hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Posts Tagged ‘waldomiro de deus’

Ao Mestre com carinho

Alunos de escola pública de Itapevi, na Grande São Paulo, realizam oficina de artes com releitura da exposição  “O Olhar de Waldomiro 57 anos de pintura”,  em cartaz  SFT, em Brasilia.

Waldomiro de Deus, nascido em Itagibá, no Sul da Bahia e Cidadão do Mundo, é um dos maiores pintores primitivistas do Brasil, com uma obra sempre atual, exposta em galerias do país e do exterior.

 

wd escola 1wd escola 3wd escola 2wd escola 4

 

STF abre exposição de Waldomiro de Deus

wd stf 2

Foi aberta nesta terça-feira (13), no Espaço Cultural Ministro Menezes Direito, no Supremo Tribunal Federal, a exposição “O Olhar de Waldomiro”. A mostra traz 38 obras do artista Waldomiro de Deus e permanece no Tribunal até o dia 31 de agosto, com visitações das 13h às 19h.

wd stf 1O pintor destaca que expor no STF é sinônimo de levar sua obra ao cotidiano de pessoas que não necessariamente frequentam uma galeria de arte, mas que fazem parte da política do país. “Fico feliz em estar aqui por ser um lugar de luz da Justiça para o Brasil”, diz. Seu filho Edemm conta ser um sonho do pai expor as obras nos Três Poderes. “O meu pai faz aniversário no dia 12 de junho, e a exposição inaugurada logo no dia seguinte é como um presente para ele”, conta.

O artista foi premiado em 1983 pelo Centro Studi e Richerche Delle Nazioni, na Itália, e já expôs suas obras em 23 países. No Tribunal, a mais antiga é de 1996, intitulada “Os céus podem esperar”, em que anjos servem um banquete aos homens, cena que Edemm traduz como uma forma que o pai utilizou para expressar que pessoas são auxiliadoras de Deus e podem ajudar umas às outras.

Read the rest of this entry »

STF expõe obras de Waldomiro que é de Deus, de Itagibá, de Osasco, de Goiânia, do mundo…

WD 1São 57 anos de história traduzidos em imagens e cores, muitas cores. Uma longa estrada sendo escrita com pincéis que parecem divinos – talvez até para justificar o sobrenome dele. Por tudo que tem feito nesses longos anos, Waldomiro de Deus é mesmo uma referência artística do País. Na chamada arte naif, sem dúvida que ele é o nome da vez.

Obras do pintor estarão expostas na mostra “O Olhar de Waldomiro,  57 anos de pintura”, na  sede do Supremo Tribunal Federal a partir de terça-feira, 13, ficando até o final de agosto no Hall Ministro Menezes Direito. No convite do STF, o pintor que por um bom tempo morou em Osasco, é louvado por retratar o cotidiano brasileiro em traços simples e com cores marcantes.

Waldomiro de Deus tem um enorme reconhecimento fora do Brasil. Baiano de Itagibá, aos 14 anos estava pelas ruas paulistas como engraxate, mas no início da década de 60 teria a vida mudada pelo pincel.

Quando voltou à Bahia em 1965, foi como participante da I Bienal Nacional de Artes Plásticas em Salvador, evento que o lançou para o mundo. Tanto é que há esse apontamento de Jorge Amado: “É realmente de Deus esse Waldomiro, que reinventa a vida com a pureza de sua ingênua sabedoria. Um poeta do povo, um mágico.”

As obras do artista são referências catedráticas, temas de mestrados nas principais universidades. São mais de 3.500 obras, e há 25 anos ele brinda a arte em parceira com a esposa Lourdes de Deus, igualmente uma artista plástica de ponta. Por anos o casal morou em Osasco e atualmente vive em Goiânia. (do QG Noticias/Goiânia)

Waldomiro de Deus realiza exposição “O mensageiro das cores”

wd-3

A exposição “O mensageiro das cores”, do artista Waldomiro de Deus, foi aberta ontem (19) no Hospital Alberto Rassi (HGG)  em Goiania, durante a 11ª edição do projeto Arte no HGG. A mostra, que ocorre no ambulatório da unidade, é realizada em comemoração aos mais de 50 anos de dedicação à pintura de Waldomiro. A exposição reune cerca de 60 obras

wd-1

Destaque em exposições na Europa e Israel, Waldomiro ressaltou que vai ser a primeira vez que vai expor as suas obras em um ambiente hospitalar. “É uma alegria poder levar o meu trabalho para os corredores do hospital. A arte consegue trazer paz e alegria, e acredito que no hospital as pessoas estão precisando desses sentimentos. Desde quando conheci o projeto, fiquei encantado”, disse.

wd-2

 

Obra de Waldomiro de Deus homenageia Isaquias Queiroz

wd-isaquias

O pintor primitivista Waldomiro de Deus fez uma homenagem ao canoísta sulbaiano de Ubaitaba Isaquias Queiroz, que se consagrou nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, conquistando uma medalha de bronze na canoagem 200 metros e duas medalhas de prata nas categorias 1.000m da canoagem velocidade individual  e canoa dupla 1.000m, com o baiano de Ubatã Erlon de  Souza.

Waldomiro, natural de Itagibá, cidade próxima a Ubaitaba e Ubatã, é considerado um dos maiores artistas naif do país. “Essa é uma homenagem a um brasileiro que conquistou o mundo com o próprio esforço, um exemplo para os nossos jovens”, disse o artista, que tem obras em museus e galerias de todo o mundo.

Nossa Senhora de minissaia, sequestro pela TFP e três mil quadros: Waldomiro de Deus

WD foto Guilherme Santana VICE

Por Daniel Solyszko, revista VICE, com fotos de Guilherme Santana

Com expressões entre a incredulidade e a incompreensão, um grupo de crianças de cerca de 10 anos de idade observa um senhor ao lado de um quadro de sua autoria, explicando como resolveu atualizar a imagem tradicional de Nossa Senhora ao retratá-la usando minissaia quando o item era a última moda em redutos como a Rua Augusta, em São Paulo, na década de 1960. Autodidata, o baiano Waldomiro de Deus começou a produzir e expor em 1962; em pouco tempo, passou a ser considerado um dos artistas primitivos (ou naifs) mais importantes do país.

A trajetória de vida de Waldomiro – com 71 anos de idade e morando atualmente em Goiânia – começa no interior da Bahia e passa por São Paulo, onde saiu das ruas para começar a pintar, e pela Europa, onde morou em diversos países e começou a expor ainda no final dos anos 60, até a consagração e o reconhecimento internacional em países tão diversos quanto Itália, Israel e Eslovênia, onde foi recebido calorosamente por ocasião do seu 69º aniversário.

A cena com o grupo escolar de crianças ocorreu no Museu Afro Brasil, em São Paulo, que possui diversas obras suas no acervo – e onde Waldomiro falou com exclusividade para a VICE. “A obra de arte fala, grita e, às vezes, te agride. Eu tenho essa inquietação muito grande de materializar algo através do meu trabalho”, diz. Essa inquietação o levou a viver uma vida intensa e agitada, que inclui episódios insólitos como um sequestro realizado por membros da TFP (Tradição, Família e Propriedade), perseguições com armas sofridas por andar de minissaia nas ruas, encontros na Europa com o compositor Geraldo Vandré e o surrealista Salvador Dalí, além de participações em filmes de Carlos Reichenbach e José Mojica Marins, o Zé do Caixão. Sempre com anedotas divertidas e curiosas, Waldomiro comentou esses e outros episódios polêmicos da sua existência.

WD foto Guilherme Santana 2 VICE

VICE: Qual foi seu primeiro contato com as artes plásticas? Como e por que você começou a pintar?
Waldomiro de Deus: Eu era um garoto inquieto de Itagibá, no interior da Bahia, que veio para São Paulo com 12 anos. Era o sonho de todos os baianos vir trabalhar aqui. Comprar um aparelho de rádio, pôr no ouvido e escutar uma música eram uma vitória. Quando cheguei, fui engraxate, fiquei jogado nas ruas. Fui pedir um pão e um café para um policial da Guarda Civil, e ele acabou me levando parar morar na casa dele, em Osasco. O tempo foi passando, e fui movimentando minha vida, engraxando sapatos e entregando panfletos de lojas.

Saí da casa do sargento e vim procurar emprego no centro de São Paulo – e acabei achando um trabalho como jardineiro na casa de um italiano, o Pierre Zacoppe. No fundo dessa casa, achei tinta, guache, cartolina e pincel. Pedi aquele material para ele e comecei a jogar tudo aquilo que eu tinha dentro de mim para fora. Aqueles papéis começaram a ser preenchidos com as figuras e as lendas que eu ouvia na Bahia: o folclore, as histórias de lobisomem, mula sem cabeça e saci pererê. Tudo isso ia tomando forma nas folhas de cartolina, eu pintava a noite toda. Meu primeiro desenho foi um enterro.

WD foto Guilherme Santana 3 VICE

De onde veio a inspiração para essa primeira obra?
Na minha infância, no interior da Bahia, a gente morava numa casinha de tábua sem paredes e ficava vendo aquela lua bonita que resplandecia sobre o rio. Uma noite, eu estava por ali olhando os jumentos e os cachorros latindo na rua, e ouvi uma sanfona tocando, e uma poesia numa voz que cantava “Abre a porta, Pedro, deixa clarear, que o anjo vai pro céu fazer morada lá”. Era uma fila de gente conduzindo o enterro de uma criança até um cemitério.

Transmitia essas coisas nas folhas de cartolina que achei na casa até que, um dia, o italiano me mandou embora – e fui para o Viaduto do Chá com meu trabalho. Lá, passou um americano e quis comprar duas obras. Quando isso aconteceu, eu estava sem lugar pra ficar e não sabia pra onde ir. Peguei o dinheiro da venda e consegui alugar uma vaga em um quarto na [Rua] Conselheiro Furtado – e fui morar lá. Foi assim que teve início minha carreira como pintor, em 1962.

WD foto Guilherme Santana 4 VICE

Você já tinha algum interesse em arte antes disso, ou foi apenas uma questão de usar o material e ver o que saía dali?
Não conhecia arte nenhuma, não sabia de nada. Era do interior: minha vida era ficar correndo atrás de jumento, de tatu para comer, de pegar peixe. Arte é para gente de sensibilidade, de cultura, que tem uma certa formação, que tem uma visão aberta. Eu apenas despertei dentro daquilo [o] que eu tinha dentro de mim.

Como você acabou expondo pela primeira vez?
Naquela época, eu conheci o jornalista Rossini Tavares de Lima e o professor Américo Pellegrini, da USP, que ajudaram a organizar a primeira exposição da qual eu participei, em 1962, no Parque da Água Branca. Nela, eu coloquei 40 desenhos, e apareceu um homem meio desaforado que dizia: “Me piace molto questi quadri”. Ele perguntou quanto era e pediu pra levar dez daqueles quadros. Era o Marchese Terry Della Stuffa, o maior decorador de São Paulo na década de 60, alguém da alta elite. Ele queria saber por que eu não pintava a óleo, e eu respondi que não tinha lugar nem material para isso. Esse homem me ofereceu uma casa no final da Avenida Rebouças, me levou pra lá e deu tudo o que eu queria: comprou todo o material e disse “Se deslancha”.

Depois dessa exposição, fiz outra muito importante na Galeria São Luís, por volta de 64 ou 65, que, na época, era a mais importante que havia em São Paulo. Eu havia conhecido na casa do Marchese o professor Mário Schenberg, que era crítico de arte, físico e cientista. Ele olhava meus quadros fumando um charutão e dizia que achava meus quadros muito interessantes. “Você tem um desenho muito ousado, muito forte”, ele dizia. Ele começou a me visitar e logo se tornou meu segundo anjo no sentido de ajudar a minha carreira. O professor me dava muitas dicas no sentido de conseguir atingir um equilíbrio na minha pintura, me dizendo o que eu podia mudar ou melhorar. Comecei a gostar muito dele por isso.

O Marchese ficou com um certo ciúme. Ele gostava de uma pintura mais decorativa, com paisagens. Quando eu fazia quadros que falavam dos problemas sociais da Bahia, ele já não gostava tanto. Então, saí da casa dele e vim morar na Rua Augusta.

Você passou um tempo morando na Rua Augusta, quando chegou a participar de um curta-metragem do Carlos Reichenbach, Esta Rua Tão Augusta. Como foi esse período e como você acabou participando do filme?
A Augusta era a rua dos beatniks, dos hippies, da tropicália que estava surgindo. Saí de onde tinha todo o conforto para seguir minha carreira, meu mundo, e fui morar num quarto lá. O Marchese queria me jogar no mercado com tudo: trouxe o Pietro Maria Bardi para me conhecer junto com várias outras pessoas da sociedade, ficava organizando coquetéis. Eu estava indo muito bem financeiramente, cheguei a comprar meu primeiro terreno na época, em Osasco, onde depois construí uma casa.

Mas eu preferi seguir o rumo do professor Mário. Eu me perguntava que homem era aquele que conseguia ler meu trabalho, com aquelas pessoas simples que eu pintava, do interior, que estavam em busca de alguma coisa, às vezes passavam fome. E aí não soltei mais dele: ia vender uns quadros na sua casa, e a esposa nos servia sempre um bife a cavalo de almoço.

Foi nessa época que apareceu o Carlos Reichenbach, que me disse: “Waldomiro, quero fazer um documentário com você”. Nisso, ele começou a pesquisar o meu trabalho e gostou muito. Isso acabou se transformando no curta Esta Rua Tão Augusta. Foi outro artista da época, o Cássio M´Boy, que disse para o Carlos que eu iria me tornar o maior pintor de destaque internacional do Brasil. E, logo em seguida, eu pintei a Nossa Senhora Aparecida de minissaia, que causou polêmica, e acabei participando do filme.

WD foto Guilherme Santana 6 VICE

E como surgiu a ideia de pintar esses quadros misturando Jesus e Nossa Senhora com botas, cintas-liga e minissaias? Você era religioso na época?
Não. Apenas da maneira como todo mundo é um pouco religioso, de certa maneira. Quando morava na Augusta, eu tinha uma Madonna que minha mãe havia me dado quando eu era pequeno, com roupa comprida. E, na época, a Augusta era a rua da moda, e, um dia, voltando pra casa depois de ver todo aquele luxo, pensei em pegar a Nossa Senhora, tirar aquele vestido comprido e botar uma roupa moderna da época. Aí comecei a pintar vários quadros com ela de minissaia, de bota, passeando na Rua Augusta. Mas não sabia que ia dar o quebra-pau que deu, com padres correndo atrás de mim e essa coisa toda.

Foi nessa época que você foi sequestrado por integrantes da TFP?
Quando isso aconteceu, eu já tinha saído da Augusta e morava do lado do Teatro Ruth Escobar. Tinha acabado de participar de um programa de televisão da Dercy Gonçalves, e vieram três caras que meteram um revólver em cima de mim. Eles disseram: “Olha, você está pintando coisas que estão escandalizando a Igreja”. Eles ficaram apontando a arma para minha cabeça e acabaram me levando para um matagal no Morumbi. Ameaçaram me matar e tudo. Eu perguntei: “Escuta, vocês são religiosos?”. Aí falei pra eles que não era religioso, mas jamais faria uma coisa daquelas. Religião é amor. Jesus já dizia pra você oferecer a outra face se alguém lhe desse um tapa na cara. Eu via aqueles caras que se diziam religiosos, mas não tinham um pingo de amor e nem sabiam o que era isso. Me deixaram nu no meio do mato, mas acabei saindo e chegando em casa, na Rua dos Ingleses. Foi uma situação bem dramática.

Depois disso, aconteceram algumas situações que me despertaram para a religião. Passaram a aparecer vários mistérios dentro da minha pintura de uma maneira espiritual.

Nessa época da Augusta, você também usava minissaia, não é?
Usei. Depois que eu pintei a Nossa Senhora de minissaia, eu fui a uma loja e a dona me perguntou por que eu não usava também. Ela me mostrou uma minissaia da loja, e eu perguntei quanto ela me pagava para que eu usasse. Ela me pagou 200 cruzeiros, e eu disse que iria andar na rua com ela. Saí usando na Augusta e no Viaduto do Chá, e todo mundo gritava “bicha! bicha!”, e a imprensa começou a vir em cima de mim. Aí virei manchete em todos os jornais. E era uma época em que ser bicha era quase nobre, as pessoas até davam uma de bicha para fazer sucesso.

Então, eu comecei a sair bastante na imprensa e, em 1970, fui chamado para participar do programa Quem Tem Medo da Verdade?, onde levei os quadros da Nossa Senhora de minissaia. Era uma mesa-redonda que recebia convidados como o Roberto Carlos e a Cacilda Becker. Era um programa terrível, tinha pessoas como o Carlos Manga entre os entrevistadores. Aí me botaram no meio usando uma saia, com bota, colar e cabelão black power, além de um casaco inglês que eu tinha trazido da Europa. Um negócio de louco, parecia um príncipe da África.

Os caras me xingavam muito, ficavam perguntando como eu tinha coragem de pintar a Nossa Senhora de minissaia. Aí chegou uma mulher e disse “O homem que anda de minissaia, pra mim, não é homem”. Eu respondi “Se a senhora acha que eu não sou homem, vou mostrar pra você”. Aí tirei meu casacão inglês, fiquei só com o colar cobrindo o peito e desci a saia. O programa foi cortado do ar na mesma hora. Só 30 minutos chegaram a ser exibidos, e cortaram o resto.

WD foto Guilherme Santana 5 VICE

Ainda assim, você sofreu algum tipo de perseguição por conta disso? A polícia te parou na rua alguma vez por usar saia?
Não. A polícia sempre me ajudou muito, os jornalistas ajudavam também. Quando as pessoas começavam a gritar demais, me chamando de “bicha”, eles me botavam dentro de algum carro pra fugir da multidão e me levavam pra outro lugar. Um dia, um cara até correu atrás de mim na Avenida Ipiranga com um revólver na mão.

Só que, para você, era só uma brincadeira, ou havia alguma vontade de escandalizar?
Não havia nada, eu apenas fazia tudo o que eu tinha vontade de fazer.

Todas essas histórias ocorreram durante a ditadura militar. Você chegou a sofrer alguma espécie de perseguição política por conta do conteúdo dos quadros?
Tinha alguma perseguição, mas não muita, na verdade. Eu também não percebia muita coisa. Os caras me vigiavam nessa época, mas daí eu acabei indo para a Europa, fui expor e morar lá por alguns anos.

Você chegou a participar do filme Finis Hominis, do José Mojica Marins, no papel de um hippie. Como era o seu contato com os hippies nessa época? Você se considerava um?
Sabe que participei de tantos filmes [de] que já não me lembro direito. Era uma época tão maravilhosa, em que fiz tanta coisa… esse período era uma coisa muito louca, tão louca que você não queria nada. Era hippie, era beatnik, era tudo louco. Esse quarto que tive na Rua Augusta passou a ser um lugar de encontro dos hippies. Eu organizei um encontro hippie em Osasco onde foi uma multidão de jovens pra lá, havia uma fila de gente de pé. Foi o primeiro encontro hippie do Brasil, por volta de 1967. Tinha um grande campo para cima da minha casa, e ele lotou de jovens que vinham de toda parte, do Rio, de Minas. Você entrava dentro dessa casa que eu tinha, e, em uma sala, tinha samba; em outra, tinha rock; em outra, música sertaneja.

Lá também tinha uns caixões de defunto. Eu acabei comprando um caixão porque queria pintar uma pessoa dentro dele. Aí um cara veio trazer esse caixão em casa procurando um morto que se chamava Waldomiro de Deus. Nisso saiu um povo correndo do colégio que tinha do lado de casa para saber se eu tinha morrido. Como a gente estava construindo a casa na época, eu acabei comprando dois caixões – e eu dormia dentro de um deles. Eu dormia em um e minha mulher, no outro, e meus dois filhos dormiam na tampa.

Você conseguiu ganhar algum dinheiro produzindo arte?
Que nada, moço. Mas agradeço muito a Deus pelo que ele me deu. Tenho seis filhos maravilhosos, todos de nome hebraico por causa da minha paixão por ter vivido em Israel. Mas não sei ganhar dinheiro. Eu sei que, um dia, meus quadros custarão caro. Talvez dentro de uns dez anos.

Quantos quadros você já pintou?
Produzi mais de três mil que estão espalhados pelo mundo inteiro.

Você passou um período morando no exterior. Por quais países você passou?
Fiquei morando cinco ou seis meses em cada lugar. Passei pela Itália, França, Bélgica, Alemanha, Holanda, Inglaterra. Tenho uma paixão muito grande pela Itália, por Israel e pela Grécia.

Nesse período, você encontrou pessoas como o Geraldo Vandré e o Salvador Dalí. Como isso ocorreu?
Em relação ao Vandré, eu morava em Paris na época, no segundo andar de um prédio, e ouvi uma briga no andar de baixo. Era ele, que estava discutindo com uma chilena que vivia com ele na época. Ouvi a discussão em espanhol e desci para perguntar para eles o que estava acontecendo, porque estava todo mundo olhando. Aí acabamos fazendo amizade, ele começou a aparecer em casa: vinha tocar violão enquanto eu pintava.

Ele morava numa cidade chamada Sablé, e, às vezes, eu ia lá visitar. Uma vez, quase morremos: estava com ele dentro do carro, e entramos debaixo de um caminhão. Era 1 hora da madrugada. Entramos numa curva, e tinha um caminhão lotado. Ele parou o carro, e a salvação foi que o outro motorista parou também. Era uma pessoa muito boa, mas, depois, tive um problema com ele quando fomos para a Bélgica. Estávamos cruzando a fronteira, e a polícia achou um pedaço de haxixe no carro dele. Era apenas dele, mas nós dois fomos presos. Disse pra ele assumir que era dele, mas ele ficou quieto e não falou nada. Na época, eu nem sabia o que era: aquilo era tão pequeno que parecia até um pedaço de chocolate. Ficamos um dia e uma noite presos, aí liberaram e voltamos pra França. Depois disso, eu fui para a Itália morar em Bolonha.

Na ocasião, eu achei que seria expulso da França, mas isso não aconteceu. Fui umas três vezes lá, fiz muitas exposições. E uma delas teve a presença do Salvador Dalí. Cheguei a conversar com ele, mas não entendia quase nada. Uma senhora amiga minha me levou no ateliê dele, mas, quando chegamos lá, ele não estava. Ela deixou um bilhete, e ele acabou passando depois na minha exposição. Ele viu meus quadros e elogiou em francês. Dizia “Waldomiró de Dieu”, e aí me puxou pelo braço e me deu um beijo com aquele bigodão. Eu fiquei ali sem saber direito quem ele era. Me perguntaram se eu conhecia o trabalho dele, disseram que era um grande surrealista, mas, não, eu não conhecia. Ele disse que gostou muito das obras e parabenizou, mas foi uma visita rápida. Por sorte, tinha um repórter da Manchete por lá, mas ele ficou louco de raiva porque não havia um fotógrafo para registrar a cena. Mas ele escreveu uma nota sobre o encontro, e saiu na revista na época.

Você falou sobre seu contato com os hippies. Chegou a experimentar alguma droga nessa época?
Não, eu nem conhecia. Eu era muito bobão, garotão do interior da Bahia. Mas eu via gente mal de tanto usar. A educação que recebi do policial que me ajudou sempre me avisava para tomar muito cuidado com essas coisas.

Queria que você comentasse alguns elementos que são muito presentes na sua obra. Por que as figuras humanas são todas morenas?
As minhas figuras são morenas porque o Brasil é um país de muita mistura. Quando eu olho para o ser humano, não vejo cor. O Brasil sempre teve pessoas de todos os cantos: europeus, índios, africanos. Sempre fui de conhecer pessoas de diversos tipos, fazer amizade e trazer para dentro de casa – às vezes, até para morar.

Uma vez, lá em Osasco, eu vi na rua uma mulher com a cara toda quebrada. Perguntei de onde ela era, e ela respondeu que tinha vindo de Pernambuco com o namorado, que o carro em que eles estavam havia batido e que ele havia morrido. Ela tinha saído do hospital e estava na rua, estava procurando pão velho no cesto de lixo para comer.

Eu já estava casado na época; então, eu e minha esposa a levamos pra casa, cuidamos, levamos no médico. Depois de oito meses com a gente, ela me disse que nossa vida era muito diferente, muito espiritual, e que ela queria curtir a vida, cair na gandaia. Alguns dias depois, me ligou bêbada às duas da madrugada: estava num lugar de prostituição. Tinha dado dinheiro pra voltar pro Nordeste, tinha ajudado, mas ela realmente não quis; então, tive de falar pra ela seguir seu rumo. Mas, hoje, ninguém tem a disposição de pegar as pessoas e ajudar assim.

E por que existem tantos cachorros nas suas obras?
Todos os quadros meus produzidos até 2005 tinham três ou quatro cachorrinhos. Depois, eu comecei a pintar uma série de quadros que mostrava a política no Brasil e o que ia acontecer no futuro. Um dos quadros mostrava frutos podres caindo dos prédios de Brasília. Aí eu cortei os cachorros porque comecei a ver muita cachorrada na política. Era cachorrada demais.

Com que artistas você sente alguma afinidade? De quem você gosta ou admira?
Dos brasileiros, gosto muito do Portinari e do Di Cavalcanti. O primeiro tem uma raiz brasileira muito forte e explorou muito o tema do sofrimento, do caboclo, do homem brasileiro, da nossa cultura. Gosto muito dos modernos e dos autodidatas, porque eles têm uma pintura que não engana: é algo que fala, que mostra a cultura, a religiosidade, os problemas sociais. Dos antigos, gosto muito do Bosch. Gosto do Salvador Dalí também, que tem um trabalho muito delicado com figuras decompostas, quebradas, misteriosas. Gosto do Picasso.

Waldomiro de Deus. De Itagibá para o mundo. Do mundo para Itagibá

waldomiro de deus blog do ThameHá cerca de 70 anos, um menino saiu no interior do Nordeste, subiu num pau de arara com a família e foi buscar uma vida melhor em São Paulo. Passou fome e frio, lutou muito, venceu e hoje é conhecido mundialmente.

Apesar das incríveis semelhanças, não é quem o leitor certamente está pensando.

O menino em questão é Waldomiro de Deus, nascido em Itagibá, cidadezinha acolhedora encravada nas bordas da região cacaueira da Bahia, num tempo em que o cacau gerava riqueza, mas não a dividia, como acontece hoje e acontecerá para todo o sempre. Sua família perambulou por Ipiaú, Gandu e Prado, no sul-baiano, até decidir embarcar para São Paulo.

Considerado pela crítica um dos três maiores pintores primitivistas do Brasil ao lado de Djanira e José Antonio da Silva, ele acaba de fazer uma exposição com 54 obras no recém-inaugurado Museu Brasileiro de Escultura (Mube) em São Paulo. A exposição, calorosamente saudada pela crítica, comemora os 60 anos de vida e os 44 anos da arte de Waldomiro.

wdeusUma arte descoberta de maneira quase inverossímel (tudo em Waldomiro parece inverossímel, a começar pela sua autêntica ingenuidade). Trabalhando como jardineiro, aproveitava as frias noites paulistanas para pintar em pedaços de papel. Como pintava na hora em que deveria estar dormindo e dormia na hora em que deveria estar trabalhando, foi mandado embora.

Sem alternativa, resolveu expor seus trabalhos no Viaduto do Chá, um dos símbolos da Capital Paulista, já naquela época o Eldorado de milhões de nordestinos. A mão do destino pintou a tela de sua vida.

O marquês italiano Terry Della Stuffa passou pelo local, se apaixonou por aquela pintura ingênua e adotou Waldomiro, que ganhou casa, comida e, melhor, tempo de sobra e material a vontade para exercer sua arte.

A partir daí, as mãos de Deus, o pintor, ganharam o mundo. Suas obras estão expostas em museus e galerias de arte e foram adquiridas por colecionadores da Europa, Estados Unidos, Japão, Oriente Médio. Os franceses, principalmente, se encantaram com o estilo que denominaram “naif” (ingênuo).

Um ingênuo, que ao participar do movimento tropicalista ao lado de Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tom Zé, Gal Costa e Cia., escandalizou o Brasil conservador do final dos turbulentos anos 60 ao pintar Nossa Senhora Aparecida de minissaia, numa série de quadros que hoje se tornaram relíquias.

Um exílio artístico fez de Waldomiro cidadão do mundo. Morou na França, Itália, Alemanha e Israel, onde espalhou seus quadros e cravou seu nome como um dos grandes artistas brasileiros, adorado pelos críticos e pela nobreza européia.

waldomiro de deus 5De volta ao Brasil, fixou residência em Osasco, cidade industrial da Grande São Paulo. Sua casa, repleta de quadros e esculturas e com um quarto cheio de bonecas e com um caixão de defunto no lugar da cama, tornou-se ponto de referência para artistas, colecionadores, empresários, jornalistas, socialites e afins.

Naquela época, apesar de algumas obras contestadoras, Waldomiro ainda fazia o estilo lírico, mostrando o cotidiano das cidades e do meio rural. De uns dez anos para cá, já dividindo sua residência entre Osasco e Goiânia, passou para aquilo que pode ser definido como primitivismo temático. Os sem-terra, o desemprego, o atentado de 11 de setembro nos EUA, a guerra do Iraque são retratados em cores fortes, traços definidos.
Pinturas que falam. “Waldomiro tem uma sensibilidade muito grande, vê o mundo com alma de menino e sua obra é sempre atual. Ele está cada vez melhor”, diz a marchand carioca Ruth Almeida Prado, uma de suas maiores admiradoras. “É um artista em vários, um camaleão, que está sempre mudando, sem perder a essência primitivista”, completa o crítico Oscar D´Ambrósio, autor do livro “Os pincéis de Deus- Vida e obra do pintor naif Waldomiro de Deus”.

E é esse respeitável senhor com alma de menino que reencontramos durante as festas de São João na Itagibá de uma infância que ele parece nunca ter perdido. Convidado pelo então prefeito Léo Quadros, passou cinco dias na cidade, acompanhado das esposa Lourdes de Deus (também pintora primitivista), mãe de seus seis filhos, que levam nomes exóticos com Amon Hebron, Edon Hesrom, Esdras Shalon, Rebeca…

Décadas depois de ter partido num pau de arara, voltou como uma espécie de “celebridade anônima”. Os moradores sabiam que aquele sujeito simpático, conversador, que saia distribuindo cartões para compradores absolutamente improváveis (suas obras variam entre R$ 6 mil e R$ 50 mil) ´era alguém`. Mas não sabiam exatamente quem. No Brasil onde santo de casa não faz milagres, a Bahia é o lugar onde nem Deus de casa faz. Apesar da fama internacional, o pintor simplesmente é ignorado pelos museus e galerias do Estado.

Visitou a casa onde nasceu, compareceu todas as noites à Praça do Forró (Itagibá é famosa pelo São João que promove), dançou meio sem jeito com Lourdes, se empanturrou com pamonha, canjica, bolo de tapioca, vatapá e sarapatel e, evangélico, passou longe dos licores de genipapo, jabuticaba, abacaxi, cacau e laranja, uma tentação maior do que a outra.

“Foi um mergulho na minha infância, nas minhas raízes. Minha obra é fruto das coisas simples que eu vi aqui, dessa gente que apesar da vida difícil está sempre com um sorriso aberto”. E dá-lhe distribuição de cartões, aperto de mão (era sempre Waldomiro quem tomava a iniciativa e não o contrário, tudo nele parece ilógico), fotografias…

Numa visita à zona rural, vira-se para um amigo e pergunta:
-Seu minino, quanto é que a gente gasta pra comprar umas terrinhas aqui?
Lourdes apenas balbucia “Waldomiro, não vá me dizer que…”

O que espanta não é terminar essa história acalentando a possibilidade de que o menino retirante das terras do cacau se transforme no sessentão fazendeiro, uma saga que nem o grande Jorge Amado (fã de Waldomiro de Deus, registre-se) ousaria escrever, cravando uma tela surrealista no mais ingênuo dos nossos primitivistas.

O que espanta é que na vida e na obra de Waldomiro nada espanta.

O menino Waldomiro perambulando pelas ruas tranqüilas de Itagibá depois de escrever sua história com as mãos do destino, as mãos de Deus e as próprias mãos, é uma belíssima obra de arte. Espantosamente ingênua, espantosamente genial.

Waldomiro de Deus, um Naif brasileiro

Da Serie: El Mundo del Arte

Waldomiro de Deus e a Nossa Senhora de mini saia

wd por juraci

Tela da artista plástica e curadora de artes Juraci Masiero Pozzobon, homenageando um dos momentos marcantes da carreira do naif Waldomiro de Deus, em plena Rua Augusta (centro de São Paulo), no final dos anos 60.

Foi o período da Tropicália, em que Waldomiro fez parte ao lado de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé e Cia., em que pintou uma Nossa Senhora de mini saia, traje que o artista chegou a usar, numa época em que uma parte da classe artística mergulhou na guerrilha contra a Ditadura Militar e outra partiu para o desbunde.

Arte e historia numa mesma tela.

Waldomiro volta pra casa

A história do Menino Grapiuna que conquistou o mundo com a sua arte.

Waldomiro de Deus, Cidadão Goiano

Nosso eterno Menino Grapiuna, Cidadão de Goiás, Cidadão do Mundo. Todas as honras ao mestre Waldomiro.

Nosso eterno Menino Grapiuna, Cidadão de Goiás, Cidadão do Mundo. Todas as honras ao mestre Waldomiro.

Waldomiro de Deus recebe o título de Cidadão Goiano

 

wd cidadão

O pintor primitivista sulbaiano, Waldomiro de Deus, recebe amanhã (9).  o título de Cidadão de Goiano. A homenagem foi proposta pelo deputado estadual Talles Barreto e aprovada por unaminidade pela Assembléia Legislativa de Goiás.

Nascido em Itagibá, na região cacaueira da Bahia, Waldomiro de Deus foi ainda menino para São Paulo, onde se fixou em Osasco de consagrou como um dos maiores primitivistas (naifs) do Brasil, com obras espalhadas em museus e galerias de todo o mundo.

Há cerca de uma década, mudou-se para Goiás, onde continua produzindo obras instigantes, que vão do religioso a temas como corrupção, meio ambiente e violência urbana.

A comemoração dos 50 anos de arte de WD teve exposições em várias capitais brasileiras, como São Paulo. Rio de Janeiro e Salvador.

 

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031