hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

TORTURADORES NUNCA MAIS

NOS DIAS 20 E 21 DE MAIO A OEA REALIZARÁ AUDIÊNCIA PARA JULGAR O CASO DOS DESAPARECIDOS DA GUERRILHA DO ARAGUAIA E IRÁ SE POSICIONAR TAMBÉM SOBRE A IMPUNIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS QUE SEQUESTRARAM, TORTURARAM, ESTUPRARAM, ASSASSINARAM E DESAPARECERAM COM OS OPOSITORES DO REGIME MILITAR, HOJE BENEFICIADOS PELA LEI DE AUTO-ANISTIA. O STF DEIXOU IMPUNES OS TORTURADORES DA DITADURA MILITAR 1964-1985.

PATEO DO COLÉGIO
DIA 18/05/2010 ÀS 14:30 HORAS
PRÓXIMO À ESTAÇÃO SÉ DO METRO

MANIFESTE-SE CONTRA A IMPUNIDADE DE ONTEM E DE HOJE

PELA APURAÇÃO DAS TORTURAS E ASSASSINATOS DO PERÍODO DA DITADURA MILITAR.
PELO CUMPRIMENTO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS.
PELA ABERTURA DOS ARQUIVOS DOS CENTROS DE INTELIGÊNCIA MILITARES.
PELO DIREITO À MEMÓRIA E À VERDADE COM JUSTIÇA.
PELA MUDANÇA DE CONDUTA DAS FORÇAS DE SEGURANÇA PÚBLICA DE HOJE E O FIM DA VIOLÊNCIA, PERSEGUIÇÃO E TORTURA CONTRA A POPULAÇÃO POBRE BRASILEIRA.
PELA DESCRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS.
C O M P A R E Ç A
TRAGA SUA VELA PELOS MORTOS E DESAPARECIDOS

Ame-a ou deixe-a


A camiseta amarela, vestida calculadamente pelo técnico Dunga sob a camisa verde, não deixava margens para qualquer dúvida: o patriotismo -ou pior, a patriotada- entrou em campo junto com a Seleção Brasileira que vai disputar a Copa do Mundo da África.

Comprometimento, espírito de Seleção, amor pela pátria e torcida apaixonada, sem falar na inevitável busca da vitória a qualquer custo, foram palavras usadas à exaustão por Dunga.

Só faltou dizer, e faltou pouco para dizer, que quem não gostasse da Seleção Brasileira, que fosse torcer pela Argentina, a Espanha, a Holanda, a Nova Zelândia.

Bem no estilo “ame-a ou deixe-a”, jargão utilizado pela Ditadura Militar no auge do ufanismo Brasil Grande.

Estupidez a parte, já que esse tipo de discurso não tem nenhum sentido, Dunga tem lá suas razões.

De fato é preciso amar muito a Seleção Brasileira para torcer por uma equipe cujo treinador abriu mão do talento para priorizar a força, o suor, o tal comprometimento.

É preciso ser torcedor apaixonado para amar um time de guerreiros (claro que a referência explicita à cerveja que patrocina a CBF e colocou o treinador como estrela de um de seus comerciais é mera coincidência).

Ou será que algum torcedor enche o peito de orgulho e grita, a plenos pulmões, nomes como Felipe Mello, Josué, Gilberto Silva, Kleberson, Elano, Julio Batista, Lucio, Gilberto e quetais?

Porque, tirando o talento de um Kaká craque indiscutível, mas meio baleado, os lampejos de Robinho e o faro de goleador de Luis Fabiano, o resto é tudo “guerreiro mesmo”, um monte de dungas obstinados, tratando a bola não como um objeto de arte, mas como algo a ser domado.

Nem que seja apenas na força física, na transpiração.

Temos, enfim, uma versão atual da Seleção que, aos trancos e barrancos, conquistou a Copa de 94 na decisão por pênaltis contra a Itália, após o 0x0 nos 90 minutos e na prorrogação.

Na época, Dunga era o capitão.

Agora, é o general, perdão, o treinador.

E lá vamos nós, para a guerra na África, sem nem ao menos um Ganso para por um pouco de alegria nesse batalhão…

BOLA DE CRISTAL

Mesmo com esse time meia boca, o Brasil ganha a Copa do Mundo.
A fórceps, matando o torcedor do coração, mas como diria Dunga, quem quer espetáculo, que vá ao ballet.
Alguém sabe de um bom espetáculo em cartaz?

Um presente da polícia para o Dia das Mães


“Eu vi meu filho ser espancado até a morte na minha frente e não pude nem chamar a policia pra socorrer ele. Porque era a polícia quem estava matando meu filho”.

Pouquíssimas vezes a frase proferida por uma mãe, e ainda por cima proferida na véspera do Dia das Mães, soou tão marcante, tão dolorosa.

Num mundo onde a brutalidade impera, onde nada mais parece chocar diante da insanidade da violência, ainda existem situações em que a barbárie consegue descer a níveis inimagináveis.

A mãe que não pode chamar a polícia para salvar seu filho porque era polícia quem estava matando seu filho mora em São Paulo, o estado mais rico e desenvolvido do Brasil e sua história é daquelas coisas que desafiam o bom senso, a civilidade e o menor resquício de decência que possa existir num ser humano (humano?).

O filho dessa mãe que não pode chamar a polícia porque era a polícia quem o estava matando era um rapaz trabalhador, um motoboy, que ao chegar em casa se deparou com uma blitz da polícia.

Com a moto sem placas, embora em situação regular, o rapaz ignorou a blitz e se dirigiu ao portão de casa, chamando pela mãe, para que ela confirmasse que ele morava ali e que o veículo era mesmo dele.

E aí, a polícia que bate e depois pergunta, bateu e nem chegou a perguntar. Continuou batendo, enquanto o rapaz gritava de dor e gritava pela mãe.

A mãe atendeu ao clamor do filho e foi ao portão de casa. Tentou conter a pancadaria, mas foi ameaçada com uma arma na cabeça e uma saraivada de ofensas.

Os policiais só pararam de bater quando o rapaz estava desacordado.

Minutos depois, ele estava morto pela polícia que deveria protegê-lo. Por marginais que a farda e a posse de uma arma às vezes tornam mais perigosos que o mais perigoso dos marginais.

À mãe, só restou o Dia das Mães mais triste de sua vida.

E depois, a frase lapidar, que grita mais alto do que os gritos de dor do filho, nos seus lancinantes últimos momentos de vida.

“Eu vi meu filho ser espancado até a morte na minha frente e não pude nem chamar a policia pra socorrer ele. Porque era a polícia quem estava matando meu filho”.

SeleBrahma


Cá pra nós, esse time do Dunga tá a cara da cerveja que é uma das patrocinadoras da CBF: uma coisa, digamos, meia boca, que pode até ser campeã do mundo, mas não empolga ninguém.

Um time guerreiro, nada mais do que isso.

Vai sobrar transpiração e faltar inspiração.

É mais ou menos como a cerveja (?) Brahma, a gente bebe/torce porque não tem outra.

Ou tem e o Dunga não quis levar pra África do Sul.

Esse corintiano pelo menos tem o que comemorar


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu nesta segunda-feira o título de “campeão mundial” no combate à fome e à desnutrição infantil. A condecoração foi dada pelo Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas.

O anúncio foi feito pela diretora-executiva do órgão, Josette Sheeran. Em discurso nesta manhã, ela disse que o Fome Zero é uma estratégia “holística” e que o Bolsa Família inspira famílias brasileiras a terem responsabilidade.

Sheeran mencionou a lista da revista Time em que Lula aparece como um dos líderes mais influentes do planeta. Ela citou, inclusive, uma frase do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que afirmou que o presidente brasileiro era o político mais popular do mundo.

PS- Como Lula é corintiano roxo e o Corinthians terá pouco ou nada para comemorar em seu centenário (parece até uma certa cidade do Sul da Bahia), os torcedores podem se contentar com o título de seu torcedor mais ilustre.

A responsabilidade é uma pista de mão dupla


É absolutamente compreensível que, diante de acidentes terríveis como o que ocorreu na tarde de sexta-feira na rodovia Ilhéus-Itabuna, em que um casal e o filho recém-nascido morreram presos entre as ferragens de um carro atingido de frente por um caminhão-guincho; a indignação das pessoas se volte contra as autoridades.

Afinal, há pelo menos duas décadas que se fala na duplicação da rodovia que une as duas maiores cidades do Sul da Bahia e que, além de ter em suas margens a Ceplac e a Universidade Estadual de Santa Cruz, é uma das portas de entrada para o crescente movimento turístico nas áreas litorâneas e possui um intenso fluxo de veículos entre municípios que se completam nas áreas de comércio, saúde, educação superior, prestação de serviços e lazer.

A duplicação da rodovia Ilhéus-Itabuna é, portanto, mais do que necessária e existem motivos para acreditar que, finalmente, a obra sairá do pantanoso terreno da promessa. Os recursos para a duplicação da rodovia estão disponíveis no PAC e o projeto final está em vias de aprovação.

A partir daí é, literalmente, colocar as mãos à obra.

O problema -e isso precisa ficar bem claro- é que a interminável lista de acidentes na rodovia Ilhéus-Itabuna, muitas vezes com vítimas fatais, não pode ser debitado necessariamente ao fato de que a rodovia possui uma única pista, com dois sentidos de direção.

Se há um fator preponderante nesses acidentes, que não ocorrem apenas na rodovia Jorge Amado (esse é o seu nome oficial), mas em rodovias de todo o Brasil, ele atende pelo nome de irresponsabilidade.

Uma irresponsabilidade que fica visível para quem trafega –e na prática arrisca a vida- num trecho de meros 28 quilômetros, que se pode fazer em 40 minutos numa velocidade razoável e respeitando-se as normas de trânsito.

No sábado, enquanto familiares e amigos ainda choravam as mortes do casal e do bebê de apenas um mês e dezoito dias e no local do acidente ainda se podiam ver as marcas da tragédia, motoristas continuavam cometendo as mesmas barbaridades de sempre: excesso de velocidade, ultrapassagens arriscadas, desrespeito à sinalização e até ausência do cinto de segurança.

A menos de 200 metros do posto da Polícia Rodoviária Federal (isso mesmo!) o motorista de um Fiat Uno, que retornava de Ilhéus, teve que jogar o carro no acostamento estreito para não bater de frente com uma Van, cujo motorista irresponsavelmente fez uma ultrapassem por vários carros e vinha, em alta velocidade, na contramão.

A duplicação da rodovia Ilhéus-Itabuna certamente desafogará o tráfego e dará um dinamismo ao fluxo de veículos, além de funcionar como vetor de desenvolvimento agregado a obras como o Porto Sul, a Ferrovia Oeste-Leste e o Gasene.

Mas não evitará acidentes e mortes enquanto os irresponsáveis que usam seus veículos como armas letais continuarem cometendo suas atrocidades ao volante impunemente.

A responsabilidade é uma via de mão dupla.

Já a irresponsabilidade parece trafegar (e matar!) em todas as direções.

Gotas de água e de (alguma) sabedoria


Nos tempos de antanho, cantávamos, em tom de blague, uma bobajota do tipo “Osasco, cidade de Jesus, de dia falta água, de noite falta luz”.

A Lusitana roda, o tempo voa e nesses tempos atuais, cantar-se-ia: “Itabuna, cidade de Jesus, de dia e de noite falta água e a Coelba ainda bota pra f… na conta de luz”.

Não é nem rima nem é solução, porque enquanto uma empresa culpa a outra, a população sofre, sem saber a quem recorrer.

Quem sabe, recorrer aos céus, posto que é a água do chuva quem tem quebrado um galho.

Que São Pedro não nos mande a conta. Já nos bastam as faturas, sempre pontuais, da Emasa e da Coelba.

0-0-0-0

Do ex-governador Paulo Souto, comentando o anunciado apoio do ex-prefeito Fernando Gomes, do DEM, ao pré-candidato a governador Geddel Vieira Lima, do PMDB:

-Acho até que, se ele pensar um pouco, vai entender de que lado ele deve ficar nessas eleições.

Na barafunda em que se transformou a eleição, está aí um conselho difícil de ser seguido, porque é tanta troca de lado que muita gente terá dificuldade de saber em que lado esteve. E até mesmo de que lado está.

0-0-0-0-0

A Santa de Misericórdia de Itabuna está “importando” água de Ilhéus, através de caminhões-pipa, para não comprometer os serviços de hemodiálise, fundamental para centenas pacientes com problemas renais.

E pensar que em tempos não tão de antanho assim, das águas lamacentas dos manguezais de Ilhéus, importava-se mesmo era o caranguejo, iguaria divina quando tratada com a maestria de Zequinha do Katiquero.

0-0-0-0-0

Em Salvador, um grupo de torcedores do Vitória assistiam pela televisão numa churrascaria o jogo contra o Vasco da Gama que, mesmo com a derrota por 3×1, garantiu o rubro negro baiano nas semifinais da Copa do Brasil.

Eis que um grupo de assaltantes entrou no local, invadiu a grande área, embolou o meio de campo e levou dinheiro, bolsas, celulares e relógios. E, suprema maldade, e ainda roubou o televisor de LCD em que as vítimas assistiam ao jogo.

Eram também bons os tempos em que a gente assistia aos jogos de futebol e, vez por outra, apenas o juiz era ladrão.

0-0-0-0-0-0-

Numa jogada de marketing bem sucedida o irreverente bloco Casados I…responsáveis, antecipou seu aniversário de fundação em 60 anos e vai comemorar seu centenário junto com Itabuna.

Há quem ande sugerindo, com igual irreverência, que Itabuna adie as comemorações do seu centenário por 60 anos, para que (sabe-se lá Deus se seis décadas serão suficientes) tenha uma celebração à altura da importância da cidade.

0-0-0-0-0-o

Comercial do Dia das Mães:

Na política, há os que vendem a mãe e não entregam.

Mas, pior: há os que vendem e entregam.

É melhor e mais barato

Tirar uma criança ou uma adolescente das ruas e incluí-los num programa social que garanta educação e atividades de cultura/lazer, custa em média 400 reais por mês para o Governo.

Manter essa mesma criança ou adolescente numa instituição que recebe menores que cometeram ato infracional, custa cerca de 2.400 reais por mês, quase seis vezes mais.

Além disso, não dá nem para comparar um local onde se tem acesso à educação, com uma dessas unidades prisionais que funcionam quase como uma escola do crime.

Há exemplos, de sobra, nas duas situações: as medidas preventivas e as medidas punitivas.

Quando crianças e adolescentes que vivem em situação de risco social são acolhidas em programas desenvolvidos por ONGs em parceria com o setor público, estão menos propensos à marginalidade e à tentação das drogas com tudo que o vício acarreta.

O estudo, o esporte, a capacitação profissional servem como um passaporte à cidadania. São as chamadas medidas de proteção.

Já o adolescente que, muito em função da exclusão social, comete algum tipo de delito e, em vez de medidas socioeducativas é mandado para um centro de atendimento ao menor, quase sempre sai pior do que entrou.

Apesar dessa diferença gritante, não apenas do ponto de vista econômico, mas especialmente sob a ótica social, faltam políticas públicas eficazes no sentido de proteger crianças e adolescentes, que são atirados prematuramente à marginalidade e muitas vezes são cooptados pelos traficantes.

As ruas estão cheias de menores, que deveriam estar na escola ou participando de um programa de inclusão. Sem perspectivas, são levados a cometer pequenos furtos, quase sempre o primeiro degrau na escola do crime. Longe de serem culpados, na verdade, são vítimas de um sistema perverso.

Um sistema que não lhes dá a mínima possibilidade de acesso è educação, ao mercado de trabalho. É como se a pobreza fosse uma espécie de carimbo, a condenação inexorável à exclusão social.

Itabuna e Ilhéus, apenas para ficarmos nos exemplos locais, estão repletas de ocorrências policiais envolvendo menores, muitos deles envolvidos não apenas com o consumo de drogas, o crack principalmente, mas também com o tráfico.

. Excetuando-se os casos de adolescentes homicidas, que não podem ser tratados como inocentes desprotegidos, a maioria esmagadora não teria cometido delitos caso tivesse acesso a uma outra opção de vida.

Trata-se de um problema sério, que precisa ser encarado de frente pelos órgãos públicos, com o indispensável apoio da sociedade organizada.

Cuidar do menor é, na prática, evitar um mal maior.

Muito maior!

VENDE-SE UM SOFÁ


Existem situações em que não dá para se comportar como o marido que pega a esposa com o amante no sofá e. numa atitude drástica…vende o sofá!

É o caso da professora da rede estadual, que ameaçada por um aluno do Imeam, por exigir que ele assistisse às aulas, foi transferida para outra escola.

O que se exige, sim, é um trabalho que coíba a violência nas escolas e garanta que professores possam ensinar e os alunos possam aprender em paz.

CENTENADA


As palavras deste blogueiro (sãopaulino até a raiz dos raros fios de cabelo que lhe restam) aos torcedores corintianos são de consolo, não de escárnio.

Se não deu para ganhar a Libertadores no ano do Centenário, acalmai-vos e esperai: 100 anos passam rapidinho.

Quem sabe no ano do Bi-centenário…

A Mãe e o Monstro


O que leva uma pessoa de classe média-alta e pretensamente instruída a agredir covardemente uma criança de apenas dois anos?

O que leva um ser humano (humano?) a cometer tamanha brutalidade contra alguém frágil, sem condições de se defender e que está despertando para a vida?

O que leva alguém a adotar uma criança abandonada pela mãe e em vez de lhe dar carinho e atenção, a ofende e agride a ponto de deixar marcas em todo o corpo?

Quantas e quantas crianças não são ofendidas, agredidas e molestadas por pessoas que deveriam protegê-las e zelar por elas, até que tenham condições de cuidar da própria vida?

Essas perguntas vem à propósito diante do revoltante caso da procuradora de Justiça aposentada Vera Lúcia Sant’Anna Gomes, de 57 anos.

Vera Lúcia, que mora num bom apartamento, desfruta de confortável situação financeira e é daquelas pessoas que, quando encontramos na rua podemos apontar como “respeitável senhora”, tinha um lado obscuro, que se revelava entre quatro paredes.

Na intimidade do lar, Vera Lúcia agredia, de forma covarde e sistemática, uma menina de dois anos e dez meses, que estava sob sua guarda provisória, em processo de adoção.

De acordo com empregadas que trabalharam na casa da procuradora aposentada, a criança era vítima de agressões verbais e de espancamentos freqüentes. Os laudos da polícia confirmam a pancadaria: a menor tem marcas nos braços, nas pernas e no rosto.

Os olhos da menina, de tão inchados, mais se parecem com os de um boxeador exposto à fúria de um adversário mais forte.

No caso da criança, esse adversário – forte, brutal, terrivelmente agressivo- era alguém que ela estava aprendendo a chamar de “mãe”, mas talvez fosse mais apropriado chamar de “monstro”.

Abandonada pela mãe biológica, agredida por aquela que se oferecia como a mãe adotiva e redentora, a criança terá que passar por um penoso processo de acompanhamento multidisciplinar, para evitar traumas que podem comprometer o seu desenvolvimento físico e mental.

Para que possa receber carinho sem se assustar com medo de, em vez do afago, vier o tapa, a pancada, a dor.

Que mundo é esse em que uma criança é exposta à tamanha barbárie?

A resposta para essa e tantas outras perguntas em situações que nos igualam ao mais irracional dos animais, talvez não esteja no vento.

Talvez esteja em cada um de nós, numa sociedade que despreza o ser o valoriza o ter. Que despreza valores morais e prioriza as coisas materiais.

Soa meio ingênuo, mas em parte explica porque existem por aí tantos demônios a massacrar anjos indefesos…

A pátria sem chuteiras


Em outros tempos, ano de Copa do Mundo era só futebol e mais nada. A Seleção Brasileira catalisava as atenções e o país parecia se unir e se vestir de verde amarelo.

Era como se a pátria calcasse chuteiras e entrasse em campo para jogar com os craques, em busca de mais uma taça.

A seleção dominava as conversas e num país onde quase todo mundo se julga técnico de futebol (e de seleção ainda por cima!) cada um tinha o time de sua preferência.

Que por sinal, quase nunca era o do técnico que, de fato, comandava o time canarinho.

Canarinho? Está aí um termo em desuso, daqueles tempos de “a taça do mundo é nossa, com o brasileiro não há quem possa” ou do “todos juntos vamos, pra frente Brasil, salve a seleção”.

Hoje, de tão banalizada e comercializada como se fosse um reles produto, a seleção brasileira perdeu parte de seu carisma.

Como virou negócio, jogadores de talento duvidoso -ou, fora de dúvidas, sem talento algum- passaram a vestir o manto outrora sagrado (outro termo fora de moda), apenas para serem negociados a peso de ouro.

E a Copa do Mundo, embora continue sendo o maior evento esportivo do planeta, já não desperta tanta atenção. Ou, pelo menos, não provoca a mesma mobilização de antes.

Exemplo disso é que, faltando pouco mais de um mês para o início do Mundial na África do Sul, se existe o tal “clima de Copa” ele se limita à propaganda, em que as empresas se engalfinham para associar suas marcas à Seleção Brasileira, pagando caro por isso, obviamente.

Nas ruas, ainda não se vê aquela profusão de verde-amarelo, nem o torcedor discutindo se o time de Dunga tem chances ou não de conquistar o hexacampeonato.

Até a recente discussão sobre a convocação de Neymar e Paulo Henrique Ganso, jovens promessas do Santos, soa artificial, alimentada que é por setores de mídia.

Não é motivo de acaloradas discussões, como em 1978 foi a não convocação de Falcão, e num passado mais recente, em 1998 no clamor por Romário, que também não foi ao Mundial.

Ganso, mais do que Neymar, merece uma vaga na Seleção, mas se não for convocado, no máximo Dunga será taxado de “burro” se não ganhar a Copa. Do mesmo modo que será taxado de “burro” ser perder com Ganso no time.

O que não muda é que, perdendo o título, o treinador é que paga o pato.
Imagina-se com a aproximação da Copa, o Brasil entre no clima e volte seus olhos para a Seleção, porque o futebol é uma paixão entranhada na alma do brasileiro.

De qualquer forma, é bom que o futebol, mesmo apaixonante, seja apenas um jogo.

Onde se ganha, se empata ou se perde.

E o mundo não acaba por isso…

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
agosto 2017
D S T Q Q S S
« jul    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031