hanna thame fisioterapia animal
bahiagas livros do thame

Gabo/Berrio/Macondo/Maracanã

 

Daniel Thame

 daniel charge cuba zapNa antológica abertura de Cem Anos de Solidão,  de Gabriel Garcia Marquez, Aureliano Buendia, diante do pelotão de fuzilamento,  lembra  o fascinante e distante dia em que o pai lhe apresentou o gelo, maravilha da humanidade naquele rincão perdido nos confins da Colômbia.

A narrativa é antológica, sinalizando o que o mundo conheceria e admiraria como o realismo fantástico de Gabo.

Na já antológica noite de 23 de agosto de 2017, um colombiano menos famoso chamado Orlando Berrio nos reapresentou a algo que estava perdido nos desvãos da memória de um futebol que era jogo, mas também era poesia: a magia do improviso, do drible desconcertante que destrói um esquema mecânico, monótono e previsível.

Flamengo e Botafogo faziam um daqueles jogos modorrentos, típicos do futebol atual, onde o importante é se defender e se der ou quando der, atacar. Meio de campo congestionado, goleiros sem serem incomodados e o indefectível cheiro de 0x0.

E eis que no ex-Templo do Futebol, hoje mais um exemplo do tributo ao deus corrupção,  o Maracanã foi apresentado ao gelo.

Como se Garrincha, numa dessas molecagens do destino, resolvesse reencarnar por um átimo de segundo no estádio onde foi rei e menino travesso, e trazer um pouco de luz naquela escuridão de futebol.

E, noutra trapaça do destino,  reencarnar no time errado, botafoguense que foi, e ainda por cima num colombiano com pinta de milongueiro e estampa de dançarino de tango. Ou de cumbia. Ou seria de samba? Orlando Berrio.

Berrio estava pronto para ser substituído e recebeu uma bola na lateral. Lance comum.

Ninguém no Maracanã esperava nada da jogada  e o próprio Berrio poderia ter se livrado na bola e saído de um jogo do qual ninguém se lembraria daqui a uma semana.

berrioMas Berrio (Garrincha?) produziu o lance a ser lembrado daqui a Cem Anos (de Solidao). Um drible tão desconcertante quando indescritível, que resultou no passe perfeito para o gol de vitória.

Filho eis o Gelo!

Maravilhem-se todos pois esse é um daqueles raros momentos que vão para a eternidade.

O divino, o imponderável, o fantástico, o genial, a irreverência  gerados num pedacinho de gramado transformando em latifúndio.

Meninos eu vi, dirão daqui pra frente os que estiveram no Maracanã. E os que não estiveram, testemunhas multiplicadas aos milhões. Macondo é o universo.

Aproveitemos o gelo.

Congela, eterniza a imagem.

O resto, o gol, a vitória,  a classificação do flamengo para a decisão da Copa do Brasil contra o Cruzeiro, são meros detalhes.

Eterno é Berrio,  numa obra de arte que Gabo assinaria.

Maracanã, Macondo.

Na magia de um drible esse mundo de merda ainda pode ser uma alegre Bola de Futebol.

Imprimir Imprimir | Enviar Enviar

Dê seu voto:

Leave a Reply

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
agosto 2017
D S T Q Q S S
« jul   set »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031