hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Posts Tagged ‘golpe’

Temer vai dar consultoria sobre golpe na Turquia

tg(do Blog Sensacionalista)- O presidente interino Michel Temer acertou uma série de palestras na Turquia  para esta  semana. As negociações começaram logo depois que o golpe Turco falhou, com a resistência da população e a prisão dos mentores.

“Queremos aprender mais sobre essas tais pedaladas, que tiram presidentes sem tanques”, disse um general turco.

O golpe na Turquia durou tão pouco tempo que foi transmitido na íntegra pelo snapchat e virou um GIF que circula no Facebook.

De rabo preso com o Golpe: DataFolha ou DataFraude?

temer

Pesquisa DataFolha divulgada com estardalhaço foi feita sob encomenda para influenciar senadores e a opinião pública e sacramentar o Golpe contra Dilma, uma presidente legitimamente eleita pelo voto popular.

Números inconsistentes e perguntas fora de propósito tornam a pesquisa um mero instrumento golpista.

A Folha, definitivamente, perdeu todos os pruridos.

Povo na rua derruba o golpe… na Turquia

Alex Solnik

alex “O povo na rua derruba a ditadura” foi a manchete de um jornal da imprensa alternativa carioca dos anos 70, exprimindo mais um desejo do que noticiando um fato.

Nessa noite, na Turquia, pudemos ver que o povo na rua derrubou um golpe de estado.

Quando o presidente Erdogan convocou o povo para ir às ruas soou como um convite ao suicídio, pois os golpistas de parte do exército turco ocuparam o aeroporto da capital, invadiram a televisão estatal, bloquearam pontes, sobrevoavam a cidade com helicópteros e cercaram o Parlamento com tanques. E estavam, evidentemente, armados.

Embaixadas de vários países, inclusive de Portugal, comunicaram aos imigrantes para ficarem em casa.

Aos poucos, no entanto, as principais ruas foram se enchendo de gente desarmada oferecendo um espetáculo inédito: o povo sem armas expulsou os golpistas do aeroporto, impediu o avanço de tanques, sem que os articuladores da deposição de Erdogan tivessem tempo de reagir.

turcDepois de algumas situações de confronto que resultaram em 197 mortes, nas quais aviões pró-Erdogan derrubaram helicóptero golpista, entre outras, notícias de que o golpe falhara foram emitidas, acalmando não só o país, como a vizinha Rússia e o distante Estados Unidos, que aguardavam com ansiedade o desenrolar dos acontecimentos.

Soldados anti-Erdogan foram presos pela polícia e conduzidos pelas ruas sob aplausos da multidão. Carros abertos com civis carregando bandeiras passaram a desfilar em homenagem à democracia. A tevê estatal foi desocupada.

Em poucas horas a rebelião anti-democrática foi sufocada.

Pela primeira vez um governo conseguiu derrotar os golpistas com a força do povo.

Não há como não estabelecer um paralelo com o caso brasileiro. O golpe do PMDB, com Temer à frente, que não tem apoio militar, não usa tanques, nem helicópteros, prossegue dentro do Congresso Nacional sem que um movimento popular o abafe. Ao contrário do povo turco, que não se intimidou com o estado de guerra, tanques nas ruas e helicópteros no céu, o povo brasileiro resume suas ações em “escrachos” que não produzem os efeitos desejados.

Talvez falte um Erdogan para convocar uma verdadeira resistência civil ao avanço do PMDB sobre a democracia brasileira.

 

É golpe: MPF diz que Dilma não cometeu `pedaladas`

O Ministério Público Federal concluiu que a “pedalada” fiscal envolvendo o Plano Safra, um dos motivos que baseiam o pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff no Senado, não é operação de crédito, nem crime.

O órgão investigativo aplicou o mesmo raciocínio para outras “pedaladas” que não estão relacionadas com o pedido de impeachment, como as que envolvem atraso de repasses da União para a Caixa Econômica Federal pelo pagamento de programas como o Bolsa Família, seguro-desemprego e abono salarial.

O procurador da República Ivan Cláudio Marx, responsável pelo caso aberto no MP do Distrito Federal, pediu arquivamento do inquérito nesta quinta-feira 14, depois de ter pedido, na última sexta-feira, arquivamento de um caso semelhante relacionado ao BNDES.

Em sua decisão, Marx levantou suspeitas sobre “eventuais objetivos eleitorais” com as “pedaladas” e afirmou que o caso “talvez represente o passo final na infeliz transformação do denominado ‘jeitinho brasileiro’ em ‘criatividade maquiavélica'”.

Após o arquivamento do caso de sexta, os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) pediram para que o procurador seja ouvido na comissão do impeachment e a retirada dos autos de documentos relativos ao Plano Safra (leia mais).

“Como que nós vamos processar e julgar uma presidente da República, quando o Ministério Público, que tem a responsabilidade formal de definir o que é crime ou não, diz que não é crime as chamadas pedaladas fiscais?”, questionou Gleisi na ocasião, em discurso no plenário.

Em declaração ao jornal O Estado de S. Paulo sobre a ação relacionada ao BNDES, Ivan Marx lamentou que o Ministério Público não tenha sido ouvido no processo de impeachment. “Quem tem atribuição de dizer se determinada prática é crime ou improbidade é o MPF. É o único ator que não foi chamado a depor na comissão”, disse.

A radiografia do golpe no Brasil

Um conluio entre congresso, judiciario, setores economicos, midia, midiotas, brics o dedo dos EUA e a incompetencia do PT

 Valter Xéu

 

vxeoLogo após a primeira vitória de Dilma, substituindo Lula, setores da direita no Brasil começaram a desenhar um golpe no sentido de barrar a ascensão do PT que com os oito anos de Lula e mais quatro de Dilma e provavelmente mais quatro de uma segunda eleição, se somaria um total de 16 anos, ainda contando com a provável volta de Lula com uma eleição em 2018 e uma provável reeleição em 2022, o que poderia se configurar em 24 anos de mando petista, ou seja, quase um quarto de século no poder.

Por tradição, a elite brasileira sempre se posicionou-se contra as decisões governamentais de favorecimentos as classes populares, como facilidades para entra em uma universidade, sistema público de (saúde (SUS), programa como o bolsa família e a minha casa minha vida. Médicos, que por certo esvaziou junto com o SUS os consultórios médicos particulares, todos eles dominado por uma elite burguesa.

Read the rest of this entry »

Manda quem pode, obedece quem tem medo…

mando eu...

Enquanto isso numa reunião em Brasilia…

temer

Dilma: “o povo é quem vai julgar o impeachment”


dilma pueblo(Bahia 247) –
 Em visita a  Bahia, a presidente Dilma Rousseff criticou nesta sexta-feira (17) o governo provisório de Michel Temer, e disse que “fica mais claro a cada dia que o impeachment é um golpe para parar as investigações” da Operação Lava Jato. “O julgamento será feito pelo povo brasileiro, e esse julgamento deixa claro que esse impeachment é um processo que tem muito pouca base no que eles chamam de pedaladas fiscais”, afirmou a presidente eleita.

Dilma disse também que apesar de interino, o governo de seu vice “está desmontando” as políticas públicas construídas no governo do PT. “O que mais me incomoda no governo provisório e interino é o fato de ser um governo provisório e interino, não legítimo, que está desmontando toda a política que nós fizemos de inclusão social e desenvolvimento”.

Em entrevista coletiva, a presidente criticou também o “vazamento seletivo” das delações premiadas no âmbito da Operação Lava Jato, mas disse que dá “total apoio” ao método utilizado para desvendar os ilícitos.

“Eu acredito que as delações fazem parte desse processo, porque foram aprovadas por uma lei de 2013. Eu não concordo com vazamentos seletivos, não concordo com o uso da investigação de forma parcial para atingir esse ou aquele. Isso eu não concordo. Eu sou a favor do processo e da investigação”.

Em entrevista coletiva, Dilma disse ainda que “as falhas” ocorridas durante as investigações na Lava Jato não devem ser usadas para encerrar a apuração dos crimes de corrupção.

“Acho que quem deve, deve prestar contas à justiça. Isso é algo que é muito importante no nosso país. Porque nós viemos de uma pratica e de uma vivencia patrimonialista. O que é o patrimonialismo, é confundir o público com o privado. Excessos não são corretos, e o fato de ter excessos tem que ser corrigido. Agora não pode alegar com isso que você não investigue”, disse a presidente eleita.

Cidadã Baiana, Dilma Rousseff diz que 2 de Julho é exemplo contra o Golpe

dilma ssa

(Bahia 247) – Na cerimônia em que recebeu o título de Cidadã Baiana, nesta tarde, na Assembleia Legislativa, a presidente eleita Dilma Rousseff se baseou no 2 de Julho, data em que se comemora a independência da Bahia, para descrever o golpe que desencadeou no processo de impeachment que a afastou do cargo.

Dilma usou a ‘metáfora da árvore’ para diferenciar este golpe daquele sofrido em 1964. “Esse golpe é diferente dos golpes militares. Simples entender diferença se imaginarmos que a democracia é árvore e o Golpe Militar é o machado destruindo a árvore. E o modelo do atual golpe não é esse, é diferente. É como se imaginar árvore sendo atacada por parasitas implacáveis que querem tirar dela a sua seiva”, disse a presidente.

Ela falou ainda da “lógica de privilégios” instituída no país como “mote transformador” das mudanças promovidas pelo ex-presidente Lula e que se mantiveram no seu governo.

Entre os programas, Dilma citou o Bolsa Família, o Minha Casa Minha Vida, o Mais Médicos. “Minha Casa Minha Vida é programa para assegurar não só lar digno, mas meio ambiente capaz de garantir outro tipo de perspectiva para essas crianças e jovens. Fico indignada com o fato de o governo provisório e interino querer acabar com a Taxa 1 – daqueles que ganham menos, entre R$ 1,8 mil e R$ 2 mil. Acabar com programa para essa faixa é acabar com o programa, porque o déficit habitacional está nessa faixa, em 80%”, afirmou a presidente.

Sobre o Bolsa Família, a presidente fez relação com o efeito do programa na educação das crianças. “Só tem um jeito de atingir a criança: atingindo a família. Criança não tem participação na vida cidadã. Bolsa Família é complementação de renda. As pessoas que recebem trabalham. Essa é a característica do povo brasileiro: ele se esforça, corre atrás. O que quer é oportunidade”.

 

Lula detona Golpe e diz que quanto mais apanha mais aumenta desejo de voltar a presidência

lulão(do Brasil 247) – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que aparece em primeiro lugar nas pesquisas sobre sucessão presidencial, fez um duro discurso na noite desta sexta-feira, em São Paulo.

Aos gritos de “Volta, Lula”, ele praticamente reafirmou sua intenção de reconquistar o poder. “Eu respeito a Justiça, valorizei a vida inteira o Ministério Público, a Polícia Federal, a Controladoria Geral. Mas não podemos permitir que estas instituições sejam partidarizadas e tentem criminalizar um partido”, disse ele, afirmando estar de “saco cheio” das acusações contra o PT.

Lula também criticou o que considera um conluio entre imprensa e poder Judiciário. “Eu quando vejo esse conluio acho que eles não precisam da Justiça, não querem condenar com um julgamento, querem condenar com uma manchete de jornal”. Em seguida, provocou.  “Quanto mais me provocarem mais eu corro risco de ser candidato a presidente”.

Em relação ao presidente interino, Lula foi irônico. “Não existe maior demonstração do golpe dentro do golpe do que o que aconteceu quando a Dilma foi afastada. O Temer deu um golpe na decisão do Senado. Ele não agiu como presidente interino. Assumiu como se tivesse autonomia, autoridade. Ele chegou lá através de um golpe dos fascistas, conservadores”. Lula disse ainda que Temer age como se fosse um Fidel Castro ao entrar em Havana, em 1959. “Mas enquanto o Fidel fez uma revolução, Temer fez um golpe”.

 

 

Dilma defende novas eleições

dilma tv brasil(da Agência Brasil)-A presidente afastada Dilma Rousseff defendeu, em entrevista especial concedida à TV Brasil, uma consulta popular, caso o Senado não decida pelo seu impedimento. Ao apresentador Luís Nassif, Dilma disse que é a população que tem que dizer se quer a continuidade de seu governo ou a realização de novas eleições. “O pacto que vinha desde a Constituição de 1988 foi rompido e não acredito que se recomponha esse pacto dentro de gabinete. Acredito que a população seja consultada”, disse.

Para ela, o país não conseguirá superar a crise com o governo interino. Dilma acredita que o povo não terá confiança no comando de Temer pelo fato de ele não ter passado pelo crivo das urnas. “Como você acha que alguém vai acreditar que os contratos serão mantidos se o maior contrato do país, que são as eleições, foi rompido?”, indagou. “Não acho possível fazer pacto nenhum com o governo Temer em exercício”, completou.

Dilma criticou uma vez mais a admissibilidade do processo de afastamento usando como o argumento o fato de que, embora a Constituição preveja o impeachment, ela também estipula que é preciso haver crime para que se categorize o impedimento. “Não é possível dar um jeitinho e forçar um pouquinho e tornar esse artigo elástico e qualificar como crime aquilo que não é crime. Os presidentes que me antecederam fizeram mais decretos do que eu. O senhor Fernando Henrique [Cardoso] fez entre 23 e 30 decretos do mesmo tipo”, disse, referindo-se aos decretos de suplementação orçamentária que embasaram o pedido de impeachment feito pelos advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Pascoal.

“Não é o meu mandato, mas as consequências que tem sobre a democracia brasileira tirar um mandato. Isso não afeta só a Presidência da República, afeta todos os Poderes”, disse ela.

Dilma disse que reivindica voltar ao posto por compreender que não cometeu crime. Ela criticou os que defendem um semiparlamentarismo, ou eleição indireta, por considerar que isso traria um grande risco ao país. A presidenta afastada defendeu que haja uma reforma política que discuta o tema. “Não temos que acabar com o presidencialismo, temos que criar as condições pela reforma política”.

Nesse contexto, ela defendeu novamente a consulta popular. “Só a consulta popular para lavar e enxaguar essa lambança que está sendo o governo Temer”. Segundo ela, nos momentos de crise pelo qual o Brasil passou, na história da democracia recente, foi com o presidencialismo que o país superou as crises. “Foi sempre através do presidencialismo que o país conseguiu dar passos em direção à modernidade e à inclusão”.

:: LEIA MAIS »

Balada para Michel

Se não é Golpe, eu sou Papai Noel

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031