hanna thame fisioterapia animal
prefeitura itabuna coronavirus 155 bom petiscos livros do thame

F…, mas sem dinheiro público

Não sei se eu lavo, ou se eu cozinho. Dá um belo axé…

O Fantástico exibiu ontem uma reportagem sobre o projeto da deputada estadual Luisa Maia (PTBahia) que proíbe a contratação de bandas de axé e pagode que tocam musicas de duplo sentido, em eventos patrocinados pelo Governo do Estado.

 

A justificativa da deputada é que letras como “foge”  Mulher Maravilha, “meu pepino é muito grande”, “minha cachorrinha” e outras preciosidades agridem a dignidade da mulher. Além, é claro, de agredirem os ouvidos.

 

Após a exibição da reportagem, o Fantástico fez uma enquête para saber o que os telespectadores achavam da proposta da deputada. 56% se mostraram favoráveis e 44% contrários.

 

Nem tudo está perdido.

 

A Mulher Maravilha pode até f… com o Super Homem. Mas para f… com o dinheiro público, bastam algumas de nossas autoridades brasilienses e de outras plagas brasilianas.

Imprimir Imprimir | Enviar Enviar

Dê seu voto:

2 Responses to “F…, mas sem dinheiro público”

  • Sou contra a censura, afinal é uma manifestação artística de qualquer forma…mas acorda Brasil…violência contra a mulher tá na cara do Brasil e principalmente da Bahia tds os dias…tá na hora de alguma ação…

  • Lucas Dagar disse:

    Não gosto desse tipo de música, nem as que não tem duplo sentido, mas acho que isso pode ser um primeiro passo para o retorno da censura. Tem quem goste, ninguém é obrigado a ir a uma festa para ouvir, então acho esse projeto uma tremenda bufada na farofa.

Leave a Reply

Daniel Thame
Daniel Thame, jornalista no Sul da Bahia, com experiência em radio, tevê, jornal, assessoria de imprensa e marketing político danielthame@gmail.com

Busca por data
agosto 2011
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031