hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Archive for janeiro 5th, 2019

Artes & Artistas

Juraci Masiero Pozzobon

A Dama das Flores

ld 5

Já com maturidade, o desenho e a pintura afloraram em Lourdes de Deus. O meio em que vive, vejo então, o interesse maior pela arte. Seu estilo naif, Lourdes abraçou todo esse pensamento e colocou em prática sobre tela nua. Foi com total liberdade e rigor próprio, que vinha em sua mente toda a produção artística.

ld 1

Todo esse manifesto interior colorido surgiu em Goiânia em 1991, sua primeira participação foi em Piracicaba com uma obra na Bienal com Pierrôs, entrou como selecionada no grupo.

Lourdes começou a pintar sozinha com traçados curtos e finos, com geometrias desconsertadas, sem o óbvio.

ld 2

O brilho do observador, mesmo não tendo o formalismo dos personagens deixa a clareza de uma linda história, ele procura dominar a leitura desconhecida para o real.

Lourdes de Deus é autodidata e obedece aos olhos e o coração do espectador, dando cores, detalhes abundantes e total autonomia emocional.

Inspirada quase sempre em grupos, multidão é uma marca registrada nos trabalhos, como suas delicadas flores, levando o nome de “A Dama das Flores”.

ld 3

Os temas de Lourdes têm historia variadas, festas juninas, carnaval, futebol, procissões, danças regionais, política e crenças. Destaca também em suas criações, vilarejos, com casas, igrejas, vendinhas, animais para o trabalho do homem, o trem ou Maria – fumaça, ruas sinuosas repletas de personagens religiosos e ao mesmo tempo um colorido que faz as orações se vigorarem.

Quando pinta ela se entusiasma relembrando a menina lá do interior de Pernambuco, provando a sensibilidade que permanece dentro do coração, o seu delírio de infância e a vida campesina.

ld 4

Lourdes de Deus tem um currículo farto de exposições individuais, coletivas, nacionais, internacionais e participações em Bienais. Muitas de suas obras estão nas mãos de amigos colecionadores e editores para a didática educativa.

Lourdes vai estar no Espaço Cultural do Tribunal Superior do Trabalho, 25 de setembro 2017 no Distrito Federal em Brasília.

 

                                                    Juraci Masiero Pozzobon é artista plástica e agitadora cultural

O Coração que ama, sente e pensa!

Eulina Lavigne

 

eulina lavigneDesde os anos 90 leio a respeito de pesquisas que estão sendo realizadas sobre o coração e que muitas coisas serão ressignificadas quando as mesmas forem reveladas.

Em 1998, Paul Pearsaall, Ph.D, especialista em psiconeuroimunologia, e estudioso da relação do cérebro, o sistema imunológico e nossa experiência do mundo exterior, revelou em seu livro A memória das células – a sabedoria e o poder da energia do coração, que o coração é mais do que apenas uma bomba; ele rege a sinfonia celular que é a própria essência do nosso ser.

Segundo ele existe um código do coração, uma energia sutil que ele denominou energia “V”, que está registrado em cada célula do corpo e esta memória é reativada como se a nossa alma nos enviasse informações.

cuorePortanto, o nosso cérebro vai deixar de reinar e perder a sua cadeira cativa, se achando o “rei do pedaço”, que impõe as suas vontades, nos dá ordens, nos apressando, gerando tensões e ansiedades e por vezes nos adoecendo.

Pearsaall nos chama à atenção sobre a guerra existente entre o cérebro e o coração e que é preciso ficarmos atentos e sermos fortes para resistir a tantas manobras que o cérebro vem criando por meio de extensões de si mesmo, como aparelhos celulares, computadores, sistemas rápidos de comunicação. Nós não somos apenas um cérebro. Temos um coração que sente e pensa.

Read the rest of this entry »

Foto José Nazal

Prédio do SENAI, no bairro do Salobrinho, em Ilhéus, mais novo equipamento de educação que integra a "Estrada do Conhecimento", onde já estão a UESC,CEPLAC, IFBa e está sendo construída a reitoria da UFSB.

Prédio do SENAI, no bairro do Salobrinho, em Ilhéus, mais novo equipamento de educação que integra a “Estrada do Conhecimento”, onde já estão a UESC,CEPLAC, IFBa e está sendo construída a reitoria da UFSB.

Os galos e os holandeses

 

Gerson Marques

gerson marquesO galo de Manoel Ascanio  cocoricou três vezes, era o arauto do Sol, o título mais imponente na hierarquia do mundo dos galos, era dele a primazia de inaugurar o dia, status conseguido ao longo de muitos anos, madrugada após madrugada, até ter o peito forte e a garganta afinada para impor seu carcarejar[g1] , e ser respeitado pela galaiada da Vila.

O galo da viúva Maria Dolores, alguns quintais depois, era sempre o segundo, fazia a contra resposta ao primeiro e chamava o seguinte, assim, galo após galo e cada vez mais distante  todos cumpriam seu papel de tecer o amanhã.

O arauto reinava de cima do galho mais alto do pé de araçá, no quintal de Manoel Ascanio, atento ouvia orgulhoso tempos depois a resposta do galo mais distante, lá pelos quintais da ilha dos sapos, ai então, começava tudo novamente.

Pronto, estava decretado o fim do silêncio da alta madrugada, agora já era  boca do amanhecer,  quando nossas vistas ainda ver tudo escuro  mas os galos, com olhos de galos já enxergam os primeiros raios do sol em um horizonte que ainda nem existe.

Contrariado, Manoel Ascanio levantou da tarimba meio cambaleante, arrastou os pés no chão frio de terra batida, caminhou com dificuldade no escuro em direção a porta do fundo que não passava e um pano velho, seguiu em meio do mato manso do quintal até debaixo do pé araçá, deu bom dia pro galo, baixou as calças e começou a mijar, lembrou do tenebroso sonho que teve há pouco, a morte lhe chegava sem avisar na forma de fogo e ferro, partia seu corpo em milhares de pedaços e sua alma atordoada não sabia para onde ir, tudo tão rápido como piscar dos olhos, teve medo e frio, com esforço afastou o pensamento ruim da cabeça e lembrou dos tempos de criança, nos anos da invasão dos sapos, quando mijava ali mesmo debaixo do pé de araçá, derrubando um por um com seu mijo de rapaz sadio, te tanto praticar desenvolveu uma técnica de lançar jatos intermitentes e fortes como uma bala de canhão, sorrio em silêncio quando comparou com seu mijo fraco e gotejando do homem velho que se tornou,  estava absorto nestes pensamentos urinários quando ouviu um barulho tão forte como o fim do mundo.

Read the rest of this entry »

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
janeiro 2019
D S T Q Q S S
« dez   fev »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031