hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

BOLSA ÁGUA

O Bolsa Renda, promessa de campanha do Capitão Azevedo, ainda é uma incógnita.
Mas, a depender do presidente da Emasa, Isaias Mendes Lima, a população está prestes a encarar o Bolsa Água.
Isaias sugeriu que os itabunenses usassem garrafas pet com dois litros água pra tomar banho. Mais dois litros pra cozinhar, dois litros pra lavar roupa, dois litros pra beber (se é que alguém se arrisca a beber água da Emasa) e temos o nosso Bolsa Água.
8 litros de água por dia pra cada um e não se fala mais nisso.

THANK YOU, HAMILTON

Por linhas tortas -ou pelas curvas do destino- devo à Fórmula 1 minha entrada no jornalismo. Lá pelos idos de 1977, Emerson Fittipaldi era bicampeão mundial, mas meu ídolo era José Carlos Pacce, um piloto apenas esforçado, que tinha vencido apenas um Grande Prêmio, justamente o GP do Brasil. E ainda assim num gesto de extrema generosidade de Emerson, que tirou o pé nas últimas voltas e deixou o compatriota ganhar.

José Carlos Pacce morreu num acidente (de avião, ora vejam!) e eu fiz uma redação exaltando meu ídolo. Levei o texto à redação do jornal A Região, um diário de circulação restrita à Osasco, na Grande São Paulo. Acabei recebido pelo dono do jornal, João Macedo de Oliveira, que não sabia se olhava para o texto ou para aquele quase menino, assustado e trajando roupas simples, que já haviam conhecido dias melhores.

Felizmente olhou para o texto e após ler perguntou se eu não queria trabalhar no jornal. Para quem ganhava a vida como pintor de paredes, era como se alguém oferecesse o bilhete para o paraíso, ainda mais que João Macedo, um desses anjos que Deus costuma colocar no nosso caminho e só nos damos conta disso muito tempo depois, conseguiu que eu retomasse os estudos, interrompidos por absoluta falta de condições financeiras.

Eram tempos românticos, em que com um pouco de talento e um muito de sorte, se abriam as portas do jornalismo. Hoje, com as devidas exceções, sem um bom padrinho (ou otras cositas más, no caso de mulheres) não se passa nem da portaria de um jornal, uma emissora de rádio ou de televisão. A menos que se aceite ganhar um salário que faça pintor de paredes parecer um marajá…

Feita essa revelação, que certamente terá impacto planetário e fará a imprensa ser eternamente grata a José Carlos Pacce, vamos ao que interessa.

Como boa parte dos brasileiros, torci para que Felipe Massa fosse campeão de Fórmula 1 neste domingo, apesar de achar que Lewis Hamilton merecia o titulo. Não é pouca coisa um negro, com jeito e cara de menino, brilhar num esporte de elite, recheado de ´maurícinhos´. Hamilton, assim como a possível vitória de Barack Obama nas eleições dos EUA, representa um sopro de novidade e de utopia, num mundo cada vez mais competitivo e com cada vez menos espaço para o sonho, o imprevisível.

Deixei minhas perorações sócio-filosóficas de lado, e fiquei ligado na tela monopolista da Rede Globo, obrigado a ouvir Galvão Bueno.

Massa largou na frente e lá se manteve durante toda a corrida. O problema é Hamilton, escolado pelas barbeiragens que cometeu ano passado, quando jogou o título fora por pura afobação, correu para chegar no 5º. lugar que lhe bastava e nem se importou para o que ocorria à sua frente.

A corrida seguia numa chatice só, Massa em primeiro, Hamilton na dele. E Galvão elevando os níveis de patriotada, torcendo para que o motor do carro do inglês estourasse, que os pneus furassem ou que ele tivesse uma dor de barriga daquelas que o sujeito é obrigado a parar atrás da primeira moita…

Eu estava vendo a hora em que Galvão deixasse seu posto de narrador e invadisse a pista para impedir que Hamilton continuasse na prova.

E tome “o Brasil tem um novo ídolo”, “Massa é um piloto completo”, “o país se rende ao talento de Massa”, num crescendo que atingiu o clímax quando, na ultima volta, Hamilton foi ultrapassado e caiu para sexto lugar, resultado que daria o título a Massa. Galvão só não viu, porque estava quase em transe, que o piloto que estava em quinto lugar usava pneus lisos e se arrastava na pista em meio ao temporal. Hamilton passou por ele com a facilidade com que um carro Fórmula 1 passa por um carrinho de pipoca.

Desde que, é claro, o carro de Fórmula 1 não esteja sendo pilotado por Rubinho Barrichelo, porque neste caso as chances do carrinho de pipoca chegar na frente são imensas.

Naqueles segundo finais, naquele restinho de pista, antevendo o festival de ufanismo, a verborragia e a exaltação desmedida liderada por Galvão e reverberada pela Globo, esqueci que Massa não apenas é brasileiro, como também sãopaulino. Passei a torcer por Lewis Hamilton.

O inglês mereceu o título. E nós, enquanto não tivermos a saudável opção de escolher a emissora de televisão que desejamos assistir a uma corrida de Fórmula 1, um jogo da Seleção Brasileira ou a partida do nosso time do coração, não merecemos Galvão Bueno.

Thank you, Hamilton.

O HOMEM QUE MORDEU O CÃO

Uma das regras não escritas do jornalismo versa que se um cão mordeu um homem não é notícia, mas se um homem mordeu um cão, é notícia.
Pois naquela Havana do início de 1995, espírito de repórter a mil, eu ia atrás do homem que mordeu o cão. E do cão que mordeu o homem.
Durante o dia, fazia reportagens sobre a vida num país socialista afundado numa crise em que sabonete, pasta de dentes e até absorventes eram considerados artigos de luxo.
À noite, mergulhava no submundo da prostituição e do mercado negro, em meio a jineteras e jineteros e a comercialização nem tão clandestina de charutos e de PPG, um precursor do Viagra, que fazia muito sucesso na época. “Hay que endurecer”, já dizia Che.
Está última série de matérias produzidas em Cuba mostra como um país em frangalhos usa todas as armas para manter viva a chama do socialismo. Mesmo as menos ortodoxas. E também o fascínio exercido pelas novelas brasileiras, uma mania na Ilha.
Agora é esperar 2010, quando pretendo produzir algo do tipo “15 anos depois”. Isso se Deus, a crise econômica e Fidel permitirem.

MERCADO NEGRO ÀS CLARAS

Tabaco, ron, PPG, dólar?”. É impossível transitar por Habana Vieja e parar na entrada dos hotéis da capital cubana sem ser abordado pelos operadores do mercado negro. São dezenas, centenas deles, agindo praticamente nas barbas dos policiais, que assistem passivamente às negociações com os turistas.

O charuto cubano é o mais comercializado no mercado negro. Marcas como o Cohiba (o preferido de Luiz Inácio Lula da Silva) e Montecristo são as coqueluches para os compradores. Numa loja convencional, a caixa com 25 charutos Cohiba não sai por menos de 50 dólares. No “negro” dá pra negociar até por 15 dólares, mesmo valor do Montecristo. Guias turísticos alegam que os produtos do mercado negro são falsificados, mas isso soa incoerente num país que não produz uma agulha fora das fabricas controladas pelo governo. “Meu irmão trabalha numa fábrica de charutos e desvia para que eu venda”, diz candidamente R., de 22 anos.

Outro produto que está se tornando famoso é o PPG, remédio que controla o nível de colesterol, mas criou fama porque, supostamente, transforma o mais caidaço dos homens num garanhão. Lenda ou não, o PPG vende como água no mercado negro. Pode se comprar duas caixas por 10 dólares, quando nas lojas para turistas uma caixa custa o dobro.

Obter PPG para o ´negro´ é complicado por causa da receita médica? Nem tanto. “Um médico fornece as receitas e a gente consegue barato, pagando em pesos”, diz P., um jovem que combateu em Angola com o exército cubano, retornou e hoje “batalha” vendendo charutos e PPG.

A coisa é tão escancarada que existe até uma espécie de pronta-entrega, com contatos por telefone e entrega dos produtos nos hotéis. O comércio de rum no ´negro´ é restrito, quase insignificante. O câmbio de dólares é mais freqüente na porta das diplotiendas e interessa basicamente aos cubanos, que precisam da moeda americana para fazer compras, do que aos turistas, que só podem usar o dólar ou o peso turismo na base do 1/1.

A exemplo da prostituição, tem-se a nítida impressão de que o governo tolera o mercado negro, porque os dólares acabam ficando mesmo no país.

PLIM PLIM EM ESPANHOL

“No es posible”. A loirinha cubana, no esplendor dos seus 17 anos, não acredita quando ouve de um indiscreto brasileiro que aquele rapagão atlético da novela tem preferências sexuais -digamos- pouco ortodoxas. E chama as amigas, que também se arvoram diante da novidade.

Deixemos o musculoso ator de lado. E falemos das novelas da Globo, que são uma verdadeira mania em Cuba. Literalmente param a ilha nos três dias da semana em que vão ao ar, sempre às 9 da noite. Roque Santeiro fez tanto sucesso por lá quanto aqui. Há cerca de um mês os cubanos acabaram de assistir Felicidade, uma trama melosa que eles adoraram. Atualmente, está passando ´Tu ódio, mi amor´, que vem a ser Pedra Sobre Pedra, ambientada na Chapada Diamantina (Bahia). As brigas entre as personagens vividas por Lima Duarte e Renata Sorrah e o amor proibido entre Mauricio Mattar e Adriana Esteves dominam as converersas.

Em Cuba, novela é coisa de criança, de jovem, de adulto, de idoso. De homens e mulheres. Quando descobrem que somos brasileiros, vão logo falando sobre as novelas. Uma enfermeira, impaciente, pede que revelemos o desfecho de ´Tu ódio, mi amor´. Não quis tirar a graça de uma das poucas diversões dos cubanos e desconversei.

As novelas, claro, criam distorções a respeito do Brasil. Um cubano de meia idade nos aborda na praça Jose Marti, em Habana Vieja, para protestar contra o regime e dizer que bom é no Brasil, onde as pessoas tem carro, conforto e as crianças tem brinquedos, doces e moram em lugares bonitos. Duro é convencer um sujeito desses que a novela mostra um Brasil de mentirinha e que existem cerca de 30 milhões de pessoas (três Cubas!) vivendo em situação de miséria absoluta.

“Temos consciência desse problema e procuramos fazer uma análise crítica das novelas”, diz o jornalista Alberto Garcia. Esforço inútil. Até Fidel se rendeu aos encantos das novelas globais e recebe com inegável prazer artistas em visita ao país. Regina Duarte é popularíssima por lá, idem Lima Duarte, idem Antonio Fagundes e por ai vai, numa lista interminável.

Hay que endurecer, pero sem perder las novelas jamás”. Che Guevera deve estar se remexendo na tumba.

FALA FOTO, FALA!

-Vai se divertindo enquanto pode, Lula. Não vejo a hora de pegar a direção desse carro…

– Será que esse carro não tem banco de carona “injetável”? Eu quero é passar a direção pra companheira Dilma…

APAGÃO RUBRO NEGRO

Aos 5 minutos do jogo entre Vitória e Flamengo, os refletores do Barradão se apagaram.
Melhor seria se a energia não tivesse voltado.
Pelo que os dois times (não) fizeram em campo, mereciam ter jogado no escuro.

O BURACO É MAIS EMBAIXO

A Petrobrás vai assinar um contrato com a sua similar cubana para realizar a prospecção de petróleo no Mar do Caribe.

Sabem como se chama a estatal da Ilha de Fidel?
Cupetróleo. Isso mesmo, Cupetróleo!

Da prospecção pode não resultar uma gota de óleo ou de gás.
Mas as piadas prontas serão extraídas às toneladas.

Em tempo: a VTNC Corporation ainda não adquiriu ações da Cupetróleo. Com a crise das bolsas de valores em todo o planeta, até que poderia ser uma boa aposta…

LULA PILATOS OU LULINHA PAZ E AMOR?

A presença do presidente Lula em Salvador nesta terça-feira, para assinar um pacote de obras que incluem o Porto Sul e a ferrovia Ilhéus-Caitité, será uma oportunidade para testar a quantas anda o relacionamento entre o governador Jaques Wagner e o ministro Geddel Vieira Lima.
A temperatura atingiu níveis mercuriais durante a disputa entre o PT e o PMDB pela prefeitura de Salvador, numa campanha que expôs as fraturas existentes entre os dois partidos. A troca de acusações na reta final só não descambou em xingar a mãe. Mas faltou pouco…
Como se sabe, para não ficar mal com o PMDB e manter a governabilidade, Lula, no melhor estilo Pôncio Pilatos, ´lavou as mãos´ e deixou para Wagner a missão de alavancar a candidatura de Valter Pinheiro, enquanto Geddel irrigava a Prefeitura de Salvador com os generosos recursos do Ministério da Integração Nacional, permitindo a realização de obras que deram visibilidade e garantiram a reeleição de João Henrique.
Lulinha vai ter que abusar do estilo paz e amor para evitar uma séria crise de relacionamento entre o governador que o defendeu incondicionalmente no auge da crise do mensalão e o ministro que hoje recebe tratamento de estrela, mas que à época da citada crise brindava o presidente com adjetivos nada honrosos.
A terça-feira promete. O resto da semana, idem.

ELA É UMA MULHER GUERREIRA

Do choro diante de uma doente mental que executa Chopin ao piano, passando pelas crianças que têm educação garantida até a universidade, Cuba é uma seqüência de surpresas, algumas agradáveis outra tem tanto, como encontrar jornalistas que acham natural uma imprensa sem liberdade de expressão, como se a revolução justificasse tudo e nada pudesse ser questionado. Cuba é também a terra da ex-favelada Josefina Bucur, a dona Fifi, que encontramos comandando a sua revolução coletiva num dos bairros mais paupérrimos de Havana. A saúde, a educação, o esporte e dona Fifi são os temas dessa terceira série de matérias, que produzimos em Cuba, no ano de 1995.

Foi bom pra você?

Se em Itabuna a disputa pela prefeitura acabou num inesperado casamento entre o PT e o PMDB às vésperas da eleição, após uma campanha marcada pela troca de farpas, em Salvador o segundo turno expõe uma fratura entre os dois principais partidos da Bahia.

Na propaganda de João Henrique (PMDB) e Valter Pinheiro (PT), os golpes são abaixo da linha da cintura, com trocas pesadas de ofensas e acusações, além de uma disputa ferrenha para ver que é mais “Lula desde criancinha”.

Conhecido o resultado, é certo que PT e PMDB vão ter que, como nos casamentos de hoje em dia, sentar para ´discutir a relação´.

Camarão é a mãe!

Depois de enfrentar a fúria conservacionista capitaneada pelo Ibama, com a implantação da Reserva Extrativista, criadores de camarão de Canavieiras agora sofrem com a mancha branca, que não é prejudicial a quem consome o crustáceo, mas está inviabilizando a produção.

Na tarde desta quarta-feira (22) dirigentes da Associação dos Criadores de Camarão em Cativeiro
(ACCC) se reuniram com o secretário de Agricultura Geraldo Simões e pediram apoio do Governo para evitar o fim da atividade, que gera cerca de dois mil empregos diretos e indiretos em Canavieiras.

Geraldo disse que a Seagri está disposta a colaborar, mas fez um pedido aos produtores: evitar demissões de trabalhadores das fazendas que criam camarão.

A doença coincide com o período em que os produtores iniciam a criação dos camarões, que atingem o ápice durante o verão.

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
julho 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031