hanna thame fisioterapia animal
prefeitura itabuna coronavirus 155 bom petiscos livros do thame

Posts Tagged ‘ilheus’

Enfermeiro da linha de frente no combate à Covid agradece os cuidados recebidos no Hospital Costa do Cacau

venci“Algo que merece ser destacado, naquela enfermaria Covid é o carinho, a atenção, a disponibilidade das pessoas. Muito difícil encontrar essas três qualidades nos serviços de saúde”. Esse foi o sentimento expressado pelo enfermeiro Thalissan Rodrigues Sales, do município de Gongogi e que foi internado no Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, no dia 20 de junho e ficou sob os cuidados da equipe hospitalar da unidade por oito dias.

O profissional da linha de frente de combate ao novo coronavírus, que trabalha na coordenação da vigilância epidemiológica do município de Gongogi, relatou que estava com o diagnóstico confirmado da Covid-19, desde o dia 3 junho. “Inicialmente tive sintomas de leves, só a tosse que ainda existia. Ao aproximar do período de remissão da doença, que é o décimo quarto dia, meus sintomas progrediram. Fiz uma tomografia de tórax, aí o médico disse que eu deveria ser hospitalizado”, contou.

Logo quando saiu a regulação para o HRCC, Thalissan disse que o seu primeiro sentimento foi medo, ficou assustado, pois não conhecia o hospital, apesar de saber que é referência na região sul da Bahia. “Sou profissional de saúde, mas como paciente, acho que o primeiro sentimento mesmo, é o medo.Eu sou uma pessoa bem decidida e prefiro tirar as minhas próprias conclusões. Não sou uma pessoa influenciável”, relatou.

Read the rest of this entry »

Humores da Cidade, por Vitor Augusto Xavier

Um passeio por Itabuna e Ilhéus

Preço da cesta basica estável em Ilhéus e cai em Itabuna

cestaA cesta básica , passou a custar R$368,19 no mês de junho na cidade de Ilhéus, uma redução de 0,83% comparativamente ao mês de maio. Dos 12 itens que compõem a cesta básica, quatro reduziram de preço: tomate (-10,72%), banana (-4,58%), carne (-2,84%) e açúcar (-0,74%). Em contrapartida, aumentaram de preço: manteiga
(18,63%), arroz (8,71%), feijão (7,47%), café (7,40%), farinha (3,23%), pão (1,95%) e óleo (1,83%). O leite não apresentou variação.

Já em Itabuna,  a cesta básica,  R$385,46 no mês de junho , uma redução de 3,99% comparativamente ao mês de maio. Dos 12 itens que compõem a cesta básica, cinco reduziram de preço: tomate (-33,66%), açúcar (-6,37%), manteiga (-3,73%), café (-2,49%) e banana (-0,31%). Em contrapartida, houve aumento de preço: feijão (11,88%), arroz (6,61%), farinha (3,08), óleo (2,49%), leite (0,90%), pão (0,50%) e carne (0,40%).

Fonte: Projeto de extensão Acompanhamento de Custo da Cesta Básica – ACCB/UESC.

Ato de abertura da Ponte Jorge Amado em Ilhéus

SAC do Hospital Costa do Cacau desenvolve atividades e amplia o atendimento humanizado

sac hrccMesmo com algumas restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus, o Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) do Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, continua com suas atividades de apoio e pesquisas, por demanda, com o objetivo de sinalizar para os setores sugestões que possam melhorar o atendimento humanizado na unidade hospitalar.

O SAC trabalha para melhor atender os pacientes e acompanhantes, proporcionar o bem-estar para as pessoas, acolhendo a todos de maneira mais humanizada. Além de registrar queixas e elogios, o setor se organiza de forma resolutiva. Quando os problemas são apresentados, o serviço busca a interação com as mais diversas áreas do hospital para que essas demandas possam ser resolvidas, o mais rápido possível.

De acordo Wanderson Aragão, encarregado do SAC, sempre que há alguma questão observada durante o atendimento, de pronto, são adotadas as providências para que se resolva os possíveis problemas ou dificuldades.  “A gente tenta de todas as formas fazer com que as pessoas, que utilizam nossos serviços no hospital sejam bem atendidas, acolhidas, tratadas com excelência”, disse.

Read the rest of this entry »

Parabéns, Ilhéus Amada

Shopping Jequitibá, Ilhéus cidade que encanta

Hospital Regional Costa do Cacau inaugura sala de visita virtual para melhor acolher familiares e pacientes

sala vO Hospital Regional Costa Cacau (HRCC), em Ilhéus, inaugurou esta semana a sala de visita virtual. Esse novo ambiente disponibilizado pela unidade, para visitantes familiares e amigos de pacientes, visa oferecer uma melhor estrutura nessa atividade, proporcionando aperfeiçoar a prática de humanização do atendimento hospitalar.

Os setores de Serviço Social e Psicologia do HRCC já atuam em parceria para captar e transmitir informações importantes para as famílias sobre os pacientes internados. Com a sala de visita virtual em funcionamento, principalmente nesse período de pandemia da Covid-19, esse serviço será ainda mais importante para a aproximação entre familiares e as pessoas em recuperação.

Devido ao novo coronavírus, as visitas presenciais não são permitidas, muitas vezes as informações são passadas pelo telefone, e a vídeo chamada tornou-se uma ferramenta importante para melhor estabelecer essa interação. A equipe do HRCC agenda um horário com a família para estar na unidade, e nesse ambiente preparado para o encontro virtual, os visitantes podem ver, ouvir e conversar com o paciente internado.

Para Gildo Silva, psicólogo do HRCC, esse momento em que a pessoa interage com seu familiar é muito importante, traz conforto e descanso para ambos. “Esse contato, essa interação, provoca algo muito positivo, tanto naquela pessoa internada, de ter notícias e ver o familiar, quanto do familiar que, às vezes, está há cinco, dez dias sem ver aquele ente querido, internado no hospital”, contou.

Read the rest of this entry »

Governo do Estado mantém ritmo intenso de obras e busca investimentos para superar efeitos da pandemia de Covid-19

ponte jorge amado

Mesmo com os esforços concentrados para combater a pandemia de Covid-19 na Bahia, o Governo do Estado manteve um ritmo constante de obras e ações para melhorar e garantir mais desenvolvimento. Intervenções na infraestrutura, mobilidade, saúde e para a agricultura familiar têm assegurado oportunidades de emprego em todas as regiões e aberto o caminho para o processo de retomada das atividades econômicas que depende do controle das taxas de contágio do novo coronavírus e melhores índices de distanciamento social.

Com obras concluídas, a ponte do Pontal, em Ilhéus, deve ser entregue à população ainda em junho de 2020, após o término das últimas intervenções de paisagismo. Com um investimento de R$ 99,5 milhões, o equipamento de 533 metros sobre o Rio Cachoeira vai incentivar a atração turística da região sul, além de melhorar a mobilidade de 511 mil pessoas que moram nas cidades de Ilhéus, Itabuna, Uma, Canavieiras, Buerarema, Itacaré e Uruçuca. A ponte tem uma formatação moderna, que valoriza ainda mais as belezas da Baía do Pontal. A estrutura também dá condições de escoamento da produção da região para outros modais como o Porto de Malhada e o futuro Porto Sul.
Com a construção da ponte do Pontal houve a necessidade de restaurar e duplicar um trecho da BA-001 (Hotel Opaba), em Ilhéus, até o entroncamento da BR-251 para dar mais fluidez ao fluxo de motoristas na rodovia. Os serviços estão em andamento em 2,7 quilômetros na Orla Sul da cidade. O investimento é de R$ 11 milhões.

Read the rest of this entry »

Hospital Regional Costa do Cacau instala banheiros externos e reforça segurança sanitária no ambiente hospitalar

hrcc ban 1Para garantir mais segurança sanitária para pacientes e colaboradores, o Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, finalizou a instalação de banheiros na área externa da unidade hospitalar. A implantação dos equipamentos, é reconhecida como uma boa prática, e auxilia na prevenção de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS).

O HRCC já adota um conjunto de medidas com o objetivo principal de resguardar a saúde dos pacientes, e em sua Unidade Covid-19 havia implantado esse sistema desde sua inauguração. A ala direcionada para pacientes de outras patologias ganha esse reforço no combate às infecções, inclusive do novo coronavírus (Covid-19).

O sistema de higienização disponibilizado conta com amplos vestiários masculinos e femininos, arejados, limpos e com boa iluminação. Na entrada para o turno de trabalho o colaborador recebe um kit com toalha, conjunto privativo hospitalar e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Desta forma, feito todos os procedimentos orientados, pode começar suas atividades laborais.

Read the rest of this entry »

´São dias terríveis da Covid-19, você fica sequelado por conta da medicação´

dr rabat

Antônio Carlos Rabat, 59 anos, é um dos médicos mais requisitados de Ilhéus. Além da competência profissional reconhecida ele traz no currículo a marca de um profissional tranquilo, sorridente, carinhoso e atencioso com o paciente. É respeitado e querido por tudo isso.

No dia 17 de abril ele chegou em casa depois de mais um cansativo plantão médico. Sentou-se com a esposa e os dois filhos para assistir TV. Foi quando a esposa, Olívia, percebeu que ele apresentava um quadro febril.

Informado, imediatamente ele decidiu se isolar no quarto, considerando que, ao atuar no hospital de referência da Covid-19 em Ilhéus, poderia ter adquirido a doença. Foram sete dias assim, tomando esses cuidados, quando passou a sentir um certo desconforto respiratório.

O primeiro exame para a Covid-19 deu negativo. Os sintomas, entretanto, continuavam. Uma tomografia mostrou, na sequência, um sério comprometimento dos pulmões e a internação foi imediata.

Nem, como também é conhecido, estava doente. Era grave. Depois disso, foram semanas lutando pela vida. Ele ainda se recupera emocionalmente de tudo que passou. Até aqui não havia tornado público seu drama, a mesma experiência por que passa um número significativo de pessoas nos leitos da UTI, em estado grave por conta desta terrível doença.

Aceitou falar com exclusividade para o Jornal Bahia Online e para o editor Maurício Maron, muito mais pela amizade pessoal que os dois têm e pelo fato de que, neste momento, sua experiência vitoriosa na luta contra a Covid-19 pode levar uma espécie de conforto e esperança para muitos familiares de quem passa por este mesmo drama.

Antônio Carlos Rabat nasceu em Ilhéus. Formou-se em Medicina em 1985 pela Faculdade de Medicina de Campos, Rio de Janeiro. Fez residência em Cirurgia Geral no Hospital Miguel Couto, também no Rio, e retornou para Ilhéus em 1989.

É membro associado do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e efetivo da Sociedade Brasileira de Cancerologia. Também é titular da Sociedade de Videolaparoscopia. Casado, dois filhos, doutor Rabat exerce a arte de curar. Mas nesta entrevista exclusiva ao JBO ele fala menos do médico e mais da experiência de ter sido paciente de uma doença que já mudou a história da saúde pública do mundo no século 21.

A entrevista é imperdível.

……………

Como foi que você começou a suspeitar que estava com Covid-19?

Primeiro preciso uma coisa. Agradecer a Deus a oportunidade de poder te responder a esta entrevista. Aos amigos médicos e profissionais da saúde que cuidaram de mim e às orações dos amigos. Tudo isso foi fundamental neste momento da minha vida. Eu estava assistindo TV em casa, com minha esposa, e ela identificou que eu estava com febre. Os meus dois filhos que moram em Salvador já estavam aqui em casa e eu estava em família. Me isolei no quarto e fiquei isolado durante sete dias. Neste período fiz o protocolo da época: Hidroxicloroquina, azitromicina e dipirona para a febre. Comecei a isolar no dia 17 de abril e no sétimo dia comecei a sentir um desconforto respiratório. Não sentia mais nada. Era febre e um desconforto respiratório apenas.

Ligou o sinal de alerta ainda mais…

… aí fui fazer uma tomografia. Na tomografia já fiquei internado no CTI, por que deu uma imagem extremamente complicada. O diagnóstico de Covid-19 não foi confirmado por que o primeiro exame que fiz o Swab, provavelmente estava fora da janela e deu negativo. Mas como a imagem da tomografia era complicada e àquela época, sete dias de febre, era uma coisa que chamava atenção, fiquei internado e isolado no CTI. Dois dias depois fui entubado por que comecei a fazer uma relação de ventilação e perfusão baixa, muito abaixo do normal.

“É importante que os amigos contaminem as famílias com orações. Quando a pessoa volta pra casa e lê as mensagens, isso ajuda muito na recuperação emocional.”
Entubado sem diagnóstico claro.

Isso. O primeiro Swab deu negativo. Só foi confirmado no segundo Swab, já internado e entubado. Então veja: na verdade não existe a doença. Existe o doente. E provavelmente muita gente adquiriu a doença mas não ficou doente. E esse é o grande problema do vírus. As pessoas assintomáticas são as maiores transmissoras da doença. Isso complica a disseminação.

E a gravidade dos casos então…

… isso depende muito do fator paciente, na sua reserva imunológica. É por isso que a gente ainda não descobriu por que tem paciente que fica em estado grave e tem outro que não fica. Mas fiquei internado e durante a internação você faz uso de muita medicação. Fiquei do dia 26 de abril até sete de maio. Doze dias internado usando bloqueador muscular, antibióticos, sedativos e esses remédios comprometem muito a memória.

“Você sair de uma CTI, onde você passou 30 dias, sem ver ninguém, sabendo que seu estado era grave, aí você vê aquele monte de gente que foi pra lá festejar você sair de alta, é muito comovente. Você tem que estar estruturado. Eu não tinha noção da corrente que as pessoas fizeram pra mim.”

Do que você lembra?

Eu não lembro de nada que passei na UTI até o dia em que fui extubado, dia 7. Internei, no terceiro dia fui entubado, passei 12 dias entubado… a partir daí lembro. Não lembro nem quando me falaram que eu seria entubado, porque isso é um procedimento médico de rotina, avisar ao paciente. Quando você volta, eu não tive noção do que tinha passado, do tempo de internação, do período grave que passei, da oxigenação que desce e sobe, do açúcar… controle muito difícil… Meu irmão (doutor Lúcio Rabat), intensivista, foi meu anjo da guarda, por que neste período, ele ficava 20 horas por dia ao meu lado.

Como um profissional médico, uma pessoa que tem noção de como o vírus pode ter te atingido… você tem idéia de como foi contaminado?

Certamente adquiri o vírus no hospital onde dou plantão. Ele é de referência da Covid. Certamente peguei lá. A gente tem o costume de comer sanduíche à noite. Às vezes, pela intensidade do trabalho, o almoço passa batido. Então a gente pede um sanduíche no plantão. A equipe se reuniu para comer. A equipe toda pegou o vírus: dois cirurgiões, um ortopedista, um clínico. Só um se safou. O restante, todos pegaram e cada um respondeu de forma diferente.

“Minha mão não saía da parte lateral do corpo até a boca. Então tinha alguém para me dar comida na boca, fazer minha higiene íntima, bucal.”
Você tinha noção da doença, dos efeitos dela, da situação que tinha passado?

Você não sabe da gravidade, das coisas que passou. Com o tempo você vai se adaptando e tendo informações. Mas, assim… o suporte técnico de onde fiquei foi de extrema importância. Médico, enfermeiro, fisioterapeuta, auxiliar de enfermagem, maqueiro, técnicos de radiologista, nutriocionista… nossa, esse povo faz uma diferença incrível.

Depois de extubado você ainda ficou sete dias na UTI…

… são dias terríveis. Você fica sequelado por conta da medicação. Minha mão não saía da parte lateral do corpo até a boca. Então tinha alguém para me dar comida na boca, fazer minha higiene íntima, bucal, e eu via o carinho destes profissionais com todo mundo que estava ali, incapacitado. Isso te leva a uma mudança psicológica, comportamental, que você não faz ideia. A maior mudança que essa doença me traz é passar a perceber a vida de uma outra forma. A linha entre vida e morte é muito tênue. Tudo pode mudar em um minuto. E isso é extremamente complicado para quem, por exemplo, nunca ficou doente. Descobri a importância que é uma palavra de conforto, de explicação com o que está acontecendo, você responder a ansiedade de quem não sabe o que está acontecendo. Tem que ter um profissional responsável para orientar a família. Ela precisa de informação e hoje ainda é muito falha. Me mataram duas vezes. Disseram que eu estava grave quando não estava e bem quando estava grave. Então o profissional para dar informação à família é de extrema importância.

“Quando você volta, eu não tive noção do que tinha passado, do tempo de internação, do período grave que passei, da oxigenação que desce e sobe, do açúcar… controle muito difícil.”
Que conselho você daria sobre a necessidade de isolamento social?

Os protocolos mudam muito. Não me sinto com competência de dizer publicamente qual o melhor modelo. Só durante um mês, mudou muito comigo. De medicamento até a posição ideal na cama hospitalar muda. Ninguém sabe muita coisa sobre a doença. Pulo essa parte.

Mas não tem algo que possa dizer sobre isso?

O que sei é que depois que você volta para casa você tem dois tipos de doença a respeitar. Como no popular se fala, doença do queixo pra baixo e do queixo pra cima (risos). Do queixo pra baixo, voltei, mas existe fisioterapia para a volta dos movimentos. Com 10 dias já me sentia bem recuperado, com 15 muito bem recuperado. Hoje voltei a ser independente. Essa sequela física eu tive uma evolução bacana.  Agora, você fica numa fragilidade emocional enorme. É o tal do queixo pra cima. É muito complicado. Você fica muito vulnerável emocionalmente à demonstração de carinho das pessoas, por exemplo. Você sair de uma CTI, onde você passou 30 dias, sem ver ninguém, sabendo que seu estado era grave, aí você vê aquele monte de gente que foi pra lá festejar você sair de alta, é muito comovente. Você tem que estar estruturado. Eu não tinha noção da corrente que as pessoas fizeram pra mim.

“Fiquei do dia 26 de abril até sete de maio. Doze dias internado usando bloqueador muscular, antibióticos, sedativos e esses remédios comprometem muito a memória.”
A diferença de curar e ser curado…

… Isso, 30 anos trabalhando para curar e depois que sai curado receber esse carinho. As pessoas que estão internadas… é importante que os amigos contaminem as famílias com orações. Quando ele volta pra casa e lê as mensagens, isso ajuda muito na recuperação emocional.

Como é acordar hoje?

Quem tem uma família estruturada faz muita diferença. Amigos fazem muita diferença. Até hoje recebo bolo, torta, homus tahine (comida de origem árabe. Rabat tem ascendência árabe), uma demonstração de afeto incrível. As mensagens que recebo me emocionam. Você não volta para casa curado de tudo. Você volta precisando de cuidados. Mas esse apoio ajuda. Mas preciso destacar: os detalhes pequenos quem resolve é a família.

Aeroportos de Porto Seguro e Ilhéus voltam a operar com aviação regular

AeroportodeIlhéusUlgoOliveiraOs aeroportos de Porto Seguro, na região da Costa do Descobrimento, e de Ilhéus, no Litoral Sul baiano, retornaram as operações com aviação regular na última semana. As atividades com aeronaves de grande porte nos equipamentos aeroviários foram paralisadas para ajudar no combate ao novo coronavírus no estado. Agora, as concessionárias responsáveis pelos Terminais e as Companhias Aéreas que atuam em ambos obedecem ao protocolo de segurança estabelecido pelos Governos Estadual e Federal.

Em Ilhéus, o aeroporto Jorge Amado voltou a operar na quarta-feira (10). Inicialmente, o local terá 6 voos semanais pela GOL Linhas Aéreas com origem e destino para São Paulo. O equipamento aeroviário de Porto Seguro retomou as atividades na quinta-feira (11). O terminal também terá a frequência de 6 viagens semanais, sendo 3 da GOL e 3 da Latam, partindo e chegando de São Paulo. Além disso, tem a previsão de receber mais 26 novos voos da Azul Linhas Aéreas até o fim de junho.

“Os equipamentos aeroportuários da Bahia estavam sem receber aeronaves da aviação regular desde o final do mês de março por conta da pandemia. Esses são os primeiros aeroportos regionais a terem novamente voos interestaduais. Ainda neste mês, o Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, deve retomar as atividades com três voos semanais com destino a Salvador e São Paulo” destaca Dênisson de Oliveira, diretor de Terminais e Aeroportos da Secretaria de Infraestrutura da Bahia (Seinfra).

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
julho 2020
D S T Q Q S S
« jun    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031