hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Posts Tagged ‘corinthians’

Futebol do céu ao inferno e vice versa

Bola de Cristal

Daniel Thame

daniel charge cuba zap Foram definidos na sede da Conmebol, sem a presença do presidente da CBF Marco Polo Del Nero (que ama por demais o Brasil a ponto de não colocar os pés fora de nossas fronteiras), os jogos do  mata-mata da próximas de decisivas fases da Copa Libertadores e da Copa Sul Americana.

Inchadas com times marca-bufa nas fases classificatória  (com o adendo de que um desses marca-bufa, o Defensia y Justicia eliminou nada menos do que o campeoníssimo São Paulo), as fase mata-mata estão recheadas de times brasileiros, uns bafejados pelo sorteio, outros nem tanto.

Num mero exercício de adivinhação, vamos pois à sessão `Bola de Cristal`.

Libertadores

Atlético PR x Santos: é o único confronto brasileiro das oitavas de final. O Santos de técnico novo, Levir Culpi, parece ter recuperado o bom futebol. O Atlético do Paraná tem um conjunto mais afinado e é difícil de ser batido em casa. Santos.

Palmeiras x  Barcelona: trata-se do Barcelona genérico, o do Equador. Mas o milionário Palmeiras vem jogando como um genérico de si mesmo, sem despertar confiança no torcedor. Está com pinta de zebra vestida de Barcelona.

Botafogo x Nacional: dizem que tem coisas que só acontecem com o Botafogo. E nessa Libertadores as coisas só tem acontecido a favor do time carioca, o típico time bom, barato e cumpridor. O time uruguaio só tem garra e tradição. Dá Bota.

bcGrêmio x Godoy Cruz : o Grêmio de Renato Gaúcho vem jogando o melhor futebol do Brasil, eficiente e às vezes vistoso, algo raro por essas plagas. O time argentino é um desses cometas que surgem e somem. O Grêmio vai tratar de apaga-lo já nas oitavas.

Atlético MG x Jorge Wilstermann: tudo bem, o Galo que parecia pintar como esquadrão, está parecendo mais um pintinho inofensivo. Mas, cá pra nós, o adversário é daqueles que reabilitam qualquer Ibis da vida. Driblando a atitude, Galo sem sustos.

Sul Americana

Corinthians x Patriotas: nem o mais patriota dos Patriotas acredita que o Patriotas passe pelo Corinthians. O confronto só vale pelo trocadilho. Infame, por sinal.

Chapecoense x Defensa y Justicia: atual campeã da Sul Americana, remontada após a tragédia na Colombia, a Chape pega um adversário que ninguém sabia quem era até passar pelo São Paulo. Dureza, mas dá Chape.

Flamengo x Palestino : o time chileno já aprontou uma vez com o Flamengo. Não vai aprontar duas. Mengo.

Fluminense x Univerisad Católica: para o azar dos chilenos, o Papa Francisco anda ocupado demais rezando pelo San Lorenzo. Flu.

Sport x  Arsenal de Sarandi: Jogo duro para o time de Wanderley Luxemburgo. Da Arsenal.
Ponte Preta x Sol de América. Ponte, se não se queimar muito no sol paraguaio. Doeu!

 

Brasileirão ou Brasileirinho?

Daniel Thame

 daniel thame FlicaComeça neste final de semana o Campeonato Brasileiro de 2017, que os exagerados chamam de Brasileirão e os mais exagerados ainda chamam de maior campeonato de clube do mundo.

A menos que os campeonatos da Inglaterra, Espanha, Alemanha e até da Itália sejam disputados em outro mundo e a Champions League em outra galáxia, a megalomania é digna de certos juízes que mourejam na nessa republiqueta bananeira.

O Campeonato Brasileiro (não chega a ser um brasileirinho, façamos a concessão) pode ser um dos mais equilibrados do planeta, mas isso não tem nada a ver com o poderia técnico dos clubes que o disputam.

Ao contrário, o equilíbrio se dá justamente porque temos até bons times como o Palmeiras, o Flamengo, o Santos, o Atlético Mineiro; times equilibrados como Cruzeiro, Corinthians, Fluminense, Grêmio e Atlético Paranaense;  mas não temos nenhum super time, desses que despontam como favoritos.

Nenhum time em que o torcedor saiba a escalação de cor.

Nenhum fora de série, a menos que se entenda Guerrero, Lucas Limas, Robinho, Fred, Diego, Guerra, Cueva como foras de série.

O desempenho dos times  brasileiros na Libertadores, em que a classificação de quase todos para próxima fase virá mais pela mediocridade dos adversários que pela qualidade demonstrada até aqui, é um sinalizados de quantas anda (ou não anda) o futebol brasileiro. O “poderoso”  Palmeiras andou perdendo até para times marca bufa da Bolívia e o Gremio para times igualmente marca bufa do Chile.

Na Sulamericana, o Fluminense suou sangue para passar pelo Liverpool, não o inglês, mas o genérico uruguaio, o Cruzeiro caiu diante de um timeco paraguaio e pior ainda fez o outrora glorioso São Paulo, eliminado em pleno Morumbi pelo Defensa y Justicia (quem?), time molambento que estava fazendo sua primeira partida internacional fora da Argentina.

O fato é que nossos times só conseguem contar com veteranos que já não tem mercado na Europa ou na China, uruguaios, argentinos, paraguaios, chilenos, peruanos e venezuelanos por quem europeus e chineses não se interessam e promessas que não passam disso, promessas.

Esse bolodório todo significa que o Campeonato Brasileiro será um retumbante fiasco?

Não necessariamente.

O tal equilíbrio entre os times, lampejos de craque de alguns jogadores acima citados e a paixão do torcedor pelo seu time (seja ele formado por gênios da bola ou notórios pernas de pau) pode garantir um campeonato que ainda que não seja um primor de técnica, nem por isso será menos emocionantes, numa luta ferrenha pelo título na parte de cima e contra o rebaixamento na parte de baixo da tabela.

-0-0

É gol- Real Madri e Juventus farão a final da Champions League.  Justo, justíssimo. Um ataque avassalador contra uma defesa quase intransponível. Cristiano Ronaldo x Buffon. Imperdível.

É pênalti- O juiz vibrou mesmo com o gol do Flamengo na decisão do Carioca? Tempos estranhos, tempos estranhos no mundo da bola. Só da bola?

Inúteis campeões

 

Daniel Thame

 

dt panamáComeçam nessa semana os campeonatos estaduais Brasil afora. Houve um tempo, e já faz muito tempo, em que ganhar um campeonato Carioca, um Paulista, um Mineiro, um Gaucho, um Baiano e até um Piauiense era motivo de orgulho e de festa para os torcedores dos times campeões.

No Rio de Janeiro, comemorava-se a Taça Guanabara, que não passa do 1º turno do Carioca e o  Carioca propriamente dito. Dois campeonatos em um, duas torcidas fazendo festa, quando o mesmo time não faturava os dois turnos.

Lembro-me dos corintianos ensandecidos num Morumbi lotado numa note de quarta-feira, celebrando a conquista do Paulistão de 1997, num dramático 1×0 contra a Ponte Preta, pondo fim a um jejum de 23 anos. O gol de Basilio colocou o mediano jogador na eternidade.

Ou, na década de 90, de um gol de falta magistral de Petckovic aos 44 minutos do segundo tempo, dando ao Flamengo um título que os vascaínos, jogando pelo empate, já festejavam.

Ou então de BA-Vis memoráveis nos anos os 70 e 80, tempos de Douglas, Osni, Beijoca, Mario Sérgio, Sapatão, etc., em que títulos valiam caminhadas de agradecimento ao Senhor do Bonfim e agrados aos orixás, afinal estamos na Bahia de todas as crenças
vaziosEsses tempos, definitivamente fazem parte do passado.

De uma década para cá, os campeonatos estaduais bem definhando ano a ano, perdendo totalmente a importância e atraindo cada vez menos torcedores.

A  maioria dos jogos são disputados em estádios praticamente vazios e apenas os clássicos e as decisões conseguem atrair o torcedor e ainda assim muito mais por conta de rivalidades históricas.

Ganhar um campeonato estadual já não é mais motivo para foguetório. Certo, é bom pra quem ganha e gera uma ou outra crise pra quem perde (no caso dos times grandes) e acaba ai.

Em sendo assim, qual o motivo de se manter os estaduais, em detrimento de um calendário menos extenuante ou mesmo de copas regionais, como a Copa do Nordeste, que acabam estranguladas em meio a jogos intermináveis?

O motivo é que as federações precisam fazer média com os times que, brindados com migalhas, acabam perpetuando dirigentes invariavelmente incompetentes, para dizer o mínimo. Mero jogo de interesses, em que os chamados grandes times aceitam ir para o sacrifício, porque também tem lá seus interesses.

E segue o  jogo (e bota jogo nisso!) até que se conheçam os inúteis campeões.

 

É gol- Com Neymar em tempos de seca, Messi tem permitido que o brasileiro cobre os pênaltis no Barcelona. Gênio e solidário esse hermano argentino.

É pênalti- A CBF erra até quando acerta. O Jogo da Solidariedade entre Brasil x Colômbia, com renda revertida para as vítimas da tragédia da Chapecoense, atraiu menos de 20 mil pessoas. Se fosse disputado numa capital do Sul ou do Nordeste, teria atraído pelo menos o dobro.

 

Gigantes acordados

Daniel Thame

dt-panamaVirada de ano é sempre a mesma história. Os times saem às compras, as especulações correm soltas e enquanto a bola não rola pra valer o torcedor fica imaginando até onde seu time pode chegar em 2017.

Nesse começo de ano, pelo menos duas torcidas podem se dar ao luxo de sonhar alto: a do Palmeiras e a do Flamengo, não por acaso os dois times que ostentam excelente saúde financeira nesses tempos de pindaíba. O Verdão por dispor de um patrocinador em que a dona é torcedora e abre os cofres com prazer. O Fla por contar com uma cota superior a 160 milhões de reais por ano da televisão e uma torcida que, em qualquer estádio do Brasil, literalmente paga pra ver.

O Palmeiras, campeão brasileiro, que já tinha um bom time, se reforçou com Guerra (eleito o melhor jogador da Libertadores, campeão pelo Atlético Nacional), Michel Bastos  e está quase fechado com Felipe Melo, além de promessas como Raphael Veiga, Keno e Hyoran.

O Flamengo, que em 2016 ficou no cheirinho do hexa, conseguiu repatriar o excelente Dario Conca, trouxe o bom ala peruano Trauco,  e conseguiu manter suas principais estrelas como Diego e Paolo Guerrero.

gigantesÉ possível que ainda surjam novos reforços tanto no Palmeiras quanto no Flamengo, que tem uma idéia fixa: ganhar a Libertadores (sonho de consumo de todos os grandes clubes brasileiros) e disputar o Mundial de Clubes. Com os times que estão montando, ambos entram na competição, que se estenderá durante todo o ano, como favoritos.

E os demais times?

Parado ninguém está, mas falta dinheiro pra trazer reforços capazes de chegar, jogar e decidir.

Santos, Botafogo, Grêmio e  Atlético Mineiro, que também disputam a Libertadores, possuem bons times e apelam para reforços medianos, como Leandro Donizete no Peixe, Montillo no Bota e, ainda em negociação, Martone no Galo. Nada que mereça foguetório.

O Vasco tenta renascer das cinzas após sair do pântano da série B e o grande trunfo foi ter segurado Nenê.

O Corinthians, atolado no Itaquerão, caiu no real e se viu sem real e sem poder de fogo. O São Paulo, igualmente no vermelho, joga suas fichas no técnico Rogério Ceni, uma aposta que é mais na lenda do que na realidade. Mesma situação de outro grande em fase de contenção de despesas, o Cruzeiro, que para contratar, vai ter que vender.

Enfim, com os dois gigantes acordados e com fome de títulos, os demais vão ter que suar muito e jogar mais ainda se quiserem conquistar alguma coisa em 2017.

O bom é que no futebol, como na Bíblia, o Davi costuma dar uma sapecada no Golias.

Não é sempre, mas acontece.

É gol: Tevez vai ganhar cerca de 10 milhões de reais (por mês!) no Shanghai Shenhua da China. O mundo do futebol enlouqueceu. Só o do futebol?

É pênalti: Neymar e Bruna Marquezine estão em todas nas badalações de virada de ano. Rei do Brasil, coadjuvante de Messi no Barcelona, o brasileiro precisa de um time pra chamar de seu se quiser ser o melhor do mundo. Só não será no Barça nem no Real Madrid, que também tem dono, um certo Cristiano Ronaldo…

Imbatível no Rio e Norte/Nordeste, Flamengo tem maior torcida do Brasil

flamengo

Uma pesquisa nacional inédita que a Paraná Pesquisas fez com 10.500 brasileiros de 22 estados e mais o Distrito Federal entre março e dezembro deste ano, mostra que o Flamengo continua sendo o time mais popular do Brasil, com 16,2%, seguido por Corinthians com 13,7% e São Paulo com 7,4%.

O Flamengo é o time mais popular em três regiões do país — Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Mas não é no Sudeste, onde é superado pelo Corinthians (18% contra 13,8%).

Na região Sul é o quarto com maior torcida, atrás do Grêmio (20,5%), Inter (15,9%) e Corinthians (8,8%). O Flamengo tem a simpatia de 5,7% dos sulistas

O percentual de brasileiros que declaram não torcer ou simpatizar por time algum: 19,5%.

Veja a relação dos clubes de maior torcida no Brasil:

Flamengo (16,2%)
Corinthians (13,7%)
São Paulo (7,4%)
Palmeiras (5,8%)
Vasco (4,6%)
Cruzeiro (4%)
Grêmio (3,5%)
Santos (3,1%)

Atlético Mineiro (2,8%)
Internacional (2,7%)
Bahia (2%)
Botafogo (1,7%)
Fluminense (1,6%)
Sport (1,3%)
Ceará (1,1%)
Atlético Paranaense (0,8%)
Fortaleza (0,8%)
Vitória (0,8%)
Coritiba (0,7%)
Santa Cruz (0,7%)

Outros timess (5,1%)

Clubes de São Paulo vão ceder jogadores para Chapecoense

chape-1Os quatro grandes clubes de futebol de São Paulo – Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos – anunciaram, por meio de nota oficial conjunta, que vão emprestar gratuitamente jogadores para a Chapecoense para as disputas da temporada do próximo ano.

Além disso, os clubes anunciaram que pretendem solicitar formalmente à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que não rebaixe a Chapecoense no Campeonato Brasileiro nas próximas três temporadas.

“Mesmo cientes dos prejuízos irreparáveis provocados por este terrível acontecimento [o acidente aéreo], os clubes entendem que o momento é de união, apoio e auxílio a Chapecoense”, diz a nota dos quatro clubes, publicada nos sites oficiais de todos eles na tarde de hoje.

“Trata-se de gesto mínimo de solidariedade que se encontra ao nosso alcance neste momento, mas dotado do mais sincero objetivo de reconstrução desta instituição e de parte do futebol brasileiro que fora perdida hoje”, acrescentam.

Na nota, os clubes também lamentaram a tragédia. “Neste momento de perda e de profunda tristeza, nós, presidentes dos clubes brasileiros que publicam essa nota, gostaríamos de manifestar nossos mais sinceros sentimentos de pesar e solidariedade à Associação Chapecoense de Futebol e seus torcedores, e em especial às famílias e amigos dos atletas, comissão técnica e dirigentes envolvidos na tragédia ocorrida na madrugada desta terça-feira”. (da Agência Brasil)

Seleção ganha com pênalti porque juiz viu Tite no banco e confundiu Brasil com o Corinthians

 neymar(do Blog Sensacionalista)- A seleção brasileira goleou o Equador por 3 a 0 pelas Eliminatórias da Copa do Mundo 2018. Depois de penar até a metade do segundo tempo, o escrete canarinho (jogando de azul) recebeu a chance de mudar a história da partida quando Gabriel Jesus caiu dentro da grande área.

Na súmula, o juiz admitiu que não estava muito certo da penalidade. “Mas, quando olhei para o banco de reservas e vi o Tite, por um momento tive uma espécie de regressão mental e me lembrei das lições na escola de arbitragem sobre ajudar o time do Corinthians. Acho que me confundi. Ainda bem que Jesus me salvou com os outros dois gols depois.”

O atacante Gabriel Jesus, também estreante na seleção principal, comemorou a performance no fim da partida: “Duvidaram muito de mim, mas como meu xará da Galileia, eu superei. Eu só queria aprender a transformar água em vodca com energético igual a ele!”

 

Após derrota, Marcelo Cirino anuncia que não joga mais pela Seleção

cirino(do Blog Sensacionalista)- Após a derrota por 4 a 0 para o Corinthians, o atacante do Flamengo Marcelo Cirino desabafou na coletiva e, a exemplo do colega Lionel Messi, declarou que não joga mais pela Seleção brasileira. O curioso é que Cirino só usou a amarelinha nas seleções de base (sub-17 e sub-20), mas ainda assim garantiu que mesmo que seja convocado por Tite, ele não veste mais a camisa da Seleção.

Após a derrota por quatro gols, o goleiro Alex Muralha foi obrigado pela CBF a mudar de nome.

Ganso/Cisne comanda o baile/balé

Daniel Thame

dt 5 Encerrada a fase de grupos da Libertadores, o Palmeiras ficou pelo meio do caminho, Corinthians, Atlético Mineiro e Grêmio se classificaram sem sustos e o São Paulo garantiu a vaga na bacia das almas, com um empate dramático contra o The Strongest, na altitude de La Paz.

Não foram poucos os críticos a perpetrarem que o tricolor paulista já estava “fazendo hora extra”  na competição, ainda mais que o adversário seguinte era o mexicano Toluca, uma das sensações da primeira fase.

Pois vieram os jogos de ida das oitavas de final e, nessas coisas que tornam o futebol um esporte fascinante pelo, o patinho veio viveu sua noite de cisne de balé.

Ou de um Ganso comandando um balé no gramado de um Morumbi ensandecido.

gansoEnquanto o Corinthians e o Galo empataram burocraticamente com Nacional do Uruguai e Racing da Argentina em 0x0 fora da casa e o Grêmio perdeu  por 1×0 do Rosário Central em casa, coube ao desacreditado São Paulo salvar  uma rodada pobre de gols e de futebol.

Contra um Toluca atordoado e diante de mais de 53 mil torcedores, o São Paulo não deu a menor chance aos mexicanos.

Marcou sob pressão na saída de bola, envolveu o adversário com toques rápidos, tabelas precisas e finalizações letais e só ficou no 4×0 porque as traves impediram que fosse 6 e o goleiro do Toluca que fosse 7 ou 8, tamanha a superioridade tricolor.

Ganso foi um maestro, revivendo seus melhores tempos de Santos e Centurion, que só jogou porque Calleri estava suspenso e Alan Kardec sem condições físicas, foi a Fênix da noite, de renegado a aclamado.

Classificação definitivamente encaminhada. Chance de título?

Esse tricolor do baile/massacre nos mexicanos, sim.

Mas o São Paulo é um time tão bipolar que ainda é temerário fazer qualquer previsão.

Por ora, que se fique com a noite já inesquecível em que o São Paulo foi o São Paulo, como a muito tempo não era o São Paulo.

Corinthians e Galo também devem avançar sem sustos e o Grêmio vai ter que ser mais imortal do que nunca no caldeirão de Rosário.

-o-o-o-

É gol- Bahia e Vitória iniciam a decisão do Baianão 2016. Dois times ainda em busca de afirmação, mas com certeza de casa cheia no Barradão e, depois, na Arena Fonte Nova. Que seja uma festa do futebol.

É pênalti- Se serve como consolo, o Flamengo não vai perder do Vasco no Brasleirão 2016…

Três passeios, um drama e um adeus precoce

Daniel Thame

DT tabocas  13Dos cinco times que iniciaram a disputa da Libertadores 2016 apenas um, o Palmeiras, ficou pelo meio do caminho e caiu logo na primeira fase.

O Palmeiras, com o dinheiro da Crefisa e contratando jogadores `de baciada`, como se dizia nos tempos de antanho, era o time que parecia ir mais longe, mas trombou com seus próprios erros. Empatar com o medíocre River Plate (o genérico) e perder para o Nacional em casa e em Montevideo, foi fatal. E o Verdão, que parece ter renascido com Cuca, junta os cacos e só tem o Paulistinha como consolo e depois o Brasileirão e a Copa do Brasil como meta.

Dos quatro que sobreviveram, três passearam (embora o Grêmio com alguns escorregões) e um viveu um drama que é a cara da Libertadores.

O Atlético não teve nenhuma dificuldade em passar por um grupo que tinha Independente del Vale, Colo Colo e Melgar. Perdeu quando poderia perder, goleou quando deveria golear e terminou seu grupo em 1º. lugar e agora pega o Racing da Argentina nas oitavas de final. Jogo duro, mas o Galo é favorito.

O Corinthians também passeou no grupo que tinha o Santa Fé, o Cerro Portenho e o Cobresal. Parecia que iria sofrer após o desmonte chinês, mas nas mãos de Tite, o Corinthians manteve-se letal e fechou a chave na liderança. Nas oitavas, pega o Nacional do Uruguai, que tem a seu favor apenas a tradição. O Corinthians avança, até porque decide em casa, onde a torcida faz a diferença.

O Grêmio passou sem muito susto pelo chamado Grupo da Morte que tinha Tolima, San Lorenzo e LDU. Ficou atrás dos mexicanos e enfrenta o Rosário Central. Sem craques, mas bem treinado por Roger, time copeiro, os gaúchos farão um duelo interessante contra os argentinos. Sem favoritos.

Já o São Paulo, esse vive um drama que só terminou aos 50 minutos do segundo tempo do último jogo, contra o The Strongest, na desumana atitude de La Paz. 1×1 e vaga garantida, de um time que alterna grandes exibições com partidas medíocres. Nas oitavas, pega o Toluca, sem Calleri, o Salvador da Pátria, expulso contra os bolivianos. Resumo: se passar de fase -e dificilmente passará- é lucro.

-o-o-o-

É gol- Viva a torcida do Corinthians. Ainda existe luz nas trevas paulistas.

É pênalti- Com Messi intocável e Luis Suarez blindado pelos gols, Neymar paga o pato pela fase ruim do Barcelona.

Não é esse gênio quase-Pelé que a mídia tupiniquim pinta, mas é um fora de série. Vive seu momento mané, mas passa.

Todos vivos. Dois muito vivos, um na enfermaria e dois na UTI

Daniel Thame

dthame Reta final da primeira fase da Copa Libertadores e a vida não está fácil para os cinco brasileiros que disputam a competição.

Se em anos anteriores superar a primeira fase era um passeio, esse ano é quase certo que alguns sairão precocemente da disputa.

Até agora, os cinco estão matematicamente vivos, mas apenas dois respiram sem sobressaltos.

Corinthians e Atlético Mineiro devem se classificar tranquilamente, mesmo sem apresentar um futebol que os credencie ao título.

O time paulista enfrenta o fraquíssimo Cobresal em casa e se classifica com um empate. Remontado por Tite após o ataque chinês que levou seus principais jogadores, o alvinegro vem jogando para o gasto, com um esquema tático bem definido,  no velho 1×0, 1×1 e basta.

Os mineiros também jogam   por um empate contra o igualmente fraquíssimo Melgar em Belo Horizonte e devem golear. O Galo, treinado por Diego Aguirre, tem apresentado o melhor futebol entre os brasileiros na Libertadores, o que não é muita coisa mas já é alguma coisa.
O Grêmio não está em situação confortável, mas não está no desespero. Num grupo equilibrado, onde apenas o Toluca do México se sobressaiu, os gaúchos disputam a  segunda vaga com San Lorenzo e LDU. Quatro pontos em dois jogos e a classificação estará garantida. Nada que um time copeiro não consiga.

filme Já o São Paulo e o Palmeiras respiram por aparelhos. Certo que o São Paulo depende só dele, mas precisa vencer o fortíssimo River Plate no Morumbi e depois superar o The Strongest na desumana altitude de La Paz. Está com jeito de missão impossível para um time que até agora vive dos lampejos de Ganso e dos gols de Calleri.

O Palmeiras depende de uma combinação tão absurda de resultados que a classificação ganha ares de milagres. Precisa ganhar do genérico River Plate do Uruguai, em casa, e ainda torcer para que Nacional do Uruguai e Rosário Central da Argentina não façam um jogo de compadres em que o empate classifica os dois.

Resumo da opera bufa: Timão, Galo e Grêmio sobrevivem. São Paulo e Palmeiras já podem encomendar o velório.

-o-o-o-

É gol- Você ouviu falar em Bruno Henrique? Pois esse brasileiro que caiu com o Goiás para a Série B do Brasileiro, detonou o Real Madrid na vitória de 2×0 do Wolfsburg da Alemanha, pela Champions League. Fascinante esse esporte chamado futebol em que davis podem eventualmente derrotar golias.

 

É pênalti- Quando é que a polícia e a justiça vão tratar uma parte das torcidas organizadas como elas efetivamente são: bandidos organizados? A morte de um cidadão que estava no lugar errado e na hora exata durante uma briga de gangs do Palmeiras e Corinthians deveria por um ponto final nesse barbárie.

Deveria, mas não vai.

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930