hanna thame fisioterapia animal
universidade lasalle livros do thame

Posts Tagged ‘ceplac’

Biofábrica e Ceplac discutem Acordo de Cooperação Técnica para multiplicação de mudas resistentes à monilíase

moniUma reunião entre a direção da Biofábrica e a Coordenação-geral de Pesquisas e Inovação da Ceplac, definiu as diretrizes para assinatura de um Acordo de Cooperação Técnica, para viabilizar a multiplicação de duas variedades resistentes à monilíase do cacaueiro. O Acordo está em construção e deve ser assinado nos próximos dias, mas a Biofábrica já trabalha na preparação de uma área onde será criado um jardim clonal, a ser utilizado como fonte de material genético para multiplicação.

A reunião teve a participação da coordenadora-geral de Pesquisa e Inovação da Ceplac, Lucimara Chiari, do coordenador adjunto José Marques Pereira, do diretor-presidente da Biofábrica, Jackson Moreira, bem como do diretor administrativo Valdemir José dos Santos, além da responsável técnica Kaleandra Freitas Sena.

Os clones Cepec 2204 e Cepec 2176, desenvolvidos pela Ceplac, estão prontos para serem multiplicados pela Biofábrica. São plantas que apresentam resistência à monilíase combinada com alta produtividade.

Read the rest of this entry »

Política de Inovação vai promover desenvolvimento da cacauicultura brasileira

cacau lindo 1A partir de setembro, entrará em vigor a Portaria Nº 462, que trata da Política de Inovação da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac). A política servirá para  orientar as ações da Comissão na promoção da inovação por meio da geração de tecnologias, produtos, processos e serviços em benefício da cacauicultura brasileira.

O Brasil ocupa hoje o 6º lugar na produção mundial de cacau, segundo a International Cocoa Organization (ICCO). De acordo com o Censo Agropecuário de 2017, há mais de 93 mil estabelecimentos produtores de cacau no país. Eles estão concentrados na Bahia e no Pará, que juntos representam 96% da produção nacional.

O diretor da Ceplac, Waldeck Araújo, explica que a política propiciará a busca por recursos para a pesquisa e inovação do cacau e apresentação de projetos a organismos nacionais e internacionais.

Em 2020, a Ceplac foi reconhecida como Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT). Para se tornar uma  ICT plena, conforme o diretor, era necessária a publicação da política de inovação, em cumprimento a uma exigência legal. Com esse arcabouço legal, será possível utilizar a Lei de Inovação, ou Lei do Bem, para, dentre outras coisas, participar de chamadas públicas que promovam, por exemplo, a fabricação de bioinsumos para combater a vassoura-de-bruxa, praga que mais afeta as lavouras de cacau no Brasil.

A Ceplac será responsável por aprimorar os mecanismos institucionais de estímulo à inovação, por meio de programas de fomento e indução específicos, criados e regulamentados por normas, para auxiliar, dar suporte e estimular atividades relacionadas ao desenvolvimento, aperfeiçoamento, gestão e difusão de soluções em agricultura, e sua disponibilização à sociedade.

Read the rest of this entry »

Dan Lobão e Ivan Costa recebem Prêmio Cabruca no I Simpósio Brasileiro de Cacau e Chocolate

trofeu cabrucaEm um evento que reuniu nomes de peso do universo do cacau, chocolate, turismo e cabruca, realizado  na Faculdade de Ilhéus, pela TV Cacau/Rede Cacau Comunicação e site Cacau&Chocolate, marcou o início do reconhecimento a cultura do cacau cabruca e a representação que ela tem para o fortalecimento da preservação ambiental agregada ao conceito de pertencimento da região cacaueira da Bahia. A TVCacau homenageou dois símbolos da força “cabruqueira” da região, Dan Lobão e Ivan Souza Costa.

 

A iniciativa consolida o objetivo do veículo de comunicação, que visa dá visibilidade e promover a identidade da região do cacau. “O prêmio simboliza um trabalho que em 2022 ganhará força por meio do desenvolvimento de ações que busquem dá destaque e chamar a atenção da sociedade sobre o sistema cacau cabruca, unindo o conceito de preservação ambiental e alta produtividade”, disse Caliana Mesquita jornalista e socia fundadora da TVCacau/ Rede Cacau de Comunicação.

 

Veja o texto completo em

 

www.cacauechocolate.com.br

Bahia testa fungicida contra vassoura de bruxa em lavoura cacaueira

Estudo inédito aposta em cinco produtos que podem solucionar o problema

bruxa 1Fruto-símbolo da Bahia, o cacau, tão bem retratado na literatura de Jorge Amado e na teledramaturgia global, em seus tempos áureos já sustentou a economia do Estado. Aí veio a vassoura de bruxa – doença que dizimou as lavouras – e, para além dos prejuízos financeiros, desestimulou muitos agricultores a continuar apostando na cultura. Agora, a cacauicultura baiana vive um momento de retomada, e as expectativas são as melhores. Doenças e pragas ainda impõem risco ao cultivo, mas a aposta em um fungicida eficaz contra o maior inimigo das lavouras de cacau enche os produtores rurais de esperança.

bruxa 2

O fungicida, resultado de uma pesquisa desenvolvida pela Ceplac com apoio do Sistema Faeb/Senar e da Syngenta, já está em fase de teste, com fortes indicativos de sucesso. Durante dois anos, os pesquisadores vão observar a eficiência dos cinco produtos no controle da vassoura de bruxa. Se responder bem, a Bahia pode se tornar pioneira no mundo a identificar uma substância contra a doença. Além do controle sanitário nas lavouras, o fungicida vai contribuir para aumentar a produtividade e a qualidade das amêndoas, fatores que interferem diretamente na rentabilidade do produtor rural. A Bahia é o maior produtor nacional do fruto. Só no ano passado foram colhidas mais de 140 mil toneladas. Com o manejo adequado e sem o risco da doença, esse número pode ser ainda maior nos próximos ciclos após a liberação do fungicida.

Vejam o texto completo em

 

www.cacauechocolate.com.br

 

Ceplac e Embrapa: afogamento e mortes anunciadas

ceplac

Manoel Moacir Costa Macêdo*; Itatelino de Oliveira Leite Júnior** & Manoel Malheiros Tourinho***

 

 

A história como ciência carrega entre outros, dois relevantes fundamentos metodológicos. O primeiro é o registro, o segundo o movimento. Vieses existem em ambos, pela abstração dos vencedores e inconstância da temporalidade. Fraquezas aceitas com ressalvas no método histórico. Em menos de um ano, o circuito da região cacaueira da Bahia, berço do ciclo virtuoso do cacau e das contradições dos monocultivos, aplaudiu e até acreditou na notícia: “A Embrapa e a Ceplac (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira) assinaram um acordo de cooperação técnica para implantação de uma Unidade Mista de Pesquisa e Inovação (Umipi), com sede no Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec/Ceplac), em Ilhéus (BA). A Umipi Cacau vai centralizar os estudos científicos nessa área, abrangendo também os estados de Pará e Rondônia. O objetivo é fortalecer as ações de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) em prol da cadeia produtiva de cacau no Brasil, o que envolve ainda a criação de um portfólio para garantir os trabalhos em parceria já existentes e incentivar a formação de novos projetos voltados à essa cultura”.

 

 

Pelo olhar pouco atento à história das organizações e os ciclos dos monocultivos no Brasil, a nota embriagou os otimistas. O encontro tardio, entre duas organizações com histórias de sucesso, animou o moribundo ambiente da cacaiucultura e em particular o entorno da CEPLAC. Com realismo, experiência e sinceridade dois dos autores, um oriundo da EMBRAPA e outro da CEPLAC, no artigo de opinião “Abraços de afogados” comentaram a proposta patrocinada pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA e CEPLAC, que entre outras considerações escreveram: “[…] os atores formais desse arranjo organizacional, apresentaram propósitos ambiciosos e desprovidos de referenciais programáticos no âmbito das partes, na sua operabilidade para prospectar os propósitos […]”. Com pesar e respeito aos próprios sentimentos de uma longa vida nessas organizações, concluíram que “[…] sem um efetivo diagnóstico organizacional para identificar as ameaças e falhas, a “boia salva-vidas” atirada ao mar para resgatar dois moribundos, não vai salvá-los. Um agonizando e o outro está deveras enfermo. Se a boia estiver furada, só resta o abraço dos afogados”.

 

Read the rest of this entry »

Pará, Bahia e Rondônia são destaques no III Concurso Nacional de Qualidade do Cacau Especial

Claudia Sá

Claudia Sá

Na noite desta segunda-feira (22), foram reveladas as melhores amêndoas de cacau do Brasil durante premiação do III do Concurso Nacional de Qualidade do Cacau Especial. Ao todo foram 94 amostras inscritas nas categorias Mistura (blend) e Varietal, das quais 22 seguiram para a segunda etapa da disputa pelo título e pelos prêmios, que somavam R$ 24 mil. Nesta edição, o estado do Pará liderou o ranking, conquistando todos os lugares do pódio da categoria de blends, incluindo um empate técnico na terceira posição.

De Medicilândia (PA), o produtor Robson Brogni foi o grande destaque da categoria, ficando em primeiro lugar. “Estamos há alguns anos trabalhando na qualidade do nosso cacau para estar entre os finalistas, mas o primeiro lugar foi realmente incrível”, celebrou o paraense.

Produtor de Rondônia, Mauro Tauffer (terceiro da dir para a esq) conquistou o terceiro lugar com a variedade SJ02_Foto Ana LeeJá na categoria de variedade única, o estado da Bahia garantiu as duas primeiras posições, com Cláudia Sá, da Agrícola Cantagalo, Itabuna, em primeiro lugar. “O que faz a gente chegar até aqui é o amor pelo que a gente faz. Faz 10 anos que comecei a ‘namorar’ o cacau e há 3 estou completamente apaixonada. Estou muito emocionada e muito feliz porque isso é fruto de muito trabalho e muita dedicação”, destacou Cláudia, ao agradecer à equipe de colaboradores, família e organização do evento.

O terceiro lugar na categoria Varietal foi uma revelação. Em seu primeiro ano de participação no concurso, o estado de Rondônia já emplacou um vencedor. O produtor Mauro Tauffer, de Buritis, foi o terceiro premiado na categoria. “Por sermos mais novos na produção de cacau, sinto uma responsabilidade muito grande em representar o meu estado. Nem estava imaginando ganhar esse prêmio e agora estou muito feliz”, resumiu o cacauicultor, bastante emocionado.

Read the rest of this entry »

Eduardo Salles classifica de ‘desastrosas’ declarações de diretor da CEPLAC

sllesIntegrante da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa da Bahia e ex-secretário estadual de Agricultura, o deputado estadual Eduardo Salles chamou de “desastrosas” as declarações do diretor da CEPLAC (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira), Valdeck Araújo, que defendeu, em entrevista ao portal Mercado do Cacau, que uma das formas de mitigar a expansão da monilíase na Bahia seria encerrar as atividades de três processadoras de cacau instaladas em Ilhéus e Itabuna.

“O gestor público, se não tiver conhecimento do assunto, deve se calar ou procurar profissionais competentes para não falar asneira. Não pode um diretor da CEPLAC fazer uma declaração desastrosa dessa. É urgente que ele escreva uma nota pública e conceda entrevista reconhecendo que errou com os produtores de cacau, empresários da cadeia produtiva e a população do sul da Bahia”, declarou, indignado, Eduardo Salles.

Read the rest of this entry »

Secretaria da Agricultura de Itabuna será parceria nas ações de fortalecimento do cacau e chocolate

joao c (2)

A convite do secretário estadual da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), João Carlos Oliveira, o secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Itabuna (Seagrima), Moacir Smith Lima, participou ontem, dia 8, de reunião na Superintendência Regional da Ceplac, na rodovia Ilhéus-Itabuna, para apresentação das ações da Seagri referentes à cultura do cacau no sul da Bahia.

joao c (1)O titular da Seagri está buscando parcerias para dinamizar ainda mais a pauta sobre os chocolates finos do sul da Bahia, cuja aceitação pelo mercado consumidor vem crescendo de forma exponencial, além da assistência técnica aos produtores e distribuição de clones resistentes a vassoura-de-bruxa, dentre outras ações para o fortalecimento da cacauicultura.

Esse foi o primeiro contato do secretário João Carlos Oliveira com dirigentes e técnicos da Ceplac depois de assumir a Seagri. Desde o início do segundo mandato do governador Rui Costa, João era o titular da Secretaria de Meio Ambiente (Sema). Agora, ele deseja aprofundar as discussões, inclusive com a realização de sequência de lives para a iteração dos órgãos parceiros: Ceplac, Seagri e Seagrima.

No encontro de quinta-feira estavam presentes Lucimara Chiari, coordenadora de Pesquisa e Inovação; José Carlos Santana, coordenador regional substituto; José Marques Pereira, Mílton Conceição, Dan Érico Lobão, Karina Gramacho, pesquisadores da Ceplac; Tiago Guedes, assessor Seagri/BA; Rodrigo Haun, diretor de Agricultura, e Cilene Souza, diretora Meio Ambiente da Seagri.

Inscrições estão abertas para o Concurso Nacional de Qualidade de Cacau Especial do Brasil

Seguem abertas até o dia 30 de junho as inscrições para a terceira edição do Concurso Nacional de Qualidade de Cacau Especial do Brasil, que seleciona as melhores amêndoas produzidas no país. Um comitê técnico e júri de degustadores de chocolates farão as avaliações. Os produtores podem concorrer com lotes de uma única variedade do cacau especial ou na categoria de mistura de híbridos ou variedade genética. Os vencedores serão conhecidos em cerimônia realizada no mês de novembro e podem levar prêmios de até R$ 12 mil, além de certificado da premiação.

cacau

O Concurso Nacional de Qualidade de Cacau Especial do Brasil busca fortalecer a cacauicultura brasileira, valorizando e reconhecendo produtores que fazem um trabalho diferenciado, bem como incentivar a sustentabilidade em todo o processo produtivo. A premiação é uma iniciativa conjunta da cadeia de cacau, apoiada pela Associação das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), Centro de Inovação do Cacau (CIC), Dengo Chocolates, FAEB/SENAR, Harald, Mondelez – Cocoa Life, Nestlé – Cocoa Plan e SEBRAE e executada pelo CIC em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC). Mais informações no site www.omelhorcacaudobrasil.com.br.

EMBRAPA e CEPLAC: abraço de afogados

ceplac

Manoel Moacir Costa Macêdo e Manoel Malheiros Tourinho

 

As organizações são estruturas criadas para alcançarem objetivos específicos como partes de processos institucionais existentes no mundo contemporâneo. Elas estão presentes em qualquer sociedade e espécies de governança, sistemas, formas e regimes de governo: capitalista, socialista, monarquia, oligarquia, aristocracia, democracia, ditadura, parlamentarismo e presidencialismo. As nações têm fábricas, lojas, hospitais, quartéis, escolas, centros de pesquisa, entre outras organizações que fazem a vida existir. As organizações modernas se movem segundo os ambientes, recursos, estruturas, objetivos e processos de gestão. Não são apenas estruturas físicas, a exemplo de prédios e equipamentos, ao contrário, abrigam ativos relevantes: pessoas, visões, missões, tecnologias, história, além da integridade moral e ética.

 

Teorias acreditadas pela ciência permitem analisar as organizações complexas sob várias perspectivas. A mais completa procura entendê-las à luz da teoria de sistemas, compreender as organizações como um arranjo sóciotécnico: universidades e centros de pesquisa são parte dos sistemas sociotécnicos de ciência e educação, como a CEPLAC – Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira e a EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Elas não operam em circuitos fechados e imunes às influências do ambiente externo. Ao contrário, estão abertas à capilaridade entre os de fora e os de dentro. Em alguns casos essa é a essência das estruturas, das tecnologias e dos seus papéis, a exemplo das organizações de saúde em tempo de pandemia. As organizações não operam no vácuo social, mas em condições de “conflitos” de variada natureza. O reducionismo das suas funções, é um artifício, tal qual o axioma da química, as “CNTP – Condições Normais de Temperatura e Pressão” e o “Ceteris paribus” da economia, onde “tudo mais permanece constante”, exceto as herméticas variáveis em análise. Ambos são recursos metodológicos, vez que no mundo real “tudo está em movimento e tudo interfere em tudo”.

Read the rest of this entry »

Com R$ 4,7 milhões em investimentos, Embrapa e Ceplac fecham parceria para fortalecer cacauicultura

cacau 500 1A Unidade Mista de Pesquisa e Inovação em Cacauicultura (UMIPI-CACAU) foi oficialmente anunciada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. Com sede em Ilhéus, o projeto é resultado de cooperação entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac).

 

O presidente da Embrapa, Celso Luiz Moretti, mencionou que desde 2012 a empresa trabalha com unidades mistas de pesquisa – conceito originalmente francês – e demostrou satisfação diante da colaboração entre as entidades.

“É uma grande satisfação estar de mãos dadas com a Ceplac nesse momento. Eu não tenho dúvidas de que essa é uma maneira inovadora, criativa e moderna de avanço em temas para pesquisa, desenvolvimento e inovação na agricultura brasileira”, afirmou.

Moretti, que revelou no evento de lançamento que quando era estudante imaginou um dia trabalhar na Ceplac, declarou que a aliança entre as empresas será uma grande oportunidade para compartilhar recursos humanos, infraestrutura e conhecimento, visando a contribuição para o desenvolvimento competitivo e sustentável da cacauicultura brasileira.

Read the rest of this entry »

Filha única: árvore rara cujo único espécime do mundo está no Sul da Bahia intriga ciência

arvore 1

(Correio24hs)-Uma única árvore conhecida, pertencente a um único gênero, de uma única espécie. Da mesma família da laranja, a Andreadoxa flava kallunki é um indivíduo ímpar no mundo. A planta é tão rara que só tem nome científico, ninguém nunca deu um apelido, um nome mais popular, o que é bem comum, na verdade. Observada pela primeira vez há cerca de 60 anos, sua história tem algumas lacunas e ainda resta dúvidas para os botânicos. Vivendo no maior herbário de Mata Atlântica do Nordeste, numa área de cultivo de cacau no Sul da Bahia, ela provavelmente é centenária. Exuberante, com suas flores amarelinhas e exalando aroma cítrico como o do limão, a árvore intriga pesquisadores e os desafia a uma luta para que ela não viva a solidão de ser o último exemplar da sua espécie.

Fincada num vão de uns 40 cm entre duas grandes pedras, acredita-se que talvez ela tenha conseguido sobreviver ao tempo por estar justamente ali. Não fosse por isso, teria sido cortada porque não produz sombra propícia para a plantação cacaueira, uma das principais atividades agrícolas da região há pelo menos dois séculos.

Daniel Piotto

Daniel Piotto

Com uma altura de oito metros, o equivalente a um pouco mais do que um prédio de dois andares, a Andrea é considerada baixinha. Para este negócio, são usadas árvores de estrato bem mais alto — acima dos 25 m — então, o pessoal que trabalha plantando cacau vai retirando as menores do caminho.

 A Andreadoxa fica protegida na Comissão Executiva Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), uma área federal na estrada entre Ilhéus e Itabuna. Conversar com quem a pesquisa é instigante, provoca um fascínio sobre o que falta esclarecer. Por telefone, o engenheiro florestal Daniel Piotto, professor da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), proseia quase sempre sorrindo, em um tom que mistura admiração e incredulidade.

Read the rest of this entry »

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
agosto 2022
D S T Q Q S S
« jul    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031