hanna thame fisioterapia animal
universidade lasalle coronavirus 155 livros do thame

Posts Tagged ‘violencia contra a mulher’

Mais de três mil mulheres acessam Zap Respeita as Mina em busca de orientações

spm zap mulheres

O Zap Respeita as Mina recebeu 3.114 acessos via whatsapp e webchat nos três primeiros meses de funcionamento (de outubro de 2020 a janeiro de 2021). Os dados estão no último boletim da ferramenta, que utiliza inteligência artificial para gerar informações referentes à violência doméstica e familiar e, ao identificar casos de emergência, direciona a usuária para atendentes em contato com o serviço 190 da Polícia Militar. Para acessar o zap, basta enviar mensagem para o número (71) 3117 – 2815 ou acessar o site www.mulheres.ba.gov.br.

zap respeita as minas

A ferramenta foi lançada pela Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA), com o apoio da Secretaria de Segurança Pública (SSP), com o objetivo de oferecer mais um canal de atendimento às baianas vítimas de violência no período da pandemia.
O relatório aponta o aumento da utilização do serviço na capital e no interior do estado, mas 70% dos acessos ainda são feitos de Salvador. Apenas 17 municípios baianos originaram acessos ao serviço. As cidades de Lauro de Freitas, Camaçari e Dias D’avila, todas na Região Metropolitana são as cidades com maior frequência de acionamentos, depois da capital onde 101 bairros já foram atendidos.

Read the rest of this entry »

Secretaria de Promoção Social lança campanha de apoio e acolhimento às mulheres vítimas de violência em Itabuna

violencia mulher

Na manhã desta terça-feira, dia 09, ônibus urbanos da empresa Atlântico Transportes passarão a circular pelas ruas da cidade com busdoor da campanha idealizada e lançada pela Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza. “Use Máscara, mas não se cale!” é o título da iniciativa que tem como foco as vítimas de violência doméstica e objetiva disseminar e massificar o número 98131-4280, do CRAM de Itabuna.

 

 

 
“O Centro de Referência de Atendimento à Mulher de Itabuna, integrado por psicólogos, assistentes sociais e uma equipe multidisciplinar, é um importante equipamento social da nossa Secretaria, que agora disponibiliza este canal. O número 98131-4280 passou a atender 24 horas”, disse a secretária Andrea Castro. Com a missão de acolhê-las, orientá-las e apoiá-las, o CRAM está instalado na Rua Almirante Tamandaré, n.º 513, no centro da cidade.

Read the rest of this entry »

Shopping Jequitibá promove Toca Fone e exposição sobre violência contra a mulher

O Shopping Jequitibá em, Itabuna usou a criatividade para comemorar datas importantes em março. Para celebrar o Dia do Telefone (10) e o Dia do Consumidor (15), será realizada de terça a domingo, a promoção Toca Fone.
promoção toca fone 2

O cliente que atender o telefone colocado na entrada principal do Shopping e atender as prendas solicitadas na ligação, ganhará voucher de brindes da lojas e descontos especiais em centenas de produtos. A ação acontece de terça a sexta, das 12 às 14 horas e das 18 às 20 horas, já no sábado e domingo, das 15 às 19 horas. Uma programação envolvente e divertida, homenageando um aparelho que se tornou indispensável no dia a dia e os consumidores, que são a razão de ser do Jequitibá.

MARÇO MÊS DA MULHER

expo mulher

Para celebrar o mês do Dia Internacional da Mulher, o Shopping Jequitibá realiza uma exposição impactante com o tema “A violência é moral, é psicológica, é física. É crime!”, com painéis sobre os estágios da violência que a mulher sofre em uma relação abusiva. O objetivo é alertar os clientes de maneira social, educativa e preventiva, já que 70% da clientela do Jequitibá é composta por mulheres.
A exposição acontece durante todo o mês de março na praça central do shopping.

 

Câmara aborda medidas frente a fila do SUS e combate à violência contra mulher

camUma providência para agilizar o serviço prestado ao itabunense, na marcação de consultas e exames pelo SUS (Sistema Único de Saúde), está prestes a se transformar em realidade. É que foi aprovado ontem (02), na reunião das Comissões Técnicas da Câmara, o requerimento (nº 53/2019) que levará à votação de alteração na lei que trata do sistema de informações da Central de Regulação.

Proposta pelo vereador Enderson Guinho (PDT) e acatada pelos demais, a mudança tem o intuito de disponibilizar informações sobre a posição em que o paciente se encontra na fila para procedimentos. “O projeto sendo aprovado no Plenário e o prefeito sancionando, a secretaria de Saúde vai ter que publicar em seu site toda a lista de realização dos exames, cirurgias e consultas, assim como a lista de espera. De casa, o cidadão vai poder ver se seu exame já está regulado, para onde, o dia e o horário, assim como a lista de espera.”, detalhou o autor do pedido.

Read the rest of this entry »

Violência vergonhosa contra as mulheres

Josias Gomes

josias gomesAs mulheres têm sido vítimas fatais de violência no país.

Muitos crimes têm uma característica em comum: foram cometidos por companheiros ou ex- companheiros das vítimas.
São 4.473 homicídios dolosos, sendo 946 feminicídios, ou seja, casos de mulheres mortas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero. (Fonte G1)
No Brasil, a violência contra mulher é estrutural e requer política forte de Estado.

Em 2015, a presidenta Dilma criou a lei do Feminicídio, que, infelizmente, sofre retrocessos depois do vampiro Temer – o reacionário – acabar com a Secretaria de Políticas para as Mulheres, que tinha status de Ministério – o que só contribuiu para estimular os ataques às mulheres.

violencia mulherE o que falar do discurso misógino do Bolsonaro, que deveria ser exemplo, mas estimula o ódio, inclusive em rede nacional, contra ex-colegas parlamentares, jornalistas, e outras pessoas.

No Brasil, a mulher ainda é tratada como posse.

O homem se acha no direito de decidir sob a vida da companheira.

Precisamos quebrar este ciclo do mal que provoca danos irreparáveis contra o sexo feminino.

As mulheres precisam da participação do Estado e toda sociedade no combate ao Feminicídio em solo brasileiro.

A mudança virá com tolerância zero para os crimes de gênero.

Precisamos investir em uma educação emancipadora onde crianças e jovens respeitem a todos de forma indistinta.

Mais do que nunca, precisamos criar campanhas de conscientização na desconstrução do machismo, incentivar as denúncias, além de dispor do máximo de delegacias das mulheres.

Somente através da união e luta contra o massacre feminino, poderemos vislumbrar dias melhores.

Jamais poderemos esquecer: não estamos apenas citando estatísticas.

São as nossas filhas, mães, amigas, companheiras que tombam a cada 2 horas neste País.

———-

Josias Gomes é deputado federal (PT) e Secretario de Desenvolvimento Rural da Bahia

Em redes sociais, Rui Costa combate racismo e violência contra a mulher

Em suas redes sociais, o governador Rui Costa postou, nesta sexta-feira (1º), uma mensagem em que defende um Carnaval sem racismo ou violência contra a mulher. “Quero uma festa de paz, sem espaço para preconceito e de muito respeito às mulheres. Não vou admitir atos de racismo e intolerância religiosa. Não vou admitir atos de violência contra a mulher, em qualquer circunstância. Quer paquerar? Conversar pode, elogiar pode. Mas não é não e ponto final! Quem define as regras são elas. Vamos ficar atentos e denunciar qualquer situação de violência, intolerância, racismo e homofobia”, escreveu Rui.

 

Na noite de quinta-feira (dia 28), o governador participou da abertura oficial da festa, no Campo Grande (Circuito Osmar). Depois, no circuito Barra/ Ondina (Circuito Dodô), acompanhou o desfile das atrações sem corda patrocinados pelo Governo do Estado, como Bell Marques e Solange Almeida.

Itabuna: caminhada combate violência contra a mulher

mulher 3

Uma passeata em Itabuna, reunindo centenas de pessoas, defendeu a preservação dos direitos da mulher e o combate à violência doméstica.  O tema foi da manifestação foi “Nem uma a menos”,  que remete aos homicídios contra mulheres  no Brasil.
A marcha também lembrou os dois meses da  morte da comerciária Maria Aparecida Santos Reis, que foi assassinada a tiros pelo marido dentro um ônibus urbano em Itabuna. No final da caminhada, manifestantes acenderam velas em frente ao local em que a vítima trabalhava, na avenida do Cinquentenário, centro da cidade.

mulhet 1

Segundo um levantamento feito pelo G1, foram 4.473 homicídios dolosos em 2017, um aumento de 6,5% em relação a 2016. Isso significa que uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil.

mulher 2

Na Bahia, de janeiro de 2017 e até o final de julho deste ano, foram abertos 38.670 processos judiciais de violência contra a mulher, o que dá 67 processos abertos a cada dia ou quase três ações judiciais a cada hora.

mulher 4

Marcha cobra fim da violência contra as mulheres

cidaNo próximo dia 8 de agosto (quarta-feira) completa-se dois meses do brutal assassinato da comerciária Maria Aparecida Reis. Cida (foto), como era conhecida, foi baleada e esfaqueada pelo ex-companheiro, Francisco Bento Rodrigues Neto, dentro de um ônibus, na Alameda da Juventude, em Itabuna.

Com o objetivo de lembrar deste e de outros crimes semelhantes, chamando atenção para a necessidade de dar um basta nas mais variadas formas de violência contra as mulheres, será realizada a Marcha Nenhuma A Menos – ato que exige o fim das violências contra as mulheres. A atividade está sendo promovida pela Rede Feminista Grapiúna, organização que agrega diversas entidades. A concentração será a partir das 15h, no Jardim do “O”, em Itabuna.

A morte de Maria Aparecida é um exemplo típico de feminicídio, crime de ódio contra mulheres, também caracterizado por agressões verbais, físicas e psicológicas. Ela estava separada do ex-companheiro, que insistia para que reatassem a relação e fez ameaças à vítima, resultando em queixa policial quatro dias antes do sinistro, o que não o impediu de ceifar a própria vida e a da ex-companheira. “Uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil, taxa de 4,3 mortes para cada grupo de 100 mil pessoas do sexo feminino. Se considerarmos o último relatório da Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocuparia a 7ª posição entre as nações mais violentas para as mulheres de um total de 83 países”, afirma Kaliana Fontes, integrante da Rede Feminista Grapiúna.

O ato contará com a participação de diversas entidades da sociedade civil organizada, como sindicatos, centrais sindicais, coletivos de mulheres, OAB, Ministério Público, dentre outros.

maes e filhas

Governador assina projetos de enfrentamento à violência contra a mulher

Mulher com a Palavra, projeto inédito do governo baiano de enfrentamento à violência contra a mulher, será lançado nesta terça-feira (30), às 19h30, no Teatro Castro Alves, em Salvador, com a participação do governador Rui Costa.

Com apresentação da cantora Zélia Duncan, o Mulher com a Palavra, executado pela Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM), prevê a Caravana Cravos e Rosas na Paz, assinatura de Protocolo de Intenções com o Instituto AVON, assinatura de Memorando de Entendimentos com a ONU Mulheres e a assinatura de Protocolo de Intenções para Promoção do Segmento de Confecções de Matriz Africana no Recôncavo Baiano com a Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB).

Dilma sanciona lei que prevê cirurgia plástica no SUS a mulher agredida

domesticaA presidenta Dilma Rousseff sancionou lei, publicada no Diário Oficial da União, que prevê a oferta e realização pelo Sistema Único de Saúde de cirurgia plástica reparadora de sequelas de lesões causadas por violência contra a mulher.

O texto seguiu para sanção da presidenta em novembro deste ano. De acordo com a lei sancionada por Dilma, hospitais e os centros de saúde pública, ao receberem vítimas de violência, deverão informá-las da possibilidade de acesso gratuito à cirurgia plástica para reparação das lesões ou sequelas de agressão comprovada.

Além disso, a lei prevê que a mulher vítima de violência grave que necessitar de cirurgia deverá procurar uma unidade de saúde que realize esse tipo de procedimento portando o registro oficial de ocorrência da agressão.

Os gestores que não cumprirem com a obrigação de informar às mulheres sobre os direitos, poderão ser punidos.

moral

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
outubro 2021
D S T Q Q S S
« set    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31