hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Posts Tagged ‘Sergio Moro’

Jaques Wagner a Moro: ´foi medida sensacionalista divulgar conversas grampeadas de Dilma?´

wagner(Brasil247) – O senador Jaques Wagner (PT-BA) questionou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, se ele não achou “sensacionalista” a divulgação dos grampos da então presidente Dilma Rousseff com o ex-presidente Lula no Jornal Nacional, da TV Globo, pela Lava Jato em abril de 2016. A indagação foi feita nesta quarta-feira 19 durante audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) no Senado, onde Moro depõe.

“O ministro insiste em desualificar o site e chamá-lo de sensacionalista. O site já ganhou o ‘Oscar do jornalismo’ com a revelação dos ‘wiki leaks’. O combate à corrupção é pré-requisito para qualquer pessoa na vida pública. A melhor forma é responder o que está sendo revelado. Foi uma medida sensacionalista divulgar conversas grampeadas de Dilma? Colocar no pelourinho a dignidade de pessoas que deveria ser mantido em sigilo? Como no caso da Escola Base, por exemplo, que não tem nada a ver com Vossa Excelência”, disse Wagner.

“Pensa em se afastar do cargo para não prejudicar as investigações se ela for para a Polícia Federal?”, indagou ainda.

Antes disso, Moro por diversas vezes se referiu ao site The Intercept, responsável pela divulgação das conversas vazadas entre o ex-juiz e a força-tarefa da Lava Jato, como “sensacionalista”.

“O impacto inicipal decorrente do sensacionalismo da divulgação dessas notícias geraram uma repercussão indevida e o tempo está colocando as coisas no seu devido lugar. Há divulgação sensacionalista e isso coloca em questionamento quais as motivações”, respondeu Moro.

Jaques Wagner voltou a cobrar: “o senhor ainda não respondeu se foi sensacionalista a divulgação dos áudios de Dilma”. “O senhor acha de bom tom deixar o cargo para as investigações?”, repetiu o senador.

Dr. Moro vende o sofá?

Intercept: Rui diz que revelações provocam ´profunda indignação`

O governador Rui Costa usou as redes sociais, na noite deste domingo (9), para se manifestar sobre a troca de mensagens entre procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e o então juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro. As conversas foram divulgadas pelo site The Intercept.

“O que o site The Intercept divulgou é muito grave. Provoca profunda indignação. É fundamental que todo o conteúdo seja esclarecido. O Brasil precisa saber toda a verdade. Caso contrário o País continuará sem oferecer segurança Jurídico Institucional, Credibilidade e Confiança. O Brasil precisa recuperar sua imagem no mundo. Chega de mentir e perseguir. É preciso retomar a credibilidade em nossas instituições”, publicou o governador em seus perfis oficiais no Twitter, Instagram e Facebook.

Quanto vale Moro?

 

Gerson Marques

gerson marquesAo divulgar “um acordo” com Moro, como motivo para sua indicação ao Supremo, Bolsonaro desmascara o juiz que fez política para fazer carreira ao arrepio da lei. Será o primeiro ministro do Supremo (se chegar lá), que não foi indicado pelo mérito do saber jurídico, mas por fruto de um acordo político.

 

 
Como todo acordo, as partes envolvidas deve ter algo a oferecer que interessa a outra parte, neste sentido, o que ofereceu Moro a Bolsonaro? Qual foi a moeda de troca tão valiosa para Bolsonaro pagar (tão caro), em duas prestações, com o ministério da justiça e depois uma vaga no Supremo?

 

 

 

É uma resposta que de tão óbvia parece auto explicativa, é visível a cabeça de Lula em uma bandeja de prata, até aí está fácil de entender, mas tem mais farinha no angu. O que fez Bolsonaro divulgar o acordo? E com tanta antecedência? Como diz o provérbio alemão do século passado “é nas entrelinhas do contrato que o diabo mora”.

 

 

Me arrisco a dizer que a divulgação do esquema, ou acordo como chamou Bolsonaro, desta vez não foi por diarreia verbal, típica do presidente, mas sim uma jogada bem pensada para amarrar de uma vez por todas o juiz de Curitiba ao seu governo.

 

 

Moro vem sendo cobrado por seus admiradores, inclusive na grande imprensa, sobre sua cumplicidade com as mazelas já expostas da família dos bolsonaros, o Queiroz, a intimidade com as milícias, o decreto das armas fragrantemente inconstitucional, e a retirada do Coaf de sua pasta, com aval de Bolsonaro no acordo com a bancada do centrão, é visível a inabilidade do ex-juiz para o tamanho do cargo.

 

 

Mas Moro é um homem cheio de ambições, no entanto é vazio de conhecimento e pobre de qualidades morais, capaz de fazer qualquer coisa para arrumar um lugar ao sol, neste acordo com Bolsonaro poderá até conseguir, mas será sempre visto como o personagem da famosa obra do escritor alemão Johann Wolfagang von Goethe, o clássico Fausto, sobre a figura de Dr. Fausto, homem que vendeu a alma ao diabo.

É proibido fumar?

A0 PÉ DA GOIABEIRA lopes

O ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão (governo Dilma) conta que recebeu, tal como ocorreu recentemente com o ministro atual, o ex-juiz Sérgio Moro, representantes da indústria tabagista, que lhe propunham uma ação junto ao ministro da Fazenda para baixar a alíquota de IPI de uma nova classe de cigarros de “baixo custo”. Era, explicaram os tais representantes, uma forma de concorrer com os cigarros paraguaios contrabandeados para o Brasil. Segundo eles, relata o ex-ministro, os cigarros paraguaios causavam prejuízo à indústria brasileira (pela concorrência desleal) e também causavam um rombo na arrecadação. A alternativa seria, pois, a indústria nacional entrar nesse segmento de atender tabagistas de baixa renda. Claro, com apoio do Estado, para oferecer um produto muito mais nocivo aos mais pobres.

O então ministro repeliu a proposta, categoricamente, por entender que a solução para a concorrência desleal do país vizinho seria uma ação mais contundente contra o contrabando, não, porém, estimular a indústria tabagista brasileira, quando o esforço em saúde pública era eliminar, ou, pelo menos, reduzir drasticamente o consumo de tabaco, que não só causa doenças letais com muito sofrimento aos que não conseguem largar o hábito, como também impõe um custo elevado ao sistema de público de saúde.

A julgar pelo noticiário, essa verdade elementar (o dano que o fumo causa à população e aos cofres do Estado) parece muito complexa  para o entendimento do ex-juiz de Curitiba, surpreendentemente alçado à cadeira de Ministro da Justiça: ele anunciou que pretende criar uma comissão para estudar a redução da alíquota, de acordo  informações dos jornais comunistas Folha de São Paulo e O Globo.

Segundo Eugênio Aragão, baixar a alíquota do imposto para cigarros faz bem à indústria, mas faz muito mal à sociedade, que tem que arcar com os custos do tabagismo.

Querer baixar IPI para uma classe de cigarros de “baixo custo” – e, claro, de baixíssima qualidade – é fazer o governo subvencionar mata-ratos para pobres.

Só falta o cinismo aqui (são palavras do ex-ministro Aragão): “afinal, pobre já não se envenena com mata-ratos paraguaios? Deixe-os se envenenarem com o brasileiro, que, ao menos, traz receita para o Estado e lucro para a indústria!”

“A proposta, já se vê, é indecente e imoral. Seria mais producente que Moro se empenhasse na repressão ao contrabando. Afinal, reprimir é com ele mesmo! Mas não nos faça de idiotas, sugerindo que cigarro barato para pobre faz bem ao Brasil!”

O novo ministro da Saúde, o economista Abraham Weintraub, já mostrou que, em matéria de inteligência, caráter e incompetência está à altura do capitão que o nomeou. “O socialismo é a aids, o comunismo é a doença oportunista”, disse o grande homem. No ano passado (o que certamente o credenciou a ser ministro do capitão), ele se saiu com este disparate:

“…Os comunistas são o topo do país. Eles são o topo das organizações financeiras; eles são os donos dos jornais; eles são os donos das grandes empresas; eles são os donos dos monopólios…

O textinho seria apenas mais uma bizarrice desse governo tosco. Mas é criminoso, do ponto de vista ético (por não citar a fonte) e do ponto de vista humano (por ser a fonte quem é). O texto é de Hitler, substituindo “judeus” por “comunistas”: O que o Brasil pode esperar de gente com tamanha (falta de) qualificação? Eis a fala nazista, d 1930:

“…Os judeus são o topo do país. Eles são o topo das organizações financeiras; eles são os donos dos jornais; eles são os donos das grandes empresas; eles são os donos dos monopólios…”

 

E por falar em comunistas, o ministrão da Economia deixou escapar, durante reunião com empresários, que “Lula nunca roubou nem um tostão”. A frase caiu como uma bomba, pois Paulo Guedes, pelas rodas em que anda (incluindo o colega da Justiça, Sérgio Moro), é muito bem informado. Claro que o ato falho (?) lhe custou caro: os bolsonaros, prontamente, o rebaixaram de “Posto Ipiranga do governo” a “perigoso comunista”.

 

(As diatribes do Barão e sua equipe são publicadas as terça e sábdos, quer chova, quer faça sol)

 

O general, o capitão, a emenda e o soneto

A0 PÉ DA GOIABEIRA lopes

 

moro LulaEu já sabia (seus eleitores, talvez não) que o presidente da República é incapaz de escrever com o mínimo de correção. Talvez por isso ele escolheu comunicar-se pelas redes, território onde se escreve pouco e com baixo índice de exigência com a chamada língua culta.  Quando fala, é aos arrancos, sem coerência, repetindo expressões batidas (“acabar com isso aí”, “mudar isso daí”). Essa falta de preparo já envergonhou os brasileiros em Davos, quando, na busca de investidores para o Brasil, o presidente teve de encerrar o discurso após rápidos cinco minutos.  “Faltam-me as palavras”, poderia ter dito. Mas não disse, porque não tinha nem estas.

 

Este meu conhecimento empírico agora ganha uma referência técnica: o economista Gabriel Brasil, por amor à precisão científica, analisou os textos do presidente no tweetter e concluiu: “praticamente um em cada quatro tweets de Jair Bolsonaro tem erro de português.” O pesquisador pegou como amostra todas as postagens do Capitão entre 1º de janeiro e 11 de março de 2019, constatando uma fartura de erros gramaticais ou ortográficos. No período, o tuiteiro-geral da República publicou 381 mensagens, sendo que 86 (22,5%) delas continham, pelo menos, um pontapé no traseiro da gramática.

 

“O juiz federal Sérgio Moro aceitou nosso convite para o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Sua agenda anti-corrupção, anti-crime organizado, bem como respeito à Constituição e às leis será o nosso norte!” – escreveu o presidente de extrema-direita.

 

O pesquisador viu erros na hifenização (o correto é “anticorrupção” e “anticrime”) e na pontuação (a explicativa “bem como o respeito à Constituição e às leis” deveria estar entre vírgulas).

 

Como o homem é tão ruim de escrita quanto de fala, arrumaram-lhe, para evitar que ele desse tanta pedrada, um porta-voz (general, é óbvio). Pois saiba a inocente leitora – e quem mais se der à perda de tempo de ler as diatribes deste Barão – que o general, dito Otávio Rego Barros (abaixo, no traço de Aroeira), que fala pelo Capitão reformado, se mostra à altura do “patrão” (parece um caso raro, em que a emenda, se não é pior do que o soneto, também não lhe fica devendo em estupidez). Se duvidam, vejam a pérola que o homem divulgou, na segunda-feira, 25 (pérola que vai aqui entre aspas, pra que nenhum desavisado pense que este Barão perdeu de vez o juízo e é autor de tal sandice):

 

“Nosso presidente já determinou ao Ministério da Defesa que faça as comemorações devidas com relação ao 31 de março de 1964 incluindo a ordem do dia, patrocinada pelo Ministério da Defesa, que já foi aprovada pelo nosso presidente”.

 

Em outro momento, o porta-voz “explica” como a patacoada deve ser feita, uma oportunidade aproveitada para dar um rabo de arraia na já sofrida gramática portuguesa:

 

“Aquilo que os comandantes acharem, dentro das suas respectivas guarnições e dentro do contexto, que devam ser feitas”, cravou o porta-voz – inaugurando um modelo próprio de concordância (“aquilo que…devam ser feitas”).

 

Estamos, portanto, com um presidente analfabeto funcional que tem como porta-voz um general analfabeto funcional. No mínimo, adequado.

 

E mais não digo, nem preciso dizer. Apenas conclamo os alunos da 8ª série a que tapem o nariz e peguem o lápis vermelho, antes de ler esta coisa. Talquei?

 

 

 

(As diatribes do Barão e sua equipe são publicadas às terça e sextas, quer chova, quer faça sol)

 

PERFIL DO BARÃO

 

Read the rest of this entry »

Onyx recebeu o dobro de caixa 2, Moro endurece e ele terá que pedir desculpas duas vezes

onix

(do Blog Sensacionalista)-  O governo Bolsonaro resolveu endurecer de vez contra a corrupção e, a partir de agora, a pena de quem for envolvido será dobrada. A medida afeta diretamente o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Ele era investigado por ter recebido R$ 100 mil de caixa dois da JBS, mas agora o valor já chegaria a R$ 200 mil. O presidente eleito Jair Bolsonaro disse que se houver provas usará a caneta Bic para demitir qualquer um.

Por via das dúvidas, a Bic já anunciou a expansão de suas fábricas para evitar escassez.

Um juiz com superpoderes?

Em Curitiba, Rui diz que Lula é “preso político de meia dúzia de pessoas da elite brasileira”

 

Depois de ser impedido de visitar o ex-presidente Lula, o governador da Bahia, Rui Costa, se manifestou sobre o assunto, na frente da sede da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba. “Ninguém está acima da lei, mas reafirmo que nenhum brasileiro deve ser condenado sem provas por um procurador que inúmeras vezes manifestou sua posição político-partidária e por um juiz que posou dezenas de vezes ao lado de senadores do PSDB”, enfatizou Rui Costa.

Rui e outros governadores do Norte, Nordeste e Sudeste foram nesta terça-feira (11) a Curitiba, com o objetivo de encontrar o ex-presidente Lula. “Hoje, nove governadores foram impedidos de exercer um direito previsto no Código de Execução Penal, segundo o ex-juiz federal e atual governador do Maranhão, Flávio Dino, de visitar o ex-presidente. Vai ficando cada vez mais claro, para o Brasil e para o mundo, que Lula é um preso político de meia dúzia de pessoas da elite brasileira”, afirmou o governador baiano

Lula resiste e não irá se entregar em Curitiba

lula sb(da Reuters) – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará um pronunciamento a aliados e simpatizantes que estão na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, por volta do meio-dia, disseram duas fontes ligadas ao PT.

As fontes também afirmaram que Lula não irá nesta sexta-feira a Curitiba para se entregar às autoridades, após o juiz federal Sérgio Moro determinar sua prisão na véspera e dar o prazo até as 17h desta sexta-feira para ele se apresentar à Polícia Federal na capital paranaense.

O  ex-presidente deve permanecer no sindicato, que é seu berço político, fazendo com que os policiais tenham de ir lá prendê-lo. No momento, a única definição é que Lula não se entregará antes de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre um pedido de habeas corpus feito pela defesa do petista.

No pedido, os advogados argumentam que a prisão não poderia ter sido decretada antes de esgotados todos os recursos junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). A defesa ainda pretende apresentar embargos aos embargos de declaração que foram rejeitados pela corte na semana passada.

Lula foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele teria recebido o tríplex como propina paga pela empreiteira OAS em troca de contratos na Petrobras.

O petista lidera as pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de outubro, mas deve ficar impedido de disputar por causa da Lei da Ficha Limpa que determina a inelegibilidade de condenados por órgãos colegiados da Justiça.

Lula nega ser dono do tríplex, assim como quaisquer irregularidades. Lula, que é réu em outros seis processos, afirma ser alvo de uma perseguição política promovida por setores da imprensa, do Ministério Público, do Judiciário e da Polícia Federal com o objetivo de impedi-lo de ser candidato.

Teoria da Conspiração?

O mais do que estranho ataque da mídia a Moro…

Efeito Moro? Lula cresce 6 pontos em nova pesquisa

lula (2)Ao contrário do imaginado, as recentes decisões do juiz federal Sérgio Moro contra Luiz Inácio Lula da Silva turbinaram o petista e ex-presidente da República, a julgar pela pesquisa do DataPoder360 feita nos dias 12, 13 e 14, por telefone. Numa das decisões, o magistrado condenou o ex-presidente da 9 anos de prisão, porém podendo recorrer em liberdade. Foi o julgamento do Caso Tríplex. O petista ainda é réu em outros 5 processos.

Na pesquisa DataPoder, Lula saiu de 23% das intenções de votos, em julho, para até 32% em agosto. Nos dois cenários testados, Lula pulou de 23% e 26% em julho para 31% e 32% em agosto, conforme o DataPoder360, do site Poder360.

Com Lula no páreo, a corrida presidencial segue estável. O petista está consolidado e até mostrou 1 avanço, pontuando em agosto 31% e 32%, nos 2 cenários testados. Em julho, antes da sentença do juiz federal Sérgio Moro (responsável pela Lava Jato em 1ª Instância), Lula tinha 23% e 26%. A pena imposta pelo magistrado e a maior exposição pública parecem ter feito bem ao petista.

Já quando Lula sai de cena, Bolsonaro lidera isolado nas intenções de voto. “A pesquisa do DataPoder360 foi realizada por telefone (com ligações para aparelhos fixos e celulares) de 12 a 14 de agosto. Foram feitas 2.088 entrevistas em 197 cidades. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Ou seja, 1 candidato com 25% está na faixa de 22% a 28%, aproximadamente.”

Confira todos os resultados, aqui.

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930