hanna thame fisioterapia animal
universidade lasalle coronavirus 155 livros do thame

Archive for setembro 18th, 2021

Viajar: conhecer o mundo para além dos muros da escola

Ilhéus ( foto Fabiola Paes Leme)

Baia do Pontal,  Ilhéus ( foto Fabiola Paes Leme)

Anna Lívia Ribeiro

liviaDesde o início dos tempos, o ser humano teve diferentes motivos para se deslocar. Mesmo antes de nós nos entendermos por humanidade, desde a época pré-histórica, há registro de deslocamentos dos nossos ancestrais humanos, isso é algo natural: várias espécies animais também realizam essas mudanças de lugar esporadicamente, de acordo com o clima, com a disponibilidade de alimentos, etc.

 

O que nem todos sabem é que o turismo já nasceu pedagógico. Sabe-se que no século XVII ganha força o costume de mandar, apenas, os jovens aristocratas ingleses para fazerem um Grand Tour, pela Europa, ao final de seus estudos. O objetivo das viagens dos cavalheiros de então era complementar sua formação, adquirir certas experiências, educar e refinar os seus costumes sociais.

 

Turismo e Educação são duas áreas semelhantes que estabelecem correlação espaço/cultura e a prática turística constitui-se processo essencialmente pedagógico de aprendizagem constante, englobando diversas áreas do conhecimento.

 

Como atividade educativa,  o turismo é uma valiosa oportunidade de promover o aprendizado para além dos muros das escolas, permitindo que os estudantes levantem hipóteses, descubram novos conhecimentos e vivenciem na prática o que aprenderam nesses espaços.

 

Permite que eles entrem em contato com certas dimensões da realidade que não estão nos livros. In loco, buscam significado para o que observaram e o relacionam com fatos já estudados desenvolvendo habilidades importantes para a sua formação integral.

 

Quando digo escolas, estou dizendo que qualquer instituição de ensino pode realizar as viagens pedagógicas, inclusive o ensino superior. Turismo e Educação constituem-se em uma fonte de enriquecimento cultural e pedagógico que proporciona aos estudantes uma vivência única aonde poderão construir e reconstruir as imagens e percepções que têm da paisagem local, conscientizando-se de seus vínculos afetivos e de identidade com o lugar no qual se encontram inseridos.

 

Há sempre o que se aprender em uma viagem. E, quanto mais curioso for o viajante, mais conhecimento ele traz das suas andanças, mesmo aquelas que sejam feitas nas ruas do seu bairro.

 

É importante dizer que as viagens pedagógicas devem fazer parte de um projeto de turismo educacional sistematizado e estratégico da escola.

 

Você sente que está na hora de vivenciar novas experiências para ampliar o olhar e interagir com outras formas de educar?

—————

Anna Lívia Ribeiro é  Ilheense, Mãe, Avó, Pedagoga, Especialista em Educação Infantil, Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, Graduanda em Gestão em Turismo, Agente de Viagens.

Mario Dutra e a arte como expressão do amor

 

mario dutra 4

Quero apresentar o artista plástico Mario Dutra, de Goiânia,  um talentoso e sensível artista que domina muito bem o desenho, participou do projeto ARTE É…Guerreiro e amante da Arte.

MARIO DUTRA 1

1 . Nos fale um pouco sobre Mario Dutra  como artísta plástico:

Resido em Goiânia-GO, . Comecei meu relacionamento com a arte ainda muito pequeno, após perder o meu pai, aos 6 anos. Eu passava horas e horas desenhando e colocando no papel boa parte dos meus sentimentos, o que fiz com frequência até a adolescência.

Na vida adulta, o dom foi esquecido e deixado de lado, poucas vezes peguei em um lápis para esboçar algum desenho e somente aos 45 anos, Em 2012 criei coragem, e expus na Assembleia Legislativa de Goiás, onde pela primeira vez pude mostrar meu trabalho: “Despertando para a Arte”. Mas foi em 2018, ao abrir uma loja de Molduras e conhecer Artistas goianos, como Walterdan Guedes, Aparecida Felipo e outros, que passei a receber convites para participar de projetos da AGAV, Associação Goiana dos Artistas Visuais. Dentre outros projetos pessoais e também de curadoria de outros artistas.

 

“LABUTA”

mario dutra 3

2. Fale um pouco sobre seu trabalho artístico, ou sua Arte:

Para mim ARTE é vida, é a forma como eu me relaciono com a arte desde criança. Tive uma evolução bem rápida por que a Arte já está em mim desde criança. Me profissionalizei a partir dos 45 anos, quando eu assumi ser artista foi para sobreviver mesmo, manter minha familia.. Então eu tenho a arte como vida em todos os sentidos.Gosto muito de fazer figuras humanas.

mario dutra 2

3. Mencione um fato curioso curioso envolvendo sua arte.

No aniversário da minha esposa, desempregado e sem dinheiro, resolvi pintar uma tela para presenteá-la. Essa foi a “porta aberta” para, voltar a minha pintura, outrora estagnada.  Os elogios me motivaram e comecei a pintar, vender e até rifar telas entre amigos para suprir algumas necessidades na família, às vezes, até mesmo de alimentos.

“LEÃO DE JUDÁ”

mario dutra 5

4. Você participou recentemente do projeto ARTE É… O que acrescentou em sua carreira artística e qual trabalho foi apresentado?

Para mim foi uma grande honra participar desse projeto tão bem elaborado e com a participação de artistas tão especiais. Agradeço a oportunidade. O trabalho que produzi de forma exclusiva para exposição foi “ARTE É VIDA”

mario dutra 5

 Esse trabalho expressa a beleza da arte relacionada à beleza da vida, do existir. Expressa o amor puro, verdadeiro, comprometido e zeloso. Representa a pureza primitiva da alma que devemos sempre buscar, todos os dias em nossas orações. Arte é vida, é expressar-se de forma simples ou sofisticada, refinada ou grosseira, mas expressar-se.

5. Divulgação de redes e contato:

Instagram: https://instagram.com/mariodutraar?utm_medium=copy_link

Comentem, curtem, compartilhem essa matéria. a Arte agradece, e eu também!

 

Facetas do Brasil, de Tatiana Fonseca

 

tatiana fonsecaOscar D’Ambrosio

Entender o que é o Brasil é um desafio nas mais variadas áreas do conhecimento. Não é diferente nas artes visuais. Mergulhar nas raízes nacionais constitui uma jornada de possibilidades, inclusive pela diversidade de aspectos que podem ser tratados em uma jornada de interrogações.

Tatiana Fonseca mergulha nessa proposta com algumas características imagéticas. Uma delas está na maneira como lida com a cor. As tonalidades intensas desvendam um caminhar pictórico que vai desse o carnaval a bares e desde o cangaço a às vendedoras de quitutes. Surge assim um retrato que não se propõe a ser exaustivo, mas sim representativo.

A presença de mulheres é muito importante nas telas, passando pelas mais variadas profissões. Elas surgem como protagonistas, com toda a coragem necessária para se impor em uma sociedade ainda machista. Em termos de pintura, são protagonistas fortes e decididas que desempenham diversos papeis, passando a imagem de que sabem o que querem fazer e dizer.

A identidade nacional surge das mais diversas maneiras, em atmosferas em que a alegria se destaca. Existe diversidade na maneira de mostrar a sobrevivência e a vivência, numa interação com diversos ambientes. O essencial está em manifestar como a pintura pode traçar um percurso vivencial mostrando a riqueza das múltiplas facetas de um país.

 

oscar 2

Oscar D’Ambrosio é Pós-Doutor e Doutor em Educação, Arte e História da Cultura, Mestre em Artes Visuais, jornalista e crítico de arte.

Vamos falar sobre a Resiliência

resliencia

Cleide Léria Rodrigues

 

cleide leriaSituações difíceis podem surgir na vida de qualquer pessoa. O que diferencia é como elas reagem a tais eventos.  A resiliência está em receber os impactos da rotina e ter a capacidade de vivenciar momentos de formas mais adaptadas , com os fatos.

Ser resiliente envolve administrar os sentimentos quando o controle das situações está fora do seu alcance.

Trata-se de saber reconhecer as emoções e o efeito que elas causam na sua mente e no seu corpo afetando a sua rotina. Trata-se também de reconhecer seus limites. Assim , o sujeito poderá canalizar seu potencial , adquirir mais conhecimento e aumentar se desenvolvimento e experimentar mais saúde emocional.

Vou te passar 6 comportamentos que são comuns em pessoas resilientes e talves possa te ajudar a se observar e aprender e talvez sirva para você ajudar alguém próximo levando o conhecimento compartilhado.

São esses:

Pessoas resilientes possuem mais Flexibilidade diante de situações, não costumam ser impulsivas , pwnsam em possibilidades e são mais positivas.

Pessoas resilientes Concentram-se mais na lição que pode ser aprendida do que no fato em si.

Pessoas resilientes Não ficam apontando culpados ou assumindo responsabilidades que não são delas,reconhecem mais facilmente seu lugar e deixam com o outroxo que cabe ao outro.

Pessoas resilientes Favorecem conexões saudáveis, soltam o que não faz bem sem acusações e exclusões, incluem mais e se permitem ser incluídas também.

Pessoas resilientes Pedem ajuda com autorresponsabilidade,autorrespeito.

Pessoas resilientes são Gratas , e sempre se põe no lugar do outro .

E aí você se considera uma pessoa resiliente?

Se quiser aprender a psicoterapia é um bom meio de aprendizado e assim você vai conectar de maneira mais resiliente com as pessoas  e com a vida , si tornar uma pessoa mais leve e feliz.

Cleide Léria Rodrigues  é  Psicóloga Clínica  – CRP03/18383.

Câncer em pets

fotos CEV (6)

Hannah Thame

Estes sintomas podem indicar que seu pet tem câncer

O sucesso no tratamento oncológico depende do período em que a doença é descoberta.

Isso mesmo Amados, quanto mais cedo o câncer for identificado maiores as chances de cura!

Muitas das vezes, você pode achar que não é nada, mas aquele sinalzinho, caroço ou vermelhidão é o início da doença.

Por isso, visitem o médico veterinário. Nós temos os olhos e o tato treinados para identificar tumores entre outras doenças.

pets c 1pets c 2pets c 3pets c 4pets c 5

Irmão Sol, Irmã Lua

Daniel Thame

 

dt chapeuEle era trabalhador rural numa fazenda em Canavieiras, cidade que era o limite de seu mundo e para onde ia, todos os finais de semana, fazer a feira, composta de arroz, feijão, farinha, óleo, açúcar, sal e, de vez em quando, jabá, fato e chupa-molho.

Além, é claro, da garrafa de cachaça.

Ela era mulher de um trabalhador rural em Ipiaú, cidade que era o limite de seu mundo e para onde ia, todos os finais de semana, orar no culto na igreja evangélica que lhe oferecia o céu como compensação para a vida dura na terra.

 

Orava pela saúde do marido, cujo trabalho garantia o sustento da família, e por um futuro melhor para os três filhos.

Se essa fosse a vontade de Deus…

Quando vieram os sinais de que a crise provocada pela vassoura-de-bruxa era pior do que se imaginava, ele foi despedido da fazenda e mudou-se para Camacan, onde conseguiu um emprego de gari na prefeitura.

Como a bruxa não tinha limites e se alastrava por toda a região, o marido dela também perdeu o emprego. Tão logo chegaram a Ubaitaba, para onde se mudaram, ela conseguiu um emprego de doméstica. Meses depois, o marido a abandonou e sumiu no mundo, deixando-a sozinha com três crianças para cuidar.

Quando a prefeitura de Camacan, abalada pela decadência da cidade e com a arrecadação despencando, teve que demitir funcionários, os apadrinhados foram mantidos, ele, pobre gari, perdeu o emprego.

Foi tentar a vida em Itabuna, onde passou a viver de pequenos bicos e morar num barraco no Maria Pinheiro, bairro paupérrimo nas fraldas da periferia da cidade.

Em Ubaitaba, a patroa, empobrecida pela crise, não teve como manter a empregada. Penalizada, ainda deu o dinheiro para a viagem até Itabuna, o máximo aonde aquela pobre mulher poderia ir.

No mesmo bairro Maria Pinheiro, montou um barraco, misto de papelão e restos de madeira, e passou a trabalhar como lavadeira, ganhando o pão com o suor do seu rosto banhando as águas do Rio Cachoeira.

Os dois se cruzaram quando ele voltava do centro da cidade, onde acabara de ganhar 15 reais para limpar um terreno, e ela levava na cabeça uma imensa trouxa de roupas.

Ele se ofereceu para ajudar, ela aceitou.

No barraco, ele aceitou o café ralo que ela ofereceu.

Sorriram, escancarando os poucos dentes daquelas bocas que, na sequência, trocaram o primeiro beijo.

Dias depois, estavam morando juntos, dividindo a mesma cama sob um teto cheio de buracos em que, nas lindas noites de verão, podiam contemplar estrelas, distraídos.

A bruxa, que tantas vidas havia tragado, tantas tragédias pessoais e coletivas havia causado, abençoou aquele encontro mais do que improvável.

Virou, ainda que por linhas tortas, uma fada.

E eles, que nunca tiveram nada, juntaram o pouco que agora tinham e foram felizes para sempre!

——
Conto extraído  do livro  “Vassoura”- a história que Jorge Amado não viveu pra contar- Editora Via Litterarum

Prefeitura realiza exame de RT-PCR para evento teste em Itabuna

testeA Prefeitura de Itabuna, através da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC) e das secretarias de municipais de Saúde, Segurança e Ordem Pública e de Indústria, Comércio, Emprego e Renda, realizou nesta sexta-feira, dia17, a testagem de RT-PCR nos participantes do evento-teste, que será realizado no espaço de eventos Terceira Via Hall, a partir das 16 horas de amanhã.

O teste detecta o Covid-19 e é um dos pré-requisitos para o acesso aos shows. Além disso, será uma forma de o município avaliar a possibilidade de flexibilização das festas com mais de mil pessoas. “Estamos fazendo tudo com responsabilidade para liberar esses eventos de forma gradual, com protocolos que empresários e consumidores possam cumprir”, frisou , presidente da FICC, Aldo Rebouças.

Read the rest of this entry »

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
setembro 2021
D S T Q Q S S
« ago   out »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930