WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

universidade lasalle livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

outubro 2022
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  


:: ‘Teia dos Povos’

Instituto ECOBAHIA participa do lançamento do livro de Maria Muniz “Maya” no Assentamento Terra Vista

ecobahia terravista (1)

 

Aconteceu neste domingo (20), o lançamento do livro “A Escola da Reconquista”,  da mestra da Teia dos Povos Maria “Maya” Muniz.
ecobahia terravista (4)

O evento ocorreu na sede da Teia dos Povos no Assentamento Terra Vista em Arataca , com o apoio do Instituto ECOBAHIA. Em vídeo gravado durante o lançamento, a Maria Muniz reconheceu o trabalho realizado pelo ECOBAHIA nas aldeias Indígenas, em defesa da agroecologia e da luta dos povos e comunidades tradicionais por terra, território e qualidade de vida.

ecobahia terravista (2)
A atividade foi  marcada por uma cerimônia Indígena, um grande toré com a participação de várias nações indígenas, destaque para os Maxakali de Minas Gerais e os Pankararu de Pernambuco, além da presença de lideranças do movimentos sociais da região.
ecobahia terravista (3)

O livro conta a história de Maria Muniz em pouco mais de 160 páginas e já está disponível para todo o Brasil. ” Estou muito feliz, pude contar um pouco da minha história e o lançamento deste livro é muito importante para o nosso povo”, afirma a autora. “No ano passado tive o reconhecimento de notório saber pela UFMG e sou junto com o Cacique Nailton Pataxó doutora do meu povo. A gente vai avançando na conquista do nosso território e também na academia”, finalizou  Maya Muniz.

nego elder

 

Líder do Assentamento Terra Vista, Joelson Ferreira faz palestra sobre agroecologia na Universidade de Oxford

2 Joelson Ferreira_Foto_Daniel Thame_GOVBAO departamento de Desenvolvimento Internacional da Universidade de Oxford, da Inglaterra, promove, nesta sexta (03/12), às 14h (hora de Brasília), uma palestra do agricultor e líder do Assentamento Terra Vista em  Arataca, no Sul da Bahia,  Joelson Ferreira Oliveira, um dos fundadores da Teia dos Povos, rede que busca articular movimentos sociais e étnicos da região sul da Bahia em prol da difusão da agroecologia e da defesa dos territórios comunitários.
A palestra de Mestre Joelson, como é conhecido na Teia dos Povos, acontece no ciclo de debates “Mudanças Climáticas e os desafios do desenvolvimento” e tem o título de “Terra, Território, Agroecologia e as mudanças climáticas”. A organização do evento é apoiada pelo grupo de pesquisa Comunidades e(m) Autonomia, coordenado pelos professores da UFSB Spensy Pimentel e Paulo Dimas Menezes.
Oliveira é morador do assentamento Terra Vista, em Arataca, na região cacaueira, a 68 km de Itabuna. Um dos fundadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) na região da Mata Atlântica, ele já integrou a direção nacional do movimento e, atualmente, dedica-se à articulação da Teia dos Povos, entidade que organiza, desde 2012, as Jornadas de Agroecologia da Bahia e há anos inclui ações em parceria com povos indígenas, quilombolas, pescadores e moradores de terreiro na região, entre outros atores sociais.

:: LEIA MAIS »

UFSB assina acordo de cooperação com Povos da Cabruca e da Mata Atlântica

ufsb 4A Universidade Federal do Sul da Bahia-UFSB formalizou a assinatura de um Acordo de Cooperação Técnica com a Associação Territorial de Agroecologia dos Povos da Cabruca e da Mata Atlântica, organização que representa a Teia dos Povos. A Teia constitui uma ampla articulação que vem sendo construída desde 2012 na região Sul da Bahia, entre movimentos sociais do campo e da cidade, povos indígenas, comunidades extrativistas, quilombolas e povos de terreiro.

O acordo foi assinado em visita ao Assentamento Terra Vista, no município de Arataca, pelo reitor Naomar de Almeida Filho. Participaram da cerimônia Joelson Ferreira, articulador da Teia e representante do Conselho Estratégico Social no CONSUNI, Deysiane Ferreira Almeida, Coordenadora da Associação, Nego Elder e Solange Brito, também articuladores da Teia.

O reitor estava acompanhado de comitiva de professores da UFSB que visitou uma das áreas de pesquisa de campo do Assentamento. Durante a atividade, os coordenadores da Teia dos Povos reforçaram o convite para que a UFSB participe do Projeto de Recuperação e Implantação de 400 mil hectares de Cacau Cabruca e Sistemas Agroflorestais, lançado em fevereiro deste ano pela Teia em parceria com o Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica (Cima). O objetivo do plano é recuperar 200 mil hectares de cabruca e implantar 200 mil hectares de agroflorestas no Sul, Baixo Sul e Extremo Sul da Bahia, lançando as bases para uma economia compatível com a sociobiodiversidade da Mata Atlântica.

ufsb 5Naomar concordou com a participação no Projeto dos 400 mil Hectares e acenou para a ampliação futura das parcerias com a Teia. O acordo assinado no domingo abarca propostas de atuação conjunta construídas no âmbito do Fórum Social e do Conselho Estratégico Social da UFSB. A cooperação prevê, inicialmente, cinco linhas de ação: realização anual das Jornadas de Agroecologia da Bahia; titulação de mestres de saberes tradicionais; mobilização da sociedade regional em defesa da universidade pública; articulação de programas interinstitucionais de pós-graduação; implementação de arranjos produtivos locais nos territórios da Teia dos Povos.

Em abril, a Teia dos Povos realizou em Porto Seguro a V Jornada de Agroecologia da Bahia. Nesse evento, a UFSB já participou como parceira oficial. Desde 2016, alunos e professores da universidade já têm realizado diversas outras atividades em parceria com as comunidades da Teia, como é o caso das Semanas de Vivência Interdisciplinar no SUS, que já tiveram duas edições.

Audiência pública debate importância de cursos Técnicos de Agroecologia e Meio Ambiente

galo 1A importância dos cursos técnicos de Agroecologia e Meio Ambiente no desenvolvimento territorial foi tema de uma audiência pública, de iniciativa da Frente Parlamentar Ambientalista da Bahiao Instituto Anísio Teixeira, em Salvador. Segundo informações apresentadas na atividade, os cursos técnicos de agroecologia estão distribuídos em 14 territórios e 26 municípios do Estado.

“Estamos formando milhares de técnicos em agroecologia e meio ambiente ao tempo em que discutimos a aprovação da Política Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica, então precisamos articular o legislativo, as escolas de ensino profissionalizante e as diversas secretarias porque esses cursos têm um papel importante para o desenvolvimento territorial sustentável e para a produção de alimentos livres de veneno”, afirmou o deputado Marcelino Galo, que coordena a Frente Parlamentar Ambientalista na Assembleia Legislativa.

galo 2 “É muito importante essa integração da educação profissional com o Legislativo para que a gente estruture políticas públicas que viabilizem a produção agroecológica na Bahia”, disse Durval Libânio, superintendente de Educação Profissional e Tecnológica. “O território é um espaço de disputa. Esses cursos servem para que a classe trabalhadora ocupe espaços e determine ações que contribuam para o desenvolvimento local sustentável, no viés da agroecologia, principalmente para a população do campo”, afirmou Pedro Melo, secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Cruz das Almas.

Também participaram do evento Flavio Duarte, presidente da Associação Brasileira de Agroecologia, Leonardo Bichara, representante do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrário, José Antonio Lobo dos Santos, da Superintendência de Meio Ambiente e Infraestrutura da UFBA, Kitty de Queiroz, representando a SEMA e Joelson Ferreira, da Teia dos Povos.

Agroecologia une camponeses e povos tradicionais em encontro na Bahia

jor 3

(Brasil de Fato) “Conclamamos os povos a se juntarem à bandeira da agroecologia e, por meio dela, construir alternativas locais à monocultura que o capital nos impõe”. “Não haverá democracia real no Brasil sem a justiça na distribuição de terras e na demarcação dos territórios, sem o respeito à autonomia das comunidades e sem a construção de uma nova matriz econômica, alicerçada na soberania alimentar e na agroecologia.”

jor 1Os trechos são da carta final da V Jornada de Agroecologia da Bahia, encontro que terminou este domingo (23) em Porto Seguro e reuniu mais de duas mil pessoas, entre representantes de comunidades de agricultores assentados e acampados, além de indígenas, quilombolas, pescadores e outros integrantes de comunidades tradicionais, como os moradores de fundo de pasto ou de terreiro. Além de movimentos como o MST, a Teia.

A V Jornada aconteceu no mesmo ambiente onde foram disputados os Jogos Pataxó. A olimpíada indígena local reuniu centenas de representantes das mais de 30 aldeias da região.

Os grupos presentes estão congregados numa iniciativa inovadora que, desde 2012, busca articular diferentes movimentos sociais do Sul da Bahia em torno da difusão de técnicas da agroecologia, dos intercâmbios de sementes, mutirões de trabalho, feiras agroecológicas e encontros políticos. A Teia dos Povos também agrega estudantes e professores de universidades da região, além de trabalhadores da cidade e do campo.

:: LEIA MAIS »

Jornada de Agroecologia da Bahia valoriza desenvolvimento sustentável

teia 1O Governo da Bahia, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), reafirmou seu compromisso com a transição agroecológica na agricultura familiar, durante a 5ª Jornada de Agroecologia da Bahia, realizada pela Teia de Agroecologia dos Povos. O encontro, que terminou ontem  (23), em Porto Seguro, se constituiu num  canal  de diálogo, formação, articulação política e troca de experiências.

A Jornada é um importante espaço de divulgação, debates, e reflexões sobre a agroecologia no Estado, unindo povos e saberes para a defesa irrestrita da agroecologia, enquanto um modo de vida e um instrumento para conquistar a soberania dos territórios, onde a prática e os saberes tradicionais e científicos dialogam entre si em um espaço de articulação dos povos.

teia 2Para o diretor de Inovação e Sustentabilidade da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater/SDR), Welliton Hassegawa, que participou da mesa de abertura e das discussões sobre Educação do Campo e formação em Agroecologia, o ambiente é de expectativa em torno dos modos diferenciados de vida no ambiente da agroecologia, da produção diferenciada e de culturas de cada bioma.

“Esperamos que ao final dessa jornada tenhamos avançado em temas como educação no campo, educação para agroecologia e políticas públicas para consolidar um sistema de transição agroecológica. Que a gente saia daqui com as redes mais fortalecidas e que a Teia, a partir dessas redes, consiga articular melhor a luta de todos os povos que são representados por ela”, disse.

jornadaDurante o evento aconteceu ainda a Feira de Economia dos Povos, além de plenárias, rodas de conversa, espaço auto-organizado de mulheres, oficinas práticas, troca de sementes crioulas, mostra de filmes e atividades culturais.

Participaram da 5ª Jornada, povos indígenas, quilombolas, sem terras, estudantes, juventude, agricultoras e agricultores, pescadores e pescadoras, marisqueiras, professores e professoras, cientistas e toda população engajada na defesa da agroecologia.

 

Teia dos Povos promove Jornada de Agroecologia da Bahia

jornada 2

Será realizada de 19 a 23 de abril, em Porto Seguro,  5ª Jornada de Agroecologia da Bahia, evento organizado desde 2012 pela Teia dos Povos – coalizão de movimentos sociais do Sul da Bahia – que, nesta edição, terá parceria com a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), com o apoio do Governo da Bahia.

jornada 3O tema central da jornada é Terra e Território: Natureza, Educação e Bem Viver, com abordagem de temas como Terra, território e democracia; Bem viver: águas, florestas e sementes;  Educação Libertadora; e Economia para além do Capital.

A jornada terá ainda Feiras de Economia dos Povos, Atividades Culturais, Trocas de Sementes Crioulas e orgânicas, Relato de experiências, Oficinas e Minicursos envolvendo práticas agroecológicas, saúde, alimentação, saberes tradicionais, etnoculturais e  comunicação livre; além de manifestações culturais como música, teatro, dança, artes plásticas, artesanato, etc.

No mesmo espaço da Jornada, acontecerá também a Ciranda/Jornadinha, espaço lúdico e sociopedagógico voltado às crianças que, acompanhando suas famílias, participam do evento.

jornada 1

Inscrições abertas para a V Jornada de Agroecologia da Bahia

 

jornada 1Estão abertas as inscrições para a 5ª Jornada de Agroecologia da Bahia, evento organizado desde 2012 pela Teia dos Povos – coalizão de movimentos sociais do sul da Bahia – que, nesta edição, terá parceria com a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) e será realizado em Porto Seguro, de 19 a 23 de abril. O tema central desta edição é Terra e Território: Natureza, Educação e Bem Viver .

Além das inscrições individuais, Foram lançadas  três convocatórias: para trabalhos científicos, relatos de atividades e oficinas. Os trabalhos científicos serão apresentados como pôsteres e a convocatória está aberta a estudantes e professores de todo o Brasil. A categoria de “relatos de atividades” destina-se preferencialmente a pessoas diretamente conectadas a experiências de implantação de projetos de agroecologia, como estudantes de cursos técnicos e tecnológicos em Agroecologia, Licenciaturas em Educação do Campo ou Intercultural Indígena, mestrados profissionais, cursos do Pronera ou profissionais, militantes e ativistas que atuam junto a comunidades camponesas ou povos tradicionais. Tanto os trabalhos científicos como os relatos de experiências serão publicados nos anais do evento.

jornada 3Pesquisas científicas e relatos de atividades poderão inscrever-se em um das quatro áreas temáticas do evento:  Terra, território e democracia;  Bem viver: águas, florestas e sementes; Educação Libertadora; e Economia para além do Capital.

A V Jornada de Agroecologia da Bahia também está aberta às propostas de oficinas, que poderão ser executadas por pessoas e coletivos de todo o país. Para informações gerais importantes e inscrições, CLIQUE AQUI.

Programa de Desenvolvimento Econômico e Social da Mata Atlântica é lançado no Sul da Bahia

terra 13

Com o tema O que nos une é maior do que o que nos separa, foi lançado, no final de semana, no Assentamento Terra Vista, em Arataca, Território de Identidade Litoral Sul, o Programa de Desenvolvimento Econômico e Social da Mata Atlântica. O evento, que teve a presença do secretário estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), Jerônimo Rodrigues, representando o governador Rui Costa, é uma iniciativa da Teia dos Povos e do Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica (CIMA).

A ação tem como objetivo proteger o bioma Mata Atlântica no estado da Bahia, conservando as espécies nativas de plantas e a fauna e construindo um bem viver para os povos da floresta, os extrativistas, assentados da reforma agrária, pequenos e médios agricultores familiares e todos aqueles que acreditam no potencial do cacau cabruca (produzido em um sistema que preserva a Mata Atlântica).

terravista 5O secretário da SDR, Jerônimo Rodrigues, ressalta a importância da atuação articulada entre consórcio e Teia dos Povos, agentes de transformação que não só executa, mas pensa e elabora projetos estruturantes, revelando boas iniciativas, pensando na recuperação ambiental, desde o plantio à comercialização, com fortes vertentes de educação. Rodrigues lembrou ainda da importância da presença e atuação das universidades e da parceria do Governo do Estado com o Instituto Biofábrica de Cacau, que prevê a distribuição de 36 milhões de mudas nos próximos oito anos.

terravista 6“Esse é um projeto de desenvolvimento e de mudança cultural, que já conta com a parceria do Estado e envolve indígenas, quilombolas, ribeirinhos, assentados e agricultores familiares de uma forma geral. É também uma iniciativa de valorização da cadeia produtiva do cacau e o Governo já vem realizando um trabalho de parceria nas áreas de regularização fundiária, por meio da Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA), de acesso à água e de apoio à cadeia produtiva do cacau, por meio do edital do projeto Bahia Produtiva com recursos na ordem de R$ 10 milhões, que está sendo executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), entre outras ações, que resultam na melhoria da renda e das condições ambientais e econômica dos territórios envolvidos”.

:: LEIA MAIS »

Teia dos Povos e CIMA lançam programa de recuperação de área da Mata Atlântica

 

terra vistaA Teia dos Povos e o Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica (CIMA) lançarão, nos dias 11 e 12 de fevereiro, um programa de recuperação de 200 mil hectares de cacau-cabruca e implantação de outros 200 mil hectares de Sistemas Agroflorestais na Mata Atlântica da Bahia. O evento acontecerá no Assentamento Terra Vista, em Arataca, sul do estado.

O projeto visa proteger o bioma no estado da Bahia, conservando as espécies nativas da flora e da fauna e construindo um bem viver para os povos da floresta, os extrativistas, assentados da reforma agrária, pequenos e médios agricultores familiares e todos aqueles que acreditam no potencial do cacau-cabruca. Serão 92 municípios contemplados com a revitalização e ampliação de uma grande economia de base.

O programa está sendo construído desde 2013, e será executado nos próximos oito anos com projetos de educação, inovação tecnológica e agroindustrialização, unificados com o turismo e a valorização da cultura e dos ativos regionais dos territórios inseridos no sistema-cabruca, que na Bahia compõe o bioma Mata Atlântica, do Recôncavo ao Extremo Sul do estado.

“Esse programa tem uma grande importância para nossa região, pois é a base de um projeto grandioso de desenvolvimento, pautado na educação, agroindustrialização, turismo. Então, nesse momento, chamamos todos os movimentos sociais, trabalhadores, indígenas, quilombolas, todos aqueles que acreditam na cabruca para reconstruir uma região que já passa por mais de trinta anos de crise, transformá-la numa região rica, feliz e participativa”, diz o coordenador da Teia do Povos Joelson Ferreira.

Estarão presentes no evento representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra); da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo da Bahia (SECTI); Superintendência de Educação Profissional (Suprof); a senadora Lídice da Mata; prefeitos, vereadores e secretários municipais da região; Universidade Federal do Sul da Bahia, Universidade Estadual de Santa Cruz, entre outras instituições.





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia