hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Posts Tagged ‘Lava Jato’

Fabulas fabulosas de hoje em dia

lobo cordeiro

De onde vem a força de Lula?

Por que querem me condenar

Luiz Inácio Lula da Silva

lula 13Em mais de 40 anos de atuação pública, minha vida pessoal foi permanentemente vasculhada -pelos órgãos de segurança, pelos adversários políticos, pela imprensa. Por lutar pela liberdade de organização dos trabalhadores, cheguei a ser preso, condenado como subversivo pela infame Lei de Segurança Nacional da ditadura. Mas jamais encontraram um ato desonesto de minha parte.

Sei o que fiz antes, durante e depois de ter sido presidente. Nunca fiz nada ilegal, nada que pudesse manchar a minha história. Governei o Brasil com seriedade e dedicação, porque sabia que um trabalhador não podia falhar na Presidência. As falsas acusações que me lançaram não visavam exatamente a minha pessoa, mas o projeto político que sempre representei: de um Brasil mais justo, com oportunidades para todos.

Às vésperas de completar 71 anos, vejo meu nome no centro de uma verdadeira caçada judicial. Devassaram minhas contas pessoais, as de minha esposa e de meus filhos; grampearam meus telefonemas e divulgaram o conteúdo; invadiram minha casa e conduziram-me à força para depor, sem motivo razoável e sem base legal. Estão à procura de um crime, para me acusar, mas não encontraram e nem vão encontrar.

Desde que essa caçada começou, na campanha presidencial de 2014, percorro os caminhos da Justiça sem abrir mão de minha agenda. Continuo viajando pelo país, ao encontro dos sindicatos, dos movimentos sociais, dos partidos, para debater e defender o projeto de transformação do Brasil. Não parei para me lamentar e nem desisti da luta por igualdade e justiça social.

Nestes encontros renovo minha fé no povo brasileiro e no futuro do país. Constato que está viva na memória de nossa gente cada conquista alcançada nos governos do PT: o Bolsa Família, o Luz Para Todos, o Minha Casa, Minha Vida, o novo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), o Programa de Aquisição de Alimentos, a valorização dos salários -em conjunto, proporcionaram a maior ascensão social de todos os tempos.

Nossa gente não esquecerá dos milhões de jovens pobres e negros que tiveram acesso ao ensino superior. Vai resistir aos retrocessos porque o Brasil quer mais, e não menos direitos.

Não posso me calar, porém, diante dos abusos cometidos por agentes do Estado que usam a lei como instrumento de perseguição política. Basta observar a reta final das eleições municipais para constatar a caçada ao PT: a aceitação de uma denúncia contra mim, cinco dias depois de apresentada, e a prisão de dois ex-ministros de meu governo foram episódios espetaculosos que certamente interferiram no resultado do pleito.

Jamais pratiquei, autorizei ou me beneficiei de atos ilícitos na Petrobras ou em qualquer outro setor do governo. Desde a campanha eleitoral de 2014, trabalha-se a narrativa de ser o PT não mais partido, mas uma “organização criminosa”, e eu o chefe dessa organização. Essa ideia foi martelada sem descanso por manchetes, capas de revista, rádio e televisão. Precisa ser provada à força, já que “não há fatos, mas convicções”.

Não descarto que meus acusadores acreditem nessa tese maliciosa, talvez julgando os demais por seu próprio código moral. Mas salta aos olhos até mesmo a desproporção entre os bilionários desvios investigados e o que apontam como suposto butim do “chefe”, evidenciando a falácia do enredo.

Percebo, também, uma perigosa ignorância de agentes da lei quanto ao funcionamento do governo e das instituições. Cheguei a essa conclusão nos depoimentos que prestei a delegados e promotores que não sabiam como funciona um governo de coalizão, como tramita uma medida provisória, como se procede numa licitação, como se dá a análise e aprovação, colegiada e técnica, de financiamentos em um banco público, como o BNDES.

De resto, nesses depoimentos, nada se perguntou de objetivo sobre as hipóteses da acusação. Tenho mesmo a impressão de que não passaram de ritos burocráticos vazios, para cumprir etapas e atender às formalidades do processo. Definitivamente, não serviram ao exercício concreto do direito de defesa.

Passados dois anos de operações, sempre vazadas com estardalhaço, não conseguiram encontrar nada capaz de vincular meu nome aos desvios investigados. Nenhum centavo não declarado em minhas contas, nenhuma empresa de fachada, nenhuma conta secreta.

Há 20 anos moro no mesmo apartamento em São Bernardo. Entre as dezenas de réus delatores, nenhum disse que tratou de algo ilegal ou desonesto comigo, a despeito da insistência dos agentes públicos para que o façam, até mesmo como condição para obter benefícios.

A leviandade, a desproporção e a falta de base legal das denúncias surpreendem e causam indignação, bem como a sofreguidão com que são processadas em juízo. Não mais se importam com fatos, provas, normas do processo. Denunciam e processam por mera convicção -é grave que as instâncias superiores e os órgãos de controle funcional não tomem providências contra os abusos.

Acusam-me, por exemplo, de ter ganho ilicitamente um apartamento que nunca me pertenceu -e não pertenceu pela simples razão de que não quis comprá-lo quando me foi oferecida a oportunidade, nem mesmo depois das reformas que, obviamente, seriam acrescentadas ao preço. Como é impossível demonstrar que a propriedade seria minha, pois nunca foi, acusam-me então de ocultá-la, num enredo surreal.

Acusam-me de corrupção por ter proferido palestras para empresas investigadas na Operação Lava Jato. Como posso ser acusado de corrupção, se não sou mais agente público desde 2011, quando comecei a dar palestras? E que relação pode haver entre os desvios da Petrobras e as apresentações, todas documentadas, que fiz para 42 empresas e organizações de diversos setores, não apenas as cinco investigadas, cobrando preço fixo e recolhendo impostos?

Meus acusadores sabem que não roubei, não fui corrompido nem tentei obstruir a Justiça, mas não podem admitir. Não podem recuar depois do massacre que promoveram na mídia. Tornaram-se prisioneiros das mentiras que criaram, na maioria das vezes a partir de reportagens facciosas e mal apuradas. Estão condenados a condenar e devem avaliar que, se não me prenderem, serão eles os desmoralizados perante a opinião pública.

Tento compreender esta caçada como parte da disputa política, muito embora seja um método repugnante de luta. Não é o Lula que pretendem condenar: é o projeto político que represento junto com milhões de brasileiros. Na tentativa de destruir uma corrente de pensamento, estão destruindo os fundamentos da democracia no Brasil.

É necessário frisar que nós, do PT, sempre apoiamos a investigação, o julgamento e a punição de quem desvia dinheiro do povo. Não é uma afirmação retórica: nós combatemos a corrupção na prática.

Ninguém atuou tanto para criar mecanismos de transparência e controle de verbas públicas, para fortalecer a Polícia Federal, a Receita e o Ministério Público, para aprovar no Congresso leis mais eficazes contra a corrupção e o crime organizado. Isso é reconhecido até mesmo pelos procuradores que nos acusam.

Tenho a consciência tranquila e o reconhecimento do povo. Confio que cedo ou tarde a Justiça e a verdade prevalecerão, nem que seja nos livros de história. O que me preocupa, e a todos os democratas, são as contínuas violações ao Estado de Direito. É a sombra do estado de exceção que vem se erguendo sobre o país.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA foi presidente do Brasil (2003-2010). É presidente de honra do PT (Partido dos Trabalhadores)

lava

Lula a Temer: ´não foi Deus, foi golpe´

lulaO ex-presidente Lula rebateu na noite desta quarta-feira 28 um trecho do pronunciamento feito nesta terça por Michel Temer, em que o peemedebista diz que ‘não sabe como Deus o colocou ali’, em referência ao cargo de presidente da República.

“O Temer agradeceu a Deus, dizendo não saber por que foi levado a presidência. O que levou foi um golpe”, disse Lula em discurso durante as comemorações dos 25 anos da Confederação Nacional dos Metalúrgicos, em São Paulo.

“Foi golpe que deram. Não foi por conta de Deus, mas por conta de deputados e senadores que assaltaram o poder e derrubaram uma presidenta democraticamente eleita com 54 milhões de votos”, completou.

Segundo Lula, a única saída para dar início à solução da crise econômica do País é “o povo voltar a eleger um presidente da República”. “A crise que vivemos no mundo é uma falta de liderança política. A desgraça de quem não gosta de política é que é governado por quem gosta”, afirmou.

“O Temer está acabando com direitos quase que seculares da classe trabalhadora”, criticou ainda o ex-presidente, relembrando as benfeitorias de seu governo, além do alto índice de emprego e crescimento da economia.

O petista destacou ainda que “a Lava Jato está destruindo uma parte da indústria nacional”. “As pessoas tem vergonha de falar isso. Mas é verdade”, disse. (Brasil 247)

Esse se fosse você?

Após Serraglio retomar mandato, Rocha Loures é visto com faixa de ‘Foro, Temer!’

foro temer(do Blog Sensacionalista)-Após o deputado federal Osmar Serraglio ter sido demitido do Ministério da Justiça, ele não aceitou a proposta de Temer de ir para o Ministério da Transparência — algo que o manteria fora do Congresso e deixaria que Rodrigo Rocha Loures, primeiro suplente, continuasse com foro privilegiado.

Loures foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil reais de um contato da JBS e preso. O dinheiro seria usado para pagar o “cala-boca” de Eduardo Cunha e teria sido pedido do presidente Michel Temer.

Loures, inconsolável, lançou uma campanha para que o antigo chefe dê um jeito de se mexer.

Ele lançou o “Foro, Temer!”, para conscientizar o mandatário máximo de que não quer ser julgado como um ladrão comum. “É foro ou o colo do Moro”, cantou Loures durante o banho de sol.

O próximo pode ser você…

censura

Ponto 1-Ao ser defenestrado da revista Veja e da radio Jovem Pan após o vazamento de uma conversa, que não tinha nenhuma relação com a investigação, com Andrea Neves, o jornalista Reinaldo Azevedo acaba sendo vitima do próprio monstro que alimentou. Enquanto as vítimas das atrocidades dos justiceiros de Curitiba, Reinaldo apoiava e aplaudia entusiasmado. Só passou a criticar, com a virulência costumaz,  as arbitrariedades e as violações a Constituição quando a corda envolveu o pescoço de seus amigos do PSDB, Aecio Neves na ribalta.

Ponto 2- A ´punição`  a Reinaldo Azevedo, aliado convertido em adversário, é um recado claro: quem se opuser a Lava Jato, seja de extrema direita, extrema esquerda ou centroavante de Ibis, corre o risco de seguir o mesmo caminho.

Ponto fina- O Brasil caminho celeremente para uma Ditadura do Judiciário.

 

Janot pede a prisão de Aécio

aecimO ex-senador Aécio Neves (PSDB-MG), que foi afastado do mandato nesta madrugada, pode ser preso ainda hoje. Isso porque o procurador-geral Rodrigo Janot pediu a prisão de Aécio ao relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin.

O ministro decidiu afastar Aécio do mandato e levará o pedido de prisão ao plenário da corte, numa sessão que ocorrer ainda nesta quinta-feira.  Aécio liderou o golpe parlamentar que destruiu a economia brasileira, arrasou a imagem internacional do Brasil e deixou milhões de desempregados.

Na ação controlada da Polícia Federal, ele foi flagrado pedindo propina de R$ 2 milhões em propina à JBS, prometendo, em troca, uma diretoria da Vale.O dinheiro foi entregue à família Perrela, dona do Helicoca, um helicóptero apreendido com 500 quilos de cocaína, caso que agora poderá ser esclarecido.

Já que Moro foi pífio em Curitiba, restou à mídia usar Marisa para transformar Lula no viúvo do mal

Por Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo

kiko 2A nova estratégia de demonização de Lula passou a ser acusá-lo de culpar Marisa Letícia por seus crimes.

Na audiência com Moro, Lula afirmou que, enquanto ele havia descartado a compra do triplex no Guarujá, Marisa relutava.

“Eu não ia ficar com o apartamento, mas a dona Marisa ainda tinha dúvida se ia ficar para fazer negócio, ou não”, falou. Moro perguntou se ela decidiu não ficar. “Não discutiu comigo mais”, foi a resposta.

E daí?

A síntese do Jornalixo

A síntese do Jornalixo

E daí nada, mas já que estamos na lama, haverá sempre porcos e uma farta distribuição de lavagem.

Nordestino, nove dedos, bêbado, analfabeto, ladrão, infiel, criador de filhos bandidos, assassino de Celso Daniel…

Faltava o viúvo safado que se aproveita da falecida. Não falta mais.

Essa exploração dá bem a medida do quanto o depoimento de Lula a Moro foi frustrante para quem esperava que o juiz esmagasse o ex-presidente.

Ao longo de cinco extenuantes horas, Moro e sua patota do MPF não apresentaram nem uma mísera prova. Moro ainda fez, à margem da lei, questionamento a respeito de outros inquéritos, mentiu sobre a relação umbilical com a imprensa, abusou porque pode tudo.

Levou um sabão histórico nas considerações finais. Na GloboNews, o time de Camarotti e Catanhêde não tinha como esconder a tristeza. No Jornal Nacional, o clima era de fim de feira.

Restou a uma mídia que não se cansa de apelar para os baixos instintos a miséria de usar Marisa para atingir Lula.

A capa da Veja traz Marisa Letícia num retrato em fundo rosa, a face dela com photoshop na sobrancelha no estilo rainha diaba.

Giancarlo Civita, o herdeiro de Roberto, vai se provando à altura do pai no que este tinha de mais desprezível, uma espécie de Michel Temer dos empresários da imprensa — sem carisma, sem talento, cumpridor de serviço sujo que age na sombra.

capas

O cordão da baixaria foi engrossado por Geraldo Alckmin, o Santo da Odebrecht. “Ter jogado a culpa na esposa falecida é algo inaceitável, inaceitável”, disse o tucano, balançando a calva.

É um golpe baixo, mesmo para os padrões dele, e ajuda a explicar por que o PSDB vive na draga nas sondagens presidenciais. É a mesma lógica oportunista que levou o partido que perdeu nas urnas em 2014 a se aliar à escória do PMDB.

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, uma das estrelas do elenco da força tarefa que estava presente ao interrogatório de Lula, também resolveu se aproveitar da onda.

“No geral, eu não vi nenhuma consistência nas alegações. Infelizmente, as afirmações em relação à Dona Marisa a responsabilizando por tudo é um tanto triste de se ver feitas nesse momento até porque, como o ex-presidente disse, ela não está aí para se defender”, disse.

Ora, o sujeito investiga Lula há três anos, não apresenta uma evidência de que o apartamento pertença ao réu — e, instigado pelo Estadão, se defende de sua inépcia atacando Lula com um julgamento moral e uma fofoca.

Marisa não foi absolvida por Sergio Moro depois de morta, como explicou Joaquim de Carvalho no DCM. Os mesmos que a achincalharam quando de seu AVC agora simulam solidariedade e compadecimento.

Vera Magalhães, pitbull da Jovem Pan que foi casada com um assessor de Aécio Neves e que divulgou, entre piadas, vídeos da corja que invadiu a garagem de José Dirceu para linchá-lo, chegou a tirar da manga o termo “sororidade”.

Noves fora o processo kafkiano e o pântano em que estamos metidos, o que a aliança da mídia com a Lava Jato conseguiu produzir, até agora, foi a alavancagem do nome de Lula nas pesquisas para as eleições de 2018.

Ninguém normal gosta de ver uma perseguição abjeta.

Eis a única certeza que existe até agora — além da que essa canalha sempre pode piorar.

Se o duelo com Moro não matou Lula, vá de marqueteiro!

Por Fernando Brito, no Tijolaço

O insuspeito Reinaldo Azevedo, ainda durante a fase “secreta” do interrogatório de Lula, escreveu um de seus posts: “Se Moro não esmagou Lula no tribunal, PT venceu outra de goleada!”

Bem, Moro não esmagou Lula, isso é de tal maneira evidente que não houve um “coxinha” que o dissesse, não é?

E aí, observa a minha cara amiga Sylvia Moretzsohn, o jeito foi apelar para o marqueteiro.

No  caso, o ex-marqueteiro João Santana, que substituiu com a recorrente afirmação do “ele sabia” a falta de provas  em Curitiba.

É preciso manter o canhoneio incessante, para que o adversário não aja, nem sequer pense.

farofaNão é preciso acertar na mira, basta o estrondo, o barulho.

Jeferson Monteiro, autor do perfil “Dilma Bolada” pede no Facebook que indiquem onde pode receber os R$ 1,7 milhões que dizem que ele recebeu, agora com o acréscimo de R$ 200 mil declarado pela mulher do marqueteiro, porque está com o aluguel atrasado e o telefone cortado.

Da história do casal 171, o que sobra são os dois delatores  ricos, riquíssimos e os “chefões”, um morando em “Saint Bernard de le Champs” e a outra morando no bairro Tristeza, em Porto Alegre, uma cidade da Côte D’Azur, como sabemos, num apartamento de 120 metros quadrados.

Se há uma coisa pela qual Dilma e Lula devam ser condenados, na estranha ótica da elite brasileira, é por não saberem roubar.

Como disse, numa das conversas  grampeadas por Moro,  o então prefeito do Rio Eduardo Paes, um “cabral-boy”:

“Agora, da próxima vez o senhor me para com essa vida de pobre, com essa tua alma de pobre comprando “esses barco de merda”, “sitiozinho vagabundo”, puta que me pariu!”, disse Eduardo Paes, que ligou para Lula para prestar solidariedade após a 24ª fase da Operação Lava-Jato, que teve como alvo o ex-presidente.”O senhor é uma alma de pobre. Eu, todo mundo que fala aqui no meio, eu falo o seguinte: imagina se fosse aqui no Rio esse sítio dele, não é em Petrópolis, não é em Itaipava. É como se fosse em Maricá. É uma merda de lugar porra!”

É por isso que Lula será condenado e Aécio, absolvido.

Lula: pela verdade, pela honra

Quando foi é dada a palavra, ao final da audiência com Moro, que o faz com nítida má vontade. Lula partiu para o ataque no depoimento que prestou em Curitiba.

Moro tenta interromper, mas é impossível.

Sai de Lula um misto de razão e de honra que não poderia ser detido por uma alma fria, como a de Moro.

Muito menos por alguém hipócrita, que depois de louvar o apoio midiático à Lava Jato, passasse a dizer que o julgamento nada teria a ver com a imprensa.

Com classe e firmeza, Lula desanca o “midiatismo” de tudo o que vem sendo feito.

E dá uma carga de emoção a seu depoimento que todo o tempo trataram de evitar.

Vale ser assistido este compacto que fiz da parte final do depoimento.

É como se eu ou você estivéssemos sendo vítimas de uma perseguição.

É sincero, não tem espertezas jurídicas, não tem nada senão a força cortante da verdade. (Fernando Brito, no Diário do Centro do Mundo)

Assista:

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
novembro 2017
D S T Q Q S S
« out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930