hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Kauã e Iacina uma encantada história de amor

Gerson Marques

gerson marquesQuando o português Pero  Magalhães Gândavo chegou a Lagoa de Itaípe em fevereiro de 1570, ficou completamente extasiado com a beleza do lugar, chamou de “mar de dentro” tamanha eram as águas da lagoa, sua  extensão e beleza.

Gândavo estava com Felisberto Lisboa, seu imediato auxiliar, oficial do exército português encarregado de lhe acompanhar, a viagem de Gândavo era uma missão de prospecção a serviço da Coroa de Sebastião I, o objetivo era registrar e relatar a vossa alteza, tudo sobre as terras de Santa Cruz, a mais nova e mais desconhecida descoberta lusitana, o Novo Mundo português.

A Vila de São Jorge dos Ilhéus já era habitada por duas dúzias de portugueses, uns oito padres e cinquenta e dois índios catequizados, foram eles que levaram Gandâvo e Felisberto até a Lagoa que os portugueses já chamavam de Encantada.

A viagem foi em parte a pé e depois em canoa, a lagoa era terra dos índios Tupinambás de comportamento imprevisível, no entanto, amigos dos padres jesuítas, que já andavam por aquelas paragens catequizando os ribeirinhos. Situada ao norte de Ilhéus umas três léguas, existiam na lagoa duas pequenas aldeias, uma com oito ocas e uns cem índios, contando as crianças, que se chamava  Patiti, e outra um pouco menor, chamada de Aldeia Pequena, viviam todos da pesca e caça, além dos roçados. Junto aos índios vivia também uma família mestiça, formada por um francês já idoso, que fora deportado e abandonado na costa por um navio corsário, trinta anos antes da chegada de Gândavo, casado com uma índia da nação Botocudo, tinham oito filhos entre eles um cego de nascença de nome Çaaci, moravam em uma choupana fora do núcleo da aldeia, também na margem da Lagoa, eram no entanto, integrados ao cotidiano dos demais índios da Aldeia Patiti.

A história que vou contar não está no livro “Tratado da Terra do Brasil, História da Província de Santa Cruz” que Pero Gândavo publicou depois que voltou a Portugal, trata-se do casamento da filha do Cacique da Aldeia Patiti com o filho do Cacique da Aldeia Pequena, me foi contada ao pé de ouvido por gente antiga que morou e morreu na Lagoa, que por sua vez ouviu de outros ainda mais antigos, uma história oral que será escrita pela primeira vez.

lagoa encantada (2)Desde criança o índio  Çaaci, já apresentava um comportamento diferente,  apesar de cego enxergava mais que qualquer um da aldeia, tinha a capacidade de saber onde estavam as pessoas e os bichos mesmo muito distante ou na escuridão da noite, dizia onde estavam os peixes no fundo da lagoa, conversava com as árvores de quem, dizia ele, recebia informações sobre o tempo e a saúde das pessoas, também falava com animais, que em sua presença tinha um comportamento dócil e manso, chamava qualquer ave do céu até sua mão, fui iniciado por um velho pajé ainda muito novo no complexo mundo espiritual dos Tupinambás, apesar de jovem era um curador reconhecido e procurado até pelos brancos, teria espantado os padres jesuítas ao curar um deles, em estado leproso que vivia isolado dos demais há muitos anos, usando somente água.

Alguns dias depois da chegada de Gândavo, uma grande festa de casamento estava marcada, a filha do Cacique Kaluanã da aldeia onde estava o português, Iacina, casaria em dois dias com o filho do Cacique Aruanã da Aldeia Pequena, um jovem guerreiro de nome Cauã.

Era tradição fazer o casamento na aldeia da noiva, uma comitiva com os irmãos da Iacina, buscaria Cauã em sua aldeia, Gândavo pediu para ir junto a eles na travessia de busca do noivo, no dia seguinte partiram logo cedo, a viagem durava meio dia de navegação a remo para ir e mais meio dia para voltar.

Foram recebidos com festa na Aldeia Pequena, comeram peixe e farinha de mandioca e tardaram mais que deveriam para fazer a jornada de volta, no fim da tarde juntaram cinco canoas com o noivo Cauã e seus parentes iniciando a travessia,  chegando o início da noite ainda estavam em alto lago quando foram surpreendidos pela mudança do vento, logo as ilhas flutuantes, fenômeno único nessa lagoa, por isso mesma batizada pelos portugueses de Encantada, fechou o caminho das canoas impedindo a viagem, caiu a noite e apesar de muito esforço, não houve como avançar.

Os índios das duas aldeias demostravam muito medo, falavam o tempo todo de um monstro chamado Arikonta que vivia nas ilhas flutuantes.

A noite escura sem lua, tornava tudo mais assustador, já tarde da noite um barulho tenebroso colocou todos em pavorosa situação, um segundo barulho ainda mais próximo revelou o monstro Arikonta com seus gigantescos  tentáculos como um povo marinho, uma enorme cabeça de touro com muitos chifres e uma boca pavorosa, avançou no escuro para cima da canoa onde estavam Gândavo e o jovem Cauã, arrancando o noivo de Iacina da canoa e desaparecendo com ele no matagal de ilhas flutuantes, tudo muito rápido e assustador como um trovão.

De sua choupana Çaaci acordou com a nítida imagem de tudo que estava acontecendo, correu para margem da lagoa, pós a mão direita sob à água e provocou uma enorme tempestade, ondas se fizeram do nada agitando toda lagoa, ventos em fúria soprou por todos os lados, as ilhas flutuantes imediatamente se abriram libertando as canoas prisioneiras, assustados puseram-se os remadores em tamanha velocidade a remar que em pouco tempo já chegaram a margem da Aldeia Patiti onde Çaaci os esperava sentado em uma pedra.

Toda a aldeia correu para o local, logo a notícia do desaparecimento de Cauã levado pelo monstro Arikonta chegou aos ouvidos de Iacina, que prostrou-se a chorar um pranto tão sentido que causou profunda comoção nos presentes, Çaaci foi até ela e disse que ele estava vendo seu jovem noivo na barriga do monstro, mas nada podia fazer, a noiva em desespero pediu então a Çaaci para ir ter com seu amado na barriga da fera, todos ficaram assustados e clamaram para que este pedido da jovem índia não fosse aceito, Iacina então implorou ao pai cacique  que mandasse Çaaci atender o seu pedido, Kaluanã não aceitou, Iacina então se jogou no lago e pois a nadar com tamanha fúria que logo se distanciou, todos puseram-se em desespero implorando que voltasse, Çaaci deu dois passos para dentro do lago apontou a mão em direção a Iacina que já ia longe e a transformou em uma sereia, que logo mergulhou desaparecendo no fundo da lagoa.

Ainda hoje, contasse na região que ela habita as profundezas daquela linda lagoa junto a pequena ilha de nome Arigoá, onde, ocasionalmente pode ser vista em noite de lua entoando antigos cantos de seu povo que também já desapareceu.

Gândavo e Felisberto ainda ficaram por ali alguns dias, em seu livro publicado em 1577 em Lisboa, o escritor português relata a existência de tubarões, peixe boi e outros monstros na Lagoa Encantada, mas nada diz sobre Çaaci, Iacina e Cauã.

 Gerson Marques  é presidente da Associação dos Produtores de Chocolate do Sul da Bahia

 

Imprimir Imprimir | Enviar Enviar

Dê seu voto:

Leave a Reply

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
agosto 2017
D S T Q Q S S
« jul    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031