WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia shopping jequitiba livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

junho 2009
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: 16/jun/2009 . 16:27

MARES BRASILIENSES

Quem disse que Brasília não tem mar?

Pelo visto, o que não falta por aquelas bandas (podres) é mar.

De lama, claro!

MIM TARZAN, IÚ JANE


DEU NO “PIMENTA NA MUQUECA”:

Um casal de estrangeiros com empreendimento na zona norte (Parque do Conduru) é o financiador de um site que se posiciona contra a construção do Complexo Intermodal Porto Sul em Ilhéus. O portal se apresenta como “independente”, mas possui ligações com entidades contrárias ao empreendimento de mais de R$ 4 bilhões no sul da Bahia.
Agora, a principal razão para Valerie e Daniel Krattinger investirem no portal: na área onde os governos do estado e federal pretendem construir o porto, o casal cobra entre R$ 160,00 e R$ 300,00 por passeios ecológicos. O site www.portosulnao.com.br está em nome de Daniel Krattinger. Ele afirma que é naturalizado brasileiro. Valerie vive há mais de 10 anos no sul da Bahia. Os dois são contra o porto, claro. Além de Ilhéus, eles também possuem empreendimentos em Itacaré, que está na área de influência do megaprojeto

$$$$$$$$$$$$$$$

Então ficamos assim: os caras destroem as florestas e as reservas naturais deles e aqui no Sul da Bahia querem manter tudo intocável, atacando um empreendimento que pode até provocar algum impacto ambiental, mas que inquestionavelmente vai gerar um novo ciclo de desenvolvimento.

E ainda cobram para que a gente possa fazer passeio ecológico nas “nossas” terras.

Querem brincar de Tarzan e Jane, tudo bem. Mas a gente não aceita o papel de Chita.

Ou aceita?

Tribunal de (faz de) Contas

O Tribunal de Contas do Estado da Bahia se reúne nesta semana para aquele que promete ser um encontro histórico. Os conselheiros vão julgar o parecer do colega Pedro Lino, que votou pela rejeição das contas do Governo Wagner, referentes ao exercício de 2008.

Lino, como se sabe, fez de seu parecer um foguetório que o alçou às manchetes e aos tais 15 minutos de fama celebrizados por Andy Warol.

Pela primeira vez, desde a criação do Tribunal, um governador teve suas contas com pedido de rejeição, embora a decisão ainda passe pelo crivo dos demais conselheiros e também da Assembléia Legislativa da Bahia.

É plenamente possível que as contas sejam aprovadas, até porque Pedro Lino se apegou a questiúnculas técnicas para optar pela rejeição

Mas, produziu-se o estrago (desejado?) já que nas últimas semanas, a rejeição das contas, com críticas e elogios à postura do conselheiro, ocupou as manchetes dos veículos de comunicação.

De repente, um governador que abriu as contas públicas e que tem na transparência uma das virtudes de sua administração, teve sua conduta questionada justamente por um órgão que sempre se especializou em fechar os olhos para eventuais irregularidades cometidas pelos governadores baianos nas últimas duas décadas, todos eles pertencentes a um mesmo grupo político e comandados com mão de ferro por um único líder, ACM, quando não era ele mesmo quem estava no poder.

Nunca se viu, em tempo algum, um mísero questionamento aos carlistas, apesar da inacreditável simbiose que se produziu entre o público e o privado, gerando impérios econômicos enquanto a imensa esmagadora dos baianos sofriam com os piores indicadores sociais do Brasil nas áreas de saúde, educação, saneamento básico, etc.

As contas, todas elas, eram aprovadas sem a menor restrição. Com louvor, até, num festival de salamaleques que beirava a subserviência explícita e bajulatória.

Na mesma linha, quase como um apêndice, o Tribunal de Contas dos Municípios punia com rigor desproporcional, prefeitos de partidos de oposição e faziam vistas grossas (ou vistas cegas mesmo!) aos aliados. Tanto é verdade que vários prefeitos eleitos pela oposição se bandeavam para o carlismo, primeiro para não verem seus municípios sem receber uma mísera obra do governo estadual e depois, como contrapeso, em caso de necessidade, contarem com o beneplácito dos tribunais.

Quando se diz que o TCE está prestes a perpetrar um momento histórico, isso se dá no sentido de ter que escolher entre dois caminhos.

Aprovar o relatório que pede a rejeição significa manter o caráter político que norteou o Tribunal nas últimas décadas, desta vez condenando um governador notadamente zeloso dos recursos públicos. E sabendo que essa rejeição será usada, à exaustão, nas eleições de 2010.

O outro caminho é matar no nascedouro o factóide produzido por Pedro Lino, aprovar as contas a estabelecer ao tribunal um caráter fiscalizador, independentemente do matiz partidário do fiscalizado.

Levar Jaques Wagner a ser o primeiro governador l baiano a ter contas rejeitadas, pode muito bem servir de munição para adversários políticos e mesmo aos falsos aliados (sim, eles existem aos montes e estão aí à espreita).

Mas não é o melhor caminho, a menos que os conselheiros queiram continuar integrando um tribunal de faz de contas.

Façam suas contas, o melhor, suas apostas…





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia