hanna thame fisioterapia animal
bahiagas livros do thame

Posts Tagged ‘Academia de Letras de Ilhéus’

As presidências da Academia de Letras de Ilhéus

academia de letras ios

Efson Lima

 efson limaA Academia de Letras de Ilhéus nos seus quase sessenta e um anos de história teve treze presidentes, alguns ocupando mais de um exercício presidencial. Ao longo do ano de 2019 fomos trazendo fatos e personagens que compuseram a trajetória da ALI: narramos sobre os principais membros; sinalizamos sobre a literatura grapiúna; descrevemos alguns jovens que estão presentes na Academia; as mulheres; a presença dos juristas, que por sinal, merece outro texto. São muitos. Um só não deu a dimensão exata.

No futuro, precisamos abordar sobre os profissionais da saúde e do cuidado, assim como dos secretários-gerais que nos sodalícios das letras ocupam uma função destacada, assim como nos partidos comunistas.

Hoje, a nossa conversa é sobre alguns presidentes que lideraram a Academia de Letras de Ilhéus desde a sua fundação em março de 1959.  Maria Schaun, que compõe o quadro da Academia, registrou os seguintes presidentes, com base nas atas registradas e em suas anotações: Abel Pereira – 1959/1961/1963; Plínio de Almeida – 1963/1965/1967; Amilton Ignácio de Castro – 1975/1977/1979/1981/1983; Dorival de Freitas – 1993/1995; Ariston Cardoso – 1997/1999/2001/2003/2005; Francolino Neto – 2001/2003; João Hygino Filho – 2005/2007; Maria Luiza Heine – 2008/2009; Arléo Barbosa – 2009/2011/2013; Josevandro Nascimento – 2013/2015/2017; e André Rosa – que está ocupando o segundo mandato, iniciado em 2019.

O primeiro e um dos fundadores da ALI foi Abel Pereira, que comandou nos períodos de 1959/1961/1963. Foi também um dos percussores do haicai no Brasil. Nasceu em Ilhéus, precisamente, no ano de 1908 e faleceu em maio de 2006, com quase 100 anos de idade.  Esteve associado a tantos outros organismos literários.

Em seguida foi eleito presidente da ALI, Plínio de Almeida, que teve uma forte atuação política em Itabuna, contribuindo para o município ser considerada uma cidade integralista destacada no Brasil. Em seguida, tivemos uma série de presidentes: Amilton Ignácio de Castro – 1975/1977/1979/1981/1983; Dorival de Freitas – 1993/1995; Ariston Cardoso – 1997/1999/2001/2003/2005; Francolino Neto – 2001/2003, que será descrita em outra oportunidade.

Outro presidente da ALI foi João Hygino persistente acadêmico do sodalício, pertenceu à cadeira n.01.  O acadêmico foi autor de “Deus e os Deuses” (2008) e exaltou Porto Seguro, sua cidade natal.  Faleceu no ano passado, em 06 de março. Exerceu a presidência entre 2005/2007, quando adoeceu e foi sucedido pela professora Maria Luiza Heine na presidência.

A professora Maria Luiza Heine pertence ao quadro da Academia de Letras de Ilhéus e ocupa a cadeira n.º 20. Ela foi morar em Ilhéus nos anos 70. É doutora em Educação pela UNEB. Tem uma vasta obra de pesquisa sobre a história regional e tem atuado fortemente com pesquisa e extensão universitária. Atualmente atua em Aracajú. Exerceu a presidência da Academia entre 2008 e 2009.

 

Efson Lima  é Doutor em Direito/UFBA. Coordenador – geral da Pós-graduação, Pesquisa e Extensão da Faculdade 2 de Julho. Das terras grapiúnas de Itapé/Ilhéus.

O imortal Edvaldo Brito – O encontro da Academia de Letras de Ilhéus com a Academia de Letras da Bahia

Efson Lima

efson limaAs estórias começam assim: era uma vez, no interior da Bahia nasceu um menino, precisamente, no Recôncavo. De família humilde, cuja mãe tinha como “profissão lavadeira de ganho”,” Edvardo” tinha tudo para ser domado pelas regras do determinismo. Sendo negro, parecia já ter nascido com o sonho proibido e o destino traçado. Mas como dito “era uma vez” e em algum instante a história pode não se repetir, possibilitando assim o sujeito fugir das amarras e o círculo vicioso imposto a milhares de crianças brasileiras.

Fé, superação, apoio coletivo, esforço pessoal… uma palavra só explica? Um só fato evidencia? Talvez não. Só Sabemos que, no dia 29 de novembro de 2019, a Bahia ganhou seu mais novo imortal.  Edvaldo Brito passou a fazer parte do seleto clube do Estado da Bahia.  Foi pertencer à Academia de Letras da Bahia, fazendo parte da centenária Casa de Arlindo Fragoso. Somou-se a homens e mulheres que nos apresentam caminhos, contam-nos fantasias e nos impõem o   à realidade combalida. A cadeira n.°3 ocupada por Guilherme Radel será reverenciada pelo jurista.

edvaldo britoSalvo melhor juízo não é a cadeira que torna uma pessoa imortal, mas a obra, a caminhada… e o advogado, professor, escritor e intelectual Edvaldo Brito  possui uma carreira formidável. Ele integra o conjunto de grande juristas do  Brasil. Seguiu a tradição baiana de  excelentes juristas: Rui Barbosa,  Teixeira de Freitas, Orlando Gomes, Aliomar Baleeiro… Oh, céus! Para nossa honra e glória.

Com a vênia, chamá-lo-ei de professor, tive a honra de ter sido seu aluno no mestrado da Faculdade de Direito da UFBA  em 2013, cuja disciplina Jurisdição Constitucional tinha sido feita para acompanhar as mobilizações de ruas, os embates sobre o controle das decisões do STF em face das ações constitucionais concentradas, o  (não) monopólio das investigações pela polícia. Foi oportuno aprender com o mestre o quanto é imperioso o cumprimento do programado academicamente, o compromisso com a docência e o sacerdócio diário da retidão, a pontualidade e a persistência com o compromisso intelectual.  Verdade seja dita: sofri,  confesso, mas a admiração permanece.

Read the rest of this entry »

Os juristas na Academia de Letras de Ilhéus – o ministro José Cândido Carvalho

Efson Lima

 

efson limaAs letras parecem estar para o mundo jurídico, assim como os enredos jurídicos estão para as letras, entretanto, não vaticinarei, pois, o determinismo não faz bem ao progresso das ideias. Talvez, se fôssemos aprofundar os estudos, veríamos que juristas, médicos, diplomatas e outras categorias profissionais vivenciam o mundo das letras como vivenciam suas profissões. Certamente, poderíamos encontrar as causas a partir da estruturação da sociedade brasileira.  Não obstante, as primeiras instituições universitárias no Brasil estiveram atreladas às formações médica e jurídica.

 

Ao se observar o quadro de fundadores da Academia de Letras de Ilhéus, assim como os sucessores e os membros atuais tem-se um a presença maciça desse grupo, podemos registrar entre os falecidos: Francolino Neto, João Hygino, Orlando Gomes e João Mangabeira. Vivos têm uma plêiade poderosa: Soane Nazaré, Jane Hilda Badaró, Edvaldo Brito, Mário Albiani, Neusa Nascimento, Cyro de Mattos entre tantos outros, cuja lista poderia ser tranquilamente acrescida.  Não obstante, a ALI tem como patrono Rui Barbosa, que foi um jurista. Entre os juristas, podemos evidenciar a  figura do ministro José Cândido.

 

José Cândido Carvalho

José Cândido Carvalho

O ministro José Cândido integrou o grupo de fundadores da Academia de Letras de Ilhéus em 1959, ocupando a cadeira de n.°39, cujo patrono escolhido foi Visconde de Cairu.  Não obstante, José Cândido esteve entre os convidados na casa de Abel para fundar a academia “Aos quatorze dias do mês de março de mil novecentos e cinquenta e nove (1959), nesta cidade de Ilhéus, do Estado Federado da Bahia, precisamente as 17 horas, na residência do intelectual Abel Pereira, Edifício Magalhães, 2o. andar, apartamento 2, à Praça Visconde de Mauá, reuniram-se os srs. Abel Pereira, Nelson Schaun, Wilde Oliveira Lima e Plínio de Almeida, membros da comissão de iniciativa, e mais os convidados Dom Caetano Antonio Lima dos Santos, Osvaldo Ramos, José Cândido de Carvalho Filho, Halil Medauar, Jorge Fialho e Otávio Moura- para o caso especial de se estudar o plano e consequente fundação da Academia de Letras de Ilhéus.  Nessa reunião, fizeram-se representar pelo Sr. Abel Pereira, por meio de cartas de autorização, os srs. Fernando Diniz Gonçalves, Sosígenes Costa, Camilo de Jesus Lima, Raimundo Brito, Eusígnio Lavigne, Ramiro Berbert de Castro, Flávio Jarbas, Heitor Dias, Flávio de Paula e Milton Santos”, conforme trecho de Ata reproduzido por Jane Hilda Badaró no artigo “A Academia de Letras de Ilhéus Comemora 60 Anos de História! “
O Ministro José Cândido era o único fundador vivo, entretanto, estabeleceu o destino que partisse para outro plano, justamente, no ano em que a Academia de Letras de Ilhéus completara 60 anos – a idade do diamante. Certa vez, lia no Diário de Ilhéus, que a rua onde está instalada a subseção da Justiça Federal tinha tido o nome alterado para “Rua Ministro João Cândido de Carvalho”, confesso que estranhei. Eu não compreendia o motivo da alteração, certamente, faltava-me naquele momento informação suficiente para compreender a dimensão do Ministro e a relação dele com a cidade de Ilhéus. O tempo passa e se confirma como o senhor das razões. Então, fazendo minhas leituras, fui compreendendo o quanto o Ministro João Cândido tinha sido importante para Ilhéus e para a Bahia. Assim como, a sua atuação profissional tinha nos elevado no País.

Read the rest of this entry »

João Mangabeira: um imortal dos quadros da Academia de Letras de Ilhéus

Efson Lima

efson lima Sempre que tenho algum tempo busco ler fatos associados a João Mangabeira. Por vezes, os feitos, os acontecimentos e as pessoas passam despercebidas por nossos olhos apressados ou cometemos a injustiça de não lembrar, afinal, são muitas as informações no nosso dia a dia. Já não processamos tudo. Entretanto, João Mangabeira se notabilizou como um grande jurista no País, integrando o conjunto de notáveis juristas baianos do século XX, como Rui Barbosa, Orlando Gomes, Aliomar Baleeiro e Josaphat Marinho.

Os mais moços, certamente, podem passar apressados pelas ruas da cidade de Ilhéus – estou a relembrar a música “Gentileza” de Marisa Monte -, verem algumas homenagens prestadas a João Mangabeira e nem se darem conta de que esse jurista iniciou sua carreira na zona do cacau, precisamente, na Princesa do Sul. E com uma característica marcante de sua atuação profissional, João Mangabeira esteve muito próximo dos trabalhadores rurais, buscou estar ao lado dos empregados e colaborando com a estruturação do direito do trabalho no Brasil.

João Mangabeira, aos 17 anos um adolescente advogado.

João Mangabeira, aos 17 anos um adolescente advogado.

Não sem razão, João Mangabeira tem seu nome sinalizado nas terras do cacau. Certa vez, eu passando no CEDOC/UESC, perguntei se havia algum arquivo sobre João Mangabeira. Tinham diversos processos, tinha uma cópia de tese escrita no Canadá. Não obstante, o Centro Acadêmico de Direito da UESC recebe o nome de João Mangabeira, o CAJAM, o Fórum do Trabalho em Ilhéus.

João Mangabeira não fez sua formação jurídica em terras baianas, mas a sua atuação profissional transcorreu de forma  significativa no coração da Bahia. O arquivo pessoal está guardado no Rio de Janeiro sob os cuidados da Fundação Getúlio Vargas. Por outro lado, restos mortais estão na Faculdade de Direito da UFBA, no bairro da Graça. Impossível chegar à Faculdade de Direito e não se deparar com um “sarcófago” de pedra com uma bola azul na parte superior em homenagem a João Mangabeira. Fez parte de meu dia a dia durante dez anos, da graduação ao doutorado.

João Mangabeira se forma em direito em 1897 e aos 17 anos foi morar em Ilhéus, onde iniciou a sua vida de advogado. Um jovem! Destacou-se na cidade, possibilitando sua chegada a condição de prefeito, assim como de deputado estadual.  Tornou-se também deputado federal pela Bahia entre 1909 e 1911 e entre 1914 e 1929 e senador em 1930, entretanto, acabou tendo seu mandato cassado com a Revolução de 1930 orquestrada por Getúlio Vargas.  Foi uma derrota, especialmente, os sulbaianos. Posteriormente, foi nomeado Ministro de Minas e Energia e ocupou também a função de Ministro da Justiça.  Foi também um dos fundadores do Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Read the rest of this entry »

Academia de Letras sugere nome para a nova Ponte do Pontal: “Ponte São Jorge dos Ilhéus”

22 ago ponte 4

A Academia de Letras de Ilhéus enviou documento à Câmara de Vereadores de Ilhéus, à Assembleia Legislativa da Bahia e ao governador Rui Costa, propondo que a nova ponte do pontal, em fase de conclusão, venha a se chamar “Ponte São Jorge dos Ilhéus!”. O nome foi escolhido pela maioria dos votantes, numa eleição coordenada pela acadêmica Baisa Nora.

Recortar André (C) “O nome apresentado, imaginamos, ajudará a lembrar a imagem histórica de Ilhéus, como Capitania Hereditária, fato hoje pouco referido, a não ser em nichos de historiadores,  despertando, assim,  a curiosidade de visitantes e moradores, incluindo as novas gerações”, avaliza Baisa Nora.

Questionado sobre a baixa probabilidade de ter aprovado esse pedido – pois a tradição baiana é de dar aos equipamentos públicos o nome de políticos (às vezes, vivos. mesmo ao arrepio da lei), o presidente André Rosa Ribeiro  responde citando o também acadêmico Milton Santos (um dos fundadores da A. L. I.): “O papel do intelectual é propor, sem se ressentir se sua proposta não for aceita”.

Para o presidente, “a Academia se identifica perante o poder público como uma instituição já sexagenária, notável comoi centro de atividades intelectuais, não construtora de  pontes, estradas, viadutos e assemelhados. Nosso dever é zelar para que tais equipamentos, representando mais do que projeções de cimento e aço, reflitam a alma da cidade, muitas vezes esquecida.”

As mulheres nas Academias de Letras: uma presença iniciada na Brasileira, da Bahia e de Ilhéus

Efson Lima

 

efsonPoucos sabem, mas a Academia Brasileira de Letras teve a participação de uma mulher na sua concepção, contribuindo para o nascimento do sodalício. Trata-se de Júlia Lopes de Almeida (1862-1934), ela foi indicada por Lúcio de Mendonça, um dos idealizadores da Academia Brasileira de Letras, para compor o quadro de fundadores. Entretanto, a sugestão não se confirmou. Era mulher e como mulher, entendia-se que não podia fazer parte do clube literário, então, decidiu-se pela participação do esposo.

 

A invisibilidade feminina parecia ser regra. Mas, em 06 de agosto de 1977, pela primeira vez, uma mulher foi eleita para pertencer ao quadro da Academia Brasileira de Letras, Rachel de Queiroz, projetando-a ainda mais no cenário nacional e possibilitando seus textos alcançarem um maior número de leitores.  Outras mulheres foram eleitas para o panteão da imortalidade literária brasileira: Dinah de Silveira de Queiroz; Nélida Piñon, que se tornou a primeira mulher a presidir a ABL, coincidentemente, no período do centenário; Lygia Fagundes Telles; Zélia Gattai; Ana Maria Machado; Cleonice Berardinelli; e a última a ser eleita para fazer parte do silogeu foi Rosiska Darcy de Oliveira em 2012. Portanto, até então, tivemos somente oito mulheres na ABL.

 

janeNa Bahia, a presença feminina foi registrada vinte um ano depois de fundada a Academia de Letras da Bahia, em 1938, com Edith Mendes da Gama Abreu. Muito tempo depois, marcando novo momento, a imortal Evelina Hoisel tomava posse, em 09 de abril de 2015, como primeira mulher presidente da Academia de Letras da Bahia, coincidentemente, como na Brasileira, na gestão de Hoisel foi comemorado o centenário da Casa de Arlindo Fragoso.  Em 2015, a Academia registrava oito mulheres. A presidência de Evelina chegou ao fim em março de 2019, quando a presidência do clube literário foi passada ao imortal Joaci Góes.

 

No interior da Bahia, precisamente, na Academia de Letras de Ilhéus, a presença feminina foi registrada pela primeira vez em 1984, naquele ano, Janete Badaró  (foto) foi eleita para a cadeira n.º 6. “Elas estão chegando”, Francolino Neto, um dos membros ativos da vida da Academia, assim prenunciava.  Foi essa advogada que mudou o curso da história do sodalício, tornando-se a primeira mulher a ingressar na ALI, demarcando novo momento no panorama literário da nação grapiúna. Em outro momento, tive a oportunidade de afirmar que Janete Badaró foi a nossa Rachel de Queiroz nas terras grapiúnas. Dois livros de sua autoria denotam a caminhada literária da mulher que ousou a ingressar em um espaço ocupado por homens.   É importante registrar a ativa atuação dela na fundação da “Ilhéus Revista” e os trabalhos desenvolvidos nesse periódico, consolidando assim a atuação literária da primeira imortal mulher na ALI.

Read the rest of this entry »

Uesc e ALI lançam IV Prêmio Sosígenes Costa de Poesia

IV premio sosigenes costaA Editus – Editora da UESC e a Academia de Letras de Ilhéus (ALI), lançaram o edital do IV Prêmio Sosígenes Costa de Poesia. A premiação dessa edição conta com o apoio da Secretária de Cultura de Ilhéus e tem o intuito de movimentar o cenário da literatura poética baiana, relevando novos talentos e valorizando a cultura literária regional.

Cada autor poderá submeter apenas uma obra, deverá ser brasileiro, baiano e residente do estado da Bahia há, no mínimo, dois anos. Sobre a obra, deverá ser inédita e não pode estar concorrendo em outro concurso durante o período do prêmio. O vencedor terá seu livro publicado pela Editus, receberá o troféu e um prêmio de R$ 2.000,00 (dois mil reais).

Read the rest of this entry »

“Mulheres em Profundanças” na Academia de Letras de Ilhéus

danielaEscritoras e fotógrafas nordestinas provocam o mercado editorial com rodas de conversa “Mulheres em Profundanças”, projeto que já circulou pelas pernambucanas Garanhuns e Recife e, agora, chega a Ilhéus. As autoras do livro Profundanças2: antologia literária e fotográfica fomentam debates sobre a invisibilidade de mulheres no mercado editorial brasileiro, processos criativos e formas de resistência. A roda de conversa em Ilhéus será na sede da Academia de Letras de Ilhéus (ALI), na próxima quinta (28), às 19h, com entrada franca.

Ilhéus será a primeira cidade baiana a participar do circuito de debates do projeto Profundanças. A roda terá recital, leitura pública de fragmentos literários com as escritoras Lorenza Mucida, Haísa Lima, Laiz Carvalho, Daniela Galdino; um bate-papo com a fotógrafa Catarina Barbosa, seguido de um debate com o público.

Na Bahia, também receberão o Profundanças Itabuna, Cachoeira, Brumado e Salvador. A intenção, afirmam as idealizadoras, é mobilizar um vasto público interessado em literatura e ampliar o grupo de leitoras/es da antologia. Para a realização dessas rodas de conversa, a equipe tem firmado parcerias com instituições e coletivos culturais ligados à difusão literária.

Laiz Carvalho

Laiz Carvalho

Read the rest of this entry »

Empossada nova diretoria da Academia de Letras de Ilhéus

ali 2O escritor e professor André Rosa Ribeiro foi empossado no cargo de presidente da Academia de Letras de Ilhéus, ao lado dos membros da nova diretoria, para o biênio 2017-2018. O ato contou com a presença do vice prefeito de Ilhéus, José Nazal, que representou o prefeito Mário Alexandre, o ex-presidente da Academia, Josevandro Nascimento, o pró-reitor de Extensão da UESC, Alessandro Santana, a presidente da Academia de Letras da Bahia, Evelina Hoisel (palestrante da noite), o vereador Makrise Angeli, entre outras autoridades.

A nova diretoria da Academia de Letras de Ilhéus está composta também pelo vice-presidente Arléo Barbosa, o secretário geral, Pawlo Cidade, a 1ª secretária, Maria Schaun; 2º secretário, Josevandro Nascimento; 1º tesoureiro, Gerson dos Anjos; 2º tesoureiro, Gustavo Cunha; diretor de Biblioteca, Geraldo Lavigne; e a diretora de Revista, Maria Luiza Nora. A cerimônia de posse abriu os trabalhos ordinários da Academia em 2017.

ali 1Na oportunidade, o vice-prefeito José Nazal parabenizou aos acadêmicos, de modo geral, e aos membros da nova diretoria, pela oportunidade que têm de realizar um trabalho em prol da cultura de Ilhéus. Ele garantiu a parceria da Prefeitura no sentido de contribuir com o funcionamento da Academia de Letras.

A presidente da Academia de Letras da Bahia, Evelina Hoisel, proferiu palestra sobre a obra do Patrono da Academia de Letras de Ilhéus,intitulada “Castro Alves- poesia e vida”, em comemoração aos 170 anos de nascimento do escritor baiano. Por sua vez, o novo presidente André Luiz Rosa Ribeiro, citou, durante seu discurso, grandes nomes da literatura regional do Século XX, a exemplo de Euclides Neto, Hélio Pólvora, Jorge Amado e Adonias Filho e destacou projetos para sua gestão, incluindo “o importante convênio com a Prefeitura Municipal de Ilhéus para dar continuação às atividades culturais da Academia de Letras.”

castro a

Ilhéus recebe exposição “Índios na Janela”

janela 1Um acervo composto por cerca de 200 peças artesanais entre arcos, colares, lanças e bordunas das tribos Pataxós, Xukuru Kariri, Maxakali e Krenak, e mais 20 quadros de faces indígenas chega a Ilhéus, terra dos índios Tupinambás. É a exposição Índios na Janela, que será aberta na Academia de Letras de Ilhéus na próxima segunda-feira, dia 22, às 19h, com vernissage para os convidados conhecerem a proposta. A entrada é gratuita e aberta ao público, em especial, a estudantes do ensino fundamental, ensino médio, pesquisadores, historiadores e professores.

Tanto a coleção quanto os quadros buscam apresentar a cultura indígena como algo vivo e dinâmico, propiciando uma identificação positiva através das faces dos povos da floresta. As peças possuem valor inestimável e foram juntadas ao longo dos 25 anos em que o colecionador Silvan Barbosa Moreira, ex-funcionário da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), teve contato e se dedicou ao trabalho com as mais variadas tribos indígenas brasileiras. Já as pinturas são de Gildásio Rodriguez, conhecido como “O Gil dos índios”, que começou a pintar a figura indígena em 1998, estudando a história dos irmãos Villas Boas, e que foi protagonista de diversas exposições individuais e coletivas no Brasil, Estados Unidos e Portugal.

janela 2A exposição fica em cartaz até o dia 28 e oferece ao público imagens e informações de natureza histórica e cultural, propiciando uma identificação positiva com as coletividades indígenas. Para o curador da exposição, Pawlo Cidade, “essa mostra aponta para um caminho no esforço de pensar os indígenas sob o ponto de partida da cultura, de uma janela que se abriu no passado, que continua aberta no presente e mantém-se escancarada pela dimensão contemporânea, permitindo um diálogo com muitas outras tradições culturais”.

O projeto prevê também uma palestra ministrada pelo colecionador Silvan Barbosa Moreira, com o tema “Minha Vida na Tribo” e uma apresentação do ritual Poranci, dos índios tupinambás, ao som dos maracás, que será realizada no mesmo local, dia 25, às 16h, co entrada franca.

A exposição Índios na Janela é uma realização da Comunidade Tia Marita e tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura. O projeto irá percorrer também as cidades de Porto Seguro – Terra dos Povos Pataxós – de 29/03 a 03/04, no Centro Cultural de Porto Seguro e, por fim, Salvador – Terra dos Povos Tapuias – de 19 a 24/04, no 1º pavimento do Palacete das Artes, na Graça. Acompanhe as informações na fanpage: www.facebook.com/Indiosnajanela

Academia de Letras de Ilhéus e Editus lançam Concurso Literário

litA Academia de Letras de Ilhéus e a Editus – Editora da UESC, promovem o I Prêmio Sosígenes Costa de Poesia. O concurso literário vai selecionar um livro escrito por autor baiano ou que tenha fixado moradia há pelo menos dois anos no estado e faz parte das ações do I Festival Literário de Ilhéus, que será realizado de 28 de abril a 1º de maio.

A obra deve ser inédita e não pode ter sido apresentada, veiculada ou publicada de forma parcial ou integral, com exceção para os casos de publicação parcial em sites, blogs ou redes sociais. A exigência se estende pelo período anterior à inscrição no concurso até a divulgação do resultado e a entrega do prêmio.

As inscrições são gratuitas e estarão abertas do próximo dia 18 de fevereiro até o dia 30 de março. Para conhecer as normas, os escritores podem acessar em breve o regulamento no site www.flios.com.br e também na página www.academiadeletrasdeilheus.blogspot.com e www.uesc.br/editora.

O vencedor do concurso receberá a quantia de mil reais, o troféu Sosígenes Costa de Poesia, além da publicação do livro pela Editus – Editora da UESC.     O anúncio do resultado será no dia 28 de abril, na abertura oficial do Festival Literário de Ilhéus. A divulgação do vencedor será feita também pela imprensa e estará disponível para consulta na página eletrônica do evento e seus realizadores e parceiros.

Flios – A primeira edição do Festival Literário de Ilhéus (FLIOS) é uma realização da Academia de Letras de Ilhéus (ALI) com apoio da UESC, Editus, Fundação Pedro Calmon e Prefeitura de Ilhéus. O evento terá atividades na sede da ALI e na Praça Castro Alves. A programação incluirá mesas de debate, oficinas, atividades para crianças, feira de livros, exposições e saraus litero-musicais em torno do tema Fazer Literário e Diversidade Cultural.

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
fevereiro 2020
D S T Q Q S S
« jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829