hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Lídice prevê devastação da economia com fechamento da FAFEN

lidiceA senadora Lídice da Mata (PSB-BA) criticou, nesta terça-feira (20), em discurso no plenário, a decisão da Petrobrás em desativar a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados, a FAFEN, na Bahia e no Estado de Sergipe. Segundo ela, somente na Bahia, a resolução ameaça mais de mil trabalhadores e deve gerar um efeito devastador na economia nordestina.

Em comunicado, a estatal alegou um prejuízo de RS 200 milhões para encerrar as atividades da subsidiaria e a senadora disparou: “Eles alegam economia de recursos, mas gastaram mais de R$ 100 milhões em publicidade para tentar aprovar uma reforma que sequer foi submetida a votação, jogando dinheiro público no ralo”.

Para a socialista, o impacto econômico e social desta resolução terá um efeito devastador e fomentará o desemprego e o fechamento de outras fábricas que estão no entorno da FAFEN, que em território baiano está instalada no Polo Industrial de Camaçari há mais de 45 anos. “Enquanto os governos de Lula e Dilma estavam ampliando a produção e o parque industrial de fertilizantes pelo País, esse governo vem, por meio de Pedro Parente (presidente da Petrobrás), promover uma política ultraliberal e entreguista”, assinalou.

A líder do PSB no Senado foi aparteada pelo colega de bancada Otto Alencar (PSD-BA). Ele afirmou que o fechamento da FAFEN levará o Nordeste a uma dependência de importação de componentes para fertilizantes que abastecem a agroindústria. “Esse governo está entregando todos os ativos importantes para a iniciativa privada, com uma desculpa esfarrapada de prejuízo sem comprovar nada. Isso é uma discriminação contra o Nordeste”, denunciou.

Lídice lembrou que os fertilizantes são insumos essenciais à produção agrícola, sendo necessário tratar sua produção como questão de Segurança Nacional. “A parada da FAFEN-BA e das demais Fábricas de Fertilizantes do país, parte do plano de ‘desinvestimentos’ da Petrobrás, coloca em risco nossa Soberania Alimentar e o Agronegócio, uma vez que a produção agrícola passará a depender totalmente da importação de fertilizantes”, acrescenta.

A parlamentar recordou ainda que a FAFEN é responsável pela produção de 474 mil toneladas/ano de ureia, 474 mil toneladas/ano de amônia e 60 mil toneladas/ano de gás carbônico, tendo os dois primeiros, importância fundamental no desenvolvimento da agricultura e da pecuária no Brasil.

Entre 2003 e 2012, o consumo de fertilizantes no Brasil passou de 22,8 milhões de toneladas para 29,6 milhões, o que configurou crescimento de 30% no período. “O principal demandante é o Agronegócio, que é responsável por quase um quarto do PIB nacional”, acrescentou.

Imprimir Imprimir | Enviar Enviar

Dê seu voto:

Leave a Reply

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
março 2018
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031