WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

junho 2009
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: 10/jun/2009 . 15:50

DO “FORA FMI!!!”, AO “TOMA FMI”


Sou do tempo do “Fora FMI!!!”, bradado com vigor pela militância petista.

Naquela época, o Fundo Monetário Internacional era visto como uma espécie de tubarão a espoliar e devorar os países pobres. A sigla soava quase como um palavrão.

O mundo gira, a Lusitana roda e eis que os petistas, ora no poder, anunciam que estão emprestando 10 bilhões de reais ao… FMI.

A dinheirama será emprestada ao Fundo e a países em desenvolvimento que sofrem com escassez de recursos por conta da crise mundial.

O Brasil, que outrora dependia da ajuda do FMI para manter suas contas em dia, agora alimenta o tubarão desnutrido.

SENHOR SECRETÁRIO


Quem sou eu para meter o bedelho em nomeações de secretários municipais, ainda mais em Itabuna?

Mas, não há como deixar de destacar a nomeação de Walmir Rosário como secretário de Governo e de Comunicação Social da Prefeitura de Itabuna.

Walmir, com quem compartilhei, juntamente com Luiz Conceição, a editoria do jornal A Região nos idos de 1990/1993, naquele que considero o melhor período da brava folha (e bota brava nisso!) manuelina, além de competente, é um cara legal..

E ser um cara legal não é pouca num meio onde um simples abraço pode trazer junto a facada nas costas.

Walmir pode até ser um pouco intransigente nas suas posições, mas em alguns casos, isso é virtude não defeito.

É bem melhor do que pular de galho em galho, que isso é coisa de macaco.

E de oportunista, per supoesto.

BANCO COMPLETO

DEU NO SITE RADAR ON LINE, DE EUNÁPOLIS

“Familiares do bancário Walton Ribeiro Cardoso, 49 anos, vivem momentos de apreensão. O gerente do Bradesco de Medeiros Neto, vítima de acidente automobilístico no último domingo, continua internado no Hospital das Clínicas de Eunápolis, em coma.

O problema, segundo eles, é que os médicos não dão um diagnóstico preciso sobre o estado de saúde da vítima, que está em UTI.

Com traumatismo craniano e com um pulmão perfurado, ele está apenas entubado, aguardando transferência para um hospital de Salvador.

Correndo contra o tempo, a família vive outro drama. O plano de saúde de Walton, a Bradesco Saúde, não estaria autorizando a sua remoção em uma UTI aérea”.

__________________
Esse não é o tal banco completo? Seus funcionários que o digam…

DESCAMINHOS DOS ÍNDIOS

No início da década de 90 do século passado, a destruição avassaladora provocada pela vassoura-de-bruxa nas lavouras de cacau do Sul da Bahia, coincidiu com a expansão dos movimentos dos trabalhadores sem terra.

Propriedades rurais abandonadas por produtores descapitalizados e/ou desesperançados, que surgiam às dezenas diante da rapidez com que a ´vassoura´ jogou a colheita a níveis abissais, eram o alvo fácil para invasões/ocupações (neste caso, mera questão de semântica) que não raro resultavam em desapropriações e implantação de assentamentos.

Alguns produtores viam até com bons olhos a desapropriação de suas terras, extremamente desvalorizadas e sem compradores à vista. Daí que, ao contrário do que ocorre em vários pontos do Brasil, salvo um ou outro entrevero, a expansão dos assentamentos no Sul da Bahia se deu sem explosões de violência. Hoje eles somam quase 200 propriedades, numa convivência sem sobressaltos com os agricultores que permaneceram em suas terras.

Algumas cidades, como Arataca, só não sumiram do mapa por conta da presença dos sem-terra, que com a produção de cacau e outras culturas e os recursos recebidos do Governo Federal, movimentavam uma economia em frangalhos.

Naquela época, a fartura de terras a serem ocupadas era tanta que, embora ninguém admita abertamente, pessoas eram recrutadas nas periferias de Itabuna, Ilhéus e até das médias e pequenas cidades sulbaianas para engrossar os acampamentos à beira das rodovias, primeiro passo para a ocupação e posterior posse das fazendas.

Muitos, embora tecnicamente sem terra (na verdade, sem tudo, visto que viviam na mais absoluta exclusão social) não tinham qualquer experiência na vida rural. Recebiam seus terrenos e logo depois os passavam adiante, para retornarem à vida miserável de sempre.

O fato é que o movimento teve mais acertos do que equívocos, floresceu e hoje não há como negar sua importância sócio-econômica na região.

Ao recordar o caso dos sem terra, não há como deixar de fazer uma analogia com o que está por ocorrer nessa disputa por 47 mil hectares que compreendem pedaços significativos de Ilhéus, Una e Buerarema.

De comum, a luta de povos excluídos por uma vida mais digna. Por que, nisso não se pode negar o os direitos dos indígenas, sejam eles tupinambás ou tupiniquins. E a ainda discreta abordagem de alguns moradores de áreas rurais para que reivindiquem a condição de índios, para se beneficiar de uma eventual demarcação.

As semelhanças, entretanto, terminam aí. A área apontada pela FUNAI como propriedade dos tupinambás é composta por micro e pequenas propriedades, ocupadas há pelo menos um século por famílias que praticam a cultura de subsistência e do comércio da produção excedente, localizadas nas zonas rurais dos três municípios involuntariamente envolvidos no imbróglio.

Há ainda a questão de Olivença, um pólo turístico onde imperam pequenos e médios empreendimentos, que igualmente passariam a integrar a reserva indígena.

Trata-se, portanto, de uma questão complexa, que terá um longo debate pela frente, agravada pelo clima de tensão, já que alguns supostos indígenas entenderam o que é uma simples proposta da Funai como uma espécie de salvo-conduto para invadir fazendas e aterrorizar pequenos produtores.

Não é esse o caminho. Há que se respeitar, é sempre bom repetir, os direitos nas nações indígenas, espoliadas ao longo de séculos. Mas há que se respeitar também as famílias que tem o direito legítimo sobre as terras em que moram e produzem seu ganha pão.

Do jeito que as coisas caminham, vem aí um confronto de conseqüências previsíveis.

E isso não é bom para ninguém.





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia