hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

shopping jequitiba

Diabetes em pequenos animais

Dra. Hannah Thame

 

HT 2Diabetes mellitus é uma das endocrinopatias mais comuns nos cães e pode ser fatal se não for diagnosticada e adequadamente tratada. A deficiência de insulina que ocorre no diabetes mellitus é resultado da incapacidade do pâncreas em secretar insulina, conhecida como diabetes mellitus insulinodependente, ou tipo 1 e/ou de ação deficiente da insulina nos tecidos , também chamada de diabetes mellitus não insulino dependente, ou tipo 2.

A etiologia do diabetes mellitus é multifatorial, ou seja, pode ser ocasionada por diversos fatores que predispõem ao desenvolvimento da doença, sendo os mais importantes: pancreatite, obesidade, infecções, doenças intercorrentes (insuficiência renal, cardiopatias), administração prolongada de fármacos, como glicocorticoides, hiperlipidemia e predisposição genética.

caes e cats da 2O clínico deve prestar atenção para não confundir a diabetes mellitus com outras doenças, devido à semelhança de seus sinais clínicos inespecíficos. Os sinais clínicos mais comuns de um paciente com diabetes são os 4 ‘P’s: poliúria (aumento da quantidade de urina), polidpsia compensatória (sede excessiva), polifagia (aumento do apetite) e perda de peso. É comum os proprietários se queixarem que o animal passou a urinar dentro de casa ou apresentou uma cegueira repentina devido à formação de catarata, a complicação mais comum no cão diabético. Devido ao comprometimento renal, o animal não consegue reabsorver a glicose levando a glicosúria (presença de glicose na urina). A incapacidade da insulina de remover o açúcar da corrente sanguínea provoca hiperglicemia e, portanto a glicose é eliminada em grande quantidade na urina.

caes e cats da 1O diagnóstico da Diabetes Mellitus requer a presença de sintomatologia característica associada a uma hiperglicemia de aparecimento agudo e persistente e de glicosúria. Alguns animais podem manifestar hiperglicemia em situações de estresse, no entanto, não apresentam glicosúria, nesse caso, o teste de frutosamina permite que o médico veterinário possa distinguir hiperglicemia ocasionada pela diabete mellitus ou por estresse.

Como forma de terapia, normalmente são instituídas aplicações de insulina modificações dietéticas, perda de peso em animais obesos, exercício moderado em cães, e medicamentos hipoglicemiantes orais em gatos. A abordagem para tratamento difere entre cães e gatos, em parte, porque a causa da doença pode ser diferente. O manejo bem sucedido ao paciente é definido pela manutenção de um peso corporal estável e melhora dos sinais clínicos, juntamente com a prevenção de cetose ou hipoglicemia. Pesquisas têm sido desenvolvidas no que se refere às terapias, visando proporcionar uma melhor qualidade de vida e maior longevidade aos pacientes.

(*) A Dra. Hannah Thame é Médica Veterinária e Mestre em Ciência Animal com ênfase em Sanidade Animal pela Universidade Estadual de Santa Cruz

Imprimir Imprimir | Enviar Enviar

Dê seu voto:

Leave a Reply

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
novembro 2018
D S T Q Q S S
« out    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930