WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
hanna thame fisioterapia animal

universidade lasalle livros do thame




Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

março 2021
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  


:: 27/mar/2021 . 10:13

Salua Saleh, a arte e o universo feminino

salua (2)

 

Daniel Thame

Salua Saleh nasceu em Barrinha, SP, Brasil, em 1958, é descendente  de libaneses  e tem na arte a sua força de expressão. Formada em  Administração Hospitalar na UNAERP de Ribeirão Preto – SP e pós-graduação na Universidade São Camilo – SP, ela viveu vários anos em São Paulo, depois Londres, Arraial d’Ajuda (Porto Seguro) – BA,  Norte da Itália e hoje vive entre o Brasil na cidade de Ribeirão Preto e  a Itália.
salua (3)

Salua é uma artista autodidata, que começou  a pintar em 1999, com forte inclinação para a arte figurativa e foco na figura feminina e muito influenciada através de estudos dos mestres Matisse, Klimt, Frida Kahlo, Modigliani, Munch, os quais a estimularam em sua pesquisa técnica expressiva.

salua (6)
A escolha temática da artista dialoga aspectos afetivos e emocionais internos com resultado de cenas do cotidiano, de questões sociais e do inquietante mundo em que vivemos, como cenas de guerra e preconceitos raciais utilizando cores fortes.
salua (8)

Salua utiliza em suas pinturas tinta acrílica e tinta óleo  e  é  amante de viagens à lugares inusitados de onde também retira inspirações para alguns de seus trabalhos.
salua (7)

A artista também trabalha com a abstração, explorando sua consciência energética. ‘’ Minha alma inquieta, por necessidade emocional me fez iniciar a pintar. Sentia um movimento dentro de mim e imaginava-me pintando várias imagens que se formavam em minha mente”, diz a artista.
salua (1)
De acordo com Salua, “ o impulso vem acompanhado de certa ansiedade: enquanto preparo pinceis e escolho as cores, sinto um vendaval interno. Busco as cores cm urgência e minha mão inicia meio sem rumo, mas, ao mesmo tempo, com a certeza de cada movimento.”  “Como se fosse um transe, as emoções estão em minhas mão. e que conhece o caminho para a minha libertação,’’ ressalta a  artista, que também  é mosaicista e artesã.

salua (9)

Seus trabalhos estão  expostos em Berlim, Nova York, Cleveland, Londres, Líbano, Itália, Grécia e Brasil. A  artista participou de várias exposições coletivas e individuais no Brasil e na Itália.

 

Instagran

@saluasaleh_artgallery

Série “21 obras do século 21” (5): “Série Clowns” (2003 – 2005), de Cindy Sherman

5 - palhacos de cindy sherman-MOMA

Oscar D’Ambrosio

O calendário cristão teve início no ano 1 depois de Cristo porque não houve o ano zero. Portanto, o século 21 não começou em 2000, mas em 2001. As décadas, em consequência, começam no ano 1 de cada uma delas. Esta série vai enfocar brevemente 21 obras de arte do século 21, de 2001 a 2021.

Cindy Sherman (EUA, 1954) transformou autorretratos fotográficos em manifestação artística antes do termo selfie existir. Ela usou roupas, próteses e maquiagem para criar personagens muitas vezes exagerados ou grotescos. A Série de fotos “Clowns” (2003 – 2005) explora os sentimentos que podem estar atrás do rosto pintado de um palhaço.

A ideia de alguém desempenhar diversos papeis para divertir, mesmo que esteja melancólico, permeia a série. Cindy assume diversas facetas do personagem, fotografado em frente a uma tela verde com um fundo renderizado digitalmente. Em “Sem título # 413”, surge uma enigmática imagem desfigurada, para a qual maquiagem, máscara e a roupa são essenciais.

O palhaço usa uma jaqueta bordada com o nome “Cindy”, alusão ao fato de a artista, ao contrário da maioria dos seus trabalhos, não estar explicitamente na cena. Ela desaparece, perdendo a identidade perante a personagem. Os trabalhos, pioneiros no amplo uso da artista de manipulação por computador, apresentam personagens plenos de mistério.

oscar 2

Oscar D’Ambrosio é graduado em Jornalismo pela USP, mestre em Artes Visuais pela UNESP e doutor e pós-doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie.

Saúde Emocional das Mulheres

saude emocional

Cleide Léria Rodrigues

cleide leriaEstamos passando por uma crise sanitária e política, e diante de todos esses acontecimentos, como fica a nossa saúde emocional?

Nisto, para as mulheres está sendo mais difícil pelo fato delas estarem sobrecarregadas de tarefas diárias. Onde elas trabalham fora e cuidam dos afazeres domésticos, dos filhos, do esposo e de outros familiares que convivem no mesmo ambiente.

Então, porque nós mulheres nos sentimos tão cansadas?

O cansaço é o elemento que faz parte do ciclo natural da vida.

Após as atividades normais do cotidiano, geralmente nosso corpo experimenta uma sensação de baixa energia e temos a necessidade de recarregarmos nossas baterias e repor o nosso estoque de disposição para recomeçar um novo dia.

Porém, em alguns momentos, esse ciclo se repete, e por motivos diversos não conseguimos relaxar ou diminuir os níveis de cansaço. E com isto, o acúmulo em nosso organismo acarreta muitos prejuízos para com a nossa saúde emocional e física.

Portanto, se não dermos importância a isto e buscar um cuidado correto e não tentar revertermos esta situação, podemos chegar a níveis de altos de estresse que eleva a ansiedade e assim pode vir a desencadear um quadro depressivo por esgotamento psicológico e cansaço físico.

Muitas mulheres, as vezes, provém de acúmulos de funções e tarefas em excesso, são pensamentos conflituosos, preocupações e estas questões acabam afetando o emocional das mulheres por elas se sentirem mais vulneráveis e susceptíveis dentro desta sociedade ainda machista.

E como podemos encaminhar e solucionar este problema?

:: LEIA MAIS »

Como encontrar estabilidade no desequilíbrio

Basia Piechocinska

basia pier 6 (foto Ana Lee)Não é fácil encontrar equilibro na dualidade da vida. Este mundo é cheio de contrastes, extremos opostos, coisas que gostamos e odiamos, coisas boas e ruins, há altos e baixos, exaltação e depressão, amor e medo. Parece que o nosso trabalho é de navegar entre esses extremos, procurando o equilíbrio.

Quando toda nossa existência está investida neste jogo entre os dois extremos os altos ficam cegamente altos e os baixos cegamente baixos. Quando estamos nos altos nos sentimos invencíveis e nos baixos como se este fosse o fundo de tudo, sem nenhuma esperança de mudar. Raramente conseguimos manter uma visão ampla e entrar em contato com a nossa sabedoria.

É este o nosso lote na vida? Ou existe alguma forma de mitiga-lo?

b píe (1) 999Existe sim. E a notícia boa é que ninguém pode arrancar a ferramenta de mitigação de você. Você só precisa começar usa-la. Ela é como uma terceira perna. Deixe-eu explicar.

Imagine uma cadeira com duas pernas. Ela fica muito instável. Qualquer ventinho a faz cair. Ela é como nos quando operamos só com a dualidade, com os dois extremos. Agora, imagine que acrescentamos mais uma perna a esta cadeira. De repente a cadeira não sucumbe mais aos ventinhos, nem aos ventos. Ela continua equilibrada, estável. Será que podemos encontrar uma terceira perna para ajudar equilibra-nos? Pois é. Já a temos.

:: LEIA MAIS »





WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia