Entrei com uma ação no Juizado de Pequenas Causas e mostrei os prejuízos e os constrangimentos sofridos por conta dos constantes apagões da Tchau, perdão OI.

A causa foi decidida, a meu favor, em menos de um mês, logo na primeira audiência.

Fiquei mil reais mais rico, perdão, menos pobre, e ainda consegui em cinco minutos o que tentava há cerca de três meses: cancelar dois planos, daqueles que você pensa que vai economizar e paga mais caro ainda.

Dizem que se conselho fosse bom a gente vendia, mas esse é de graça mesmo; pra quem se sente lesado, o melhor caminho é a Justiça.

Que pelo menos nesse caso é ágil mesmo!

CURINTIA!!!!

Acaba de ser lançado em São Paulo o documentário “23 anos em sete segundos”, que tem como tema o jogo entre Corinthians e Ponte Preta que, em outubro de 1977, decretou o fim do jejum de títulos corintiano.

É um filme pra corintiano, mas também para todos os amantes do futebol, porque retrata a paixão de uma torcida por um time que ficou 23 anos sem ganhar um título.

Este blogueiro, então com 18 anos, estava no Morumbi naquela noite que entraria para a História.

Como bom sãopaulino, torci para a Ponte Preta, mas foi o Corinthians campeão quem
me proporciou a manchete no jornal A Região, de Osasco, onde comecei como revisor e levei um ano para assinar a primeira matéria, justamente a do título corintiano.

Naquele tempo a gente demorava um tempão pra “sentar na janelinha”, como diz o Romario.





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia