A presença do presidente Lula em Salvador nesta terça-feira, para assinar um pacote de obras que incluem o Porto Sul e a ferrovia Ilhéus-Caitité, será uma oportunidade para testar a quantas anda o relacionamento entre o governador Jaques Wagner e o ministro Geddel Vieira Lima.
A temperatura atingiu níveis mercuriais durante a disputa entre o PT e o PMDB pela prefeitura de Salvador, numa campanha que expôs as fraturas existentes entre os dois partidos. A troca de acusações na reta final só não descambou em xingar a mãe. Mas faltou pouco…
Como se sabe, para não ficar mal com o PMDB e manter a governabilidade, Lula, no melhor estilo Pôncio Pilatos, ´lavou as mãos´ e deixou para Wagner a missão de alavancar a candidatura de Valter Pinheiro, enquanto Geddel irrigava a Prefeitura de Salvador com os generosos recursos do Ministério da Integração Nacional, permitindo a realização de obras que deram visibilidade e garantiram a reeleição de João Henrique.
Lulinha vai ter que abusar do estilo paz e amor para evitar uma séria crise de relacionamento entre o governador que o defendeu incondicionalmente no auge da crise do mensalão e o ministro que hoje recebe tratamento de estrela, mas que à época da citada crise brindava o presidente com adjetivos nada honrosos.
A terça-feira promete. O resto da semana, idem.