hanna thame fisioterapia animal
bahiagas livros do thame

Posts Tagged ‘TV Cabralia’

Memórias de um Dinossauro

 

dt

eduardo lins (1)

Cidadão Eduardo

Durante meus 13 anos no comando do jornalismo da TV Cabrália, de sua fundação em 1987, até o ano 2000, pude contribuir com o surgimento de grandes profissionais para a televisão baiana e- porque não?- brasileira.

 

Com mais sorte do que talento/juízo, em algumas vezes contei com a ajuda do doutor acaso, o que na verdade apenas antecipou o que já era óbvio. O cara era bom, faltava uma oportunidade de colocar no ar.

 

O cara bom em questão era Eduardo Lins, um meninote de Buerarema, sobrinho do grande apresentador Linsmar Lins, da TV Aratu.

 

eduardo lins (2)Colocado na TV Cabrália à pedido do tio, obviamente. Pedido prontamente atendido por Nestor Amazonas, talentoso ao extremo, gênio diria eu, mas no quesito juízo, dava empate técnico comigo.

E já que era na base do QI (Quem Indicou), vai lá ficar como estagiário da produção do Cabrália Esportiva, o que era a mesma coisa que “rapaz, fica aí e não me enche o saco`.

 

Ah, mas esse trapaceiro chamado destino.

Uma tarde chega a informação do desabamento terrível de um prédio em Jequié, com mortos e feridos. Tragédia das grandes,

Com nenhum repórter na casa, chamei Eduardo e disse:

 

-Vai lá com o cinegrafista, faz umas entrevistas, pega boas imagens, informações e chegando aqui eu faço o texto pro repórter gravar.

 

E  -aí era Daniel Thame em estado bruto (naqueles tempos, bota bruto nisso!)-  falei quase por instinto:

 

-Já que você tá lá mesmo, grava uma passagem na frente do desabamento…

 

´Passagem` para os leigos, é aquela parte da matéria em que o repórter aparece.

 

Editando o papo: Eduardo voltou pra tevê com o texto pronto, boas entrevistas e uma passagem perfeita pra amarrar a reportagem.

 

Segue a matéria da vida: o estagiário que estava na tevê porque o tio famoso indicou, se transformou num repórter de primeira, saltou da Cabrália pra Rede Bahia, onde fez uma carreira brilhante, com passagens marcantes pela  TV Subaé de Feira de Santana e em seguida pela TV Sudoeste, de Vitória da Conquista, onde aportou há 15 anos e atualmente chefia o jornalismo, sempre com alma de repórter.

Essa semana, Eduardo Lins, rara combinação de ótimo profissional com excelente caráter, recebeu o título de Cidadão de Vitória da Conquista.

Merecidíssimo.

 

E essa é a história do repórter  que começou a construir uma carreira a partir de um desabamento…

 

Puta que pariu, o trocadilho é infame, mas como eu disse, sempre fui mais transpiração do que inspiração.

 

Grande Eduardo Lins!

Como conheci o Dado

Nestor Amazonas

 

O Dado Schneider é hoje um dos palestrantes de Comunicação nestor 2mais requisitados do Brasil. Sou fã dele e o acompanho em todos seus posts e lives.

Poucos sabem que ele antes de ensinar, fazia, e fazia muito bem feito. O conheci na Bahia, Salvador, fins dos anos 80. Publicitário brilhante, personalidade energética. Ainda tinha cabelos, mas com a cabeça brilhante de sempre.

Ele fazia o conteúdo e eu a distribuição. Ele na DM9 e eu na TV Aratu, na época Globo da Bahia. Eu ficava na torcida para que cada vez mais ele tivesse e fizesse projetos inovadores e geniais. Ganhava ele, ganhava eu.

dado schNeste domingo da consagração de Santa Dulce, Dado fez sua live sobre “erros que cometi”. Acompanhei e fiquei tentado a colaborar com um retoque…com “um erro que eu não cometi”.

Aviso aos colegas palestrantes de Dado – aqui tem spoiler.

Já por volta de 1989 montei uma emissora no sul da Bahia, Itabuna, (uma baita emissora), a TV Cabralia, afiliada da então promissora Rede Manchete. Nosso diretor comercial o competente Rui Carvalho organizou com a Universidade de Santa Cruz, um seminário sobre o mercado publicitário e, claro, chamou o craque Dado Schneider para fazer a palestra mais importante. Sucesso de público.

Auditório lotado, gente sentado até no chão, a TV Cabralia foi a primeira emissora regional do Nordeste e o palestrante era a grande estrela do momento. Acontece que após a participação do Dado eu faria uma apresentação das possibilidades da televisão como mídia num mercado ainda em formação na região.

Conselho: nunca cometa o erro de falar após uma apresentação do Dado.

Eu, ainda jovem para o cargo (35 anos), vaidoso e até arrogante (na época), botei minhas barbas de molho: com a energia que o Dado coloca no que faz, nem migalhas de atenção sobrariam para mim. Nem de longe tenho a competência do Dado, mas se aqui estou até hoje foi por ter sempre um instinto animal de sobrevivência.

Faltando 5 minutos para o Dado entrar em cena, chamo-o num canto e digo:…vamos fazer uma apresentação conjunta, simultânea, um comentando os argumentos do outro, mesmo sem ensaiar. Ele topou na hora…e foi um sucesso.

Bater bola com um craque não requer muito talento. Peguei carona na palestra dele e vendi meu peixe.

Foi assim que aprendi que melhor do que disputar atenção com um palestrante brilhante é se unir a ele.

Foi assim que firmei minha admiração e amizade com Dado.
Obrigado Dado.
Saudades Dado.

 

Memórias de um Dinossauro

dt

 O rapaz de Ilhéus e a moça do posto de gasolina

Primórdios da TV Cabrália, final da década de 80, início da década de 90.

Cena 1
Nestor Amazonas, mentor e então superintendente daquela aventura que era implantar no Sul da Bahia a primeira emissora de televisão do Norte/Nordeste do Brasil, me chama na sala dele e diz:

-Tá vindo aí um rapaz de Ilhéus, muito bem recomendado. Você coloca ele como editor do Jornal do Meio Dia ou do Repórter Regional.

O JMD e o RR eram, então, os principais telejornais da emissora. Mas com Nestor era assim que as coisas funcionavam. “Coloca ele como editor” e não se fala mais nisso.

Ou, se fala. Quando o “rapaz de Ilhéus” entra no departamento de jornalismo, eu vejo que se tratava de um quase menino. Indicado pelo Nestor, mas ainda assim bastante novo para aquilo que eu imaginava para a função de editor. Feitas as apresentações de praxe, resolvi o problema:

-Você não tem cara de editor, você tem cara de repórter. A partir de amanhã, começa a trabalhar com a equipe de externa, fazendo reportagens.

No dia seguinte, com uma reportagem sobre a precariedade da Guarnição do Corpo de Bombeiros em Itabuna, aquele rapazinho que pela minha intuição não servia para editor iniciava uma das mais brilhantes carreiras de um repórter na Bahia, com passagens pela TV Cabrália e TV Santa Cruz, e rompendo as fronteiras regionais até chegar a Angola, na África, onde trabalhou em duas oportunidades. Aventurou-se pelo marketing político e, além de Itabuna, atuou em Salvador, Aracaju, Recife, Curitiba, Macapá e outras praças.

O nome desse rapaz é Maurício Maron, que dispensa apresentações.

Cena 2
Entro no estúdio da TV Cabrália, levando o roteiro do Jornal do Meio Dia. Naquele tempo não havia computador e as falas dos apresentadores eram escritas numa máquina de datilografia especial, com letras grandes, que ficavam ainda maiores quando colocadas num teleprompter, equipamento que permite passar ao telespectador a impressão (falsa) de que o apresentador ou a apresentadora “decoraram” todas aquelas notícias.

Com o papelório nas mãos, tenho a atenção desviada pra uma moça loira, bonita, vestida com um macacão de posto de gasolina, pronta para gravar o sorteio de alguns vales-combustível, uma promoção da TV Cabrália com o Posto Universal.

De novo movido pela intuição, peço para acenderem as luzes do estúdio, ligar o teleprompter, pego aleatoriamente uma das folhas do Jornal do Meio Dia, entrego para a moça e decreto:

-Senta aí na banqueta de apresentadora e leia isso pra mim.

Ninguém entendeu nada, a moça menos ainda. Mas, foi lá e leu, meio sem graça, mas com firmeza.

Nem esperei ela se levantar da banqueta. Sai do estúdio e fui direto para a sala da superintendência.

-Ramiro, descobri uma apresentadora da porra!!!

Autorização dada de imediato. Eram tempos em que meu cheque especial na Cabrália tinha crédito farto.

O Posto Universal perdeu uma garota propaganda e a televisão ganhou uma apresentadora de primeira linha, que fez história na Cabrália apresentando o Jornal do Meio Dia e programas especiais (um deles de antologia, o dos 80 anos de Jorge Amado), passou pela TV Santa Cruz, trabalhou na TV Globo do Rio e de São Paulo e depois foi para a Rede Manchete/Rede TV, onde está até hoje, esbanjando talento e simpatia.

A moça do posto de gasolina atende pelo nome de Claudia Barthel, que como o ´velho´ e bom Maron, também dispensa apresentações.

____________________

Nos tempos de hoje, em que a Uesc  e Unime despejam jornalistas aos borbotões todos os anos (alguns deles já se achando um Willian Bonner, um Clóvis Rossi, ou  uma Fátima Bernardes)  histórias como essas parecem lenda, delírios de um quase ex-jornalista.

Mas  foram reais, numa época em que havia menos formalismo e mais romantismo na profissão.

Se era melhor ou pior, quem sou eu pra dizer?

Rui Costa no Balanço Geral

Tom Ribeiro entrevista o governador Rui Costa. Balanço Geral, TV Cabralia/Record

Memórias de um Dinossauro

 

dt

 

Profissão Repórter

Entre as várias reportagens que diz ao longo desses mais de  40 anos de estrada, 32 deles no Sul da Bahia, nenhuma foi mais estressante do que a cobertura dos 500 anos do Brasil em Porto Seguro. O que seria uma comemoração, organizada a caráter para incensar Fernando Henrique Cardoso e ACM, se transformou num festival de pancadaria, perpetrada pela polícia baiana contra índios, sem-terras e estudantes.

 
Na véspera do fatídico 22 de abril, tive que optar entre ficar em Porto Seguro, onde a festa estava preparada, ou seguir para Coroa Vermelha, onde o clima estava pesado porque os movimentos sociais não se contentavam em fazer figuração no teatrinho armado pelo governo.

 

Não tive dúvidas: fui a Coroa Vermelha e ao lado da equipe da TV Cabrália, testemunhei uma demonstração de truculência e insanidade que repercutiu em todo mundo. Não perdi nenhuma festa, até porque festa não houve, para desalento do então Rei da Bahia, que ali viu desmoronar o seu sonho de se tornar o Rei do Brasil.

A reportagem foi publicada no jornal A Região. A foto é de Lula Marques.
——————————————————

Polícia barra povo e FHC
faz festa vip dos 500 anos

Read the rest of this entry »

Memórias de um Dinossauro

dtTV Cabrália, inicio dos anos 90.  Santa Catarina enfrentava uma enchente apocalíptica e o Vale do Itajaí foi arrasado pela fúria das águas. A Rede Manchete, da qual a Cabrália era afiliada, fez uma campanha para arrecadar alimentos, remédios, roupas e cobertores para os flagelados.

A Cabrália entrou na campanha e em poucos dias arrecadou toneladas de donativos, que seriam enviados a Santa Catarina.

Uma noite, por volta das 20 horas, entro no estúdio abarrotado de solidariedade, onde mal havia espaço para as câmeras e a mesa do apresentador. De repente, me deu o estalo.

Naquele mesmo período, moradores da Bananeira e do Gogó da Ema, bairros carentes de Itabuna,  estavam sofrendo com as cheias do Rio Cachoeira. Nada que se comparasse à tragédia de Santa Catarina, mas centenas de famílias perderam seus parcos pertences e muitas estavam desabrigadas.

O raciocínio foi óbvio. Se a gente pedisse donativo pras vítimas das enchentes em Itabuna, é provável que o retorno seria quase nenhum. Já para os catarinenses, em função da comoção nacional que se criou, mal havia espaço para estocar tantas doações.

Não tive dúvidas. Com a cumplicidade do então bispo diocesano Dom Paulo Lopés de Faria, hoje habitando merecidamente o reino dos céus, uma parte dos donativos foi entregue para uma igreja e dali seguiu para as famílias da Bananeira e do Gogó da Ema.

A outra parte, é bom que se diga, foi entregue aos catarinenses, que sem saber e por linhas tortas, haviam proporcionado um gesto de solidariedade aos itabunenses, irmãos de pátria e de infortúnio.

 

Memórias de um Dinossauro

dt

Vitória da Conquista, final dos anos 80. A sucursal da TV Cabrália no Sudoeste Baiano dando os primeiros passos e lá estava eu, na fase de ajustes da equipe local de jornalismo.

Tempos tão ´dinossauricos´ quer as matérias eram enviadas de ônibus para Itabuna em fitas U Matic e editadas para entrarem nos telejornais.

Eis que o repórter Junior Patente chega da rua com a reportagem da prisão de quatro jovens, com uma senhora quantidade de maconha.

Fita pronta pra ser enviada, o então editor de jornalismo, cujo nome não vem ao caso (gracias Moro!), me diz:

-Essa matéria não pode sair, porque é tudo filho de gente conhecida.

Por “conhecida”, entenda-se, gente com grana ou com poder político.

Fui na jugular:

-E se fosse gente pobre, poderia sair?

O silêncio ensurdecedor do editor foi a resposta que eu esperava.

A matéria saiu e o editor demitiu-se logo depois, embora os jovens nem chegaram a sentir o gostinho da cadeia.

Afinal, em qualquer tempo, certas coisas definitivamente ´não vem ao caso`…

Memórias de um Dinossauro

dt

TV Cabrália, meados da década de 90 do século passado. Programa Cabrália Esportiva, Barbosa Filho na apresentação e eu atacando de comentarista.

Naquele quarta-feira à noite, o Itabuna jogaria contra a Jacuipense pelo Campeonato Baiano. O Itabuna dependendo de uma vitória para se classificar, a Jacuipense caindo pelas tabelas.

Em vez de apenas comentar, cai na besteira de fazer graça:

-O Itabuna ganha fácil. Pega uma galinha morta…

O que eu não sabia, e nem tinha como saber, era que a delegação da Jacuipense estava concentrada no Itabuna Palace Hotel. E ainda por cima assistindo ao programa.

Antes da bola rolar, entrevistado pela Rádio Difusora, um dos jogadores da Jacuipense  avisa:

-Vamos mostrar pra esse comentarista da televisão quem é galinha morta.

Final de jogo, Jacuipense 3×1 Itabuna.

A galinha estava viva. E eu, feito peixe (ou pato?) morri pela boca.

 

Morro dos Canecos, Itabuna,  com as sedes da TV Santa Cruz e TV Cabrália. O Sul da Bahia na tela.  (foto José Nazal)

Morro dos Canecos, Itabuna, com as sedes da TV Santa Cruz e TV Cabrália. O Sul da Bahia na tela. (foto José Nazal)

TV Cabrália, 30 anos, porra!

Todas as cores no ar

Daniel Thame

 “Todas as cores no ar

Para anunciar uma nova estação…

Na vibração da Manchete o espaço

é da gente, uma nova emoção.

Sinta a cor da energia,

que se irradia na nova estação…

Chegou, chegou, chegou… a TV que você queria…

TV Cabrália – a imagem do Sul da Bahia.”

 

daniel thame FlicaTodas as cores estavam mesmo no ar, anunciando uma nova estação. O Sul da Bahia ainda vivia os tempos em que nas duas pontes do arco-íris havia um pote de ouro, em forma de um fruto dourado, capaz de produzir riquezas inimagináveis e até desafiar a geografia, fazendo com que o Sul da Bahia fosse, na prática, uma espécie de enclave Rio/São Paulo, um oásis em meio ao Nordeste empobrecido e atrasado.

Era a Civilização Cacaueira, abençoada por um deus dourado chamado Cacau.

Estávamos no final dos anos 80, 1987 para ser mais preciso, e já havia uma bruxa à espreita e poucos se deram conta disso. E ela viria tão forte e tão intensa que em meros cinco anos o Sul da Bahia se renderia a Geografia e seria recolocado, a  fórceps, no Mapa do Nordeste.

O deus não era tão divino assim, posto que sucumbiu a uma bruxaria que dizimou frutos, fortunas, vidas, empregos. Mas, isso é outro história, embora num certo momento vá se fundir e delinear uma história que começa com um sonoro:

“Porra!!!!!!!!”.

A TV Cabrália, a imagem do Sul da Bahia, estava no ar.

30 anos depois, o grito de Nestor Amazonas, naquele distante e inesquecível 12 de dezembro de 1987, ainda deve ecoar pelos corredores da TV Cabrália.

Certo, nossa história começa antes desse grito, mas ele significa o alivio de enfim, poder dizer que todas as cores estavam no ar.

—-

(trecho de abertura do livro sobre os 30 anos da TV Cabrália,  que comecei a escrever e que só esse trapaceiro chamado de destino, que me deu a chance de ser protagonista nesse história, se se vai ser concluído. Mas, escrito ou não, esse é uma história que ninguém apaga)

Encontros, desencontros. Reencontro.

Pioneiros celebram os 30 anos da TV Cabrália

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031