hanna thame fisioterapia animal
livros do thame

Archive for maio 13th, 2017

Sem cura

Roseli Arrudha

roseli arrudha

O que às vezes me magoa

é o pensamento caído

como um trinado

entristecido

como uma asa curta

que não voa.

E quase sem perceber

caio à míngua

levada por esse desespero

secreto

de querer encontrar

um vocábulo completo

para uma dor que

não chega-me à língua.

Vendo o martírio

das criaturas

não encontro calma

e talvez seja esse o meu

maior defeito

a consciência de que o

mundo anda doente do peito

e sem cura agoniza dentro

da minha alma.

Buena Fe e Silvio Rodríguez – La tempestad

As dietas e o comportamento alimentar

Andrea Spier

 andrea FTCEsse nome pequenininho já dá o que falar, pensar e para muitos ….sofrer!!!! É isso mesmo, quantas pessoas você já ouviu dizer que estão de dieta, que vai começar uma, e que a segunda-feira lhe espera?? Ou, em um encontro com amigos ou família nega o prato principal, ou pior… a sobremesa, por que está de …dieta!!!

Nós nutricionistas e outros profissionais da saúde temos acompanhado muitas pessoas que deixam de conviver socialmente por causa das dietas, ou fazem delas um estilo de vida, ou submetem-se a elas devido a imposição estética do mundo midiático, afinal quem não quer “secaaar”? e para isso cumprem as chamadas dietas da moda. A saber, a da lua, sopa, sangue são passado…no momento vingam a Low Carb High Fat(LCHF); jejum intermitente, cetogênica, whole30, 5S, entre outras..!! No entanto, essas pessoas vão seguindo com um descontrole emocional para alcançarem seus objetivos a qualquer custo e preço como se houvesse um único padrão de beleza, até por que querem uma perda de peso rápida com resultados imediatos.

Devo chamar atenção que dietas restritivas, não trarão êxito e podem ser responsáveis por desencadear transtornos alimentares (anorexia e bulimia) principalmente em adolescentes, em uma época de terrorismo nutricional em que nada pode, influenciados pelo mundo à parte de redes sociais como o Facebook e Instagram, chamo atenção dos pais para verificarem como está o comportamento alimentar dos seus filhos adolescentes.

Mediante  todas essas circunstâncias me pergunto onde está a saúde??

Segundo Canesqui e Garcia(2005), comer envolve seleção, escolhas, ocasiões e rituais. Envolve também sociabilidade, ideias e significados, e como deixar tudo isso de lado ao cumprir dietas?? Quem sabe a saída não seja encarar tudo isso de forma mais leve a começar por retirar a expressão “dieta” do cardápio?  Tudo é mais simples do que parece, escolher melhor os alimentos, ou seja, preferir os mais naturais/integrais evitando os industrializados, ter equilíbrio e moderação, realizar uma atividade física que goste, desfrutar de uma boa noite de sono, isso sim é sinônimo de saúde, é tão mais simples!!!

É certo que mudar o estilo de vida muitas vezes é necessário para prevenir ou tratar doenças, mas nosso organismo é ótimo para se adaptar ao que faz bem a ele, os benefícios dessa mudança serão muitos e você perceberá os resultados!!! Ouça seu profissional de saúde, que é quem cuida de você, não se deixe influenciar por produtos que prometem milagres, ou por modismos!!! Sabemos que é difícil, até a música -Trem Bala- ganhou versão “Fit” mas quem ainda está sofrendo por que tem que fazer dietas, e não se permite saborear um docinho,  está no caminho errado! Planos alimentares ideais são aqueles que permitem mudanças sustentáveis, ou seja, são viáveis de serem executados, lhe darão autonomia alimentar, serão para sempre e sem sofrimentos. Bom, esse texto tem como finalidade repensarmos sobre nosso comportamento alimentar, cada um é um ser único, mas sobre isso falaremos em outro momento.

Que esse domingo de dia das mães, seja cheio de significados, que as preparações servidas representem o amor e que se fortaleçam os vínculos! Sem radicalismos ou exageros que seja um encontro de alegria à mesa !!! A todas as mães um abraço bem nutrido e um especial para a minha mãe é claro!!

Brasileirão ou Brasileirinho?

Daniel Thame

 daniel thame FlicaComeça neste final de semana o Campeonato Brasileiro de 2017, que os exagerados chamam de Brasileirão e os mais exagerados ainda chamam de maior campeonato de clube do mundo.

A menos que os campeonatos da Inglaterra, Espanha, Alemanha e até da Itália sejam disputados em outro mundo e a Champions League em outra galáxia, a megalomania é digna de certos juízes que mourejam na nessa republiqueta bananeira.

O Campeonato Brasileiro (não chega a ser um brasileirinho, façamos a concessão) pode ser um dos mais equilibrados do planeta, mas isso não tem nada a ver com o poderia técnico dos clubes que o disputam.

Ao contrário, o equilíbrio se dá justamente porque temos até bons times como o Palmeiras, o Flamengo, o Santos, o Atlético Mineiro; times equilibrados como Cruzeiro, Corinthians, Fluminense, Grêmio e Atlético Paranaense;  mas não temos nenhum super time, desses que despontam como favoritos.

Nenhum time em que o torcedor saiba a escalação de cor.

Nenhum fora de série, a menos que se entenda Guerrero, Lucas Limas, Robinho, Fred, Diego, Guerra, Cueva como foras de série.

O desempenho dos times  brasileiros na Libertadores, em que a classificação de quase todos para próxima fase virá mais pela mediocridade dos adversários que pela qualidade demonstrada até aqui, é um sinalizados de quantas anda (ou não anda) o futebol brasileiro. O “poderoso”  Palmeiras andou perdendo até para times marca bufa da Bolívia e o Gremio para times igualmente marca bufa do Chile.

Na Sulamericana, o Fluminense suou sangue para passar pelo Liverpool, não o inglês, mas o genérico uruguaio, o Cruzeiro caiu diante de um timeco paraguaio e pior ainda fez o outrora glorioso São Paulo, eliminado em pleno Morumbi pelo Defensa y Justicia (quem?), time molambento que estava fazendo sua primeira partida internacional fora da Argentina.

O fato é que nossos times só conseguem contar com veteranos que já não tem mercado na Europa ou na China, uruguaios, argentinos, paraguaios, chilenos, peruanos e venezuelanos por quem europeus e chineses não se interessam e promessas que não passam disso, promessas.

Esse bolodório todo significa que o Campeonato Brasileiro será um retumbante fiasco?

Não necessariamente.

O tal equilíbrio entre os times, lampejos de craque de alguns jogadores acima citados e a paixão do torcedor pelo seu time (seja ele formado por gênios da bola ou notórios pernas de pau) pode garantir um campeonato que ainda que não seja um primor de técnica, nem por isso será menos emocionantes, numa luta ferrenha pelo título na parte de cima e contra o rebaixamento na parte de baixo da tabela.

-0-0

É gol- Real Madri e Juventus farão a final da Champions League.  Justo, justíssimo. Um ataque avassalador contra uma defesa quase intransponível. Cristiano Ronaldo x Buffon. Imperdível.

É pênalti- O juiz vibrou mesmo com o gol do Flamengo na decisão do Carioca? Tempos estranhos, tempos estranhos no mundo da bola. Só da bola?

Crimes contra a honra

Débora Spagnol

 debora 2“Bolo de banha” foi o termo utilizado por uma juíza federal carioca como ofensa ao porteiro do prédio onde mora através de mensagem enviada à síndica – que se encarregou de espalhar o conteúdo ao demais moradores. O destempero da magistrada resultou em condenação por danos morais no valor de R$ 10 mil, tendo sido reconhecido dolo indireto ao lançar a ofensa, com a clara intenção de puni-lo em razão da desídia apresentada no trabalho.

De forma simples, dano moral pode ser definido como representativo de uma lesão a bens e interesses jurídicos imateriais, ao direito de personalidade, a saber: “o direito à vida, à integridade física (direito ao corpo, vivo ou morto, e à voz), à integridade psíquica (liberdade, pensamento, criações intelectuais, privacidade e segredo) e à integridade moral (honra, imagem e identidade)” (Pablo Stolze Gagliano).

A condenação em danos morais pela violação dos direitos de personalidade apresenta dupla finalidade: constitui verdadeira compensação do sofrimento suportado pela vítima e sanção ao ofensor, com caráter claramente educativo.

Read the rest of this entry »

Síndrome da Visão do Computador

Dr. Lucas Vita

Dr Lucas Vita HOBRO uso do computador tem aumentado consideravelmente na ultima década. Em 1990 eram cerca de 40 milhões, em 2014 já chegava a 2 bilhões. Nos últimos 40 anos tem se realizado estudos sobre as alterações que os usuários de computador apresentam após horas de trabalho na frente da tela.

Entre elas encontram-se sintomas como: fadiga visual, dor ocular, queimação ocular, visão turva, ardência, lacrimejamento, dentre outras. O conjunto desses sintomas foi denominado Síndrome da Visão de Computador.

A síndrome é o conjunto de problemas visuais e oculares relacionados ao uso prolongado do computador, sendo os mais frequentes: fadiga ou cansaço visual, ardor ou queimação ocular, lacrimejamento, dor de cabeça, visão borrada, olhos secos, dor na nuca, espasmos musculares.

O trabalho no computador força os olhos a trabalharem constantemente com a visão de perto, ativando o sistema acomodativo para conseguir focar e fundir as imagens! Diferente da leitura no papel onde a imagem é estática, definida e tem fundo que oferece um bom contraste, na tela de computador as letras são compostas de pequenos pontos que apresentam brilho maior no centro e que diminuem em direção as bordas. Por esse brilho não ser definido, o olho humano tem maior dificuldade para focar os caracteres, levando a alguns desses sintomas.

Outro fator importante é o fato de ficar fixo por muitas horas na frente do computador, o que faz com que o reflexo de piscar diminua muito, ocasionando uma menor lubrificação ocular e aumentado os sintomas.

Para diminuir os sintomas e desconfortos causados pelo trabalho excessivo a frente do computador, recomenda-se piscar os olhos com frequência, -posicionar, o monitor a uma distância de 50-60 centímetros, posicionar a tela abaixo da linha dos olhos, iluminar bem a sala, manter a tela do computador limpa, para cada hora de trabalho, descansar cinco minutos olhando para algo distante, uso de óculos corretos, se possível com antirreflexo, euso de lubrificantes oculares

É importante ficar atento aos fatores que podem piorar o quadro, como poluição, ar condicionado, medicamentos anti-histamínicos, pílulas anti concepcionais, uso prolongado de lentes de contato, todos relacionados ao olho seco que piora na frente do computador. Recomenda-se também consultas periódicas ao oftalmologista para que se possa fazer o diagnostico, bem como orientar o melhor tratamento para cada caso.

 O Dr. Lucas Vita é oftalmologista do Hospital de Olhos Beira Rio, nas áreas, clínica e cirúrgica

Já que Moro foi pífio em Curitiba, restou à mídia usar Marisa para transformar Lula no viúvo do mal

Por Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo

kiko 2A nova estratégia de demonização de Lula passou a ser acusá-lo de culpar Marisa Letícia por seus crimes.

Na audiência com Moro, Lula afirmou que, enquanto ele havia descartado a compra do triplex no Guarujá, Marisa relutava.

“Eu não ia ficar com o apartamento, mas a dona Marisa ainda tinha dúvida se ia ficar para fazer negócio, ou não”, falou. Moro perguntou se ela decidiu não ficar. “Não discutiu comigo mais”, foi a resposta.

E daí?

A síntese do Jornalixo

A síntese do Jornalixo

E daí nada, mas já que estamos na lama, haverá sempre porcos e uma farta distribuição de lavagem.

Nordestino, nove dedos, bêbado, analfabeto, ladrão, infiel, criador de filhos bandidos, assassino de Celso Daniel…

Faltava o viúvo safado que se aproveita da falecida. Não falta mais.

Essa exploração dá bem a medida do quanto o depoimento de Lula a Moro foi frustrante para quem esperava que o juiz esmagasse o ex-presidente.

Ao longo de cinco extenuantes horas, Moro e sua patota do MPF não apresentaram nem uma mísera prova. Moro ainda fez, à margem da lei, questionamento a respeito de outros inquéritos, mentiu sobre a relação umbilical com a imprensa, abusou porque pode tudo.

Levou um sabão histórico nas considerações finais. Na GloboNews, o time de Camarotti e Catanhêde não tinha como esconder a tristeza. No Jornal Nacional, o clima era de fim de feira.

Restou a uma mídia que não se cansa de apelar para os baixos instintos a miséria de usar Marisa para atingir Lula.

A capa da Veja traz Marisa Letícia num retrato em fundo rosa, a face dela com photoshop na sobrancelha no estilo rainha diaba.

Giancarlo Civita, o herdeiro de Roberto, vai se provando à altura do pai no que este tinha de mais desprezível, uma espécie de Michel Temer dos empresários da imprensa — sem carisma, sem talento, cumpridor de serviço sujo que age na sombra.

capas

O cordão da baixaria foi engrossado por Geraldo Alckmin, o Santo da Odebrecht. “Ter jogado a culpa na esposa falecida é algo inaceitável, inaceitável”, disse o tucano, balançando a calva.

É um golpe baixo, mesmo para os padrões dele, e ajuda a explicar por que o PSDB vive na draga nas sondagens presidenciais. É a mesma lógica oportunista que levou o partido que perdeu nas urnas em 2014 a se aliar à escória do PMDB.

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, uma das estrelas do elenco da força tarefa que estava presente ao interrogatório de Lula, também resolveu se aproveitar da onda.

“No geral, eu não vi nenhuma consistência nas alegações. Infelizmente, as afirmações em relação à Dona Marisa a responsabilizando por tudo é um tanto triste de se ver feitas nesse momento até porque, como o ex-presidente disse, ela não está aí para se defender”, disse.

Ora, o sujeito investiga Lula há três anos, não apresenta uma evidência de que o apartamento pertença ao réu — e, instigado pelo Estadão, se defende de sua inépcia atacando Lula com um julgamento moral e uma fofoca.

Marisa não foi absolvida por Sergio Moro depois de morta, como explicou Joaquim de Carvalho no DCM. Os mesmos que a achincalharam quando de seu AVC agora simulam solidariedade e compadecimento.

Vera Magalhães, pitbull da Jovem Pan que foi casada com um assessor de Aécio Neves e que divulgou, entre piadas, vídeos da corja que invadiu a garagem de José Dirceu para linchá-lo, chegou a tirar da manga o termo “sororidade”.

Noves fora o processo kafkiano e o pântano em que estamos metidos, o que a aliança da mídia com a Lava Jato conseguiu produzir, até agora, foi a alavancagem do nome de Lula nas pesquisas para as eleições de 2018.

Ninguém normal gosta de ver uma perseguição abjeta.

Eis a única certeza que existe até agora — além da que essa canalha sempre pode piorar.

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
maio 2017
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031