hanna thame fisioterapia animal
universidade lasalle coronavirus 155 livros do thame

Posts Tagged ‘Academia de Letras de Itabuna’

Academia de Letras de Itabuna completa 10 anos

ali 2

Efson Lima

 

efson limaA Academia de Letras de Itabuna alcança hoje, dia 19 de abril,  10 anos de fundação. Para alguns pode ser  uma data qualquer, mas é um momento grandioso para os membros da ALITA e de mesma importância para a nação grapiúna. Triste de um povo que não tem memória, consequentemente, perde-se na sua História e não sem razão fica perdido na travessia dos acontecimentos.

 

As academias de letras mundo afora são ecléticas e heterogêneas. São compostas de escritores, professores, profissionais liberais e artistas. No Brasil, como o bacharelismo insiste em dar tônica, verifica-se constantemente a presença de juristas, médicos e jornalistas nesses sodalícios.   O importante é que  as academias são espaços que cultuam as letras, as artes, a cultura. Não por acaso são também adjetivadas como academia de letras, arte e cultura.  As academias colaboram para a perpetuidade da memória de um povo. É espaço de discussão, diálogo, é lugar de se retroalimentar. E em tempos difíceis são esses recintos que nos conduzem para momentos de luz. Aliviam nossas almas e nos levam à lua quando a Terra parece estar insuportável.

ali 1

Assim, é a ALITA, que por mentes idealistas, entre elas de: Antônio Laranjeiras, Marcos Bandeira,  Cyro de Mattos e Eduardo Passos fizeram surgir esse patrimônio regional.    A ALITA tem a cidade de Itabuna no seu nome, mas congrega pessoas dos mais diferentes lugares do sul da Bahia. Assim como a cidade, a Academia apresenta em sua gênese a capacidade de juntar e de somar. Ela se estrutura a partir do modelo francês: 40 cadeiras, 40 patronos, quarenta fundadores e sucessores em decorrência da morte dos membros. Além dos quatro mentores iniciais, outras mentes brilhantes se somaram, entre elas: Aleilton Fonseca, Antônio Lopes,  Carlos Válder Nascimento, Celina Santos, Ceres Marylise, Dinalva Melo, Gideon Rosa, Gustavo Menezes, Janete Macedo, Jorge Batista, Lurdes Bertol Rocha, Margarida Fahel, Tica Simões, Maria Luiza Nora de Andrade, Naomar Almeida Filho, Rilvan Batista de Santana, Sione Maria Porto e Sônia Maron.

 

A ALITA valoriza os escritores regionais e tem colaborado fortemente nas atividades da região. O Festival Literário Sul-Bahia, por exemplo,  teve a participação efetiva de três alitanos na organização: Silmara Oliveira, Raquel Rocha e  Ruy Póvoas.  Membros da academia que se somaram a outras pessoas para fazer um festival literário de cunho regional e que constroem tantas outras atividades. A ALITA tem publicado a revista “Guriatã”, que alcançou o terceiro número. Por meio dela, poemas e os mais diferentes textos são publicados. Assim, conhecemos a produção literária do sul da Bahia. Sem dúvida, o exercício da presidência da Academia por  Silmara Oliveira conferiu uma visibilidade para a instituição. A voz marcante da professora vai cativando todos por onde passa. Estudiosa da obra de Adonias Filho arrasta todos aqueles que acreditam na educação como instrumento de transformação. A ALITA teve nas suas presidências, inclusive, de Sônia Maron, a capacidade de juntar e superar os desafios.

 

A ALITA vai continuar viva e pulsante em Itabuna e em todo o sul da Bahia, pois, não faltam membros dispostos a oferecerem os melhores trajetos. Somam-se à imortalidade alitana, no dia de hoje: os reitores Alessandro Fernandes de Santana, da UESC e Joana Angélica Guimarães da Luz, da UFSB; o neurologista Sílvio Porto de Oliveira; e os professores Charles Nascimento Sá; Reheniglei Hehem e Wilson Caitano de Jesus Filho.

Torço para que nos próximos anos a Academia consiga ter sede própria, que continue a fomentar os festivais literários e que consiga promover prêmios literários. Certamente, todos ganham com esses espaços literários. Ganha a sociedade regional.

——-

Efson Lima é advogado e professor universitário. Doutor, mestre e bacharel em Direito/UFBA. Um dos organizadores do Festival Literário Sul-Bahia (FLISBA). Coordenador do Bardos Baianos – Litoral Sul.

10 anos da Academia de Letras de Itabuna – ALITA

Silmara Santos Oliveira

silmaraA Academia de Letras de Itabuna – ALITA – fará 10 anos de existência no dia 19 de abril de 2021. Às 20 horas, haverá uma solenidade no espaço virtual do zoom, com transmissão ao vivo pelo Youtube. Em homenagem à casa, o membro, escritor e fundador, Cyro de Mattos discorrerá sobre os dez anos de realização e presença na comunidade itabunense, sítio de sua criação cujo patronato recebe o nome do ficcionista Adonias Filho.

A celebração será coroada com a entrada de seis novos membros, intelectuais da área da educação na sua maioria, que serão recebidos com bastante empatia e a expectativa de realização de novos trabalhos, inaugurando uma fase promissora, com vistas à produção intelectual e cultural que dê conta de envolver com mais intensidade a comunidade extramuros.

Sempre com especial atenção ao aspecto da leitura, do livro e de outras artes, contribuindo para a extensão do saber e do prazer de ler, a ALITA receberá, o Magnífico Reitor da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC, Prof. Alessandro Fernandes de Santana, somando-se a ele o Professor Charles Nascimento de Sá, da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, a Magnífica Reitora da Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB, Profa. Joana Angélica Guimarães da Luz, a Profa. Reheniglei Rehem, aposentada pela UESC, Dr. Sílvio Porto de Oliveira, médico neurologista, e o Prof. Wilson Caitano de Jesus Filho da Escola Pio XII de Itabuna.

Este é um momento importante para Itabuna e região porque demonstra a valorização do conhecimento através das letras, o que, necessariamente, implica desenvolvimento social e aumento da sensibilização do indivíduo humano. Deixa-se que a literatura recubra temáticas que, por meio de seus escritores, trazem à reflexão questões humanas, abordagens filosóficas, sociológicas e tantas outras disciplinas responsáveis pela análise do homem e da sociedade na qual estamos inseridos.

Os dez anos de existência da ALITA tem caráter jubiloso por si mesmo e, por trazer para junto de si os novos membros acadêmicos, com igual justeza, pela honradez dos integrantes fundadores, efetivos e correspondentes, um construto que abrilhanta a instituição, dignifica seu nome, fortalece seu trabalho e aponta para um futuro promissor.  São quarenta cadeiras plenamente preenchidas e prontas para dar sequência ao labor que a literatura requer para irradiar aprendizado e cultura.

A atual diretoria se compõe dos nomes de Silmara Santos Oliveira – Presidente, Lurdes Bertol Rocha – Vice Presidente, e na sequência de cargos, Janete Ruiz Macedo, Sione Maria Porto de Oliveira, João Otávio Oliveira Macedo, Marcos Antônio Santos Bandeira, Cyro Pereira de Mattos, Jorge Luís Batista dos Santos, Ruy do Carmo Póvoas, Raquel Silva Rocha, Celina Silva dos Santos e Ceres Marylise Rebouças de Souza. Em nome de todos, saudamos, especialmente, Sônia Carvalho de Almeida Maron que, por dois mandatos, geriu a ALITA edificando a instituição.

——

Silmara Santos Oliveira  é  presidente da ALITA

Academia de Letras de Itabuna celebra 105 anos de Adonias Filho

adonias filho

A Academia de Letras de Itabuna – ALITA comemora o aniversário dos 105 anos de nascimento do escritor Adonias Filho – patrono da instituição. Esta será uma celebração, por meio virtual, na plataforma do Youtube academia nesta sexta-feira (27)s, às 16 horas. “É imperativo lembrar o nome do literato, saudá-lo, preservar sua memória, enriquecer horizontes para leitores iniciantes e, prover para os habilidosos e mais experientes, o prazer do reencontro com refinada obra Adoniana”, afirma Simara Oliveira, presidente da Alita.

A homenagem acontecerá no formato de mesa para falas, no mesmo dia em que se comemora o aniversário do autor, e terá como participantes: o escritor Cyro de Mattos membro das Academias de Letras da Bahia de Ilhéus e Itabuna; a jornalista Ludmila Bertié – sobrinha-neta do escritor Adonias Filho; Roberto Sávio Rosa prof. de filosofia da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC; Marcus Mota professor de teatro da Universidade de Brasília e Silmara Oliveira presidenta da ALITA prof. e mestra graduada na UESC.

Adonias Filho é um dos grandes porta-vozes da região em termos de literatura regional e nacional, imortalizado pela Academia Brasileira de Letras, é traduzido, em várias línguas, tem um trabalho intelectual de fôlego intenso, atuando como jornalista, romancista, novelista, ensaísta, tradutor e crítico literário. Intelectual de ampla atuação no âmbito governamental, foi Diretor da Biblioteca Nacional, Diretor do Conselho Nacional de Cultura, Diretor do Serviço Nacional de Teatro, entre outros. Viajou pelo mundo, mas esteve sempre com o coração nas matas cacaueira.

Read the rest of this entry »

Nota de Repúdio da Academia de Letras de Itabuna

 

alitaPassados alguns poucos dias do assassinato de João Alberto Silveira Freitas, cidadão negro de 40 anos, por dois seguranças da rede de supermercado Carrefour, o que sentimos é a indignação crescer mais, posto que notícias de casos que se somam de violência contra negros esfacelam, constrangem e tornam menor a sociedade brasileira, e esse mesmo grupo comercial tem registro de violência desde 2009

É inevitável dizer que milhares de nós desta nação não comungam nem fazem coro com a falta de vigilância no que diz respeito aos direitos humanos, como entende que a diversidade social brasileira é o que nos deveria animar perante a vida enquanto celebração da criação divina.

Academia de Letras de Itabuna – ALITA repudia ações de racismo e se coloca, neste caso extremo de insanidade da razão, ao lado das vítimas, de seus parentes, herdeiros na dor de perder seus entes queridos, familiares na condição de pais de família, filhos, jovens, mulheres negras. Não coadunamos com atos violentos, nefastos e ceifadores da vida humana. Advogamos pela cidadania plena, direitos iguais, do mesmo modo com condições de vida e segurança em todos os lugares deste país.

Silmara Oliveira-Presidenta da ALITA

ACADEMIA DE LETRAS DE ITABUNA HOMENAGEIA JORGE AMADO

A Academia de Letras de Itabuna realiza de 27 de agosto a 5 de setembro um homenagem ao Centenário de Jorge Amado. A programação será aberta dia 27, às 19 horas, no auditório da FTC, com uma palestra do escritor Cyro de Mattos, sobre “Jorge Amado em Itabuna” , seguido a apresentação de um documentário  do cineasta João  Moreira Sales sobre Jorge Amado.

No dia 28, às 9 horas, no Colégio Militar em Itabuna, a professora Margarida Cordeiro Fahel,  especialista  em Literatura Brasileira, fala sobre “ Jorge Amado: um humanista  nas terras do cacau”. Já no dia 29, às 9 horas, na Unime, o escritor e jornalista Antônio Lopes, escritor e jornalista, faz uma palestra sobre “ Jorge Amado:  o pão e a liberdade”. No dia 30, às 9 horas, na Escola Lourival Oliveira Soares, em  Ferradas, o escritor e consultor empresarial Gustavo Fernando Veloso Menezes, escritor, e a professora  e poetisa  Ceres Marylise Rebouças,  pós-graduada em Linguística, coordenam um debate sobre a obra do escritor, seguido da exibição de  documentário sobre Jorge Amado e atividades interativas.

As atividades da ALITA em homenagem à Jorge Amado serão encerradas no dia 5 de setembro, às 14 horas, no Colégio Galileu (avenida Ilhéus), com uma palestra do professor Ruy Póvoas, especialista em   Letras Vernáculas  e  babalorixá, que fala sobre “ Jorge Amado: ficcionista, ogã e obá”, além de exibição de documentário.

De acordo com a diretora social da Alita, Sione Porto, “a nação grapiúna reserva lugar especial para Jorge Amado em sua memória.  Através  da  literatura  do autor da saga do cacau,  nossa  terra  e  nossa  gente são divulgadas por diversos  países, daí o nosso reconhecimento a esse grande escritor”.

CASSAÇÃO HISTÓRICA

Sione Porto

 

O dia 11 de julho de 2012 vai ficar para sempre na história do Brasil, quando o  Senado Federal, atendeu aos ditames do seu regimento interno e das leis que regem seu provimento, sem olvidar as aspirações do povo brasileiro, cassando o senador da República Demóstenes Torres, do Partido Democratas e procurador do Ministério Público do estado de Goiás, nascido em Anicuns, município do interior goiano, por 56 votos a favor, apenas 19 contra, e 5 abstenções,  devido à relação com  “máfia dos caça-níqueis”.

Torres foi descoberto numa relação direta com o contraventor Carlinhos Cachoeira, em que foram flagradas, pela Polícia Federal, 298 ligações telefônicas, corrupção, enriquecimento ilícito, quebra de decoro parlamentar e favorecimento à empresa Delta, acreditando a Procuradoria do Ministério Público Federal que o ex-senador seja sócio oculto, o qual ficará inelegível ate 2027, denúncia apresentada em todo território nacional, através da mídia, em março de 2012.

Essa proclamação histórica, de veredicto dos mais esperado, refletiu em cada semblante de velhos, adultos e jovens brasileiro, que, enfim, a prática de corrupção e de escândalos foi punida e o vale-tudo dos políticos inescrupulosos não teve um final em pizza, como ocorria ao longo dos anos.

Magnânimo, o Senado da República não se curvou a pressão dos advogados de defesa e suas brilhantes teses. Estamos perto da carta de alforria para libertarmos das excrescências do cabresto em que vive o povo brasileiro, escravo da impunidade e da venda  que cobre os olhos dos seus  julgadores. Hoje, nossos filhos, nossos netos sentirão orgulho do Senado Federal que cumpriu com sua missão de lisura e ética, dando exemplo de novos rumos de governo e respeito aos eleitores brasileiros.

Em resumo, os senadores mostraram que são capazes de julgar corretamente e acreditar que os fins não justificam os meios sujos, que a corrupção e o enriquecimento ilícito, carregando dinheiro nas cuecas, são crimes, humilham o trabalhador que ganha a vida com o suor do seu rosto.

Difícil era acreditar na segunda cassação de um senador (o primeiro foi Luis Estevão). Imaginávamos que haveria mais uma armadilha para mantê-lo no poder, como alguns corregilionários queriam. Excelente a reflexão dos senhores senadores, que a opinião pública, sobretudo por meio das redes sociais, iria cobrar muito alto, caso não agissem com consciência, dignidade e respeito ao povo brasileiro. Fica o bom exemplo para o mundo, que não nos ignora, que o país não é mais aquele descrito na obra Brasil:500 Anos de Corrupção, do ilustre criminalista Sergio Habib, publicada pela Editora SAFE.

É gratificante saber que existem políticos criteriosos, que dedicam a vida pública sem fisiologismo, mantendo suas fichas limpas. Espera-se que o Senado Federal continue exercendo sua jornada em defesa da ética, a favor da Democracia, que é o papel do Parlamento.

Sione Porto

Delegada de Polícia, graduada em Direito, com especializaçãoem Direito Penale Processual Penal, e membro da Academia de Letras de Itabuna (ALITA).

ITABUNENSE LANÇA “A PULSEIRA DO TEMPO” EM SALVADOR

O escritor Renato de Oliveira Prata(foto) lança no próximo dia 21, às 19 horas, na Livraria Saraiva, no shopping Iguatemi, em Salvador, o livro “A pulseira do tempo”. O autor nasceu em Itabuna, é bacharel em Direito, fez carreira no serviço público até aposentar-se em 1994. Venceu, em 2003, o Prêmio Braskem de Literatura, promovido pela Fundação Casa de Jorge Amado, por onde publicou “Sob o Cerco de Muros e Pássaros”.

Ele participou de algumas antologias onde a poesia baiana esteve em destaque e, em fevereiro de 2008, publicou “A Quinta Estação”, seu segundo livro solo. O livro “A pulseira do tempo”,  recupera a tópica clássica da mudança, ou seja, tematiza a passagem do tempo sobre nós.

Renato de Oliveira Prata é membro da Academia de Letras de Itabuna, ALITA.

ACADEMIA DE LETRAS DE ITABUNA E AS HISTÓRIAS DE ADONIAS FILHO

 

A Academia de Letras de Itabuna (Alita) realiza no próximo dia 4 de maio o lançamento do livro “Histórias Diversas de Adonias Filho”, de autoria de João Adonias Aguiar Neto. A obra,  editada pela Editus/Uesc, que resgata a história de um dos maiores escritores brasileiros, nascido em Itajuipe, no Sul da Bahia, tem prefácio de Cyro de Mattos.

O lançamento acontece às 19 horas, no auditório da FTC Itabuna.

 

ONDE ELES ARRANJAM TANTOS IMORTAIS?

a cama do imortal alambiquista

Passeando pelas páginas do Diário do Sul e do Agora, este blogueiro se surpreende com a quantidade de imortais arregimentados pela Academia Grapiuna de Letras e a Academia de Letras de Itabuna.

A Agral imortaliza uma semana, a Alita importaliza na outra, sempre em proporções generosas de acadêmicos, brotadas com uma profusão de fazer inveja a Jorge Amado, Adonias Filho, Euclides Neto, etc.

Nem a Academia de Letras, Artes, Música, Birita, Inutilidades, Quimeras, Utpias, Etc (Alambique) da qual o blogueiro é presidente vitalício, imortalicio e nem tão ditatorialício, já que o vice Walmir Rosário tem tomado decisões à revelia, consegue amealhar tantos imortais.

E olha que o único requisito para ser imortalizado pela Alambique é apreciar uma cachacinha honesta…

Santa Itabuna, tem mais literato do que bebum!

Academia de Letras de Itabuna comemora um ano e empossa novo imortal

A Academia de Letras de Itabuna comemora um ano de fundação nesta quinta-feira, dia 19. A ALITA realiza uma sessão solene às 19 horas no auditório da FTC, com a posse do novo imortal, o médico e escritor João Otávio Macedo e uma palestra do professor José Carlos Ferreira, da Universidade Estadual de Santa Cruz.

 

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
outubro 2021
D S T Q Q S S
« set    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31