WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

prefeitura itabuna sesab bahia shopping jequitiba livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

junho 2009
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: 6/jun/2009 . 11:09

SEGUUUUUUUUUURA O TCHAN!

Vocês se lembram dos áureos tempos do axé-music?

Era um tal de “segura o tchan”, “amarra o tchan”, “balança o tchan” e aquele bolodório todo sem sentido, tocado num volume ensurdecedor.

Como tudo o que é ruim dura muito, mas felizmente acaba (ou pelo menos reflui) o tal axé-music perdeu espaço para outros gêneros, que também não são lá essa “Anísio Santiago” toda. (Anísio Santiago, pra quem não sabe, é a antiga Havana, uma cachaça pra se beber de joelhos).

Mas, com o ocaso do axé-music, por onde andarão aqueles “talentos abundantes”, que rebolavam enquanto os vocalistas perpetravam canções com a profundidade de um pires?

Esse vídeo pode ser uma boa resposta…

O tchan já não abunda mais. Ou abunda?

SEGUUUUUUUUUURA O TCHAN!

Vocês se lembram dos áureos tempos do axé-music?

Era um tal de “segura o tchan”, “amarra o tchan”, “balança o tchan” e aquele bolodório todo sem sentido, tocado num volume ensurdecedor.

Como tudo o que é ruim dura muito, mas felizmente acaba (ou pelo menos reflui) o tal axé-music perdeu espaço para outros gêneros, que também não são lá essa “Anísio Santiago” toda. (Anísio Santiago, pra quem não sabe, é a antiga Havana, uma cachaça pra se beber de joelhos).

Mas, com o ocaso do axé-music, por onde andarão aqueles “talentos abundantes”, que rebolavam enquanto os vocalistas perpetravam canções com a profundidade de um pires?

Esse vídeo pode ser uma boa resposta…

O tchan já não abunda mais. Ou abunda?

O SENHOR DAS MATAS

Pode ser coincidência, mas não deve ser obra do acaso, que o Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho) seja comemorado em data tão próxima ao Dia Internacional do Cacau (7 de junho).

Se o Sul da Bahia preserva uma das poucas áreas remanescentes de Mata Atlântica no Brasil, espetacular paraíso da biodiversidade, isso se deve ao cacau.

O cacaueiro necessita de sombra para produzir o fruto que tantas riquezas gerou para a Região e as árvores da Mata Atlântica permitiram, ao longo de décadas, esse casamento que resultou na produção de cacau e na conservação do meio-ambiente. Um modelo de produção que é conhecido como cacau cabruca.

A chegada da vassoura-de-bruxa provocou uma espécie de crise nesse casamento, já que, descapitalizados, muitos produtores deixaram o cacau de lado e derrubaram a mata, seja para vender a madeira, seja para transformá-la em pasto, substituindo a lavoura pela pecuária.

Em função disso, nos últimos vinte anos, acentuou-se a devastação da Mata Atlântica, mas ainda assim, o que se conseguiu preservar compõe um patrimônio ambiental importante.

Daí a necessidade de conter o desmatamento.

Algumas iniciativas contribuíram para despertar no produtor de cacau, a despeito de todas as dificuldades enfrentadas por causa da falta de recursos, a importância de manter o modelo preservacionista. Um bom é exemplo é o Instituto Cabruca, com seu trabalho incansável, que começa a gerar resultados.

O instituto foi criado para desenvolver projetos que agreguem valor ao cacau e incentivem a utilização sustentável de espécies nativas.

Conscientizar é importante, mas não resolve, já que muitas vezes a necessidade sobrepõe-se à vontade.

É preciso que os produtores recebam algum tipo de incentivo, financeiro principalmente, para produzir cacau e ao mesmo tempo preservar a Mata Atlântica.

Nesse sentido, é mais do que oportuno o Projeto de Lei 4995 de 2009, de autoria do deputado federal Geraldo Simões (PT/BA), que aponta o sistema Cabruca como alternativa rentável à preservação do bioma da Mata Atlântica, através do desenvolvimento sustentável, em que a atividade econômica está atrelada à conservação ambiental. O projeto oferece vantagens para quem cultiva cacau em áreas de Mata Atlântica.

A esse projeto, some-se a decisão do Banco do Nordeste, após gestões feitas pelo governador Jaques Wagner e pelo secretário de Agricultura Roberto Muniz, com o aval dos segmentos da lavoura, de incluir o cacau no FNE Verde.

Além de melhorar as condições para a renegociação das dívidas dos produtores, o FNE Verde tem como foco justamente a produção através da sustentabilidade. No caso do cacau, vai premiar quem conserva a Mata Atlântica.

Com ações concretas, poderemos retornar a força desse “casamento” Cacau-Mata Atlântica, legando para as gerações futuras uma região que se orgulhe não apenas de conservar o meio-ambiente, mas também se oferecer qualidade de vida para a sua população.

Talvez esteja aí o verdadeiro significado da expressão “fruto de ouro”.

Não no sentido de riqueza desmedida, desperdício perdulário e desigualdade social entre os poucos muito ricos e os muitos muito pobres.

Mas no sentido de prosperidade compartilhada, conservação ambiental e atividade econômica diversificada e calcada em bases sólidas.

Pode parecer sonho.

Mas nada que seja impossível numa região que, com trabalho e espírito empreendedor, fez brotar uma civilização capaz de suportar todas as crises e sempre dar a volta por cima.





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia