hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

TUDO PELO SOCIAL

É impossível conter a primeira lágrima quando uma doente mental, corpo franzino, 56 anos, toca no piano os primeiros acordes de Chopin, no auditório do Hospital Psiquiátrico de Havana. Pra que segurar o choro quando a emoção transborda no momento em que uma outra doente mental canta Allegro? O hospital, localizado numa área de 40 hectares na periferia da capital cubana pode ser apontado pelos opositores do socialismo como marketing puro.

Marketing ou não, o que se vê é um trabalho excepcional no tratamento de doentes mentais. São cerca de 3.700 internos, num ambiente que em nada lembra os manicômios tradicionais. No hospital, eles têm todo o tipo de terapia ocupacional (corte e costura, artesanato, pintura, confecção de utensílios domésticos, horta, etc.), além de aulas de balé e dança, música e atividades esportivas. O hospital possui pista de atletismo e até um estádio de beisebol. Mente sã, corpo são. O criatório de frango com maior índice de produtividade de Cuba está localizado na área do hospital psiquiátrico e é operado pelos internos. “Ô loco!”, diria um rechonchudo apresentador da tevê brasileira.

O setor de saúde é uma das pilastras, talvez a principal, do regime cubano e o hospital psiquiátrico serve para ilustrar isso. Num país cuja medicina é socializada, o forte é o trabalho de prevenção. É aí que entra o médico da família. Existem 22 mil desses médicos, que atendem a uma média de 120 famílias cada um.

O que o médico da família não pode tratar é encaminhado à rede urbana de policlínicas, que possui cardiologistas, ortopedistas, oncologistas, etc.; além de pequenos laboratórios. Cuba tem 428 policlínicas urbanas e 66 hospitais de montanha, estes localizados em áreas rurais. Ainda na área rural, as gestantes são encaminhadas aos hogares maternos a partir do 7º. mês de gravidez. Em função disso, 92% dos partos são feitos em hospitais.

O mapeamento epidemiológico é feito por área, facilitando o trabalho preventivo. Num segundo nível, existem os hospitais municipais (162) e provinciais (14). Os provinciais são hospitais de referência, que atendem até 50 especialidades. Resultado: 99,9% dos casos são resolvidos na própria província. O restante fica por conta das 11 Instituiciones de Medicación, hospitais de referência nacional, que realizam transplantes e tratamentos que exigem tecnologia de ponta.

O Hospital Hermanos Amejeiras, no centro de Havana, é um dos maiores de Cuba. Possui 950 leitos para internamento e 62 para terapia intensiva. Funciona como pós-graduação para os alunos da Faculdade de Medicina de Havana e sua manutenção custa US$ 25 milhões/ano. Como não existe vacina contra a falta de dinheiro, o jeito foi abrir o hospital para os estrangeiros, que contam com dois andares exclusivos para a realização de cirurgias e tratamentos que podem custar até 15 mil dólares.

“Precisamos dos estrangeiros para obter dinheiro, mas garanto que eles não tem qualquer privilégio na hora dos transplantes”, garante o médico Zenóbio Gonzáles, diretor do Hermanos. O mesmo tratamento feito em Cuba sai de 40% a 60% mais barato do que nos EUA. Problemas? Claro que existem. “Cuba produzia 85% dos remédios que consumia. Hoje faltam matérias primas e temos que apelar a amigos de outros países para conseguir medicamentos para cirurgias mais complexas. Antes a gente receitava sem se preocupar com os remédios, hoje temos que saber o que está disponível antes de receitar”, diz Zenóbio.

Cuba tem um dos menores índices de mortalidade infantil do mundo (9,9 por mil), uma expectativa de vida elevada (76 anos) e uma média de filhos nos padrões europeus (2 por casal). O aborto é liberado. O número de casos de AIDS até agosto de 1994 era de 1.080, com 72 mortes. A maioria dos casos atinge jovens entre 17 e 24 anos. Esses números podem ser perfeitamente questionados, já que o homossexualismo é reprimido no país e não existe distribuição de preservativos. “A repressão faz com que a troca de parceiros não seja tão freqüentes e além disso não temos problemas em larga escala com drogas”, justifica Zenóbio Gonzáles.

EDUCAÇÃO PARA TODOS- “Hablás inglês?”, pergunta o taxista, diante do nosso confuso portunhol. Taxistas, garçons, balconistas. Os filhos da revolução não tem do que reclamar, pelo menos na área educacional. O ensino é gratuito, obrigatório e garantido pelo governo. São nove ciclos no que no Brasil chamamos de ensino fundamental e ensino médio, incluindo um pré-universitário de dois anos e em seguida a opção entre um curso técnico ou a universidade.

As crianças passam o dia todo na escola. Muitas salas de aula são improvisadas em velhos casarões ou garagens, o material escolar é escasso, mas o nível do ensino é elevado. Crianças de 7, 8 anos, surpreendem pela desenvoltura com que conversam e pelo nível cultural. Os irmãos Carlos, 9 anos, e Michel, 7, sabem que apesar dos sacrifícios, terão garantia de estudo até a universidade. Carlos quer ser médico e Michel arquiteto. Nas colas das camisas, o bordado com o nome de Che, mito de todas as gerações pós-revolução.

Que maravilha! Nem tanto. A crise transforma arquitetos em garçons, químicos em motoristas de táxi e professores universitários em guias turísticos. É excesso de mão de obra num país parado por falta de meios de produção.

FÁBRICA DE CAMPEÕES- O esporte cubano dispensa maiores apresentações. Campeões no vôlei, multi-campeões no atletismo, destaques no boxe, no beisebol. Apesar da origem espanhola de boa parte da população, o esporte é dominado pelos negros. Javier Sottomayor e Mirella Luis são ídolos inquestionáveis. Ginásios de esportes e pistas de atletismo existem às dezenas, em todo o país.

O beisebol é o esporte número 1 de Cuba. É praticado como aqui se praticava o futebol, quando ainda havia espaço para campinhos de terra. O futebol inexiste. Deus seja louvado: nos sete dias que passamos em Cuba, ninguém perguntou por Romário!

TUDO PELO SOCIALISMO

O imponente prédio na Plaza de La Revolución, em Havana, abriga um jornal de faz-de-conta. O sentido não é pejorativo, pelo contrário. No Gramma, o jornal oficial do governo cubano, cerca de 70 jornalistas fingem que trabalham, apenas para manter o moral elevado. Para não ´jogar a toalha´, usando uma expressão bem brasileira.

O problema, como sempre, é a crise econômica vivida pelo país. O Gramma, que nos áureos tempos do Bloco Socialista tirava uma média de 700 mil exemplares/dia (chegou a 1 milhão/dia em ocasiões especiais) hoje tira cerca de 400 mil exemplares. Não é pouco num país com 11 milhões de habitantes, mas é uma situação que obviamente não agrada os jornalistas, até porque a edição circula com apenas quatro páginas, impresso num papel sem qualidade. “A gente faz as matérias normalmente, mesmo sabendo que a maioria delas não será publicada”, resigna-se a editora de do noticiário internacional, Nidia Diaz.

Trabalhar num jornal e ter que seguir estritamente as diretrizes do governo parece não constranger Nidia e seus companheiros.”Por acaso vocês no Brasil trabalham para algum órgão que não esteja comprometido com grupos financeiros ou políticos”, responde ela, perguntando.

Tento explicar que diz apenas meia-verdade, porque no Brasil pode se escrever contra ou a favor do governo. Nidia não se dá por vencida e afirma que “se a maioria da população aprova a revolução, não existe problema que a imprensa seja comprometida com os ideais socialistas”. A ´conversa de surdos´ termina aí, porque Nidia teria 500 milhões de argumentos para justificar a existência de imprensa livre em Cuba.

Além do Gramma, que circula cinco dias por semana, Cuba possui 14 jornais semanais provinciais, um jornal da juventude cubana e outro dos trabalhadores (também semanais). Existem ainda 55 emissoras de rádio (49 locais, 5 nacionais e uma internacional) e 11 emissoras de televisão (2 nacionais, 8 regionais e uma internacional). Toda “a serviço do socialismo”. A programação da tevê é insossa, com filmes mexicanos, novelas, documentários e um noticiário comprometido até a medula com o regime.

Pelas parabólicas (em número cada vez mais crescente, com a tolerância do governo) captam-se emissoras do México, Colômbia e Venezuela, cujos noticiários simplesmente ignoram o Brasil.

95% dos cubanos tem aparelhos de televisão. A maioria dos aparelhos veio da extinta União Soviética e está caindo aos pedaços. Mas, a exemplo dos carros antigos, funcionam por um desses milagres que nem os cubanos conseguem explicar.

AS MULHERES DE GUINERA

 


Há dez anos Fidel Castro foi inaugurar uma creche no bairro Guinera, nos arredores de Havana. Na época, o bairro era o mais miserável da capital, um amontoado de barracos. “Porque vocês não constroem prédios aqui?”, perguntou El Viejo Comandante a Josefina Bucur, conhecida como dona Fifi.

Com a garra de quem não fez outra coisa na vida que não fosse lutar pela sobrevivência, Fifi e suas companheiras iniciaram um mutirão que mudou o aspecto do Guinera. O governo forneceu o material, os moradores entraram com o trabalho e hoje os barracos foram substituídos por 396 apartamentos prontos, do total de 1.200 que serão construídos. Não é pouco, considerando-se as dificuldades atravessadas pelo país. O material de construção é produzido no próprio bairro. Os moradores dos apartamentos pagam 20% do salário por mês e são donos dos imóveis. Uma psicóloga orienta o processo de mudança do barraco para o apartamento.

O Guinera possui agencia bancária, posto dos correios, mercado e toda a estrutura de um bairro urbanizado. Os apartamentos são servidos com água, luz e rede de esgoto. Mas, porque as mulheres lideram o mutirão? Dona Fifi é quem responde:
-Os homens passam o dia fora. Nós é que sentimos o drama de morar em barracos. Por isso, fomos à luta.

A centelha se espalhou. Hoje são 7 bairros em processo de desfavelização em Havana e em outras cidades cubanas. Fifi, a mulher guerreira, é quase uma atração turística, visitada diariamente por pessoas de todo o mundo.

Continua morando no Guinera, num dos apartamentos que ajudou a construir com as próprias mãos.

(na próxima série de reportagens: a prostituição, o cambio negro e o sucesso das novelas brasileiras)

FIDEL ENTREGA OS ANÉIS

Com uma indústria sucateada, depois que o bloco soviético desmoronou como um castelo de areia e o governo norte-americano apertou o cerco, ampliando o bloqueio econômico, Fidel Castro teve que dar os anéis para não perder os dedos. E assim, Cuba se abriu ao turismo. Era a única saída para fazer dinheiro rápido num país que fazia 80% dos seus negócios com os agora ex-camaradas do Leste Europeu.

O problema é que, se traz efetivamente os dólares indispensáveis para a manutenção das conquistas socialistas, como a saúde e a educação, o turismo pode levar não apenas os anéis, mas também os dedos e as mãos. “O turismo é fundamental para nós nesse momento, apesar de todas as influências negativas que ele pode trazer numa sociedade tão carente como a nossa. Mas não temos outro caminho”. A opinião é de Maria Lívia Rodriguez, diretora para a América Latina do Instituto Cubano de Amizade entre os Povos. É a mais óbvia tradução do ´se correr o bico pega, se ficar o bicho come´.

Em Havana, o bicho pega e come. Com os turistas, os cubanos passaram a ter acesso a uma série de informações e, pior do que isso, notaram que no país que os submete a tantos sacrifícios, existem locais exclusivos para os estrangeiros. A segregação é feita pelo poder econômico. Que cubano em condições normais pode dispor de 7 dólares (o salário de um mês) para freqüentar um bom restaurante ou de 35 dólares para se hospedar num hotel como o charmoso Inglaterra, encravado no coração de Habana Vieja?

Para ter acesso a esses privilégios, o caminho mais curto é a prostituição, mas isso vai merecer um capítulo a parte.

Se falta luxo e mesmo nos grande hotéis como o Habana Livre, o Kolly, o Nacional, o Copacabana e o já citado Inglaterra, se nota um ar de decadência, sobre o que se ver em Havana. A parte velha é um mergulho no passado, com um importante patrimônio arquitetônico onde se destacam o Capitólio, o Palácio da Justiça, o Palácio dos Capitães Gerais, o Castelo dos Três Reis, a Praça da Catedral, o Grande Teatro de Havana, o Museu da Revolução e a Praça de São Francisco.

RUN EM LA BODEGUITA- Programa imperdível é circular pelas ruas desertas de Habana Vieja em plena madrugada, num daqueles carros antigos que nos países capitalistas só existem nas mãos de colecionadores. Imperdível também é uma visita a La Bodeguita Del Médio, ou simplesmente La Bodeguita, o botequim preferido de dez entre dez intelectuais que visitam Cuba. Ai, tomar um rum negro (que eles chaman de ron, forçando o erre) ou um mojito (bebida feita com limão, água mineral, rum branco, açúcar e hortelã) é quase um ritual. Nesse festival de simbologia, pode-se escrever uma frase ou um poema na parede, marcando para a posteridade a passagem pelo local.

Havana possui ainda bons restaurantes, com todo tipo de comida. Quando os dólares começam a escassear, pode se recorrer à chamada comida criolla (frango, arroz, feijão, batata frita e salada). O preço é inacreditável: 3 dólares.

Na área cultural, a dificuldade é escolher o que fazer. Museus, teatros, bibliotecas. Nos ´sebos´, encontram-se preciosidades como o Diário de Che Guevara ou poemas de José Marti por 1 dólar, com direito à pechincha. Justiça seja feita: se a entrada nos restaurantes é limitada pelo dólar, o povo cubano tem todo acesso a cultura. Para se ter um parâmetro: o turista paga dez dólares para assistir ao Balé Nacional de Cuba. Para o cubano, o mesmo espetáculo sai por 2 pesos, o equilavente a 2 centavos de dólar.

Aqui um parêntese: durante a estréia do Lago dos Cisnes, a primeira bailarina errou o passo e tropeçou. Aqui no Brasil, teria levado uma sonora vaia. Ao perceberem o erro da bailarina, os cubanos se levantaram e aplaudiram a jovem de pé, por longos três minutos.

Os chamados consumistas compulsivos não têm do que se queixar. Em Havana, quase todos os grande hotéis possuem as chamadas ´diplotiendas´, verdadeiros mini-shoppings com todos os tipos de produtos importados, desde alimentos a aparelhos eletro-eletrônicos, passando por roupas, perfumes e bebidas. As ´diplotiendas` que existem fora dos hotéis são abertas aos cubanos, desde que eles possuam dólares. O máximo a que eles se permitem é comprar alimentos. Ou, em casos excepcionais, batom, esmalte e maquiagem, objeto de desejo das cubanas.

Nas ´diplotiendas´ não é raro encontrar muitos cubanos. Sinal de que a economia informal está funcionando. E também que os dólares enviados pelos parentes e amigos exilados em Miami são cada vez mais bem vindos. Execrados até dois anos atrás, os cubanos de Miami são vistos com bons olhos até pelo governo. E olha que eles não fazem outra coisa que não seja bombardear de todas as maneiras (menos no sentido literal) o regime. Anéis, dedos, mãos. Fidel que tome cuidado com os braços.

FLÓRIDA CUBANA- Fora de Havana, outra cidade conserva um importante patrimônio arquitetônico é Santiago de Cuba. Mas para quem já está cansado de museus e prédios antigos, existem paraísos que mais parecem a Flórida, como Cayo Largo e Varadero. Em Varadero, distante cerca de 140 quilômetros de Havana, os grupos espanhóis Meliá e Gitart construíram grandes complexos hoteleiros, com estrutura de Primeiro Mundo. Piscinas hollywoodianas, shopping centers, restaurantes e danceterias num ambiente que as águas transparentes do Caribe tratam de completar um cenário de sonho.

São nesses hotéis de alto padrão, construídos através de um sistema de parceria com o governo cubano (que fica com 50% do faturamento) que turistas de várias partes do mundo, especialmente dos países de língua espanhola, se deliciam. A espanhola Marta Alvarez não dispensa o ´topless´ e com naturalidade topa posar para fotografias. “Gracias”, improvisa o fotógrafo brasileiro. A espanhola nem se dá ao trabalho de responder, mais interessada no sol e nas atenções de um guapo cubano. Atenções desmesuradas também não faltam a dois turistas alemães, embasbacados com as calientes cubanas.

Cuba é um dos recantos turísticos do planeta onde os preços são acessíveis até para os padrões brasileiros. Mas é bom aproveitar enquanto é tempo. As coisas tem andado tão rápido que os cubanos vão perceber que podem conseguir um preço bem melhor pelos anéis. E cobrar ainda mais caro pelos dedos e pelas mãos.

(Na próxima reportagem: saúde, educação e esporte, as pérolas e o marketing do socialismo. Ou do que resta dele)

UM PAULISTA-GRAPIUNA NA ILHA DE FIDEL

Cuba, do mítico Che Guevara e do agora eterno comandante en jefe  Fidel Castro, era um sonho de juventude em Osasco, cidade operária da Grande São Paulo. Sonho impossível, naqueles tempos duros, em que pão com mortadela era filé com fritas e a calça velha azul e desbotada não era apenas um slogan da moda. Era a única que eu tinha mesmo.

Tempos duros, mas também inesquecíveis, do trabalho em pequenos jornais e rádios, de viagens sem rumo pelo Brasil, e incursões pela Bolívia, Paraguai e Peru, na Machu Pichu que era a Meca dos mochileiros e ´fumaceiros´ de todo o planeta.

Cuba só virou realidade em 1995, por obra e graça de Manuel Leal, o meu velho capo do jornal A Região, eu já labutando em Itabuna, na Bahia. Quando soube que um daqueles vôos de solidariedade, tão comuns na época, faria escala em Salvador, não tive dúvidas. Propus a Leal realizar uma reportagem especial sobre Cuba. Não existia lógica para um jornal regional fazer esse tipo de pauta, mais para a Folha, Globo, Veja, Estadão e quetais, mas o fato é que Leal topou na hora.

O jornal bancou a viagem (800 dólares incluindo passagem aérea, hotel e meia pensão, uma barbada numa época em que com 85 centavos de real se comprava um 1 dólar) e fiquei com as despesas extras.

E lá fui eu desbravar Cuba e fazer a primeira cobertura internacional da gloriosa história de A Região, onde produzi uma série de matérias, republicadas pelo Diário de Osasco (afinal meus conterrâneos paulistas tinham que saber que vim, vi e venci) e que resgato para esse blog, numa celebração à passagem´de Fidel Castro  da vida para a História..

Apenas a título de contextualização, vale lembrar que Cuba vivia o ápice do chamado ´período especial`, com a perda dos recursos injetados pela recém desintegrada União Soviética. Comida racionada, roupa racionada, energia racionada. Mesmo assim, descobri um país fascinante, um povo fascinante. E descobri a paixão pelos charutos que se mantém viva até hoje, apesar dos meus cada vez mais freqüentes e exasperantes ataques de asma.

Antes de passar às reportagens, um adendo: se eu me apresentasse em Cuba como jornalista, não daria dois passos sem ser seguido por zelosos policiais. Na ficha preenchida no aeroporto José Marti assinalei “profissão: bancário”. E pude circular a vontade, com a máquina fotográfica que guardo até hoje, herança do meu inesquecível Manuel Leal.

Como já foi dito neste mesmo blog, por uma boa reportagem, eu chuto a canela da ética. E por uma boa caixa de charutos cubanos, vendo a mãe. E não entrego!

PS- Alguém sugeriu que essa série de reportagens fosse transformado em livro. Fora de cogitação. Nesse quesito, um tal de Fernando Moraes dá de um milhão a zero em mim.

Mercedes Sosa – Gracias a La Vida

Seminário Anual de Ciências Sociais da UESC vai discutir ações afirmativas no Brasil contemporâneo

O IX Seminário Anual de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), será aberto na segunda-feira(5) prossegue até sexta-feira(9), no auditório Jorge Amado. O evento científico que tem como tema “Ações afirmativas no Brasil contemporâneo: dinâmicas e perspectivas”, é promovido pelos docentes e discentes vinculados ao Colegiado de Ciências Sociais do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade.

O objetivo do IX Seminário Anual de Ciências Sociais é oferecer ao público participante subsídios teórico-metodológicos para compreensão e discussão aprofundada das políticas de ações afirmativas no Brasil do século XXI; reunir estrategicamente intelectuais com vastíssima experiência no campo das ações afirmativas no contexto brasileiro, de modo a fomentar diálogos e interações que culminem em parcerias, projetos, grupos de pesquisa e intercâmbios institucionais no pós-evento;

Também visa promover reflexões focais sobre as desigualdades historicamente construídas que ainda levam populações negras, populações indígenas, pessoas com deficiência e mulheres a demandas diversas por reconhecimento, por representação, por respeito, por cotas e por justiça social; analisar as políticas de ação afirmativa da própria UESC cuja resolução de implementação de reserva de vagas de graduação para pessoas negras, quilombolas, indígenas, desde que egressos de escola pública, e para estudantes de escola pública como um todo, completa dez anos neste mês, durante seminário.

Sobre as leis de proteção aos animais

 

Débora Spagnol

debora-2Schopenhauer citava a piedade como uma das características a equilibrar a maldade e  o egoísmo inerentes às relações humanas. A mesma piedade, segundo o filósofo, deveria também permear a relação dos homens para com os animais. Mesmo sendo avesso às convenções sociais e sem sorte com as mulheres (sua obra é famosa pelas críticas ao sexo feminino), o alemão é conhecido como o “filósofo do amor”, já que o sentimento é o tema central de sua obra; não no sentido romântico, porém, mas enquanto impulso de vida.  Intensamente insatisfeito com o modo como os homens se organizam e se afligem uns aos outros, Shopenhauer viveu uma vida peculiar e solitária, dividindo seus dias com seu cão ATMA (que significa “alma do mundo”), nutrindo, por quem nutria profundo e verdadeiro afeto.

“A piedade com os animais está tão intimamente ligada com a bondade de caráter, que se pode afirmar que quem é cruel com os animais não pode ser bom” é um dos aforismos mais famosos sobre a compaixão aos animais e foi atribuída ao filósofo. Nele, se percebe a inter-relação entre a crueldade contra os animais e contra os humanos. Estudos científicos atuais colaboram com essas constatações: no processo de abate massivo de animais, por exemplo, os trabalhadores passam por transformações psicológicas semelhantes àquelas sofridas por combatentes de guerra, executores e nazistas. A personalidade natural do trabalhador se identifica com o animal a ser abatido (que é digno de afeição e cuidado), mas outra personalidade – aquela transformada pelo trabalho no abatedouro – mata o animal, sendo  literalmente incapaz de sentir piedade para com eles. Como consequência dessas transformações psicológicas, os indivíduos que cometem crueldade contra os animais estão mais propensos ao uso de drogas, estupros, roubos e homicídio – principalmente contra mulheres e crianças. (1)

Utilizados como instrumento de diversão, crença e trabalho, inúmeros animais são abatidos e sacrificados anualmente em festas religiosas, culturais e na lide do dia a dia, no país e no exterior. Vaquejadas, touradas e farras do boi são exemplos de eventos que utilizam os animais como peças principais do espetáculo mas que, do ponto de vista moral e social, despertam grandes discussões na sociedade.

+| Leia a matéria completa »

Projeto Bahia Território Esportivo movimenta escolas de Itabuna

esporte-1Alunos de 16 escolas da rede municipal de Itabuna e quatro escolas da rede particular terão uma programação diferenciada entre domingo (4) e a próxima sexta-feira (9), nos períodos matutino e vespertino. Trata-se do projeto ‘Bahia Território Esportivo’, lançado pelo Governo do Estado, que está levando diversas atividades esportivas gratuitas a cidades baianas.

As ações do projeto iniciam com clínicas nas escolas, com abordagem sobre a história dos Jogos Olímpicos, dando maior enfoque para as Olimpíadas e Paraolimpíadas Rio 2016. Também nas clínicas são passadas informações sobre modalidades olímpicas como judô, luta olímpica e badminton.

“É muito importante aproximar os jovens do esporte. Vamos poder incluir pessoas que assistiram os jogos na TV e não tiveram a oportunidade de participar de nenhum evento da Olimpíada. O esporte educa e proporciona inclusão social”, afirma o diretor-geral da Superintendência dos Desportos da Bahia (Sudesb), Elias Dourado.

esporte-2A atividade também é desenvolvida na Arena Esportiva, que em Itabuna será montada na Praça Rio Cachoeira, com início de funcionamento na quarta (7). A partir deste dia, o público poderá praticar modalidades como tênis de mesa, basquete, handebol, atletismo e badminton e modalidades paraolímpicas.

As aulas serão ministradas por profissionais de educação física e instrutores capacitados, com apoio da Prefeitura de Itabuna, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Recreação. O Bahia Território Esportivo já passou por Salvador e Vitória da Conquista. Depois de Itabuna, o projeto segue para Camaçari (de 10 a 16/12, das 9h às 17h) e Juazeiro (de 17 a 23/12, das 9h às 17h).

Mau hálito em cães: o que fazer?

Dra. Hannah Thame

 

hannah thameMuitos proprietários costumam reclamar do mau hálito do seu cão, porém, muitas vezes julgam como algo normal. É importante dizer que o mau hálito de um cão muitas vezes indica para o dono que existe um problema ou doença, portanto, se você tiver um animalzinho nessa condição, deve ficar atento ao que isso pode significar.

O mau hálito persistente pode indicar que seu cão tem problemas digestivos ou um problema na gengiva, como gengivite, ou até mesmo uma doença periodontal e deve ser examinado por um veterinário. Além disso, sinais indicando uma questão de saúde mais complexa, como dor na cavidade oral, sangramento, dificuldade para engolir ou comer também podem ser observados.

gengivite é a inflamação da gengiva e é extremamente comum em cães. Sem uma dieta adequada e cuidados higiênicos, como a escovação, partículas de alimentos se acumulam nas fendas entre os dentes e as gengivas de seu cachorro, e a população bacteriana que vive naturalmente em sua boca começa a proliferar. As bactérias aderem à superfície dos dentes que formam uma placa lisa, que mineraliza, endurece e se torna áspera, formando o que conhecemos como tártaro. Essa formação acaba “empurrando” a gengiva que se distancia dos dentes, causando bolsas que proporcionam um local perfeito para o crescimento excessivo de mais bactérias.

cãoQuando a gengivite não é tratada ela continua progredindo e evolui tornando-se uma periodontite, que infelizmente pode levar à disseminação de bactérias, expondo o cachorro a risco de morte. A periodontite ou doença periodontal é considerada mais grave, devido à destruição dos tecidos onde estão inseridos os dentes, levando a exposição da raiz e posterior perda dos dentes do animal. Além disso, a gengiva inflamada fica em contato direto com uma enorme quantidade de bactérias, que se infiltram nos capilares e migram, através da corrente sanguínea, até órgãos vitais, como os rins e o coração. A doença periodontal é uma das principais causas de nefropatias e cardiopatias, doenças graves que podem levar ao óbito do animal.

Muitos proprietários não percebem o quanto é importante cuidar dos dentes de seu cão e a maior parte dos donos não possui o hábito de investigar a boca de seus animais de estimação. Para isso não é necessário abrir a boca do animal, já que muitos cães não se sentem confortáveis com esse manejo. Apenas segure gentilmente o focinho do cão e levante as bochechas, começando pela parte dos caninos.
Observe todos os dentes do animal, especialmente os molares e pré-molares, pois quanto mais ao fundo da boca, maior o acúmulo de placa bacteriana.
Observe se os dentes estão amarelados e se as gengivas estão avermelhadas.

É importante não tentar tratar o mau hálito ou outros sintomas antes de falar com seu veterinário, que precisa avaliar seu cachorro e solicitar exames para descobrir o que está acontecendo e discutir opções de tratamento com você.

O Médico Veterinário pode sugerir uma limpeza profissional para remover placas e tártaro, além de prescrever medicamentos de uso apropriado. Recomendações de cuidados domésticos podem incluir escovação diária dos dentes e soluções orais para manter a boca limpa após a completa higienização.

 

(*) A Dra. Hannah Thame é Médica Veterinária e Mestre em Ciência Animal com ênfase em Sanidade Animal pela Universidade Estadual de Santa Cruz

Ceep Amev Ilhéus promove Virada Educacional Saúde, Cultura e Sustentabilidade

transformae-1

O Centro Estadual de Educação Profissional em Gestão e Tecnologia da Informação Álvaro Melo Vieira-Ceep Amev, realiza no próximo dia 6 a Virada Educacional Saúde, Cultura e Sustentabilidade, que faz parte do projeto #TransformaÊ, da Secretaria de Educação da Bahia. O evento, que acontece das 8 às 22 horas terá apresentação de trabalhos realizados pelos alunos nas áreas de tecnologia, apresentações artísticas, prática esportiva, feira do livro e cinema.

Como o objetivo é envolver toda a comunidade, serão oferecidos serviços como higiene bucal, tipagem sanguínea, aferição de pressão arterial e glicemia, cálculo do índice de massa corporal e orientação nutricional para hipertensos e diabéticos. Também serão montados estandes com informações sobre os cursos técnicos oferecidos pelo Ceep Amev. Todos os serviços oferecidos são gratuitos.

Programa Primeiro Emprego já tem adesão de 96 empresas

Até novembro deste ano, 96 empresas já aderiram ao termo de adesão ao Programa Primeiro Emprego – criado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) e lançado esta semana pelo governador Rui Costa -, gerando um total de 1.567 novas vagas de Menor Aprendiz, Estágio e Primeiro Emprego. “A SDE tem obtido o apoio das empresas contempladas com benefícios fiscais na adesão do programa. Nosso intuito é estimular a capacitação técnico e profissional do estudante para o seu desenvolvimento”, afirma o secretário Jorge Hereda.

A Bridgestone, uma das maiores fabricantes de pneus do mundo, foi uma das empresas a aderir ao termo em fevereiro passado, quando assinou protocolo com o Governo para ampliação da sua unidade industrial em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador. Na época, o diretor-presidente, Fábio Marcel Fossen, se disse animado com a conversa com o governador sobre a educação como ferramenta indutora do desenvolvimento. “Minha formação foi em escola técnica e sei da importância do estágio e do primeiro emprego. Por isso, assinamos, com muito prazer, nossa adesão ao programa estadual de estágio e estímulo ao primeiro emprego de jovens estudantes de cursos profissionalizantes. A nossa companhia vai se engajar totalmente neste programa”.

A Indústria Plástica Conquista, em Vitória da Conquista (sudoeste), que deve entrar em operação no início do ano, também aderiu ao termo e já está em fase de identificação dos estudantes. A Engeflex, localizada no mesmo município e integrante do mesmo grupo, emprega 12 menores aprendizes. Valdevino Souza, diretor das duas empresas, diz que o programa dá oportunidade para os jovens serem inseridos no mercado de trabalho de forma organizada.

Quando alguém vai procurar emprego, afirma Souza, “as empresas cobram experiência. Mas se ninguém empregar, isso nunca vai existir. Além da experiência do primeiro emprego, o jovem adquire experiência técnica e profissional. Ele aprende como atuar na empresa, a se portar, e passa a entender as leis trabalhistas, seus deveres e direitos”.

O Projeto Estadual de Incentivo à Concessão de Estágio e Primeira Experiência Profissional, também conhecido como Programa Primeiro Emprego, foi instituído pela Lei Estadual nº 13.459 de 10 de dezembro de 2015 e regulamentado pelo Decreto nº 16.761 de 07 de junho de 2016, sendo regido pelos princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos estabelecidos por esta mesma lei. Seu objetivo é promover uma maior articulação entre a escola e o mundo do trabalho.

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
dezembro 2016
D S T Q Q S S
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031