hanna thame fisioterapia animal
coronavirus 155 livros do thame

Posts Tagged ‘Basia Piechocinska’

A Dinâmica Que Gera A Maioria dos Problemas

 

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Há uma dinamica fundamental?

Existe uma dinamica subjacente que esta? na raiz da maioria dos nossos problemas atuais no mundo?

E possivel mudar a dinamica subjacente em vez de apenas tentar resolver as diferentes manifestações do problema (devastação ambiental, mudanças climaticas, bullying, diabetetes, energia, etc)?

O Problema: Como usamos a tecnologia

Read the rest of this entry »

Três maneiras de enfocar – três vidas diferentes

 

basia 1

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Você provavelmente já ouviu que o que você foca você obtém mais. Se você se concentrar em coisas positivas, tenderá a encontrá-las ao seu redor. Se você se concentrar em eventos negativos, você os verá em todos os lugares. Mas há muito mais.

As palavras aparentemente semelhantes “objetivos, propósito ou significado” dão origem a três modos de vida bastante divergentes. Dois deles o manterão em uma vida de luta e competição, enquanto o terceiro abrirá o acesso à clareza, criatividade e um estilo de vida participativo e comemorativo onde todos vocês continuam vencendo.

basia 2Vamos começar com objetivos. A pessoa orientada para objetivos vê o mundo como sendo feito de coisas separadas. Existem eus separados e coisas separadas. Essas coisas e seres interagem por meio da força. Você precisa de força para mover as coisas. Esta é a física local e causal de empurrar e puxar as coisas. O reducionismo funciona bem. Com essa visão de mundo, todos precisamos competir uns com os outros pelos recursos finitos. Assim, a competição e as situações em que você ganha ou perde se tornam a norma. A pessoa orientada para uma meta estabelece uma meta e age para que a alcance. Isso é bem ilustrado em muitos tipos de esportes.

 

Read the rest of this entry »

A chave para nossa metamorfose

basia 1

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)No episódio anterior, falamos sobre metamorfose.

Falamos sobre as diferenças entre a queda dos impérios anteriores e o que estamos passando atualmente. Falamos sobre a redução dos recursos naturais, sistema insustentável, interconectividade global, crescimento tecnológico exponencial com novas tecnologias-chave permitindo a organização descentralizada e redução de centros de poder e, portanto, corrupção.

Também brincamos com a lagarta no processo de metamorfose da borboleta. E perguntamos – existe um potencial oculto nos humanos que, por alguma razão, não teve permissão para florescer?

O que é e como o fazemos florescer? É sobre isso que eu gostaria de falar mais hoje e espero reunir uma série de ideias diferentes que já discutimos nos episódios anteriores.

Comecemos com a ideia de um potencial adormecido nos seres humanos. Um tipo de potencial não realizado é talvez o que tendemos a ver como capacidade espiritual e a ideia de nos tornarmos um ser realizado – um ser iluminado.

Certos indivíduos em particular alcançaram isso. E pode até ser verdade que os tempos de crise moral estimulam essa transformação. Certamente, vimos indivíduos iluminados, mas foram poucos.

Se muitos, ou a maioria de nós, alcançasse esse estado de iluminação, isso poderia ser visto como uma metamorfose individual e social. E esse tipo de transformação realmente traz a promessa de uma sociedade verdadeiramente colaborativa, onde todos são capazes de se concentrar no que mais amam e, ainda assim, fazer com que todos prosperem como resultado disso.

Read the rest of this entry »

Não faça as coisas para ficar feliz. Faça ao contrario…

basia

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)A filosofia de vida da maioria das pessoas é “fazer para ficar feliz”. A maioria das coisas que fazemos, fazemos para no final alcançar um maior nível de bem estar. As fazemos porque de alguma forma elas prometem trazer algum benefício.

Na maioria dos casos isso leva a uma vida de luta, lutar para obter o que poderia trazer alegria, paz, bem estar. Em alguns momentos conseguimos alcançar as metas e podemos até sentir euforia por um tempo, mas pouco tempo, porque depois voltamos à vida como luta. É isso mesmo? É essa a vida? Ou será que há outras formas de vive-la?

Existe uma filosofia de vida que funciona da forma contrária. O antigo conto do rapaz que precisava de um trabalho a explica bem…

Havia um rapaz que precisava de um trabalho. Ele estava descendo uma rua aonde tinha casas afluentes e numa varanda ele enxergou um velho sentado. Por desespero ele se aproximou ao velho e perguntou:
– Desculpe a interrupção mas por acaso o senhor não teria um trabalho para mim? Eu preciso de um trabalho.
– É mesmo? Você precisa de um trabalho?, perguntou o velho.
– Sim, por favor, qualquer coisa.
– Se é um trabalho o que você precisa tem sorte. Veja aqui atrás da casa. Aqui tem um morro bem alto em baixo tem uma pedra redonda. Empurre a pedra até o alto do morro. E depois, deixe-a voltar pro baixo e de novo empurre para cima. Se é um trabalho que você precisa, não vai faltar.
Read the rest of this entry »

Simplesmente faça

basia pier 6 (foto Ana Lee)

 Você já deve saber que a empresa de calçados Nike usa o slogan – Just do it – Simplesmente faça.  Apesar dos contos um tanto mórbidos de sua origem, onde se diz que um prisioneiro condenado à morte a pronunciou antes de ser executado, é uma frase que me deu exatamente o que eu precisava em muitas ocasiões.

Freqüentemente permitimos que nossas mentes analisem nossas ações até um ponto de exagero, e nossos medos entrem. E se isso não estiver exatamente certo? E se eu pronunciar algo errado? E se eu não for capaz de resolver? O que todo mundo vai pensar de mim se eu falhar?

Nossos medos podem facilmente infiltrar-se e tomar nossas vidas como reféns, impedindo-nos de perseguir nossas ideias ou sonhos. Outras vezes, nossa mente nos deixará pensar que é muito difícil, que vai demorar muito ou que não será agradável. Ainda, outras vezes, é a ideia de sair da nossa zona de conforto que nos puxa de volta aos nossos hábitos regulares. Nossa mente parece ser bastante astuta em nos dissuadir de seguir nossa inspiração.

b 1É nessa época que uma frase como “Just do it” (Simplismente faça) pode valer ouro. É uma frase que nos tira de nossa mente analítica ou temerosa e nos diz para darmos o primeiro passo agora. E existem diferentes versões disso. Read the rest of this entry »

A armadilha de focar no que queremos – quando já o temos

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Aquilo em que focamos aumenta em nossa vida. Se começarmos a pensar em carros azuis, começaremos a vê-los em todos os lugares. Se nos concentrarmos em todos os problemas do mundo, parecerá que eles estão aumentando. Se prestarmos atenção ao que amamos em alguém, veremos mais disso. Qualquer coisa que imaginarmos tende a se tornar central para nossa experiência.

Sabendo disso, pode-se decidir simplesmente se concentrar no que é desejado. No entanto, existe uma armadilha.   Ele surge quando, sem saber, já temos of que desejamos.

Sobreviver

jor 1Vamos dar uma olhada em alguns exemplos. Para começar, podemos olhar para a hierarquia de necessidades de Maslow. Isso é semelhante a uma pirâmide. Em sua base, temos as necessidades básicas. Temos a necessidade de respirar, depois a necessidade de água e depois de comida. Acima dele encontraremos necessidades como a necessidade de segurança ou abrigo. Então, temos necessidades sociais e, finalmente, auto-atualização pessoal. Parece lógico que primeiro precisamos ter nossas necessidades básicas atendidas. Se não conseguirmos respirar, não seremos capazes de fazer nada. E assim, pode-se pensar que seremos mais bem atendidos se nos concentrarmos em nossas necessidades de sobrevivência. Então, depois que elas forem atendidas, podemos tentar atender a algumas outras necessidades.

No entanto, é assim que nossa sociedade tende a funcionar em geral. A maioria das pessoas trabalha para conseguir dinheiro para sobreviver. Seu foco é atender às necessidades básicas. Isso leva a uma sociedade onde a maioria das pessoas passa a maior parte do tempo lutando. Quantas vezes por dia você ouve dizer que alguém está na luta da vida? Nossos momentos de alegria, contentamento, êxtase são poucos quando comparados aos momentos de sofrimento.

E assim, ao nos concentrarmos no que pensamos que mais precisamos, podemos satisfazer nossas necessidades de sobrevivência, mas não nos tornaremos indivíduos felizes. Talvez haja uma estratégia melhor para fazer isso.
Read the rest of this entry »

O que move você?

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Você sabe o que tende a mexer com você? Você consegue se lembrar de alguma situação em que tenha se sentido genuinamente tocado?

Quando pensamos e recordamos esses momentos, muitas vezes encontramos um tema. Esses momentos geralmente serão em torno de um tópico específico. Uma verdade sobre nós será revelada. É uma verdade em torno da qual teremos secretamente um medo, uma falta de fé. E esses momentos serão de cura para nós. Eles farão com que nos sintamos mais vivos. Eles vão parecer significativos e podem nos trazer um propósito.

Descobrir o que o move em particular pode ajudá-lo a se curar e a encontrar um propósito mais profundo para sua vida.

Basia 1Do que estamos nos curando? Estamos nos curando de crenças que surgiram por meio de traumas de desenvolvimento. São crenças como indignidade, sempre sentir falta, sentir-se usado, sentir-se humilhado ou talvez sentir que não pode ser amado por tudo o que é. Ao descobrir o que realmente o move, você será capaz de descobrir um tema que pode apontar para uma dessas crenças subjacentes.

Deixe-me dar um exemplo de situações que me emocionaram. Um é meu aniversário de 17 anos. Naquele dia recebi duas fitas com George Michael de um amigo da família. Ele não era realmente meu amigo, mais como uma pessoa que às vezes visitava a casa. E ele percebeu que em uma ocasião eu mencionei que gostava de George Michael e usei essa informação para tornar minha vida mais bonita. Ele não era obrigado a me dar nenhum presente e eu certamente não esperava que o fizesse. Eu nem sabia que ele sabia que era meu aniversário. E ainda assim, ele prestou atenção no que eu uma vez falei, usou a informação para deixar a minha vida mais bonita.

Outro exemplo foi quando uma amiga minha, que certamente não tem nenhum interesse por tango, percebeu que o tango é importante para mim e me arrastou para um evento de tango. Isso era algo de que ela não gostava e realmente não tinha tempo. E ainda, ela fez tudo isso para tornar minha vida mais especial.

Você pode começar a ver o padrão? Procure acontecimentos em sua vida e um padrão. Em seguida, pergunte-se sobre o que esses eventos os tornaram tão especiais para você. No meu caso foi porque através de seus atos voluntários eles me mostraram que minha felicidade e minha vida eram importantes. Elas importam. Eu importo. Eu sou digno.

E então, eles iniciaram um processo de cura, que abriria a possibilidade para eu também ver isso. Talvez eu seja digno. Talvez eu também seja importante.

Depois de descobrir o que ressoa com você, você pode começar a se perguntar como você pode dar aos outros a mesma experiência. E quando o fizer, parecerá que está cumprindo seu propósito aqui. Poucas coisas serão mais significativas para você.

Somos otimizados para sobreviver e não prosperar

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Temos alguma chance de criar uma sociedade benevolente?

Como humanos, tivemos que encontrar maneiras de sobreviver em ambientes e circunstâncias às vezes hostis. Talvez não seja nenhuma surpresa que nossos corpos e mentes tenham se otimizado para a sobrevivência e, nesse sentido, podemos nos considerar um sucesso. No entanto, a otimização para a sobrevivência tem um preço. Como sobreviventes, não somos otimizados para uma vida pacífica onde prosperamos.

Vejamos primeiro como somos otimizados para a sobrevivência e não para o sucesso e depois, com base nisso, ver se temos alguma esperança de um dia criar uma utopia, um lugar pacífico onde os indivíduos floresçam. Existe alguma possível versão do paraíso na terra para os humanos?

O que há de errado conosco?
Todos parecemos idealisticamente clamar por “Paz na terra!”, “Boa vontade para a humanidade!” ou “Liberdade, Igualdade, Fraternidade!”. Ironicamente, algumas dessas palavras foram usadas até mesmo como gritos de guerra. Até agora, temos tentado coletivamente alcançar a paz por meio da violência por milênios, sem sucesso duradouro.

b 1

Oramos individualmente pela paz na Terra e pela proteção e felicidade de nossa família e amigos. E, no entanto, no dia seguinte, de alguma forma, nos encontramos discutindo sobre quem colocaria a perna de nosso amigo depenado grelhado na mesa de jantar.

Gostamos de nos considerar racionais, porque temos a capacidade de articular isso. No final, entretanto, a vocalização freqüentemente parece ser o limite de nossa habilidade.

O que há de errado conosco? Seriamente. Talvez, se pudermos descobrir isso, também possamos encontrar uma saida.

Nossa configuração fisiológica

b 2Fisiologicamente, descobrimos que respondemos bem ao estresse hermético. Quando nosso corpo experimenta curtos períodos de estresse intenso, que se continuados seriam prejudiciais e até letais, ele responde de forma benéfica. É assim que o exercício funciona e por que o treinamento de alta intensidade está na moda. Ao estressar nosso corpo em sessões de treino curtas, mas intensas, nos torna mais fortes e mais preparados para lidar com o esforço físico.

Isso também se aplica a outras formas de estresse. Ao jejuar, obtemos inúmeros benefícios para a saúde, desde a autofagia, onde purificamos nosso corpo, até a ativação de células-tronco, onde ativamos nosso potencial de reconstrução. O calor excessivo, como saunas, ou frio, como banhos de gelo, também fortalecem nossa saúde. Períodos intensos de resolução de problemas melhoram a nossa mente.

Tudo isso significa que uma vida de conforto, sem trabalho físico, com um suprimento constante de comida, uma temperatura agradável e sem grandes problemas para resolver acabará, fisicamente, nos levando à decomposição.

Além disso, nos desenvolvemos para procurar alimentos que contenham grandes quantidades de açúcar, gordura e sal. Isso ocorre porque eles são essenciais para nossa sobrevivência e, em geral, são mais raros na natureza. Na verdade, apenas com nosso olfato podemos escolher a laranja ou maçã mais madura e doce. Experimente se você nunca tentou e ficará surpreso com a sua habilidade. Talvez seja necessário cortar um pouco a casca da laranja para cheirá-la melhor.

Em uma sociedade de afluência, vamos gravitar em torno dos alimentos doces, gordurosos ou salgados. Com certeza, desenvolvemos técnicas para criar exatamente esse tipo de alimento. Freqüentemente, é muito rico em açúcar, gordura ou sal e, no entanto, possivelmente totalmente desprovido de outros nutrientes. As consequências dessa dieta todos nós podemos seguir na TV ou na vida real, dependendo se vivemos ou não em uma sociedade ocidentalizada, ou talvez se estejamos em um lock-down ou não.

Read the rest of this entry »

Como usar a impotência

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)As vezes nos sentimos pequenos, impotentes, débeis.   A maioria de nós, esperançosamente o sente só em algum momento ou alguma fase da vida.  Os sábios nos dizem que o importante não é o que acontece mas a nossa reação ante isso.

Experienciar uma falta de poder pode enriquecer a nossa vida emocional e leva-nos a sentir e viver a humildade e a compaixão, assim estabelecendo conexões verdadeiras e profundas com os que nos rodeiam.
Ou, ela pode procurar um vilão, que nos está tirando o poder, e acender um ódio e um desejo vingativo de um dia vencer a custo do outro, que será submisso, e assim sofrerá do jeito que estamos sofrendo.

Ou, podemos tentar não sentir.  Podemos procurar nos distrair.  Ou podemos continuar na nossa luta, tentando reprimir a escuridão que permanece em baixo.

Tudo depende da nossa forma de reagir.

Há muitas opções.  Destas, a primeira pode parecer a mais atraente, pela finalidade.  Sim, seria interessante crescer, se abrir e conectar com outros de um jeito autêntico.  Mas como conseguir isso?

jc 1

Reconhecendo que os sentimentos e as emoções são só isso, ondas que nos atravessam, fica mais fácil deixa-los fluir desinibidas.  Assim podemos, até com curiosidade, seguir o percurso delas pelos nosso corpo físico.

Desobstruídas, quando não as combatemos, elas sempre passam.  O gancho delas, que pode faze-las ficarem por mais tempo, são os contos.  Toda vez que associamos um conto a uma emoção, ela volta com a lembrança do conto.  E quanto mais o repetimos, mais sentimos a emoção.  Tanto é que podemos chegar ao nível de só com a intenção de contar o conto invocar a emoção.

Então, quando estamos com a sensação de fracasso, insuficiência de alguma forma, temos a escolha de admiti-la, aceita-la, e relaxar para ela livremente atravessar o nosso ser.  E depois, igualmente, temos a escolha do nosso foco.
Qual vai ser o conto que vamos criar?  Vai ser um conto que nega o fracasso?  Ou, vai ser um que nos deixa no papel da vítima?  Ou vai ser um que procura o caminho do crescimento?

Como assim o caminho do crescimento?  O caminho do crescimento usa o tramplim (que já descrevemos em outro artigo).  Ele aceita o presente, até com fervor, porque ele diretamente enfoca no que realmente estamos desejando.  Funciona como um tramplim porque quando mais abaixo vamos, mais poder vamos ter para voar.  Mas para realizar este poder precisamos ter uma direcção. A direcção é fácil encontrar.  Ela é o contrário do que não gostamos.

Então, o caminho do crescimento nos leva a usar o acontecimento e enfocar no que ele pode trazer de bom.

E se ainda não temos a costume de automaticamente encontrar o positivo e os nosso contos de vítima são potentes?

Neste caso podemos re-criar, re-escrever os contos de vítimas.  Pegue seu conto de vítima predileto.  A melhor forma é fazer isso junto com outra pessoa.  Primeiro conte a versão normal.  Pode ser qualquer conto seu.  Pode, por exemplo, ser uma história sobre como alguém maltratou você, ou sobre o mau azar, qualquer um.  Depois, conte o mesmo conto, mas desde uma perspectiva empoderada, capacitada.  Então, uma perspectiva onde você não se vê como vítima.  Consegue?  A outra pessoa vai te dizer se ainda sente que você se faz vítima.

Na sua versão empoderada do conto você usa os mesmos fatos, mas coloca uma outra perspectiva.  Por exemplo, em vez de dizer “Meu namorado me limitava muito nas minhas interações com outras pessoas.  Eu nem conseguia falar de um jeito natural com outras pessoas.” pode por exemplo dizer “As exigências do meu namorado enquanto ao meu comportamento me levaram entender o quanto é importante a liberdade de poder ser si mesmo.  Agora já sei qual vai ser um componente essencial nos relacionamentos futuros meus e fico tão grata pelo discernimento.”

Tente, veja se consegue contar um dos seus contos de vítima para outra pessoa o sentir como um conto inspirador.

Read the rest of this entry »

Contexto presente do coronavírus: a perda da privacidade do seu corpo

basia pier 6 (foto Ana Lee)

Basia Piechocinska

b 1

Estou escrevendo este artigo porque há um perigo.  Neste momento estamos no meio de uma tempestade e por isso pode ser difícil ter uma visão clara do que está acontecendo.  Quero que o número maior de pessoas tenha acesso a estas informações tratando de um contexto mais amplo, analisando o que está acontecendo nos tempos do coronoavírus, para poder refletir e tomar as medidas que achar adequadas.

Vamos lá.  Neste momento estamos no meio de uma crise mundial e há muito medo.  Toda vez que há medo a nossa visão fica menos ampla.  O nosso enfoque é a imanente sobrevivência e fica difícil visualizar perspectivas e contextos maiores.   Os pensamentos iniciais são do tipo “Aonde consigo alcool para me proteger?  Não tenho máscara!  A ajuda do governo já entrou?  Como vou sobreviver sem meu emprego?”  etc.  As reações de quem está com medo são previsíveis e como o enfoque da maioria é segurança fica mais fácil direcionar os pensamentos e a ações as pessoas.

Um exemplo do passado – 9/11


Dia 11 de setembro no ano 2001 houve os ataques às Torres Gêmeas em Nova Iorque. Isso gerou uma crise e muito medo, sobretudo nos Estados Unidos.  Os canais informativos nos Estados Unidos, todos os dias mostravam barómetros de quanto medo precisava ter naquele dia.  E realmente gerou-se muito medo que teve como enfoque “os terroristas”.

Por causa disso foi possível passar uma nova lei, chamada “The Patriot Act”, que tirou os direitos civis da população.  A promessa do governo era que assim o governo ia poder proteger os cidadãos dos terroristas.  E foi isso o que aconteceu?  As pessoas condenadas, usando esta nova lei, foram os terroristas?
Não.  A lei foi usada sobretudo para aprisionar os denunciantes, os “whistleblowers”, e grupos como veganos (como por exemplo membros de um grupo chamado SHAC 7 por postar vídeos de abuso de animais cometidos pela empresa Huntingdon Life Science).  Geralmente a lei foi usada quando uns ativistas estavam tendo sucessos na campania de ativismo.
Para explicar o contexto do que está acontecendo agora vamos usar um exemplo do passado para tudo ficar mais palpável.

Será que os direitos serão tirados só em situações extremas, como situações de críse e depois em outros momentos os cidadãos vão de novo usufruir dos direitos?  Pelo contrário.  No ano 2013 Edward Snowden, um “whistleblower”, demostrou que estamos sendo vigiados em forma massiva e que nossos direitos de privacidade estão sendo tirados.

Então, vemos como uma situação de crise foi usada para revogar os direitos das pessoas para em vez de os restabelecer num futuro pacifico abusar deles e revogar ainda mais do que se mostrava.

Read the rest of this entry »

Como Criar Sincronicidade e Milagres

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Já experimentou alguma vez uma sincronicidade, um momento no qual parece que tudo coincideu de uma forma quase milagrosa e deu certo? Um encontro com a pessoa certa no momento certo, que resolveu seus problemas de uma forma melhor do que podia ter imaginado?

É lindo quando acontece, mas o que faz isso acontecer? Podemos fazer alguma coisa para isso acontecer mais na nossa vida?

Sim, podemos.

Talvez você já ouviu a frase da Bíblia “Peça e será dado”. E provavelmente já pediu varias vezes mas nem sempre recebeu. Por que? Por que o universo não conspirou ao seu favor para te deliciar com manifestações sublimes?

Para entender isso é preciso entender a diferença entre a energia do estado de pedir e a do estado de receber. São bem diferentes.

basia 1Quando estamos pedindo uma coisa, nosso enfoque é no que falta. Estamos tentando concentrar na coisa especifica que queremos. Isso é ótimo. Saber com precisão o que desejamos ajuda. Este é um passo essencial. A maioria de nós ja está fazendo pedidos, talvez nem tão precisos, mas estamos tendo preferências.

A segunda parte essencial é soltar, para poder receber. Este é o passo que costuma criar maiores dificuldades para as pessoas. Mas sem ele, não tem como receber. É como uma mão. Se nossa mão está-se agarrando a uma coisa, não podeme receber nada. Ela está ocupada com o ato de agarrar e não está disposta a receber. Similarmente, a nossa mente pode criar um estado de enfoque e portanto energia que não está aberta a receber, mesmo tendo o presente na sua frente.

Na hora de pedir podemos ser exatos, mas só se os detalhes nos trazerem clareza e felicidade. Depois é importante solta-los e se abrir para o universo nos entregar este presente da melhor forma, até uma forma melhor e diferente do que estamos imaginando.

basia 2Além de soltar o enfoque nos detalhes precisamos também soltar o enfoque na falta. Isto significa não sempre pensar na falta. “Por que ainda não chegou? Mas este problema é difícil para resolver. Faz muito tempo que estou com ele. É que eu acho quase impossível por causa do x…”
Toda vez que pensamos no problema, nas justificações, na gravidade dele, nas implicações dele, em fim…em qualquer coisa que esteja relacionada com a falta da solução, estamos com a mão fechada e a mente fechada, e não somos capazes de receber.

Dizer que precisamos parar de pensar num problema quando ele é prominente é fácil, mas como realizar? Como deixar de fazer o que a nossa mente levou anos em aperfeiçoar? Se já é um habito tão automático que quase nem percebemos que estamos pensando e sentindo a falta.

basia 3A melhor forma que conheço para praticar o estado receptivo é a meditação. Em outro artigo descrevi o processo de meditação, passo a passo. A meditação ensina a mente a soltar, soltar os pensamentos e todo tipo de agarramento mental e emocional. Por um tempo entramos num estado receptivo. Depois de um tempo de praticas de meditação aprendemos como entrar neste estado pacifico e ele começa naturalmente penetrar na nossa vida quotidiana. Quando não precisamos da mente, ela simplismente relaxa, em vez de incessamente produzir pensamento trás pensamento. Automaticamente começamos passar mais tempo num lugar receptivo, ficamos presentes, receptivos às maravilhas do Universo. E assim começam aparecer as sincronicidades.

E como podemos saber se já estamos neste caminho de receber? Fácil. Depois de fazer seu pedido, preste atenção no seu estado. Como está? O que está pensando?

Surgem pensamentos de falta? “Faz anos que não sinto isso e vai ser difícil acontecer agora…”
Ou uma sensação de leveza e pensamentos de abundancia: “Que lindo vai ser isto!”

A leveza é essencial para convidar os milagres às nossas vidas quotidianas e a meditação ajuda cultiva-la.

Se o apego é a causa do sofrimento, precisamos desapegar?

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Nestes tempos de pandemia, ouve-se como as pessoas no Ocidente estão desesperadamente exclamando “O não! Tudo está mudando agora!”. Ao mesmo tempo, os budistas exclamam com alívio “Ah, sim! Tudo muda!”. Entender que tudo muda é um dos fundamentos do budismo, e quanto mais cedo você conseguir alcançá-lo, melhor equipado estará para superar o sofrimento.

Uma das grandes filosofias e religiões do este, o Budismo, tem como objetivo de liberar-nos do sofrimento. O caminho é pelo desapego porque de acordo com os antigos ensinamento o sofrimento surge quando nos apegamos a algo. Quando nos apegamos a outra pessoa e ela desaparece da nossa vida sofremos. Quando nos apegamos a alguma imagem e percebemos que não somos mais aqueles sofremos. Quando nos apegamos a alguma idéia e lutamos por ela muitas vezes acabamos sofrendo.

apegoA sabedoria Budista nos fala que tudo muda. Este é um principio básico do universo. E se tudo muda significa que tudo ao que nos apegaremos um dia mudará, e terminaremos sofrendo.

Mas não é só o fato de ver o que gostamos terminar. Não é só a perda que gera o desconforto. O próprio apego, o agarramento em si imediatamente vem acompanhado do sofrimento. Se você prestar atenção vai perceber que agarrar e reter qualquer coisa requer uma certa tensão. Isso é obviamente certo quando se trata de prender coisas físicas, aonde os músculos precisam trabalhar, mas também enquanto ao emocional. Partes do seu corpo vão tensionar quando você agarrar emocionalmente algum sentimento. Quando você tensionar vai perder a liberdade e abertura. Não vai mais permitir a mudança acontecer. Em vez disso vai criar resistência. A resistência é uma forma de combater o presente, não aceitar o momento e sofrer por isso.

Se aceitamos a perspectiva que o agarramento, o apego, é a fonte do sofrimento, como podemos nos desapegar?
Uma das técnicas é ficar sensível para reconhecer o apego e aprender a solta-lo. Para praticar este caminho normalmente se aconselha viver uma vida ética, por que a falta de ética nos deixa endurecidos e menos sensíveis. A meditação também ajuda tanto no aumento da sensibilidade quanto no desapego.

Read the rest of this entry »

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
março 2021
D S T Q Q S S
« fev    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031