hanna thame fisioterapia animal
festival chocolate bahiagas universidade lasalle coronavirus 155 livros do thame

Heróis dos quadrinhos despertaram o olhar do menino sonhador que se realiza como professor

olharO cheiro da graxa se misturava com os sons de peças automotivas que se encaixavam em busca de um conserto perfeito. Na oficina, os olhos do mecânico Gerson brilhavam ao ver o filho Edielson Brito do Carmo rabiscando com um leve graveto o seu nome, letra por letra, grafada no chão de barro vermelho. A escrita do menino encantava o pai, que sabia desde sempre que o destino da sua cria estava longe da mecânica e seu caminho seria aprender e ensinar.

Na infância, as aulas e livros didáticos tradicionais não encantavam Edielson, que encontrou na linguagem dos quadrinhos os primeiros heróis e narrativas. Através de histórias do X-Men, Homem Aranha, Capitão América, Batman, da Tropa Alfa e Liga da Justiça, o menino nascido em Ruy Barbosa, porém criado sob o sol de Itaberaba, desenvolveu o hábito pela leitura e logo se encantou pelos livros.

“Não gostava de estudar, acredita? Com o tempo, isso mudou. Através dos quadrinhos, mergulhei no universo criativo e descobri muito sobre a vida. Os enredos bem elaborados não ficavam somente na luta maniqueísta entre o bem e o mal. Assuntos sérios eram tratados. Existencialismo, finitude, filosofia e mitologias eram assuntos recorrentes. Aprendi muito, foi uma verdadeira formação de caráter. Gostava de ler, passava um tempo procurando meios de comprar revistinhas e, de repente, já estava lendo livros clássicos”.

Com o tempo, o menino começou a perceber uma afinidade com Português e História e já no Ensino Médio viu seu horizonte ser ampliado. “Tinha facilidade de guardar na memória os assuntos, fruto dessa relação de leitura dos quadrinhos. Então, pensei em fazer faculdade. Alguns professores tiveram um papel importante, mas meu irmão mais velho era uma referência. Jodelson passou no vestibular e trazia livros da faculdade. Foi aí que comecei a ler Paulo Freire com o livro “Pedagogia do Oprimido”, depois “O mundo de Sofia”, de Jostein Gaarder. Fui tragado pelas leituras e percebi que amava transitar no mundo da literatura”.

Ao terminar o Ensino Médio, tentou o vestibular na Universidades do Estado da Bahia (UNEB) para História e foi aprovado. Na época, trabalhava à noite em um hotel, como recepcionista, e estudava à tarde. Entre um cliente e outro, seu olhar se debruçava na recepção e buscava o conhecimento acadêmico. Casado e com um filho pequeno, Edielson vivenciava um ambiente de trabalho permeado com a história de clientes que por ali passavam e davam ao filho do mecânico Gerson mais um desafio: encontrar tempo para estudar e concluir seu curso. Ele recorda que o trabalho de conclusão de curso foi desenvolvido nas noites mal dormidas no hotel, onde os livros se misturavam com as fichas dos clientes.

“A academia me deixou apaixonado. Até então, o conhecimento era o verdadeiro atrativo. Mas, após o estágio e os primeiros contatos com as salas de aula e alunos, as coisas começaram a fazer sentido. Sentia que podia colocar em prática aquilo que estava conhecendo na teoria e foi ali que nasceu essa relação de troca com os estudantes, da qual tenho orgulho. A vontade de ensinar e transformar vidas me dava energia para continuar”.

Na sala de aula, o menino que aprendeu a estudar nos quadrinhos descobriu que, assim como os heróis da sua infância, ele também tinha uma missão: formar cidadãos críticos. “Sinto como se fosse o Morfeu do filme Matrix e ofereço aos meus estudantes a opção de escolher entre a pílula azul ou a vermelha. Nem sempre eles escolhem refletir e observar o cotidiano com outros olhos, mas quando isso acontece sinto que meu esforço vale a pena. Às vezes, a mudança é sutil, alguns me procuram e pedem indicações de livros, querem debater sobre um tema e percebo que despertam o interesse para os estudos e um olhar para o mundo diferenciado . Isso, sim, me faz feliz”.

Há quatro anos como professor de História do Estado, Edielson trabalha no Centro Territorial de Educação Profissional (CETEP) – Piemonte do Paraguaçu I, colégio onde caminhou como estudante. “Certa vez, um professor me disse que o conhecimento não era para ficar guardado, que precisávamos passar a frente também como forma de retribuição social. Ao olhar para os alunos, em que cada um possui uma realidade marcada por injustiças, falta de projetos e, às vezes, até a ausência de sonhos, sinto na pele que o meu maior propósito é contribuir para a formação do sujeito senhor de sua fala, pensando por si mesmo, sem que seja facilmente manipulado. Quero contribuir para que esse aluno possa ter o direito de escolher o seu futuro, dentro das motivações e habilidades. Isso me faz um professor”.

Imprimir Imprimir | Enviar Enviar

Dê seu voto:

One Response to “Heróis dos quadrinhos despertaram o olhar do menino sonhador que se realiza como professor”

  • Efson Batista Lima disse:

    Que linda história de vida! Uma crônica da vida diária de ser baiano e brasileiro. A educação transforma, provoca e inquieta. Que assim seja e continue a ser.

Leave a Reply

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
outubro 2021
D S T Q Q S S
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31